Apostila eletropneumática ete jorge street

  • View
    109

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Apostila eletropneumática ete jorge street

  • INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMINSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMINSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMINSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOSTICOSTICOSTICOS IIIIIIII

    EEEEEEEEEEEELLLLLLLLLLLLEEEEEEEEEEEETTTTTTTTTTTTRRRRRRRRRRRROOOOOOOOOOOOPPPPPPPPPPPPNNNNNNNNNNNNEEEEEEEEEEEEUUUUUUUUUUUUMMMMMMMMMMMMAAAAAAAAAAAATTTTTTTTTTTTIIIIIIIIIIIICCCCCCCCCCCCAAAAAAAAAAAA

    Tcnicas de ComandoTcnicas de ComandoTcnicas de ComandoTcnicas de Comando ExercciosExercciosExercciosExerccios

    Prof. Pedro Saul

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 2

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 3

    ETE JORGE STREET SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS 1. ELETROPNEUMATICA 1.1. Introduo aos Sistemas Eletropneumticos

    A utilizao de sistemas eletropneumticos em substituio aos sistemas pneumticos mostra-se vantajosa em diversas situaes que envolvam velocidade de transmisso, perdas, segurana, etc. No entanto, os elementos pneumticos mostram-se imprescindveis dentro da cadeia de comando em funo de seu tipo de construo, da segurana que apresentam e da velocidade de trabalho. Abaixo apresentamos uma Cadeia de Comando e a comparao na utilizao de componentes eltricos e pneumticos.

    Pneumtica Cadeia de Comando Eletropneumtica Atuadores (cilindros) Elemento de Trabalho Atuadores (cilindros)

    Vlvula Reguladora de Fluxo.

    Vlvula de Escape Rpido

    Elemento Auxiliar (controle de velocidade)

    Vlvula Reguladora de Fluxo.

    Vlvula de Escape Rpido Vlvula 5/2 vias; 3/2 vias

    (Piloto e mola) Elemento de Comando

    Vlvula 5/2 vias; 3/2 vias (Solenide)

    Vlvula E, OU Temporizadora, Seqencial

    Elemento Processador de Sinal

    Contatores, Contadores, Reles, Temporizadores.

    Boto, Fim de Curso. Elemento de Sinal Boto, Fim de Curso, Sensores

    Filtro + Regulador de Presso + Lubrificador

    Fonte de Alimentao Fonte de Energia Eltrica 12 Vcc ou 24 Vcc

    12, 24, 115 ou 230 V

    Observando a Cadeia de Comando acima, podemos considerar como interessante a utilizao de elementos essencialmente pneumticos nos dois primeiros nveis (Elemento de Trabalho e Elemento Auxiliar), ficando todos os demais nveis voltados utilizao de Sistemas Eltricos. Com isso estaramos eliminando as perdas por vazamentos, velocidade de transmisso de sinais, respostas dos elementos sensores, etc. Quando se comparam os sistemas eltricos aos sistemas pneumticos, no se pode deixar de fazer uma analogia entre os dois sistemas, baseado nas formas de energia utilizadas. Vejamos: ALIMENTAO:A TENSO gerada na Energia Eltrica e medida em V (Volt) corresponde PRESSO utilizada no Ar Comprimido e medida em bar. A CORRENTE ELTRICA medida em Ampere (A) corresponde VAZO medida em Litros por Minuto (LPM). ELEMENTO AUXILIAR: Resistncia hmica (Ohm - ) corresponde Vlvula Reguladora de Fluxo. ELEMENTO PROCESSADOR: O Capacitor corresponde Vlvula E ou OU. ELEMENTO DE COMANDO: A Bobina corresponde ao Piloto.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 4

    1.2. Elementos Eltricos 1.2.1. de introduo de sinais Tem a funo dar entrada dos sinais ao sistema, podem ser elementos de contato eltrico com contato fsico ou sensores sem contato fsico.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 5

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 6

    1.2.2. Elementos de processamento dos sinais RELS

    Elementos de Processamento de Sinais

    Controlador Lgico Programvel Vlvulas Pneumticas

    Rels

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 7

    Elementos de Sinais

    Sensores

    Rolete Pedal

    Boto

    Energia de Trabalho e de Controle

    Fonte de Alimentao DC

    Unidade de Conservao

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 8

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 9

    ETE JORGE STREET SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS 1. ELETROPNEUMATICA 1.3 Tcnicas de Comando Eletropneumatico 1.3.1. Comando Eletropneumatico direto Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando direto de um boto pulsador (S1), e recuar ao comando de outro boto (S2).

    1.3.1.b) Elaborar o comando eletropneumatico para a seguinte operao: A haste de um cilindro de simples ao deve avanar ao comando de um boto com trava (S1). Ao destravar o boto a haste retorna posio inicial.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 10

    1.3.2.a) Comando Eletropneumatico indireto Operao: A haste de um cilindro de simples ao deve avanar ao comando indireto de um boto com trava (S1). Ao destravar o boto a haste retorna posio inicial.

    1.3.2.b) Elaborar o comando eletropneumatico para a seguinte operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando indireto de um boto pulsador (S1), e recuar ao comando de outro boto (S2).

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 11

    1.3.3. Comando em srie. Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando indireto e simultneo de dois botes pulsadores (S1 e S2) permanecendo avanada enquanto os botes estiverem acionados e retornando posio inicial se um deles estiver desacionado.

    1.3.4. Comando em paralelo. Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando indireto e opcional de dois botes (S1 ou S2), permanecendo avanada enquanto um dos botes estiver acionado, retornando posio inicial se ambos estiverem desacionados.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 12

    1.3.5. Comando com auto-reteno de sinal (Liga-dominante). Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando indireto de um boto pulsador (s1), permanecendo avanada mesmo aps ter sido desacionado o boto, e somente retornando posio inicial ao acionar-se outro boto (S2) Obs.: O avano da haste prevalece se acionarmos os dois botes simultaneamente.

    O contato que interrompe o sinal colocado em srie com o contato de selo do rel 1.3.6. Comando com auto-reteno de sinal (Desliga-dominante). Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando indireto de um boto pulsador (S1), permanecendo avanada mesmo aps ter sido desacionado o boto, e somente retornando posio inicial ao acionar-se outro boto (S2) Obs.: A haste permanece recuada se acionarmos os dois botes simultaneamente

    O contato que interrompe o sinal usado como elemento de segurana ou emergncia.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 13

    EX. 1. Uma guilhotina utilizada para cortar folhas de madeira em diversos tamanhos. Pressionando dois botes simultneos (S1 e S2) o atuador de dupla ao avana e corta a folha de madeira. O retorno da guilhotina realizado acionado um terceiro boto (S3), mas somente se o atuador estiver em sua posio final. Elaborar o circuito eletropneumtico.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 14

    Sol.A. EX.1. Sol.B Ex1

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 15

    1.3.7. Comando de ciclo nico Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando de um boto pulsador e, ao atingir a posio final dianteira, retornar automaticamente posio inicial. A velocidade de avano deve ser controlada. Sol.A - Duplo Solenoide

    1.3.7. b) Elaborar o comando EP com a vlvula Simples solenoide

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 16

    1.3.8. Comando de ciclo contnuo. Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando de um boto com trava (S1) e, ao atingir a posio final dianteira, permanecer continuamente em movimento de avano e retorno. Ao destravar o boto a haste deve retornar a posio final traseira. A velocidade de avano deve ser controlada. - Duplo Solenoide

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 17

    1.3.9. Elaborar o Comando EP com opo ciclo nico/Continuo que atenda a seguinte Operao: A haste de um cilindro de dupla ao deve avanar ao comando de um boto com trava (S1) ou um boto pulsador (S2). Ao acionar o boto com trava o ciclo deve ser continuo, isto , a haste deve permanecer em movimento avano/retorno, at que o boto seja destravado retornando posio inicial. Ao acionar o boto pulsador o ciclo deve ser nico. A velocidade de avano deve ser controlada.

    - Utilizar vlvula simples solenide

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 18

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 19

    Exerccio 2

    Uma furadeira manual possui uma morsa para fixao de peas, a qual controlada por um atuador de dupla ao. A pea presa acionando-se dois botes opcionais e solta acionando-se um terceiro boto. Condies: - A morsa somente prender se houver pea. - A abertura da morsa impedida durante a furao.

    Elaborar o circuito eletropneumtico.

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 20

    Exerccio 2 Furadeira Manual Soluo Duplo Solenide

    Soluo Simples Solenide

  • ETEC.JORGE STREET INSTALAES DE SISTEMAS HIDRULICOS E PNEUMTICOS II 21

    RELS TEMPORIZADORES Este tipo de rel tem por finalidade, ligar ou desligar contatos, em funo de um determinado tempo que pode ser r