A ESCRITA INICIAL DE UMA CRIANÇA SURDA COM Queiroz... · valorização do método fônico nas atividades

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A ESCRITA INICIAL DE UMA CRIANÇA SURDA COM Queiroz... · valorização do método fônico nas...

  • UNIVERSIDADE DE BRASLIA

    FACULDADE DE EDUCAO

    A ESCRITA INICIAL DE UMA CRIANA SURDA COM IMPLANTE COCLEAR

    Esmeralda Figueira Queiroz

    Braslia

    2008

  • ii

    UNIVERSIDADE DE BRASLIA

    FACULDADE DE EDUCAO

    A ESCRITA INICIAL DE UMA CRIANA SURDA COM IMPLANTE COCLEAR

    Esmeralda Figueira Queiroz

    Dissertao apresentada Banca Examinadora, como

    requisito para obteno do ttulo de Mestre em

    Educao pela Universidade de Braslia, sob a

    orientao da Prof Dra. Celeste Azulay Kelman.

    Braslia

    2008

  • iii

    UNIVERSIDADE DE BRASLIA

    FACULDADE DE EDUCAO

    A ESCRITA INICIAL DE UMA CRIANA SURDA COM IMPLANTE COCLEAR

    Esmeralda Figueira Queiroz

    BANCA EXAMINADORA

    ___________________________________ Prof Dr Celeste Azulay Kelman

    (Orientadora)

    __________________________________________

    Prof Dr Albertina Mitjns Martinez (FE - UnB)

    ___________________________________________

    Prof Dr Diva Maria M. de Albuquerque Maciel (Membro Externo - IP-UnB)

    __________________________________________

    Prof Dr Maria Carmen Villela Rosa Tacca

    (Membro Suplente - FE-UnB)

  • iv

    Se perdermos de vista os elementos da situao, estaremos to pouco aptos a

    compreender a enunciao como se perdssemos suas palavras mais importantes.

    Bakthin

  • v

    Ao meu filho, Ciro.

  • vi

    AGRADECIMENTOS

    A Deus, pela ddiva da vida. Ao Sagrado Corao de Jesus a quem consagro o meu corao

    a cada dia.

    Aos meus pais, Thom e Euterpina, porque so incansveis na dedicao e zelo pelos

    filhos.

    Aos meus irmos, Z, Jules, Dininha, Antnio de Pdua, Fred e Queiroz pelo apoio a cada

    passo da minha caminhada. Ao Z, pelos infindveis favores. memria do Vasquinho.

    Ao Ciro pela companhia em todos os momentos.

    minha querida orientadora, Prof Celeste, pela grandeza da sua sabedoria, pelo apoio e

    referncia que para mim.

    querida professora Albertina, porque me tomou pela mo, me acolheu e muito me

    ensinou com carinho e criatividade.

    Prof Diva, Prof Albertina e Prof Carmen por terem aceitado compor a banca

    examinadora.

    Prof Carmen, Prof Elizabeth Tunes, Prof. Renato Hilrio (meu amigo), Prof Benigna,

    Prof Stela Maris e demais professores do mestrado, que em suas disciplinas contriburam

    na construo do meu conhecimento.

    Aos participantes desta pesquisa. Em especial ao Vtor, que marcou a minha vida

    profissional desde os seus primeiros meses. E neste reencontro aguou o meu olhar para a

    cincia, ao mesmo tempo em que me inspirou e me sensibilizou ainda mais para as

    complexas questes da surdez.

    s colegas da UnB Snia, Helen, Penlope, Edeilce, Tuxi, Mirelle, Betnia, Geandra,

    Patrcia Raposo, Ana Lusa, Cristina, Maristela, Maria Eleusa pelo apoio e contribuies

    valiosas.

    tia Cremilda pela doce presena em todos os momentos da minha vida.

    minha amiga Denise Nvia, pelo privilgio da amizade de tantos anos.

    Aos meus amigos do Ceal porque so pessoas que me so caras.

    Ao Pe. Gabriel pela alegria e conforto da amizade e exemplo de sabedoria e simplicidade.

  • vii

    RESUMO A investigao que se apresenta trata de um estudo sobre a construo da escrita inicial de

    uma criana surda com implante coclear. O sujeito deste estudo um menino de sete anos,

    filho de pais surdos e com surdez profunda congnita. Recebeu o implante aos quatro anos,

    quando j era fluente em LIBRAS (Lngua Brasileira de Sinais), uma vez que esta era a sua

    lngua materna. Matriculado em escola regular, o seu processo de alfabetizao orientado

    pela metodologia oralista, a qual renuncia utilizao dos sinais neste processo. Estudos

    sobre implante coclear so recentes no Brasil, mas versam basicamente sobre

    (re)habilitao auditiva. Entretanto, estudos sobre as implicaes pedaggicas do implante

    praticamente inexistem. Alguns estudos (estrangeiros) divulgam os benefcios deste

    dispositivo e o sucesso escolar de seus usurios. A experincia visual um fenmeno

    importante na surdez e deve ser explorado nas classes inclusivas. A partir da teoria

    histrico-cultural do desenvolvimento humano, a escrita entendida como um elemento

    cultural de aprendizagem social. Os resultados deste estudo apontam que outros fatores

    merecem ser considerados quando a criana que recebe o implante j tem a Lngua de

    Sinais. A investigao proposta, com delineamento de estudo de caso, demandou

    observaes diretas na sala de aula, com foco nas atividades de escrita e a anlise

    microgentica destas produes, assim como a anlise de entrevistas com seus pais e

    professoras. A anlise dos dados permitiu a construo de trs categorias referentes

    escrita do sujeito desta pesquisa: desenho, escrita espontnea e escrita dirigida. Os

    resultados apontaram para o lento desenvolvimento da escrita do sujeito devido

    valorizao do mtodo fnico nas atividades de sala de aula, gerando um desinteresse,

    apesar da sua curiosidade intelectual. Estratgias de comunicao multimodal poderiam

    promover aprendizagem da criana surda, bem como tambm desencadear aprendizagem

    colaborativa com seus pares ouvintes, gerando construo compartilhada de significados.

    Conclui-se que apesar da Lngua de Sinais no ser o elemento semitico que medeia o

    processo de escolarizao da criana investigada, ela constitui o seu principal instrumento

    de pensamento e resiste a todas as formas de sua negao. O menino sinaliza enquanto

    realiza suas tarefas e ensina sua lngua aos colegas e professora. A discusso dos dados

  • viii

    construdos prope que uma educao bilnge, reconhecendo e usando a lngua de sinais,

    atenderia melhor s singularidades da criana pesquisada.

    Palavras-chave: escrita, surdez, implante coclear,lngua de sinais, educao bilnge.

    ABSTRACT

    This research deals with a study on the construction of the initial writing of a deaf child

    with cochlear implant. The subject of this study is a seven-years-old boy, congenital deaf

    and son of deaf parents. He received the cochlear implant when he was four years old, and

    already fluent in LIBRAS (Brazilian Sign Language), its maternal language. Registered in

    regular school, its process of reading and writing was guided by the oralist methodology,

    which resigns the use of sign in this process. Studies on cochlear implant are recent in

    Brazil, but they emphasize basically on aural rehabilitation. However, studies on the

    pedagogical implications of the implant practically inexist. Some studies from other

    countries relate the benefits of this device and the achievement of academic success of its

    users. Visual experience is an important phenomenon on deaf people and must be explored

    in inclusive classrooms. From the historical-cultural perspective of human development,

    writing is understood as a cultural element of social learning. The results of this study point

    out that other factors deserve to be considered when the child who receives the implant is

    already a signer. This research has a case study delineation and demanded direct comments

    in the classroom, with focus on the activities of writing. The microgenetic analysis of these

    productions, as well as the analysis of interviews with parents and teachers allowed the

    construction of data within three referring categories: drawing, spontaneous writing and

    directed writing. The results had pointed that the slow development of the writing of the

    subject was due to literacy process been constructed based on the phonic method in the

    activities of classroom. This situation generated low attention level, although he has a

    strong intellectual curiosity. Strategies of multimodal communication could promote

    learning of the deaf child, as well as cooperative learning with his hearing peers,

  • ix

    generating shared construction of meanings. One concludes that although Sign Language is

    not to the semiotic element which mediates the process of schooling of the investigated

    child, it constitutes his main instrument of thought and resists in all ways to its negation.

    The boy signs while he carries through his tasks and he teaches sign language to his peers

    and teacher. Data constructed propose that a bilingual education, with the recognition and

    use of sign language would take better care to the unique writing development of the

    mentioned child.

    Key word: writing, deafness, cochlear implant, bilingual education.

  • x

    SUMRIO

    AGRADECIMENTOS.....................................................................................................vi

    RESUMO.........................................................................................................................vii

    ABSTRACT....................................................................................................................viii

    INTRODUO...............................................................................................................11

    I FUNDAMENTAO TERICA

    Captulo 1 Contribuies da Teoria Histrico-Cultural para a Educao da

    Criana Surda...................................................................................................................14

    Captulo 2 A Educao dos Surdos.............................................................................25