Animal Lovers

Embed Size (px)

Text of Animal Lovers

2009 1

PLANO DE NEGCIO PARA ABERTURA DA ''ANIMAL LOVERS EM CURTIBA Monografia submetida ao curso de Cincia Econmicas Federal de da Santa Universidade Catarina como requisito obrigatrio para obteno do grau de Bacharelado rea de pesquisa: Planejamento estratgico Entrada na Secretaria do Departamento de Economia Em ____/___/____ Curitiba 2009 2

Orientador: Prof. Joo Randolfo Pontes

AGRADECIMENTOS Ao iniciar meus estudos na Universidade Federal de Santa Catarina no imaginei o que viria pela frente, foram muitos anos, at demais, mas no posso me queixar de todo este tempo que passei aqui. Sempre sonhei com este momento de estar escrevendo minha monografia para concluir minha graduao, coisa que encher meus pais de orgulho, j que eles nunca puderam se formar e sempre dispuseram tudo que fosse necessrio para eu poder entrar nessa universidade e me manter nela. Por isso devo agradecimentos aos meus pais primeiramente que sempre me suportaram e me apoiaram nas horas difceis, ao corpo docente que me ensinou tudo que sei hoje sobre economia; muitos deles no esto mais aqui, mas em especial ao professor Idaleto, que me ajudou em 2003 quando me acidentei e ao professor Pontes por ter me mostrado o caminho para a concretizao deste trabalho. Espero que este trabalho seja mais uma oportunidade para que eu possa expandir o negcio da minha famlia, j que tudo que conquistei at hoje devo a eles. Logo no comeo da graduao percebi que atuar como economista no seria meu foco, pois sempre tive o estilo empreendedor e aventureiro, este um dos fatores pelo qual demorei a me formar, mas que renderam bons contatos fora do pas e experincia de vida. Contudo, o meu interesse pelo mundo econmico sempre esteve acima de tudo, um dos fatores pelo qual eu escolhi o curso de economia para estudar. 3

RESUMO Este plano de negcio tem por objetivo obter informaes necessrias para a abertura da nova Pet Shop Animal Lovers, anexo ao Supermercado Imperatriz do Agua Verde, abordando os pontos fundamentais para o sucesso desse empreendimento. A atual Pet Shop Animal Lovers localiza-se no Agua Verde, muito prximo do futuro lugar. O Agua Verde possui uma caracterstica diferenciada no continente da Grande Curitiba, destaca-se pelo seu forte comrcio e tambm um bairro de passagem por possuir vias de rpido acesso interligando bairros vizinhos. O Carrefour o principal da regio, sendo o ponto de compra de famlias que moram no Agua Verde, Jardim Atlntico, Balnerio, Barreiros e Bairro de Ftima; l circulam em mdia 3.000 pessoas diariamente, razo pela qual foi o lugar escolhido para se instalar a nova loja. Palavras - Chave: 1- Plano de Negcio 2- Pet Shop 3- Localizao 4- Diferenciao 4

LISTA DE FIGURAS Figura 3.1 Levantamento Estatstico da produo............................................38 Figura 6.1 Layout ou arranjo fsico....................................................................66 5

LISTA DE GRFICOS Grfico 4.1 Freqncia de pessoas que possuem animais...............................44 Grfico 4.2 Quantidade de animais de estimao por espcie.........................45 Grfico 4.3 Quantidade de pessoas que vo ao pet shop.................................45 Grfico 4.4 Freqncia que as pessoas vo ao pet shop..................................46 Grfico 4.5 Nvel de gasto na pet shop..............................................................47 Grfico 4.6 Demanda por servio de esttica....................................................48 Grfico 4.7 Preferncia por servio de leva e traz.............................................49 Grfico 4.8 Preferncia quanto ao tipo de compra............................................50 Grfico 4.9 Preferncia quanto loja................................................................51 Grfico 4.10 Demanda pelo projeto...................................................................51 Grfico 4.11 Freqncia/ms de ida nova Pet Shop......................................52 Grfico 4.12 Carncia nas Pet Shops................................................................53 Grfico 4.13 Produtos procurados.....................................................................54 Grfico 4.14 Marca de rao utilizada...............................................................55 Grfico 4.15 Marca de medicamento utilizada..................................................56 Grfico 4.16 Veculo de comunicao considerado mais eficiente...................57 6

LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Plano de trabalho por natureza de tarefa........................................27 Tabela 3.1 Indicadores de viabilidade...............................................................35 Tabela 3.2 Partilha do Simples Nacional Comrcio........................................41 Tabela 3.3 Diviso do capital social...................................................................42 Tabela 4.1 Freqncia de pessoas que possuem animais................................44 Tabela 4.2 Quantidade de animais de estimao por espcie..........................44 Tabela 4.3 Quantidade de pessoas que vo pet shop...................................45 Tabela 4.4 Freqncia que as pessoas vo pet shop....................................46 Tabela 4.5 Nvel de gasto na pet shop..............................................................47 Tabela 4.6 Demanda por servio de esttica....................................................48 Tabela 4.7 Preferncia por servio de leva e traz.............................................49 Tabela 4.8 Preferncia quanto ao tipo de compra.............................................49 Tabela 4.9 Preferncia quanto loja.................................................................50 Tabela 4.10 Demanda pelo projeto....................................................................51 Tabela 4.11 Freqncia/ms de ida nova Pet Shop.......................................52 Tabela 4.12 Carncia nas Pet Shops................................................................53 Tabela 4.13 Produtos procurados......................................................................54 Tabela 4.14 Marca de rao utilizada................................................................55 Tabela 4.15 Marca de medicamento utilizada...................................................56 Tabela 4.16 Veculo de comunicao considerado mais eficiente....................57 Tabela 4.17 Estudo dos concorrentes...............................................................59 Tabela 6.1 Necessidade de pessoal..................................................................71 Tabela 7.1 Mquinas e Equipamentos..............................................................72 Tabela 7.2 Mveis e Utenslios..........................................................................73 Tabela 7.3 Veculos...........................................................................................73 Tabela 7.4 Total dos investimentos fixos...........................................................73 Tabela 7.5 Estimativa dos estoques iniciais......................................................74 Tabela 7.6 Clculo do prazo mdio de vendas..................................................74 Tabela 7.7 Clculo do prazo mdio de compras...............................................74 Tabela 7.8 Necessidade lquida de capital de giro............................................75 Tabela 7.9 Investimentos pr operacionais....................................................76 Tabela 7.10 Investimento total...........................................................................76 7

Tabela 7.11 Faturamento mensal por tipo de produto.......................................77 Tabela 7.12 - Estimativa de faturamento para os 3 prximos anos...................77 Tabela 7.13 Estimativa dos custos de comercializao....................................78 Tabela 7.14 Apurao do custo das mercadorias vendidas..............................79 Tabela 7.15 Estimativa dos custos de mo de obra..........................................80 Tabela 7.16 Estimativa do custo de depreciao..............................................80 Tabela 7.17 Estimativa dos custos fixos operacionais mensais........................81 Tabela 7.18 D.R. do ano 1.................................................................................82 Tabela 8.1 D.R.E. para possveis cenrios........................................................85 Tabela 9.1 Matriz F.O.F.A..................................................................................86 8

SUMRIO CAPTULO 1 1. INTRODUO...............................................................................................12 1.1 PROBLEMTICA........................................................................................13 1.2 OBJETIVOS................................................................................................15 1.2.1 OBJETIVOS GERAIS...............................................................................15 1.2.2 OBJETIVOS ESPECFICOS.....................................................................15 1.3 METODOLOGIA..........................................................................................16 1.4 JUSTIFICATIVA..........................................................................................17 CAPTULO 2 2. FUNDAMENTAO TERICA....................................................................18 2.1 EMPREENDEDORISMO.............................................................................18 2.2 SERVIOS AO CLIENTE: QUALIDADE E CRIATIVIDADE......................23 2.3 A LOGSTICA NA DISTRIBUIO.............................................................24 2.4 O PLANO DE NEGCIO.............................................................................26 2.4.1 ETAPAS DO PLANO DE NEGCIO........................................................26 2.4.1.1 SUMRIO EXECUTIVO........................................................................28 2.4.1.2 DESCRIO DA EMPRESA.................................................................29 2.4.1.3 PLANO OPERACIONAL........................................................................30 2.4.1.4 PLANO DE MARKETING......................................................................30 2.4.1.5 PLANO FINANCEIRO............................................................................32 2.5 MTODOS DE ANLISE DE INVESTIMENTOS: PAYBACK, VPL, TIR...32 CAPTULO 3 3. PLANO DE NEGCIOS................................................................................34 3.1 SUMRIO EXECUTIVO..............................................................................34 3.1.1 RESUMO DOS PRINCIPAIS PONTOS DO PLANO DE NEGCIO........34 3.1.2 DADOS DOS EMPREENDEDORES, EXPERINCIA PROFISSIONAL E ATRIBUIES......................................................................................35 3.1.3 DADOS DO EMPREENDIMENTO...........................................................36 3.1.4 MISSO DA EMPRESA...........................................................................36 3.1.5 SETOR DE ATIVIDADE............................................................................39 3.1.6 FORMA JURDICA...................................................................................39 3.1.7 REGIME TRIBUTRIO.............................................................................40 9

3.1.8 CAPITAL SOCIAL.....................................................................................42 3.1.9 FONTE DE RECURSOS..........................................................................42 CAPTULO 4 4. ANLISE DE MERCADO..............................................................................43 4.1 ESTUDO DOS CLIENTES..........................................................................43 4.2 ESTUDO DOS CONCORRENTES..............................................................58 4.3 ESTUDO DOS FORNECEDORES..............................................................60 CAPTULO 5 5. PLANO DE MARKETING..............................................................................62 5.1 DESCRIO DOS PRINCIPAIS PRODUTOS E SERVIOS.....................62 5.2 PREO........................................................................................................62 5.3 ESTRATGIAS PROMOCIONAIS..............................................................63 5.4 ESTRUTURAS DE COMERCIALIZAO..................................................63 5.5 LOCALIZAO DO NEGCIO..................................................................64 CAPTULO 6 6. PLANO OPERACIONAL...............................................................................65 6.1 LAYOUT OU ARRANJO FSICO................................................................66 6.2 CAPACIDADE COMERCIAL E SERVIOS...............................................67 6.3 PROCESSOS OPERACIONAIS.................................................................68 6.3.1 PROCESSO OPERACIONAL DE VENDAS.............................................68 6.3.2. PROCESSO OPERACIONAL DE ESTTICA.........................................70 6.4 NECESSIDADE DE PESSOAL...................................................................71 CAPTULO 7 7. PLANO FINANCEIRO...................................................................................72 7.1 ESTIMATIVAS DOS INVESTIMENTOS FIXOS..........................................72 7.2. CAPITAL DE GIRO....................................................................................73 7.2.1 ESTIMATIVAS DOS ESTOQUES INICIAIS.............................................74 7.2.2 CAIXA MNIMO.........................................................................................74 7.2.2.1 CONTAS A RECEBER..........................................................................74 7.2.2.2 FORNECEDORES.................................................................................74 7.2.2.3 ESTOQUES...........................................................................................75 7.2.2.4 CLCULO DA NECESSIDADE LQUIDA DE CAPITAL DE GIRO EM DIAS.....................................................................................................75 7.3 INVESTIMENTOS PR-OPERACIONAIS..................................................75 10

7.4 INVESTIMENTO TOTAL (RESUMO)..........................................................76 7.5 ESTIMATIVAS DO FATURAMENTO MENSAL.........................................77 7.6 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE COMERCIALIZAO............................78 7.7 APURAO DO CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS....................79 7.8 ESTIMATIVA DOS CUSTOS COM MO DE OBRA..................................80 7.9 ESTIMATIVA DO CUSTO DE DEPRECIAO..........................................80 7.10 ESTIMATIVA DOS CUSTOS FIXOS OPERACIONAIS MENSAIS..........81 7.11 DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS....................................................82 7.12 INDICADICADORES DE VIABILIDADE...................................................82 7.12.1 PONTO DE EQUILBRIO........................................................................82 7.12.2 LUCRATIVIDADE...................................................................................83 7.12.3 RENTABILIDADE...................................................................................84 7.12.4 PRAZO DE RETORNO DO INVESTIMENTO (PAYBACK)....................84 CAPTULO 8 8. CONSTRUO DE CENRIOS...................................................................85 CAPTULO 9 9. AVALIAO ESTRATGICA.......................................................................86 9.1. ANLISE DA MATRIZ F.O.F.A..................................................................86 CAPTULO 10 10. AVALIAO DO PLANO DE NEGCIO....................................................87 REFERNCIAS.................................................................................................89 ANEXOS............................................................................................................91 11

CAPTULO 1 1. INTRODUO perceptvel que Curitiba tem atrado a cada ano um maior nmero de novos moradores, tendo como razo para esse movimento migratrio, alm de suas belezas naturais, a qualidade de vida considerada como uma das melhores do Brasil. Estes novos habitantes, oriundos das grandes metrpoles, esto acostumados com lojas de departamentos e atendimentos personalizados; com isso, o comrcio varejista florianopolitano obriga-se a promover transformaes em relao ao profissionalismo do atendimento assim como na qualidade de produtos e servios oferecidos. As lojas especializadas na venda de produtos destinados alimentao animal, ao comrcio de produtos veterinrios, consultrio veterinrio e salo de beleza para pequenos animais, conhecidas como Pet Shop e inclusive sendo assim classificadas pela prefeitura municipal de Curitiba, apresentaram um intenso desenvolvimento nos ltimos anos, na medida em que as pessoas, cada vez mais, esto adquirindo animais de estimao com o intuito de suprirem a necessidade de companhia. As lojas Agropecuria Rtula localizada no bairro Capoeiras e a Pet Shop Animal Lovers localizada no Agua Verde, efetivaram uma fuso sem, no entanto, possurem um bom plano de negcio. Este fato, lamentavelmente, aumenta a possibilidade de o empreendimento no lograr xito. Mesmo assim o faturamento das respectivas lojas aumentou em razo de uma melhor relao com os clientes e da prtica de melhores preos, sendo possvel pelo fato de as compras serem realizadas em grandes quantidades para ambas as lojas, resultando, com isso, em um maior poder de barganha. O fato, entretanto, de no haver um plano de negcio e ainda assim obter sucesso no algo muito comum no mercado brasileiro. De acordo com o SEBRAE muitas empresas investem sem possuir um bom plano de negcios e mais de 50% destas deixam de existir at o final do 3 ano de vida. 12

No ambiente atual de competitividade dos negcios, os clientes demonstram cada vez maior exigncia, obrigando as organizaes a que aspiraram a conservar sua estabilidade e a se adaptarem s suas exigncias. Por esse motivo, diversas empresas buscam dar maior ateno qualidade dos servios prestados e melhor exposio dos produtos aos clientes. Os servios de qualidade oferecidos aos clientes representam um diferencial competitivo, na medida em que se apresenta a possibilidade de construir um relacionamento com os mesmos, buscando a fidelizao. O plano de negcio utilizado para a apresentao da empresa e do ramo de seu negcio. Com esta ferramenta de gesto torna-se possvel planejar e decidir sobre o futuro da empresa. A partir dele, plausvel identificar os riscos e sugerir alternativas para minimiz-los ou at evit-los; identificar os pontos considerados fortes ou fracos em analogia concorrncia e ao ambiente de negcio em que a empresa opera; reconhecer seu mercado e determinar estratgias de marketing para seus produtos e servios; avaliar o comportamento financeiro do empreendimento, considerando investimentos e o possvel retorno sobre o capital investido. A partir deste enunciado, o presente trabalho monogrfico tem o objetivo de proporcionar um plano de negcio de uma Pet Shop, em Curitiba, demonstrando a parte terica a partir de pesquisa bibliogrfica e a parte prtica considerando a fuso de ambas as empresas acima apresentadas. 1.1 Problemtica Os mercados so as fontes geradoras de negcios que movimentam as economias, gerando empregos e renda nos mais diversos segmentos econmicos. No mercado, existem diversos tipos de segmentos com os mais variados tipos de negcios que movimentam a economia. Os negcios esto localizados em qualquer lugar. Segundo BARRE (1971), a atividade humana apresenta aspecto econmico, desde que haja luta contra escassez de um bem ou servio. 13

Ainda segundo BARRE (1971, p.14): -O homem pressionado de todos os lados e limitado pela falta das coisas sobre as quais recaem seus desejos, coisas suscetveis de satisfazer assuas necessidades, experimentando, pois, trs limitaes: - De sua natureza orgnica ou psquica; - Dos meios de que dispe para fazer face s suas necessidades; - Do tempo que passa, sem que algumas necessidades possam ser satisfeitas. A Cidade de Curitiba tem atrado ao passar dos anos cada vez mais turistas e novos habitantes, as maiores razes para esse movimento migratrio so suas belezas naturais e qualidade de vida, esta considerada uma das mais elevadas do Brasil. Com esse grande movimento migratrio e suas limitaes fsicas, por se tratar de uma ilha, as principais atividades econmicas so o turismo e o comrcio. A populao de Curitiba vem passando por uma mudana de nvel econmico. Antes de a cidade ser vista como destino principal no vero de classes de alta renda de todo o Brasil, por possuir hotis de luxo, restaurantes e entretenimento de alto padro, seus habitantes eram, na maioria, pessoas nascidas aqui e que possuam a maior fonte de renda no servio publico e no comrcio. Seus novos habitantes so pessoas das grandes metrpoles que fazem parte da classe social A; com isso o comrcio varejista vem passando por transformaes quanto ao profissionalismo do atendimento e qualidade de produtos e servios oferecidos. A loja Agropecuria Rtula localizada no bairro Capoeiras possui 12 anos de mercado. Sete anos aps sua abertura adquiriu a Animal Lovers Trato localizada no Agua Verde, aquisio esta realizada sem haver um bom plano de negcio, aumentando ainda mais o risco do insucesso. Contudo, os faturamentos aumentaram em razo de uma melhor relao com os clientes e de melhores preos ocasionados por compras feitas em maior quantidade para as duas lojas, resultando em um maior poder de barganha. 14

O sucesso dessa fuso no algo muito comum no mercado brasileiro, visto que muitas empresas, assim como fez a Agropecuria Rtula, investem sem possuir um bom plano de negcios para a abertura e manuteno do seu negcio, de acordo com o SEBRAE, mais de 50% das MPEs deixam de existir at o final do 3 ano de vida. Ainda no existem dados nacionais, mas segundo prprio SEBRAE, os nmeros so no mnimo iguais aos expostos acima ou maiores. Como vimos, o municpio de Curitiba tem apresentado um crescimento no nmero de habitantes de alta renda, aumentando assim o potencial do mercado e a chance de abertura de uma nova Pet Shop. Porm, a falta de planejamento e a restrio de acesso ao crdito, so j, h algum tempo, duas das principais causas do insucesso das micro e pequenas empresas, DORNELLAS (2001); assim, o projeto a ser estudado produzir um plano de negcio para a abertura da terceira loja da empresa. 1.2 Objetivos 1.2.1 Objetivos gerais: Condies de viabilidade tcnica, econmica e financeira de uma Pet Shop no Agua Verde. 1.2.2 Objetivos especficos: a) b) Analisar as condies de implantao de ma Pet Shop; Elaborao de um plano de negcios de uma Pet Shop. 15

1.3 Metodologia O estudo a ser realizado utilizar uma pesquisa de dados primrios e secundrios. Dados primrios so originais e reunidos com um determinado propsito, so aqueles nunca antes coletados e analisados; e dados secundrios so os que j foram coletados e servem como ponto de partida para o pesquisador; j foram coletados, tabulados, ordenados e analisados. Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagaes propostas. A pesquisa uma atividade voltada para a soluo de problemas atravs do emprego de processos cientficos. A pesquisa cientfica um conjunto de procedimentos sistemticos, baseados no raciocnio lgico, que tem por objetivo encontrar solues para os problemas propostos mediante o emprego de mtodos cientficos. Existem dois tipos de pesquisa quanto a sua abordagem, a pesquisa quantitativa e a qualitativa. A primeira a que traduz em nmeros as opinies e informaes para serem classificadas e analisadas utilizando tcnicas estatsticas; a segunda, conforme Vergara(1998) e Mattar(2001), uma pesquisa descritiva, expe caractersticas de determinada populao ou de determinado fenmeno. Pode tambm estabelecer correlaes entre variveis e definir sua natureza. No tem compromisso de explicar os fenmenos que descreve, embora sirva de base para tal explicao Vergara (1998, p. 45). Portanto, a pesquisa do projeto ser de uma abordagem quantitativa. Os dados primrios sero coletados atravs da elaborao de um questionrio com possveis futuros clientes da Pet Shop Animal Lovers. J os secundrios sero levantados principalmente atravs de sites governamentais e com os fornecedores de produtos para Pet Shops. Para a coleta dos dados primrios junto ao potencial cliente, ser feito uma pesquisa por amostragem por meio de entrevistas. Em virtude da grande quantidade de pessoas que transitam pela localidade onde se instalar a empresa, a caracterstica de alguns poucos representar o todo, e a discrepncia entre os valores das variveis da populao e os valores obtidos na amostra ser minimizada. 16

1.4 Justificativa Visto o crescente nmero de pessoas que adquirem animais de estimao e que os mesmos cada vez mais so tratados como membros das famlias, os estabelecimentos voltados para estes animais tm passado por uma grande evoluo qualitativa, sempre em busca de um diferencial. Assim, nota-se uma oportunidade de empreendedorismo neste ramo de negcio que dever ser analisada para a instalao de uma Pet Shop junto ao Supermercado Imperatriz, no Agua Verde, onde h um grande fluxo de pessoas. 17

CAPTULO 2 2. FUNDAMENTAO TERICA Ao se organizar um Plano de Negcio, tem-se diminuda a possibilidade de extino precoce das empresas, na medida em que parte dos riscos e ocorrncias operacionais adversas poder estar calculada no seu procedimento de preparao, assim como a elaborao de planos de reserva. O planejamento de marketing, juntamente com o operacional, e com o de crescimento sero presumidos no plano financeiro da instituio, o que permitir a visualizao dos recursos financeiros indispensveis sua efetivao e possibilita o planejamento para sua captao. O Plano de Negcio facilita o encontro de um caminho para o destino da empresa. Parte-se do princpio de que ao elabor-lo, tendo conhecimento do tipo de negcio que se oferece e sabendo quais os objetivos a serem seguidos, permite-se uma melhor gesto das operaes, alm da possibilidade de estabelecer estratgias que admitam a consecuo de resultados mais satisfatrios. Isto permite, alm disso, aumentar a eficincia da gesto e por consequncia aumentar a qualidade da comunicao, o grau de credibilidade e aperfeioar a imagem, caracterizando o empreendedorismo. 2.1 Empreendedorismo O empreendedorismo um dos pontos vitais para o sucesso de um plano de negcio. De acordo com esse ponto de vista, as pessoas podem aprender a agir como empreendedores, utilizando para isso ferramentas baseadas no interesse em buscar mudanas, reagir a elas e explor-las como oportunidade de negcios. A palavra empreendedor definida por Dornelas (2001, p. 27) da seguinte forma: tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e comea algo novo. 18

De acordo com Rosa (2007, p. 9): plano de negcio o instrumento ideal para traar um retrato fiel do mercado, do produto e das atitudes do empreendedor, o que propicia segurana para quem quer iniciar uma empresa com maiores condies de xito ou mesmo ampliar ou promover inovaes em seu negcio. Consequentemente, uma cultura empreendedora gera prosperidade econmica ao proporcionar altas taxas de criao de novas empresas. Por se tratar de um fenmeno social e cultural, existem famlias, cidades, regies e pases mais empreendedores que outros. O que sustenta a atividade empreendedora de um pas a existncia de um conjunto de valores sociais e culturais que encorajem a criao de novas empresas. Dessa maneira, preciso repensar valores como a valorizao do emprego, a estabilidade financeira e a formao universitria que so considerados instrumentos fundamentais da realizao pessoal. Sendo assim, torna-se de grande relevncia o incentivo para a educao empreendedora, introduzindo na cultura valores de autonomia, independncia, capacidade de gerar o prprio emprego, de inovar e gerar riqueza, de assumir riscos e de crescer em ambientes instveis, porque esses representam os valores sociais que conduzem um pas ou organizao ao desenvolvimento. destacado por Cunha e Ferla (1997) que o empreendedor alguma pessoa que define metas, sendo ainda, algum obstinado pela busca de informaes. Importante acrescentar ainda que empreendedor no sinnimo de empresrio; empresrio aquela pessoa que chegou, por uma razo qualquer, posio de dono da empresa, e desta tira lucros. De acordo com Rosa (2007, p. 18) Empresrio - aquele que exerce individualmente e de maneira organizada atividades voltadas para a produo ou comercializao de bens e servios, sendo obrigatrio seu registro na Junta Comercial. No h a presena de scios e o proprietrio assume integralmente a responsabilidade pelos resultados e riscos. Nesse tipo de empresa, o dono responsabiliza-se pelas obrigaes da empresa, que so ILIMITADAS, isto , o patrimnio pessoal pode ser exigido 19

para o pagamento de certas dvidas, como por exemplo: dbitos trabalhistas, com fornecedores, tributos, danos ao consumidor, danos ambientais, etc. Apenas uma parcela de empresrios constituda por legtimos empreendedores, aqueles que disputam e sabem vencer o jogo. Cunha e Ferla (1997) destacam que essa distino apresenta dois tipos de virtudes: as de apoio e as superiores; sendo que as virtudes de apoio so importantes e necessrias, enquanto que as superiores so privativas apenas aos grandes empreendedores. Dornelas (2001) acrescenta da mesma forma, que o empreendedor aquele que detecta uma oportunidade e cria um negcio para capitalizar sobre ela, assumindo riscos calculados. Em qualquer que seja a definio de empreendedorismo, encontram-se, pelo menos, os seguintes aspectos referentes ao empreendedor: iniciativa para criar um novo negcio e paixo pelo que faz; utiliza os recursos disponveis de maneira criativa transformando o ambiente social e econmico onde vive, aceitando dessa maneira assumir riscos e a possibilidade de fracassar. No entendimento de Longenecker, Moore e Petty (1997, p. 03), os empreendedores so os heris populares da moderna vida empresarial. Eles fornecem empregos, introduzem inovaes e estimulam o crescimento econmico. Entretanto, nos ltimos tempos, so considerados empreendedores apenas aqueles que, com muita energia, so capazes de assumir riscos necessrios dentro de uma economia em desenvolvimento. Na mesma perspectiva, Schumpeter (apud DORNELAS, 2001) define empreendedor como sendo aquele que destri a ordem econmica existente pela introduo de novos produtos e servios, por meio da criao de novas formas de organizao ou pela explorao de novos recursos e materiais. Malheiros, Ferla e Cunha (2003) acrescentam que existem trs importantes fatores gerais para o sucesso dos empreendedores: Em primeiro lugar esto os valores associados pessoa do empreendedor, ou seja, as virtudes que so caractersticas fundamentais de quem quer iniciar seu prprio negcio; 20

Em segundo esto as habilidades gerenciais, que incluem estratgias de nicho, gerenciamento do fluxo de caixa, um sistema oramentrio simples e mais eficiente, experincia anterior, educao e estrutura organizacional simples; E em terceiro, esto as habilidades pessoais que incluem um bom relacionamento com um representante de crdito, boas relaes com clientes e boas relaes com os empregados. Tais fatores so determinantes para que o empreendedor tenha condies de atingir seus objetivos e metas. Dessa maneira, considera-se que o profissional com perfil empreendedor aquele que identifica uma oportunidade para, ento, administrar, organizar, e gerenciar todas as atividades necessrias no intento de fazer uso desta. O empreendedor entende que suas chances de obter sucesso em um novo negcio aumentam quando ele procura conhecer e se informar sobre a oportunidade identificada. De acordo com Dornelas (2001), os empreendedores passam ainda por um processo seguido de algumas fases: 1) identificar e avaliar oportunidades; 2) desenvolver o plano de negcio; 3) determinar e captar os recursos necessrios; 4) gerenciar a empresa criada. No entanto, o autor acrescenta que tais processos no precisam ser seguidos de 1 a 4. Drucker (2001) argumenta que o empreendedorismo um comportamento e no um trao da personalidade. Nesse sentido, para fazer o futuro acontecer, no necessrio ter uma imaginao criativa. Na verdade, o sucesso de um empreendimento depende mais do trabalho do que de algum trao da personalidade, estando, de certo modo, acessvel a todos. Para que o empreendedor obtenha sucesso, deve estar disposto a fazer algo novo; depois de determinar o que pretende fazer, deve trabalhar para fazer essa idia acontecer. Se no houver comprometimento pessoal com os valores da idia, os esforos necessrios no se sustentaro. 21

Saber escolher os scios com perfil empreendedor um dos fatores para que o empreendimento tenha sucesso. Dessa maneira, Rosa (2007, p. 13) destaca que para prevenir-se contra a escolha equivocada de scios preciso: negcio; Dividir as tarefas antes de montar a empresa, definindo o campo de Analisar se os objetivos dos scios so os mesmos, tendo em vista o grau de ambio de cada um e a dimenso que desejam para o atuao e horrios de trabalho; Definir, com antecedncia, o valor da retirada pr-labore (remunerao dos proprietrios), como ser feita a distribuio dos lucros e o quanto ser reinvestido na empresa; Estabelecer o grau de autonomia de cada um e at que ponto um dos envolvidos pode, sozinho, tomar decises; Determinar se os familiares podero ser contratados e quantos por parte de cada scio; sempre escolhendo funcionrios e parceiros em conjunto; Definir o que acontecer com a sociedade quando um dos scios falecer ou no puder mais trabalhar. Determinar um sistema de sucesso; Escrever todos os pontos que possam gerar atritos futuros em um contrato assinado pelos scios. Ter claro que o que vai contribuir para a permanncia de uma sociedade algo to simples como o que mantm um casamento: dilogo e clareza. Conflitos so inevitveis, o que importa a maneira de resolv-los. Verificar se seu futuro scio no possui restries cadastrais ou pendncias junto a rgos como a Receita Federal, Secretaria de Estado da Fazenda e INSS. Situaes como essas podem dificultar o acesso ao crdito junto a fornecedores e bancos, alm de impedir o registro do negcio. 22

2.2 Servios ao cliente: qualidade e criatividade Servir bem a todo e qualquer cliente tem se transformado numa constante guerra pelo crescimento e permanncia no mercado, fazendo com que as organizaes contemporneas se empenhem cada vez mais nisso. Sabendo que um dos maiores desafios para a realizao de bons negcios a procura de um bom relacionamento com o cliente, o que se estabelece exclusivamente com base em uma gama de bons servios prestados ao mesmo (COBRA, 1993). usual definir servio definido como um ato ou desempenho intangvel que um indivduo pode colocar disposio de outro, sem resultar na posse de algum bem. Sua execuo pode ou no estar relacionada a um produto fsico. Um servio necessita apresentar quatro caractersticas fundamentais: intangibilidade, inseparabilidade, variabilidade e perecibilidade. O servio considerado intangvel por ser abstrato. A inseparabilidade diz respeito ao fato de os servios serem produzidos e consumidos concomitantemente. Possuem ainda a caracterstica de serem altamente variveis em decorrncia do fato de dependerem de quem os fornece, alm de onde e quando so fornecidos. Quanto perecibilidade, se d, porque os servios no podem ser estocados. De acordo com o entendimento de Las Casas (2001), a diferena fundamental em servios est centrada no atendimento ao cliente. Quando se trata de garantir a satisfao do cliente em relao a um produto, a qualidade no atendimento essencial para que o cliente tenha uma percepo positiva sobre o mesmo, visto que estar atento ao atendimento que recebeu, bem como aos aspectos tangveis do produto, como durabilidade, tempo de uso, qualidade, entre outras caractersticas. No que se refere criatividade do servio, Freemantle (2001) destaca que esta consiste em libertar-se da rotina e criar algo que os clientes valorizam. Essa criatividade deriva do desenvolvimento de novos pensamentos e padres de sentimento. Os clientes, raras vezes, valorizaro a rotina, sendo que, na verdade, a tomaro por certa. A criatividade significa atribuir valor extra aos 23

clientes para diferenciar uma empresa de seus concorrentes e assim proporcionar vantagem competitiva. Sendo importante acrescentar, de acordo com Rosa (2007, p. 9), que a preparao de um plano de negcio um grande desafio, pois exige persistncia, comprometimento, pesquisa, trabalho duro e muita criatividade. 2.3 A logstica na distribuio A estrutura de comercializao diz respeito aos canais de distribuio, isto , como os produtos e/ou servios chegaro at os clientes. A empresa pode adotar uma srie de canais para isso como: vendedores internos e externos, representantes etc. (ROSA, 2007, p. 36). Dentro desse contexto, os estoques tm se tornado uma preocupao das organizaes brasileiras, medida que vo desenvolvendo sua poltica gerencial. Elas esto aumentando a capacidade de perceber a possibilidade de obter economias relevantes a partir do momento em que novos sistemas de controle vo sendo instalados (DIAS, 1993). possvel concluir que o risco de que ocorram problemas reduzido de forma significativa quando esses ganhos so entendidos como fontes de recursos e a partir do momento em que a empresa esteja dotada de pontos de apoio que ajudem a prever a instabilidade. Na conceituao de Dias (1993), esses pontos de apoio devem ser focalizados sob dois aspectos fundamentais: treinamento intensivo de seus profissionais e utilizao de sistemas coerentes com as caractersticas da organizao. Esses dois fatores se completam uma vez que os desvios substanciais para qualquer dos lados tornam o sistema de controle incompatvel com os profissionais que o empregam. Uma das implicaes mais crticas do controle sua relao de interdependncia com o meio externo. O ambiente dinmico e faz com que a sobrevivncia de qualquer sistema de controle dependa da capacidade de responder s presses exercidas pelas modificaes contnuas. Essa necessidade de mudana, compete, muitas vezes, com a tendncia normal de conservao de estruturas, sistemas e critrios dentro da empresa (DIAS, 1993, p. 18). 24

As diversas atividades que compem a logstica, ainda conforme Dias (1993) compreendem: a programao de entregas para as unidades; transportes; controle de estoque de matrias-primas; controle de estoque e componentes; armazenagem de matrias-primas, armazenagem de componentes; previso de necessidades de materiais; controle de estoque nos centros de distribuio; processamento de pedidos de clientes; administrao de centros de distribuio; planejamento dos centros de distribuio; planejamento de atendimento aos clientes. No que se refere distribuio, Westwood (1996) salienta que esse processo envolve os canais de marketing, a distribuio fsica e o servio ao cliente. Os canais de marketing compreendem os meios de a empresa entrar em contato com seus clientes potenciais, para que esses tenham conhecimento do produto. A distribuio fsica do produto se refere maneira como o produto chega at o consumidor. O custo de distribuir fisicamente os produtos considervel, pois em muitas organizaes isso chega a contabilizar at 20% do custo do produto. Esta uma parte fundamental do processo de fornecer produtos e fazer com que eles cheguem ao lugar certo na hora certa. Ela envolve no somente o transporte do produto e sua armazenagem, mas tambm a manuteno do estoque, a comunicao dentro da rede de distribuio e a maneira com o produto embalado para distribuio (WESTWOOD, 1996, p. 174). Quanto ao servio ao cliente, alguns de seus aspectos afetam de forma direta a distribuio. Tais aspectos se relacionam com o nvel de disponibilidade do produto ao cliente. Nesse sentido, preciso descobrir o equilbrio entre os custos e os benefcios envolvidos. Para Westwood (1996), os custos da disponibilidade extra no devem exceder a receita adicional que ser obtida como resultado. 25

2.4 O plano de negcio De acordo com o entendimento de Rosa (2007, p. 8) Um plano de negcio um documento que descreve por escrito os objetivos de um negcio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcanados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negcio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invs de comet-los no mercado. Baseado nesse entendimento, sero apresentadas a seguir as etapas de um plano de negcio. 2.4.1 Etapas do plano de negcio Um plano de negcio bem estruturado fundamental para o sucesso do novo empreendimento e, envolve tantas informaes que necessrio ordenar e planejar as aes. Rosa (2007, p. 8) acrescenta que o plano orienta na busca de informaes detalhadas sobre o ramo, os produtos e servios a serem oferecidos, os clientes, concorrentes, fornecedores e, principalmente, sobre os pontos fortes e fracos do negcio, contribuindo para a identificao da viabilidade de sua idia e na gesto da empresa. O plano do novo negcio no precisa necessariamente ser sofisticado. Porm, precisa tocar nos aspectos certos, permitir as anlises corretas, induzir s decises crticas para o sucesso do novo empreendimento. Para se elaborar um plano de negcios, quatro pontos precisam ser levados em conta: conceito de negcio; funes fundamentais do negcio; plano de ao e oramento. De acordo com Dolabela (1999), necessrio seguir um roteiro de trabalho ordenado. Para isso o autor apresenta de uma forma resumida o quadro representativo do roteiro de trabalho e a prioridade de cada um; 26

conforme cada tarefa for sendo executada, deve ser colocado um Ok, na coluna Status. Tabela 2.1 Plano de trabalho por natureza de tarefa Ordem de Realizao Preliminar Decidir abrir um negcio Analisar as foras e Preliminar fraquezas individuais Escolher Preliminar produto/servio adequado sua pessoa 1 2 Anlise de mercado Estratgia de marketing 3 4 5 A empresa Plano financeiro Fazer o sumrio executivo 6 Fazer a anlise de risco e tomar as decises Fonte: Dolabela (1999, p. 143) Deciso Coleta de dados Anlise Reviso Coleta de dados Coleta de dados Anlise preliminar Anlise preliminar Descrio Tipo de ao Envolvida Anlise Preliminar Data de Trmino Status Para o sucesso do negcio, necessrio ainda escolher um nicho de atuao, segmentar o mercado para escolher o foco. O produto oferecido deve ter um apelo diferente para atrair os clientes-alvo e caractersticas que o 27

tornem nico. Outras caractersticas relacionadas ao produto, tais como a marca, o design, embalagem, preo, pontos onde seria comercializado, podem influenciar o consumidor a compr-lo. Para o este muito importante o servio associado aos produtos. Dolabela (1999) destaca que um caminho a seguir procurar saber o que o cliente necessita e somente depois projetar um produto que atenda s suas necessidades. As necessidades da empresa tambm devem ser levadas em conta, onde o lucro tem papel fundamental, atravs de uma estratgia de marketing. Outro ponto importante, acrescentado por Rosa (2007, p. 10) que ao elaborar pessoalmente o plano de negcio, o empreendedor tem a oportunidade de preparar um plano sob medida, baseado em informaes que ele mesmo levantou e nas quais pode depositar mais confiana. Quanto mais conhecer sobre o mercado e o ramo que pretende atuar, mais bem-feito ser o plano. 2.4.1.1 Sumrio executivo Um dos pontos fundamentais para instituies no plano de negcios o sumrio executivo, pois os conceitos do negcio, do mercado, do produto, da estratgia competitiva, dos dados financeiros sobre o novo empreendimento demonstram-se nesse ponto. Sua finalidade principal apresentar os fatos essenciais a respeito do novo negcio e atrair a ateno do leitor, pois descreve todas as informaes-chave de um futuro sucesso (CUNHA, FERLA, 1997 e DORNELAS, 2001). Na concepo de Degen (1989) o sumrio uma pea ativa do plano de negcio em relao aquisio de recursos (solues). Em linha distinta Longenecker, Moore e Petty (1997, p. 170) conceituam resumo executivo como a seo crucial para se conseguir a ateno do leitor em cinco minutos. Deve, portanto, mostrar um quadro claro do negcio proposto e, ao mesmo tempo, despertar o entusiasmo a respeito de suas perspectivas". 28

Rosa (2007, p. 11) acrescenta ainda que o sumrio executivo um resumo do plano de negcio. No se trata de uma introduo ou justificativa e, sim, de um sumrio contendo seus pontos mais importantes. Nele iro constar: atribuies; Dados do empreendimento; Misso da empresa; Setores de atividades; Forma jurdica; Enquadramento tributrio; Capital social; Fonte de recursos. Resumo dos principais pontos do plano de negcio; Dados dos empreendedores, experincia profissional e 2.4.1.2 Descrio da empresa Outro ponto vital do plano a descrio da empresa, sendo por isso, o primeiro elemento do corpo do plano de negcios, pois necessita apresentar uma breve descrio contextual da mesma. Essa descrio inicia com a oportunidade (chance) de negcio at as conseqncias mais esperadas. Dessa maneira, apresentado o novo negcio em toda sua totalidade (CUNHA, FERLA, 1997 e DEGEN, 1989). Essa seo mostra a razo da criao da empresa, qual seu maior propsito, de onde vm os servios e produtos fornecidos, como ir se desenvolver, qual o modelo de negcio e quais os diferenciais perante concorrncia. Ao mesmo tempo apresenta a razo social e o nome fantasia, o porte da empresa em relao legislao (micro, pequena ou mdia; sociedade civil limitada, sociedade annima, etc.) (DORNELAS, 2001). 29

2.4.1.3 Plano operacional O plano operacional esclarece o tipo de manufatura ou sistema operacional, apresentando projees de receitas, custos e lucros. Nesse sentido, essencial para ser utilizado internamente pelos diretores, gerentes e funcionrios. Serve tambm para alinhar os esforos internos em direo aos objetivos estratgicos da organizao (DORNELAS, 2001). necessrio que o empreendedor tenha conhecimento do funcionamento da empresa, desde a entrada de matria-prima (insumos) at a aquisio dos produtos e servios finais, englobando as questes de localizao, instalao, layout da sala, equipamentos e os recursos humanos, para analisar a viabilidade do negcio e suas possibilidades de crescimento futuro. Nesse ponto apresenta-se tambm o layout, que de acordo com Rosa (2007, p. 39) por meio do layout ou arranjo fsico ser possvel definir como se dar a distribuio dos diversos setores da empresa, de alguns recursos (mercadorias, matrias-primas, produtos acabados, estantes, gndolas, vitrines, prateleiras, equipamentos, mveis, matria-prima etc.) e das pessoas no espao disponvel. Um bom arranjo fsico traz uma srie de benefcios, como: de vendas; Melhoria na comunicao entre os setores e as pessoas. Aumento da produtividade; Diminuio do desperdcio e do retrabalho; Maior facilidade na localizao dos produtos pelos clientes na rea 2.4.1.4 Plano de marketing O plano de marketing deve conter os produtos e servios que sero oferecidos pela empresa, contendo tamanho, cores, estilos e forma com que os servios sero prestados. Ele ainda deve conter a poltica de preos que ser adotada, estratgias promocionais, estrutura de comercializao e a localizao do negcio. 30

Segundo Las Casas (2001, p. 18), o plano de marketing estabelece objetivos, metas e estratgias do composto de marketing em sintonia com o plano estratgico geral da empresa. Estratgias de marketing so os meios e mtodos que a empresa dever utilizar para atingir seus objetivos (DORNELLAS, 2001, p.148). Um plano de marketing identifica as oportunidades que podem gerar bons resultados para a organizao, mostrando como penetrar com sucesso para obter as posies desejadas nos mercados (COBRA, 1992). O preo tambm considerado uma forte ferramenta de estratgia de marketing. Entretanto, um bom relacionamento com os clientes um fator preponderante para a manuteno da relao cliente-empresa, desta forma, a internet tem sido um dos mais importantes meios para esta funo, atravs de websites e lista de e-mail de clientes para informar novidades e outros assuntos de interesse deles. Um plano de marketing global ainda pode ser composto por um conjunto de planos de marketing para cada servio ou produto que a empresa deseja posicionar, cada um destes mostra a busca incessante por espaos no mercado ainda no utilizados, atravs de uma concentrao de esforos para poder usufruir das oportunidades que surgem no mercado. Para WESTWOOD (1996), no existe somente o plano de marketing global da empresa, existem quatro tipos de acordo com a necessidade - o plano completo, o plano bsico, o plano histrico e o plano para um novo produto. Plano completo seria apropriado para o plano global de marketing da empresa e outros planos de marketing mais importantes. O plano bsico j se enquadra mais com mercados bem delimitados e poderia ser mais til ao tratar de um nico produto; no inclui a informao sobre oramento e o demonstrativo de resultados. O plano histrico uma avaliao da posio atual; pode ser usado como a primeira etapa de um global ou ser utilizado para uma srie de produtos diferentes a fim de se decidir qual deles tem o maior potencial; geralmente engloba somente at o diagnstico. No plano para novos produtos no existem dados histricos de venda, mas sim do produto que ele vai substituir ou de concorrentes. Caso seja um produto completamente novo, retm-se apenas na anlise de mercado e concorrncia; o oramento muito importante neste tipo de plano. 31

2.4.1.5 Plano financeiro Esta a parte de maior ateno do plano de negcio. Os dados utilizados devem ser de extrema confiana para evitar ao mximo projees errneas e falhas. Esta parte contm todos os investimentos a serem realizados para a empresa comear a funcionar: investimentos fixos, capital de giro e investimentos pr-operacionais. Os investimentos fixos so todos os bens necessrios para o negcio funcionar. Rosa (2007, p.46) salienta que devem ser evitadas imobilizaes desnecessrias; quando possvel, alugue ao invs de construir ou comprar. O capital de giro o total das necessidades que a empresa necessita para funcionar, nele deve ser contado o estoque inicial e o caixa mnimo necessrio. Para estimar o estoque inicial, Rosa (2007, p. 49) enfatiza a importncia de ter um controle apurado dos estoques para saber a hora certa de recompra, bem como para comprar em maiores quantidades os produtos de maior giro, levando em considerao o tamanho do mercado. Os investimentos pr-operacionais so aqueles feitos antes de a empresa abrir as portas, como taxas de legalizao, construo civil, reformas etc. 2.5 Mtodos de anlise de investimentos: payback, VPL, TIR Existem diversos tipos de mtodos para analisar se um investimento vivel ou no, cada um possui uma caracterstica singular para a composio geral da anlise. Um dos mtodos mais usados o Payback, que mede o tempo de retorno do capital inicialmente investido. Como dados, so utilizados os fluxos de caixa, porm apresenta fraquezas como aponta DORNELLAS (2001, p.64): Embora aborde fluxos de caixa em vez de lucros, essa tcnica apresenta duas fraquezas fundamentais. Em primeiro lugar, ela no leva em considerao o aspecto em relao ao valor do dinheiro. Em segundo lugar, essa tcnica no leva em considerao 32

os fluxos de caixa recebidos aps o prazo de payback, o que pode ser significativo. Por outro lado, as tcnicas de fluxo de caixa descontado, apresentadas a seguir, permitem que os investidores possam avaliar melhor suas decises de investimento. Outros dois mtodos foram criados para suprir esta deficincia. Eles utilizam os fluxos de caixa futuro com o investimento inicial, desta forma pode ser feita uma anlise mais realista do rendimento do projeto com o mercado. Segundo DORNELLAS (2001, p. 65), no VPL (valor presente lquido): feita uma estimativa do valor de hoje para os futuros fluxos de reais que estaro sendo gerados pelo projeto e deduz-se o montante do investimento feito. Ou seja, os futuros fluxos sero descontados do caixa aps imposto de volta ao seu valor presente, e ento se subtrai o desembolso do investimento inicial. A TIR (taxa interna de retorno) calculada pela mesma frmula do VPL, igualada a zero. Segundo DORNELLAS (2001, p. 65): deve-se descobrir a taxa de desconto (K) que fornece um valor presente lquido igual a zero. Nessa taxa, o valor presente dos futuros fluxos de caixa exatamente igual ao investimento efetuado. 33

CAPTULO 3 3. PLANO DE NEGCIOS DA PET SHOP Este captulo tem como objetivo apresentar a estrutura do plano de negcios para a abertura de uma nova loja da Pet Shop Animal Lovers em Curitiba. Como dito anteriormente, este trabalho segue o modelo de Como elaborar um plano de negcio proposto por Rosa (2007), para quem o plano de negcio pode ser estruturado em capa, sumrio, sumrio executivo, descrio da empresa, produtos e servios, mercado e competidores, marketing e vendas, anlise estratgica, plano financeiro e anexos. Por se tratar de um trabalho acadmico, a capa e o sumrio sero apresentados. 3.1 Sumrio executivo 3.1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negcios O negcio a ser implantado uma Pet Shop. Como o nome j diz - pet em ingls significa pequeno animal e shop rea de compra - destinado rea de compras para pequenos animais ou animais de estimao. Este segmento atende s necessidades de alimentao, embelezamento e consultas veterinrias, este ltimo fator preponderante para classificao jurdica quanto Pet Shop e no Clnica Veterinria, pois estas devem possuir reas cirrgicas alm de consultrios veterinrios. A localizao um fator chave para o sucesso de qualquer estabelecimento. Desta forma a empresa pretende se instalar anexa ao Supermercado Imperatriz, localizado no Agua Verde. Conforme a Tabela 3.1, o montante de capital a ser investido de R$ 148.204,00, do qual resultar em um faturamento mensal de R$ 41.000,00, gerando um lucro de R$ 5.438,09. 34

Tabela 3.1 - Indicadores de viabilidade Indicadores de viabilidade Lucratividade Rentabilidade Prazo de retorno do investimento Ponto de Equilbrio (PE) Fonte: Dados Primrios. Valor 13,26% 3,66% 21,66 meses R$ 27.277,00 3.1.2 Dados dos empreendedores, experincia profissional e atribuies Scio 1 Nome: Nome substituir @@@@@ Pereira do Amaral Endereo: Avenida Santa Catarina, 1556 ap. 402. Cidade: Curitiba Telefone: 34561777 Estado: PR Telefone: 91116856 Responsvel pela rea de marketing e atendimento, formado em economia pela UFSC. Trabalha a cinco anos na atual Pet Shop Animal Lovers, localizada no Agua Verde, ocupando hoje a gerncia da loja. Sua responsabilidade ser manter a qualidade do servio e do atendimento da loja, bem como toda a sua organizao, controlando o estoque e informando atravs de relatrios ao administrador o comportamento das vendas. As propagandas sero discutidas entre os scios para ento serem colocadas em prticas, assim como as compras; objetivando aperfeioar a logstica da empresa. Scio 2 Nome: Vidomar Antnio do Amaral Endereo: Avenida Santa Catarina, 1556 ap. 402. Cidade: Curitiba Telefone: 32488377 Estado: SC Telefone: 84028561 35

Responsvel pela rea de administrao e financeira, trabalhou 18 anos na empresa SOUZA CRUZ S.A. como comprador do setor sul do Brasil. Administra hoje as lojas Pet Shop Animal Lovers e Agropecuria Rtula. Os scios necessariamente sero obrigados a passar 4 horas do seu dia na loja, salvo finais de semana e feriados que sero definidos duas semanas antes para melhor poderem se programar. Os pr-labores dos scios sero de igual valor, R$ 1.500,00, dando um grau de autonomia igualitrio aos scios quanto s decises de investimento, exceto ausncia de um dos scios por dois meses, no contando ausncia por motivo de doena. A contratao de funcionrios ter que ser aprovada por ambos os scios, mesmo em caso de familiares, buscando assim contrataes por mrito e confiana. Em caso de afastamento vitalcio de um dos scios ou falecimento, o parente mais prximo assumir como scio, e em caso de no haver interesse por parte dos sucessores, o outro scio ter preferncia na compra da outra parte da sociedade. 3.1.3 Dados do empreendimento AMBL COMRCIO E REPRESENTAOES LTDA. 00.889.237/0002-56 3.1.4 Misso da empresa A criao da nova loja da Pet Shop Animal Lovers surge de uma nova tendncia no mercado pet averiguada nas capitais brasileiras. Esta consiste em lojas junto a supermercados, aonde os clientes ao irem s compras tambm encontram produtos e servios especializados para seus animais de estimao com uma experincia nica em atendimento e padro de qualidade dos produtos e servios oferecidos. A nova Pet Shop Animal Lovers oferecer o servio de esttica canina e felina, o qual ser feito por profissionais habilitados em cursos especializados e aprovados por uma seleo. Tambm ser criado um ambiente diferenciado 36

com muita harmonia na hora do banho para os pets, para comprovar a qualidade do servio de esttica, duas cmeras ligadas a uma TV transmitindo os banhos e tosas para seus donos sero implantadas. Todos os vendedores passaro por um treinamento dado pela empresa AGROSUL, distribuidora de raes da marca Royal Canin e medicamentos veterinrios da marca Merial, com o objetivo de capacit-los a orientar os clientes na compra dos produtos conforme a necessidade de cada tipo de animal e sempre procurando agregar o mximo de valor s vendas. Em uma Pet Shop, o que corresponde ao maior volume de caixa a parte da rao, pois um bem necessrio de consumo dirio dos animais que acabam se tornando fiis ao tipo de alimentao que lhes oferecido. Partindo do pressuposto que um cliente satisfeito retorna loja quando necessrio, de extrema importncia para a loja a sugesto dada aos clientes pelos vendedores. Uma indicao certa de rao torna o cachorro fiel quele alimento, e o dono, ao vendedor que lhe indicou a rao. Como a rao o alimento indispensvel aos animais, o cliente obrigado a retornar, pelo menos, uma vez ao ms para comprar o alimento. Como exemplo, temos as raes super premium para cachorros de grande porte. Estas possuem, em sua maioria, embalagens de 15 kg, quantidade consumida mensalmente por estes cachorros, o que faz com que o retorno mensal seja obrigatrio, e cada retorno deste significa uma oportunidade a mais de venda para a loja, tornando a rao ainda mais importante para a loja devido sua externalidade causada. Um levantamento estatstico feito pela ANFAL PET mostra a importncia do setor de raes no Brasil. Ainda que desatualizado, nota-se o peso deste setor. 37

Figura 3.1 - Levantamento Estatstico da produo Fonte: ANFAL PET- Associao Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimao. No decorrer dos anos, os alimentos dos animais de estimao foram altamente desenvolvidos. Este setor representa 51% do mercado pet, enquanto que o setor de medicamentos representa 4% de acordo com a Associao Nacional dos Fabricantes de Alimentao para Animais de Estimao. Isso corresponde a um faturamento de mais de US$ 1,88 bilho, com uma projeo de crescimento de mais de 8% para este ano, fazendo com que as empresas invistam cada vez mais em novas tecnologias buscando essa fatia to preciosa do mercado. As raes foram escolhidas de acordo com o que j existem nos principais concorrentes, as marcas principais percebidas so: Royal Canin, Proplan, Premier, Eukanuba e Hills, pertencentes qualidade de super premium; Golden, Vita Raa, Dal Dog e K&S, pertencentes qualidade premium especial; e Pedigree, Whiskas, Friskies, Leroy, Astro, Crok Crok, Alpo, Max e Big Boss, pertencentes qualidade premium. Um jeito muito conhecido e usado de se vender raes nesse ramo a venda a granel, que abrir o saco de rao e vender a quantidade que interessa ao cliente. Este modo traz um ganho ainda maior loja, pois a margem de lucro sobre ele maior do que com o saco de rao fechado; aqui vale a lei de que comprar em maior quantidade mais barato sempre. Para que possa ser efetuado este tipo de venda, a loja apresentar um expositor com a frente transparente para 18 tipos de raes com uma balana ao lado, tornando ainda mais fcil para o cliente identificar a rao de seu animal. A farmcia da loja contar com um veterinrio responsvel, porm no vendedor, salvo vendas aos clientes que passarem por consultas com ele. Sabendo que os animais de estimao necessitam de vermfugos e venenos 38

para pulgas e carrapatos mensalmente, por no existirem venenos e remdios com 100% de eficcia com maior durao, a empresa optar por uma estratgia de controle destas parasitas sem que o dono se preocupe: um arquivo ser criado com a data de cada medicamento a ser dado para os animais e os clientes sero alertados no dia do vencimento da medicao. O Carrefourpossui um horrio de funcionamento de segunda-feira a sbado das 08:00h s 22:00h, e aos domingos das 08:00h s 20:00h. Portanto as lojas agregadas devem possuir o mesmo horrio de funcionamento, o que se torna um diferencial importantssimo para o empreendimento. O estoque da loja ser todo exposto dentro da rea fsica da loja. No decorrer do tempo os donos procuraro uma rea externa de estoque para as duas lojas. Uma ferramenta importante para o controle da loja quando um dos gerentes no estiver ser a instalao de cmeras de vdeo, para que estes e os donos possam acess-las via internet, evitando assim extravios de mercadoria e possibilitando um maior controle sobre os funcionrios. Fica assim definida a estratgia que nortear os gestores, mantendo foco na qualidade do atendimento e confiana na qualidade dos produtos e servios oferecidos. 3.1.5 Setor de atividade O comrcio divide-se em comrcio atacadista e varejista, naquele se encaixam as empresas que compram das fbricas e vendem ao varejo. J a Pet Shop Animal Lovers trabalhar no segundo tipo, que so as empresas que vendem diretamente ao consumidor. Outro setor que tambm ser explorado pela nova Pet Shop ser o de prestao de servios ao consumidor. 3.1.6 Forma jurdica Definir a constituio formal da empresa o primeiro passo para a existncia da mesma. A forma jurdica dir como esta ser tratada perante a lei 39

e a terceiros. A forma definida para a Pet Shop ser a de Sociedade Limitada, na qual duas ou mais pessoas associam-se para a criao de uma pessoa jurdica, com existncia e patrimnio distintos da pessoa fsica dos scios. Quem exerce a atividade empresarial a sociedade (representada pelos seus administradores), e quem responde pelas dvidas contradas o patrimnio da sociedade, limitando assim a responsabilidade dos scios. 3.1.7 Regime tributrio A Pet Shop Animal Lovers est enquadrada como empresa de pequeno porte (EPP), e como tal, estar habilitada a aderir ao sistema SIMPLES nacional. O Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuies das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples) um regime tributrio diferenciado, simplificado e favorecido, aplicvel s pessoas jurdicas consideradas como microempresas (ME) e s empresas de pequeno porte (EPP) enquadradas nos termos definidos pela Lei no 9.317, de 1996, e alteraes posteriores, estabelecido em cumprimento ao que determina o disposto no art. 179 da Constituio Federal de 1988. O Sistema constitui-se em uma forma simplificada e unificada de recolhimento de tributos, por meio da aplicao de percentuais favorecidos e progressivos, incidentes sobre uma nica base de clculo que a receita bruta. Para se enquadrar neste sistema de imposto, a empresa deve ter uma receita bruta nos ltimos 12 meses entre R$120.000,00 (Cento e vinte mil reais) e R$2.400.000,00 (Dois milhes e quatrocentos mil reais). A alquota ir variar de acordo com seu faturamento, e est detalhada na tabela a seguir. 40

Tabela 3.2 - Partilha do Simples Nacional Comrcio Fonte: SEBRAE (2008) 41

3.1.8 Capital social O capital social representado por todos os recursos (dinheiro, equipamentos, ferramentas, etc.) colocado(s) pelo(s) proprietrio(s) para a montagem do negcio. No caso da escolha de uma sociedade, necessrio determinar o valor do capital que cada scio a ser investido e o seu percentual. Tabela 3.3 - Diviso do capital social Nome do Scio Scio 1 Scio 2 Total Fonte: Dados Primrios Valor (R$) 74.102,00 74.102,00 148.204,00 Porcentagem (%) 50 50 100 Vidomar Nome substituir @@@@@ 3.1.9 Fonte de recursos Os recursos para implantao do empreendimento sero de origem igualitria de ambas as partes dos proprietrios. 42

CAPTULO 4 4. ANLISE DE MERCADO 4.1 Estudo dos clientes Qualquer empreendedor deve procurar se instalar em uma rea onde h necessidade do seu produto a ser comercializado. Muitos empreendedores se instalam em determinadas reas sem um pr-estudo, resultando em um grande nmero de falncias nos primeiros anos - 31% no primeiro e 60% at o segundo (SEBRAE). No adianta um empresrio instalar uma empresa que comercialize produtos de alto preo em uma comunidade onde a maior parte da populao possui renda de dois salrios mnimos, pois no haver consumo. Uma empresa vivel quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. (Rosa, 2007). O nvel de renda da populao onde ser instalada a empresa de extrema importncia, bem como o perfil dos potenciais clientes e suas caractersticas principais, como quais os fatores que os fazem comprar e quais os produtos de suas preferncia. Procurando identificar as caractersticas citadas acima e outras de igual importncia, um questionrio com 16 perguntas foi aplicado entre os dias 18 e 26 de maio em uma amostra correspondente a 0,7%1 dos clientes mensais do Supermercado Imperatriz. 1 Ver anexo 1. 43

1) Voc possui animal de estimao? Tabela 4.1 - Freqncia de pessoas que possuem animais Quantidade absoluta Sim No Total Fonte: Dados primrios Quantidade relativa(%) 60 40 100 372 248 620 Grfico 4.1 - Freqncia de pessoas que possuem animais nao sim 0 100 200 Frequncia 300 400 Fonte: Dados primrios Nota-se que 60% dos entrevistados possuem animais de estimao, um nmero de grande importncia de acordo com a proposta do projeto. 2) Qual tipo de animal de estimao voc possui e quantos? Tabela 4.2 - Quantidade de animais de estimao por espcie TipoNmeroQuantidade Quantidade relativa (%) Co23439036,52 Gato14423421,91 Pssaro13238435,95 Peixe/tartaruga48605,62 Total5581068100 Fonte: Dados primrios 44

Grfico 4.2 - Quantidade de animais de estimao por espcie total peixe/tartaruga passaro gato 0 200 400 600 Quantidade 800 1000 1200 Fonte: Dados primrios Como se pode observar no grfico, a maior incidncia por tipo de animais a de ces, com 36,52%, um dado bastante significativo para a empresa, pois os cachorros so os animais que demandam a maior quantidade de alimentos. 3) Voc vai ao pet shop com o seu animal? Tabela 4.3 - Quantidade de pessoas que vo ao pet shop Sim 366 Fonte: Dados primrios No 6 Grfico 4.3 - Quantidade de pessoas que vo ao pet shop com seus animais incidncia nao sim 0 50 100 150 200 250 300 350 400 incidncia Fonte: Dados primrios 45

Este um dado fundamental para qualquer planejador, mostra que 98,38% ou 366 do total do nmero de pessoas que possuem animais de estimao so freqentadores assduos do estabelecimento em estudo. 4) Com qual freqncia? Quantas vezes por ms? Tabela 4.4 - Freqncia que as pessoas vo ao pet shop Freqncia Nmero de vezes Fonte: Dados primrios 1x 120 2x 90 3x 80 4x 76 Grfico 4.4 - Freqncia que as pessoas vo ao pet shop Frequncia 4x 3x 2x 1x 0 20 40 60 80 Frequncia 100 120 140 Fonte: Dados primrios O fluxo de caixa de uma loja pode aumentar por diversos fatores, um deles corresponde ao nmero de vezes que as pessoas visitam o estabelecimento, quanto maior o nmero de visitas, maior aumenta a chance de a loja vender seus produtos. A tabela mostra que a maior freqncia a de pessoas que visitam uma pet shop uma vez ao ms. No entanto, a diferena do nmero das pessoas que freqentam uma vez ao ms e as que freqentam quatro se mostra relativamente pequena, j que se multiplicarmos o nmero de pessoas pela quantidade de freqncia pet shop obteremos um nmero muito mais expressivo com as maiores freqncias do que com o maior nmero de pessoas. 46

Desta forma os gerentes buscaro aperfeioar as ferramentas de fidelizao de clientes, objetivando garantir e aumentar o faturamento mensal atravs do aumento de visitas dos clientes loja. 5) Quanto voc costuma gastar em mdia com um animal por ms na Pet Shop? Tabela 4.5 - Nvel de gasto na pet shop At R$15,00at R$50,00 072 Fonte: Dados primrios at R$100,00 144 at R$200,00 84 mais de R$200,00 66 Grfico 4.5 - Nvel de gasto na pet shop mais de R$200,00 at R$200,00 at R$100,00 at R$50,00 at R$15,00 0 20 40 60 80 Frequncia 100 120 140 160 Fonte: Dados primrios Em relao ao universo pesquisado, a opo em que os clientes mais escolheram a de um gasto mensal de at R$100,00, correspondente a 39%. Em seguida so os que gastam at R$ 200,00 com 84 pessoas, ou 22,58% e por ltimo os que gastam at R$ 50,00, com 72 pessoas ou 19%. Como a maior incidncia de gasto per capita de at R$ 100,00, os produtos bsicos mensais para manuteno de um animal de estimao devem possuir somados um valor em torno deste patamar. Com estes dados, podemos calcular a mdia de gastos per capita multiplicando o nmero de incidncias em cada valor pelo valor de gasto correspondente, obtendo como resultado uma mdia per capita de R$ 131,14. 47

Assim, podemos formar uma ao conjunta para atender a demanda desta faixa de gasto mensal. 6) gato? Tabela 4.6 - Demanda por servio de esttica Sim 198 Fonte: Dados primrios Voc utiliza o servio de esttica da Pet Shop para seu co ou No 168 Grfico 4.6 - Demanda por servio de esttica nao sim 0 50 100 150 200 250 Fre qu ncia de re s pos tas Srie1 Fonte: Dados primrios Esta questo tem importncia fundamental para averiguar a importncia dada pelos clientes ao servio de esttica oferecido. Pode-se notar que so bem equilibradas as respostas - 54,10% utilizam este tipo de servio e 45,90% no o utilizam. Embora este resultado seja bem equilibrado, os clientes que responderam sim so aqueles que freqentam o pet shop quase que semanalmente, consequentemente so os responsveis pelo maior faturamento da empresa. 48

7) Voc prefere trazer seu animal para o servio de esttica ou prefere um servio de leva e traz provido pela Pet Shop? Tabela 4.7 - Preferncia por servio de leva e traz Trazer 156 Fonte: Dados primrios Leva e traz 42 Grfico 4.7 - Preferncia por servio de leva e traz leva e traz trazer 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 Frequncia Fonte: Dados primrios A preferncia dos clientes quanto ao servio de transporte de seus animais mostra que eles mesmos preferem traz-los Pet Shop, o que corresponde a 78,78%. Um ponto fundamental a ser focado so as novidades, fazendo com que cada vinda ao pet shop seja uma experincia nica e provocando mais chances de promoes de produtos. 8) Como voc prefere comprar a rao de seu animal? Tabela 4.8 - Preferncia quanto ao tipo de compra Granel 156 Fonte: Dados primrios Embalagem 210 49

Grfico 4.8 - Preferncia quanto ao tipo de compra embalagem granel 0 50 100 Frequcia 150 200 250 Fonte: Dados primrios Uma das caractersticas de venda de alimentos em pet shops a venda por quilo. Na pesquisa pde-se notar um equilbrio entre as vendas a granel e as de embalagem fechada. Sabendo disto, de grande importncia para qualquer Pet Shop vender raes das duas formas, a granel visando satisfazer aqueles clientes que costumam comprar quase todos os dias raes em pequenas quantidades e em embalagem fechada visando os clientes que compram em maiores quantidades, o que gera economia por peso do produto. 9) servios? Em qual destas Pet Shops voc costuma usufruir dos seus Tabela 4.9 Preferncia quanto loja Arara 126 J.A 144 Tia Pri 90 Lovely Dog 12 Pet House 48 Animal Lovers 168 Fonte: Dados primrios 50

Grfico 4.9 Preferncia quanto loja Frequncia Animal Lovers Pet House Lovely Dog Tia Pri J.A arara 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 Frequncia Fonte: Dados primrios A pesquisa de campo realizada pelo autor junto ao Supermercado Imperatriz notou que a maior parte dos clientes entrevistados que possuem animais de estimao e freqentam pet shops - 28,57% - j so clientes da Pet Shop Animal Lovers, dentre as opes de escolha notou-se que a maior concorrente a Pet Shop J.Alves com 24,48% seguida da Pet Shop Arara com 21,42%. 10) Voc estaria disposto a usufruir dos servios de uma Pet Shop junto ao Carrefourno Agua Verde? Tabela 4.10 Demanda pelo projeto Sim 336 Fonte: Dados primrios No 30 Grfico 4.10 Demanda pelo projeto nao sim 0 50 100 150 200 Frequncia 250 300 350 400 Fonte: Dados primrios 51

Conforme os dados coletados a grande maioria (91,80%) usufruiria dos servios de uma Pet Shop no Supermercado Imperatriz. 11) Com que freqncia/ms voc iria a uma Pet Shop junto ao Carrefourno Agua Verde? Tabela 4.11 Freqncia/ms de ida nova Pet Shop 1x 30 Fonte: Dados primrios 2x 186 3x 84 4x 66 Grfico 4.11 - Freqncia/ms de ida nova Pet Shop 4x 3x 2x 1x 0 20 40 60 80 100 Incidncia Fonte: Dados primrios 120 140 160 180 200 A anlise dos dados mostra uma maior incidncia na freqncia de duas vezes ao ms na visita nova loja, correspondendo a 56,36% das opes. Desta forma a nova loja buscar convergir todas as foras atravs de estratgias de promoes para atrair os clientes loja o maior nmero de vezes. 52

12) Do que voc sente falta em Pet Shops? Tabela 4.12 Carncia nas Pet Shops Carto fidelidade 18 Agilidade 138 Ambientes 144 Preo 234 Fonte: Dados primrios Grfico 4.12 - Carncia nas Pet Shops Preo ambientes agilidade cartao f id 0 50 100 Frequncia 150 200 250 Fonte: Dados primrios De acordo com a pesquisa sobre os itens que os clientes acham mais importantes em um pet shop, notvel a opo preo como a mais preferida (43,82%). Hoje em dia comum as pessoas buscarem o melhor preo para comprar. No entanto, ambientes agradveis e agilidade vem logo na seqncia, com 26,96% e 25,84% respectivamente. Pensando nisso, a nova loja trar uma arquitetura moderna e funcional, com o excelente atendimento sempre proporcionado, o que faz o sucesso da Pet Shop Animal Lovers h cinco anos. A opo de carto fidelidade no muito conhecida, por isso, no muito escolhida. 53

13) O que voc costuma comprar quando vai uma Pet Shop? Tabela 4.13 Produtos procurados Rao 378 Medicamento 276 Acessrios 72 Petiscos 126 Esttica 144 Fonte: Dados primrios Grfico 4.13 - Produtos procurados agropecuria esttica petiscos acessrios medicamentos rao 0 50 100 150 200 frequncia 250 300 350 400 Fonte: Dados primrios Estes dados retratam o estudo citado no comeo do trabalho, no qual as raes so os produtos que respondem pelo maior faturamento das lojas deste ramo, 37,95%, seguido por medicamentos que so encontrados somente em lojas especializadas, com 26,70%, e em seguida o servio de esttica, com 14,45%, este de extrema importncia por fidelizar o cliente e agregar valor s vendas. Petiscos e acessrios j correspondem a 12,65% e 6,4% respectivamente e so os que apresentam a menor proporo dos produtos para animais, porm so de grande importncia se a loja souber explor-los no trmino das vendas agregando valor elas; tudo vai depender da habilidade do vendedor. 54

Um segmento de produtos que tambm pode ser encontrado nas Pet Shops so os agropecurios como defensivos agrcolas, venenos para insetos, dentre outros, e so eles os responsveis pela menor parte do faturamento. 14) Com qual destas marcas de rao voc alimenta seu animal? Tabela 4.14 Marca de rao utilizada Royal Canin 90 Hills 0 Premier 30 K&S 36 Max 6 Friskies 36 Astro 24 Leroy 18 Pedigree 96 Whiskas 54 Outras 192 Fonte: Dados primrios Grfico 4.14 - Marca de rao utilizada Outras Whis kas Pedigree Leroy As tro Fris kies Max K&S Prem ier Hills Royal 0 50 100 Frequncia 150 200 250 Fonte: Dados primrios De acordo como os dados averiguados, a rao que possui a maior parte do mercado a rao Pedigree. Esta a mais consumida por ser a mais antiga do mercado e por ser a que mais investe em propagandas. A marca tambm pertence ao maior grupo de alimentos pet do mundo, o MASTERFOODS, grupo no qual tambm est inserida a marca Royal Canin. A loja trabalhar com o foco em raes que tragam uma boa margem de lucro e que no possui no Supermercado Imperatriz. Mesmo a marca Pedigree possuindo 16,49% de incidncia nos clientes estudados, no interessante para a loja , focaliz-la em suas vendas, pois gera concorrncia com o seu locatrio, assim como a rao Whiskas, lder tambm em alimentao felina. 55

Um dado interessante da pesquisa a incidncia de consumo da marca Royal Canin (15,46%). So raes em sua maioria super premium e que no podem ser vendidas em supermercados, mas somente em lojas especializadas. Embora tenha uma menor freqncia de consumo, a marca traz uma margem de lucro maior por possuir um maior valor agregado gerando assim um maior faturamento. As marcas Max, Big Boss e K&S so as marcas que mais apresentaram crescimento dentro da loja ao longo dos anos. Pertencem maior fbrica da Amrica Latina de alimentos para pets, a TOTAL ALIMENTOS. Sabendo disso, a loja pretende continuar trabalhando com a parceria dessas marcas, e no decorrer dos anos aumentar a participao de suas vendas no faturamento da loja. As demais marcas pesquisadas so produtos que no possuem uma grande parte do faturamento, entretanto, so marcas conhecidas e de vendas especficas que so necessrias na loja. 15) animal? Tabela 4.15 Marca de medicamento utilizada Shering 120 Bayer 216 Merial 18 Pfizer 12 Outros 120 Qual destas marcas voc possui maior confiana ao medicar seu Fonte: Dados Primrios Grfico 4.15 - Marca de medicamento utilizada outros Pf izer Merial Bayer Shering 0 50 100 150 Frequncia 200 250 Fonte: Dados primrios 56

Como j era de se esperar, a marca que teve o maior resultado de freqncia nas respostas, com 44,44%, foi a Bayer, lder mundial em medicamentos para pessoas e tambm para animais. Em seguida tem-se a marca Shering-plough e a opo Outras, ambas com 24,69%. Como existem diversas marcas impossvel pesquis-las por completo, pois estas no so famosas pelo nome de seu laboratrio, mas sim pelos produtos que produzem. Portanto a loja continuar trabalhando com os melhores medicamentos para cada tipo de doena a fim de suprir as necessidades dos animais. 16) Qual o instrumento de marketing que voc gostaria de obter mais informao sobre a Pet Shop? Tabela 4.16 Veculo de comunicao considerado mais eficiente Jornal 174 Rdio 60 TV 336 Panfletagem 90 Internet 48 Fonte: Dados primrios Grfico 4.16 - Veculo de comunicao considerado mais eficiente internet panfletagem tv radio jornal 0 50 100 150 200 Frequncia 250 300 350 400 Fonte: Dados primrios Estes dados sero fundamentais para designar a estratgia de marketing a ser adotada pela empresa. A mais citada pelos pesquisados foi a TV com 47,46%, seguida pelo jornal com 24,58%, panfletagem com 12,71%, rdio com 8,47% e internet com 6,78%. 57

4.2 Estudo dos concorrentes Um fator muito importante na hora da abertura de um negcio o conhecimento profundo da concorrncia que a empresa vai enfrentar. Por essa razo importante saber os fatores chaves do sucesso das empresas concorrentes, bem como os aspectos que as mesmas tm carncia. Para ajudar a realizar esta comparao, Rosa (2007, p. 25) enfatiza adjetivos bsicos para uma empresa: Qualidade dos materiais empregados (ex: cores, tamanhos, variedade, etc.); Preo cobrado; Localizao; Condies de pagamento; Atendimento prestado; Servios disponibilizados (horrio de funcionamento, entrega em domiclio, tele-atendimento, etc.); Garantias oferecidas. As empresas que possivelmente influenciariam a Pet Shop Animal Lovers pertencem ao Agua Verde. Para termos de comparao, lojas localizadas nos bairros vizinhos tornariam a pesquisa fora de foco, visto que a loja buscar atender aos clientes do Supermercado Imperatriz, que em grande maioria so moradores do bairro. Desta forma apresenta-se a seguir o resumo das qualidades das principais concorrentes na tabela seguinte 58

Tabela 4.17 Estudo dos concorrentes Condies de Pagamento Localizao Atendimento Servios aos clientes Garantiasoferecidas Qualidade Preo Pet Shop SuperTrato - Anexa ao Supermercado Imperatriz (Estreito) - Servio personalizado - Preo de mercado emacessrios e medicamentos, raes a preos mais baixos - vista -Financiamento prprio - Parcelado no carto de crdito - De segunda a sbado, das 8h s 22h. Domingo e feriado, das 8h s 18h. - Banho e tosa- Tele-entrega - Consultrio veterinrio - Equipe treinada aorientar a melhor compra- Exposio de animais - Devoluo de Raes Super Premium - Visualizaodos banhos etosas por uma TV de LCD Pet Shop Arara - Boa - Preo de mercado - vista - Parcelamento carto de crdito - Rua So Jos (Estreito) - De segunda a sexta, das 8h s19h. Sbado das 8h s 13h - Banho e tosa - Consultrio veterinrio - Carro leva e traz

- Devoluo de Raes Super Premium Pet Shop J. Alves - Boa - Preo de mercado - vista - Parcelamento carto de crdito - Max Schram (Estreito) - De segunda a sexta, das 8h s18h. Sbado das 8h s 12:30h - Banho e tosa - Consultrio Veterinrio - Carro leva e traz - Devoluo de Raes Super Premium Fonte: O autor

Conforme a tabela anterior, as trs empresas localizam-se no mesmo bairro, porm, em pontos de uma natureza distinta de clientes. Contudo, seus clientes podem ser os mesmos por se situarem a menos de 8 km uma da outra, e pelo Carrefourser o de maior circulao de pessoas da regio. A qualidade dos servios empregados nas duas lojas citadas acima semelhante e ambas disponibilizam um carro para levar e trazer os animais Pet Shop para servios de esttica. A Pet Shop Arara localiza-se no bairro Balnerio, anexo ao Estreito, possuindo uma menor visualizao do pblico por no estar em reas de maior fluxo de pessoas, j a Pet Shop J. Alves localiza-se no bairro Estreito, a 1 km de distncia daquela, porm, est localizada na rua geral do bairro. Os preos das duas lojas so similares por trabalharem com produtos das mesmas marcas. A diferena notvel existente nas duas lojas o foco, pois a loja J. Alves famosa por seus produtos para pssaros, enquanto que a loja Arara comercializa em pouco volume estes tipo de mercadorias, e foca suas vendas em produtos para ces e gatos. Ambas possuem condies de pagamento parecidas, assim como as garantias que oferecem. Analisando os pontos chaves das duas empresas, a nova Animal Lovers Trato poder usufruir das idias propostas, como tambm melhorar e diferenci-las, a fim de proporcionar um servio nico a seus clientes. 4.3 Estudo dos fornecedores Qualquer empresa depende de seus fornecedores para poder realizar suas funes, e em uma Pet Shop no diferente. Cada um destes fornecedores trabalha de forma diferente quanto aos produtos oferecidos, negociao, aos tipos de pagamento, ao prazo de entrega e parceria. Como a Pet Shop Animal Lovers se instalar em uma das mais nobres reas do Agua Verde e de intenso fluxo de pessoas e carros, a empresa fechar um contrato de exclusividade para a vitrine da loja com a empresa Agrosul, distribuidora das raes Royal Canin, que ser caracterizado mais adiante no plano financeiro. Para a escolha dos produtos da sala de esttica a empresa selecionada ser a mesma do contrato anteriormente citado. Esta tambm possui a marca de 60

produtos para embelezamento animal Bixo Limpo, cuja fbrica localiza-se na cidade vizinha, Palhoa. Os fornecedores sero variados, pois a empresa trabalhar com diversas marcas e elas so distribudas por diferentes empresas. Os acessrios, como coleiras de co, caixas de transporte, roupas, etc. sero distribudos por diversas empresas; as compras sero realizadas com as que tiverem as melhores ofertas. Os medicamentos tambm sero comprados de diferentes fornecedores, pois cada laboratrio distribudo por uma empresa diferente; e comprar de empresas atacadistas torna-se mais caro. 61

CAPTULO 5 5. PLANO DE MARKETING 5.1 Descrio dos principais produtos e servios Os produtos a serem oferecidos podem ser encontrados em muitas das pet shops de Curitiba, entretanto, a loja somente trabalhar com produtos de alto e mdio padro, focando o pblico do Supermercado Imperatriz, que de classe mdia e alta. A empresa oferecer raes de ces, gatos, tartarugas, peixes, pssaros. Somente sero comercializadas raes de qualidades premium, premium especial, high premium e super premium, na ordem de boa qualidade de melhor qualidade quanto palatabilidade, digestibilidade e mais saudvel para o animal. As marcas ofertadas sero Royal Canin, Premier, Hills, Max, K&S, Big Boss e Vita Raa, Friskies, Pedigree, Whiskas. Os medicamentos sero definidos pelo mdico veterinrio de acordo com a eficincia e necessidade dos mesmos, no dependendo de seus preos, pois um animal considerado um membro da famlia merece o mesmo tratamento que os outros membros. Os laboratrios escolhidos sero Bayer, Merial, Intervet, SheringPlough, Pfizer e Virbac. Um servio que uma das razes para que a pet shop exista o de esttica animal. Sabendo disso, a empresa trabalhar com os produtos da empresa Bixo Limpo, j usados na Pet Shop Animal Lovers do Agua Verde, que possui tima qualidade a preos justos. Os banhos e tosas sero transmitidos por duas cmeras e exibidas em uma tela de LCD 42 polegadas aos clientes, certificando ao cliente a qualidade do servio que prestado ao seu animal. Em caso de doenas de alguns animais, e por exigncia da lei, um veterinrio estar sempre disposio dos clientes na loja. 5.2 Preo O preo dos produtos ofertados na loja estar de acordo com o que praticado no mercado, j que os produtos ofertados no so de exclusividade da 62

loja. Entretanto, a loja focar produtos ncora com o preo abaixo do mercado para atrair novos clientes, e estes podero ser ofertados a preos abaixo do mercado em virtude de a nova Pet Shop Animal Lovers ser uma filial de outra loja de mesmos donos. Sabendo disso, os compradores possuiro um maior poder de barganha e no precisaro abaixar suas margens de lucro para realizar promoes. 5.3 Estratgias promocionais O incio das operaes ser marcado por uma forte campanha de marketing, de forma a atrair o maior nmero de pessoas; e aps os primeiros clientes realizarem a famosa propaganda boca a boca, certificando a qualidade de novo estabelecimento, a tendncia ser atrair cada vez mais clientes. Por se instalar em uma rea de fcil acesso e alta circulao de pessoas durante todos os dias, a principal estratgia promocional ser uma linda vitrine com exposio e venda de animais, fator que atrai muita gente tornando a empresa ainda mais notada. Junto a isso, a empresa pretende contratar um servio de panfletagem perto dos principais concorrentes contendo com descontos e brindes; amostras grtis tambm estaro disponveis para os visitantes da loja. Propagandas no jornal Dirio Catarinense nos primeiros meses sero feitas, assim como no jornal especializado o Bicho; um carro de som circular prximo Pet Shop Animal Lovers na primeira semana de funcionamento e nas sextasfeiras do primeiro ms de funcionamento. 5.4 Estruturas de comercializao Os canais de comercializao podem ser das mais variadas formas, tudo depende do produto comercializado e dos custos. Uma empresa de distribuio necessita de diferentes canais, passando pelo vendedor, internet, telefone, empresas transportadoras etc. A empresa disponibilizar canais de comercializao atravs de uma home page prpria que ir conter todas as informaes sobre a empresa. Estas tambm estaro disponveis no site do Hagah, ferramenta on-line importantssima de busca de servios e produtos na regio da Grande Curitiba. O tele-entrega estar 63

sempre disposio dos clientes, e uma equipe de vendas bem treinada e conhecedora dos concorrentes ser fundamental para o ganho das vendas. 5.5 Localizao do negcio Endereo: Rua Gen. Liberato Bittencourt Bairro: Estreito Fone: 32484956 Cidade: Curitiba Estado: SC Fax: Este local foi escolhido por se tratar de uma zonal mpar do Agua Verde. Est localizado junto a uma das maiores rede de supermercados de Santa Catarina, de maior prestgio entre as classes A e B e a 50 metros da atual Animal Lovers Trato, com amplo estacionamento disponibilizado e espao com rea total suficiente para uma sala de esttica e estoque de produtos. Desta forma o faturamento inicial na nova loja ser o presente, s tendendo a crescer em razo do grande nmero de pessoas que circula no supermercado. A fidelizao de clientes uma ferramenta de extrema importncia para qualquer tipo de loja. Em virtude disso, a nova Pet Shop Animal Lovers tambm possibilitar aos clientes realizarem compras parceladas por boleto bancrio, ou pagamento na loja com desconto, desta forma a loja pretende atrair seus clientes a efetuar os pagamentos no prprio estabelecimento, o que caracteriza mais uma oportunidade de venda. E mais uma ferramenta para fidelizao sero os planos de esttica, criados para os clientes que quiserem trazer seus animais semanalmente para seus banhos e tosas. 64

CAPTULO 6 6. Plano operacional O arranjo fsico de uma empresa deve ser feito de tal maneira que as maiores preocupaes devem ser focadas em aumentar a produtividade, diminuir o desperdcio, facilitar a localizao e disposio dos produtos para os clientes e melhorar a comunicao entre os setores e as pessoas. Com o objetivo de causar a maior interao dos produtos com os clientes, estes sero distribudos em gndolas de no mximo meio metro de altura no centro da loja, e em prateleiras at a altura do teto, permitindo a visualizao da loja por completo. A vitrine da loja ser marcada pela exposio de ces e gatos de criadores e de clientes, pretendendo atrair ao mximo a ateno das pessoas que passarem em frente da loja, junto a isso sero expostos os produtos de maior enfoque pela empresa. Na parte de trs da loja estar localizado o banho e tosa, com trs mesas para secagem e tosa, um tanque nico que comporte trs animais concomitantemente, uma sala contendo vinte e trs gaiolas para os animais esperarem sua vez, suportando at cinquenta cachorros e gatos diariamente para o servio de esttica, o qual ser filmado por duas cmeras e transmitido aos clientes por uma