of 24 /24
AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Página 1 Secretaria de Estado de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro Concurso Público 2010 PROVA 1 17/04/2011 Caderno de Provas Objetivas AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Atenção! Você está recebendo um caderno de provas do tipo 2. Portanto, verifique se sua folha de respostas é, também, do tipo 2. Caso contrário, notifique imediatamente o fiscal de sala para que sejam tomadas as devidas providências. Informações gerais Você receberá do fiscal de sala o material descrito a seguir: a) uma folha destinada às respostas das questões objetivas formuladas na prova de tipo 2; b) este caderno de prova tipo 2, com o enunciado das 100 (cem) questões, sem repetição ou falha. Não será permitida a permanência de candidato em sala de prova portando aparelhos eletrônicos como pager, telefone celular, relógio do tipo data bank, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, máquina fotográfica, máquina de calcular e/ou similares. Tal infração pode acarretar eliminação sumária do candidato. Verifique se o material está em ordem, se seu nome e número de inscrição são os que aparecem na folha de respostas. Ao receber a folha de respostas, é sua obrigação: a) ler atentamente as instruções de preenchimento da folha de respostas; b) assinar a folha de respostas. As questões da prova são identificadas pelo número que se situa acima do enunciado. Você deverá transcrever as respostas da prova para a folha de respostas, que será o único documento válido para a correção da prova. O preenchimento da folha de respostas, de inteira responsabilidade do candidato, dar-se-á mediante utilização de caneta esferográfica de cor preta ou azul. Em hipótese alguma haverá substituição das folhas de respostas por erro do candidato. O tempo disponível para esta prova será de cinco horas. Você somente poderá sair do local de prova 2 (duas) horas após o seu início. Você somente poderá levar consigo o caderno de questões nos últimos 30 (trinta) minutos de prova. Ao terminar a prova, chame o fiscal de sala mais próximo, entregue a folha de respostas e deixe o local de prova.

Caderno de Provas Objetivas AUDITOR FISCAL · Caderno de Provas Objetivas ... doutrinário nacional, insuflados pelos também ... Lei 9.613, de 3 de março de 1998

  • Author
    hanhi

  • View
    230

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Caderno de Provas Objetivas AUDITOR FISCAL · Caderno de Provas Objetivas ... doutrinário...

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 1

Secretaria de Estado de Fazenda do Estado

do Rio de Janeiro Concurso Pblico 2010 PROVA 1 17/04/2011

Caderno de Provas Objetivas

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE

Ateno! Voc est recebendo um caderno de provas do tipo 2. Portanto, verifique se sua folha de respostas , tambm, do tipo 2. Caso contrrio, notifique imediatamente o fiscal de sala para que sejam tomadas as devidas providncias.

Informaes gerais Voc receber do fiscal de sala o material descrito a seguir: a) uma folha destinada s respostas das questes objetivas formuladas na prova de tipo 2; b) este caderno de prova tipo 2, com o enunciado das 100 (cem) questes, sem repetio ou falha.

No ser permitida a permanncia de candidato em sala de prova portando aparelhos eletrnicos como pager, telefone celular, relgio do tipo data bank, walkman, agenda eletrnica, notebook, palmtop, receptor, gravador, mquina fotogrfica, mquina de calcular e/ou similares. Tal infrao pode acarretar eliminao sumria do candidato.

Verifique se o material est em ordem, se seu nome e nmero de inscrio so os que aparecem na folha de respostas.

Ao receber a folha de respostas, sua obrigao: a) ler atentamente as instrues de preenchimento da folha de respostas; b) assinar a folha de respostas.

As questes da prova so identificadas pelo nmero que se situa acima do enunciado.

Voc dever transcrever as respostas da prova para a folha de respostas, que ser o nico documento vlido para a correo da prova.

O preenchimento da folha de respostas, de inteira responsabilidade do candidato, dar-se- mediante utilizao de caneta esferogrfica de cor preta ou azul.

Em hiptese alguma haver substituio das folhas de respostas por erro do candidato.

O tempo disponvel para esta prova ser de cinco horas.

Voc somente poder sair do local de prova 2 (duas) horas aps o seu incio.

Voc somente poder levar consigo o caderno de questes nos ltimos 30 (trinta) minutos de prova.

Ao terminar a prova, chame o fiscal de sala mais prximo, entregue a folha de respostas e deixe o local de prova.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 2

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 3

LNGUA PORTUGUESA

Texto para as questes 1 a 10 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50

Responsabilidade Penal da Pessoa Jurdica No Brasil, embora exista desde 1988 o

permissivo constitucional para responsabilizao penal das pessoas jurdicas em casos de crimes ambientais (artigo 225, pargrafo 3), certo que a adoo, na prtica, dessa possibilidade vem se dando de forma bastante tmida, muito em razo das inmeras deficincias de tcnica legislativa encontradas na Lei 9.605, de 1998, que a tornam quase que inaplicvel neste mbito.

A partir de uma perspectiva que tem como ponto de partida os debates travados no mbito doutrinrio nacional, insuflados pelos tambm acalorados debates em plano internacional sobre o tema e pela crescente aceitao da possibilidade da responsabilizao penal da pessoa jurdica em legislaes de pases de importncia central na atividade econmica globalizada, possvel vislumbrar que, em breve, discusses sobre a ampliao legal do rol das possibilidades desse tipo de responsabilizao penal ganhem cada vez mais espao no Brasil.

certo que a mudana do enfoque sobre o tema, no mbito das empresas principalmente, as transnacionais , decorrer tambm de ajustamentos de postura administrativa decorrentes da adoo de critrios de responsabilizao penal da pessoa jurdica em seus pases de origem. Tais mudanas, inevitavelmente, tero que abranger as prticas administrativas de suas congneres espalhadas pelo mundo, a fim de evitar respingos de responsabilizao em sua matriz.

Na Espanha, por exemplo, a recentssima reforma do Cdigo Penal que atende diretivas da Unio Europeia sobre o tema trouxe, no artigo 31 bis, no s a possibilidade de responsabilizao penal da pessoa jurdica (por delitos que sejam cometidos no exerccio de suas atividades sociais, ou por conta, nome, ou em proveito delas), mas tambm estabelece regras de como essa responsabilizao ser aferida nos casos concretos (ela ser aplicvel [...], em funo da inoperncia de controles empresariais, sobre atividades desempenhadas pelas pessoas fsicas que as dirigem ou que agem em seu nome). A vigncia na nova norma penal j trouxe efeitos prticos no cotidiano acadmico e empresarial, pois abundam, naquele pas, ciclos de debates acerca dos instrumentos de controle da administrao empresarial, promovidos por empresas que pretendem implementar, o quanto antes, prticas administrativas voltadas preveno de qualquer tipo de responsabilidade penal.

Dessa realidade legal e da tendncia poltico-criminal que dela se pode inferir, ganham importncia, no espectro de preocupao no s das empresas estrangeiras situadas no Brasil, mas tambm das prprias empresas nacionais, as prticas de criminal

55 60 65 70 75 80 85 90 95 100

compliance. Tem-se, grosso modo, por compliance a

submisso ou a obedincia a diversas obrigaes impostas s empresas privadas, por meio da implementao de polticas e procedimentos gerenciais adequados, com a finalidade de detectar e gerir os riscos da atividade da empresa.

Na atualidade, o direito penal tem assumido uma funo muito prxima do direito administrativo, isto , vm-se incriminando, cada vez mais, os descumprimentos das normas regulatrias estatais, como forma de reforar a necessidade de preveno de riscos a bens juridicamente tutelados. Muitas vezes, o mero descumprimento doloso dessas normas e diretivas administrativas estatais pode conduzir responsabilizao penal de funcionrios ou dirigentes da empresa, ou mesmo prpria responsabilizao da pessoa jurdica, quando houver previso legal para tanto.

Assim sendo, criminal compliance pode ser compreendido como prtica sistemtica de controles internos com vistas a dar cumprimento s normas e deveres nsitos a cada atividade econmica, objetivando prevenir possibilidades de responsabilizao penal decorrente da prtica dos atos normais de gesto empresarial.

No Brasil, por exemplo, existem regras de criminal compliance previstas na Lei dos Crimes de Lavagem de Dinheiro Lei 9.613, de 3 de maro de 1998 que sujeitam as pessoas fsicas e jurdicas que tenham como atividade principal ou acessria a captao, intermediao e aplicao de recursos financeiros, compra e venda de moeda estrangeira ou ouro ou ttulos ou valores mobilirios, obrigao de comunicar aos rgos oficiais sobre as operaes tidas como suspeitas, sob pena de serem responsabilizadas penal e administrativamente.

Porm, sofrendo o Brasil os influxos de modelos legislativos estrangeiros, assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem, no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia. Trata-se, portanto, de um assunto de relevante interesse para as empresas nacionais e estrangeiras que atuam no Brasil, bem como para os profissionais especializados na rea criminal, que atuaro cada vez mais veementemente na preveno dos riscos da empresa. (...)

(Leandro Sarcedo e Jonathan Ariel Raicher. In: Valor Econmico. 29/03/2011 com adaptaes)

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 4

1 Porm, sofrendo o Brasil os influxos de modelos legislativos estrangeiros, assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem, no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia. (L.92-98) Assinale a alternativa em que a alterao do perodo acima tenha mantido adequao quanto ao seu sentido original e correo quanto pontuao. (A) Todavia, sofrendo o Brasil os influxos de modelos

legislativos estrangeiros, assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem , no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia.

(B) Sofrendo o Brasil, no entanto, os influxos de modelos legislativos estrangeiros assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem , no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia.

(C) Entretanto, sofrendo o Brasil os influxos de modelos legislativos estrangeiros, assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia.

(D) Contudo, sofrendo o Brasil os influxos de modelos legislativos estrangeiros assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem, no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia.

(E) Sofrendo, contudo, o Brasil os influxos de modelos legislativos estrangeiros assim como estando as matrizes das empresas transnacionais que aqui operam sujeitas s normas de seus pases de origem no tardar para que as prticas que envolvem o criminal compliance sejam estendidas a diversos outros segmentos da economia.

2 Trata-se, portanto, de um assunto de relevante interesse para as empresas nacionais e estrangeiras que atuam no Brasil, bem como para os profissionais especializados na rea criminal, que atuaro cada vez mais veementemente na preveno dos riscos da empresa. (L.98-103) No perodo destacado acima, o SE classifica-se como (A) indeterminador do sujeito. (B) pronome reflexivo. (C) parte integrante do verbo. (D) pronome oblquo. (E) partcula apassivadora.

3 Com base na leitura do texto, analise as afirmativas a seguir: I. Nas empresas transnacionais, polticas de criminal compliance devem ser pensadas em adequao s diferentes legislaes que podem ser adotadas nos diversos pases em que atuam. II. Para evitar que bens juridicamente tutelados sejam atingidos, o direito penal vem se aproximando cada vez mais do direito administrativo. III. No tocante ao modelo de criminal compliance adotado hoje no Brasil, percebe-se a ntida influncia da reforma do Cdigo Penal espanhol. Assinale (A) se todas as afirmativas estiverem corretas. (B) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (C) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (D) se nenhuma afirmativa estiver correta. (E) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

4 A palavra sujeitas (L.95) exerce, no texto, funo sinttica de (A) objeto direto. (B) adjunto adverbial de modo. (C) predicativo do sujeito. (D) predicativo do objeto. (E) complemento nominal.

5 No Brasil, por exemplo, existem regras de criminal compliance... (L.81-82) Assinale a alternativa em que a alterao do trecho acima tenha provocado INADEQUAO quanto norma culta. No leve em conta a alterao de sentido. (A) No Brasil, por exemplo, h de existir regras de criminal

compliance... (B) No Brasil, por exemplo, haver regras de criminal

compliance... (C) No Brasil, por exemplo, podero existir regras de

criminal compliance... (D) No Brasil, por exemplo, devem existir regras de

criminal compliance... (E) No Brasil, por exemplo, deve haver regras de criminal

compliance...

6 Assinale a alternativa em que se tenha indicado INCORRETAMENTE a relao entre vocbulo e o termo a que ele se refere. (A) sua (L.30) das empresas (B) a (L.8) Lei 9.605 (C) delas (L.37) das atividades sociais (D) seus (L.26) das empresas (E) dela (L.51) da tendncia poltico-criminal

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 5

7 Assinale a alternativa em que o elemento in- tenha valor idntico ao de insuflados (L.12). (A) influxos (L.92) (B) inaplicvel (L.8) (C) inferir (L.51) (D) intermediao (L.86) (E) inmeras (L.6)

8 Assinale o termo que, no texto, desempenhe funo sinttica idntica de obrigao (L.88). (A) da adoo (L.24) (B) s normas (L.95) (C) a diversas obrigaes (L.57) (D) dessa possibilidade (L.5) (E) de ajustamentos (L.23)

9 certo que a mudana do enfoque sobre o tema, no mbito das empresas principalmente, as transnacionais , decorrer tambm de ajustamentos de postura administrativa decorrentes da adoo de critrios de responsabilizao penal da pessoa jurdica em seus pases de origem. Tais mudanas, inevitavelmente, tero que abranger as prticas administrativas de suas congneres espalhadas pelo mundo, a fim de evitar respingos de responsabilizao em sua matriz. (L.21-30) No trecho acima, as ocorrncias da palavra QUE classificam-se, respectivamente, como (A) conjuno integrante e conjuno integrante. (B) pronome relativo e preposio. (C) preposio e pronome relativo. (D) conjuno integrante e preposio. (E) pronome relativo e conjuno integrante.

10 Assinale a palavra que, no texto, NO tenha valor adverbial. (A) antes (L.47) (B) bastante (L.6) (C) penal (L.91) (D) mais (L.20) (E) s (L.52)

11 Por nsitos (L.77), NO se pode entender (A) caractersticos. (B) adventcios. (C) inerentes. (D) peculiares. (E) tpicos.

12 Na Espanha, por exemplo, a recentssima reforma do Cdigo Penal que atende diretivas da Unio Europeia sobre o tema trouxe, no artigo 31 bis, no s a possibilidade de responsabilizao penal da pessoa jurdica (por delitos que sejam cometidos no exerccio de suas atividades sociais, ou por conta, nome, ou em proveito delas), mas tambm estabelece regras de como essa responsabilizao ser aferida nos casos concretos (ela ser aplicvel [...], em funo da inoperncia de controles empresariais, sobre atividades desempenhadas pelas pessoas fsicas que as dirigem ou que agem em seu nome). (L.31-42) A respeito do perodo acima, analise as afirmativas a seguir: I. H uma orao coordenada sindtica aditiva e uma orao coordenada sindtica alternativa. II. H trs oraes na voz passiva, mas somente uma com agente da passiva explcito. III. H quatro oraes subordinadas adjetivas desenvolvidas e uma orao subordinada adjetiva reduzida. Assinale (A) se nenhuma afirmativa estiver correta. (B) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (C) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (D) se todas as afirmativas estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

13 correto afirmar que o sexto pargrafo do texto, quanto sua tipologia e sua funo discursiva em relao ao texto como um todo, mantm maior aproximao com o (A) quinto pargrafo. (B) segundo pargrafo. (C) stimo pargrafo. (D) quarto pargrafo. (E) oitavo pargrafo.

Texto para as questes 14 a 16

(Rodrigo Zoom. http://www.flickr.com/photos/rodrigozoom)

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 6

14 A respeito da interpretao do quadrinho, analise as afirmativas a seguir: I. Associando texto e imagem, correto afirmar que o uso da ironia a chave para o entendimento do quadrinho. II. Na fala do homem, o humor reside em um trocadilho com relao fala da mulher. III. No h elementos textuais que indiquem ser possvel afirmar com certeza se o homem entendeu ou no a mensagem da mulher. Assinale (A) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (B) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (C) se nenhuma afirmativa estiver correta. (D) se todas as afirmativas estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

15 A respeito do quadrinho, analise as afirmativas a seguir: I. Ao passar parte da fala do homem para o discurso indireto, ficaria correta a frase O homem pediu mulher que trouxesse um copo de gua bem gelada para ele. II. Na fala da mulher, ficaria correto substituir devia por deveria. III. H marcas lingusticas na fala do homem que caracterizam o registro coloquial. Assinale (A) se nenhuma afirmativa estiver correta. (B) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (C) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (D) se todas as afirmativas estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

16 Assinale a alternativa em que a alterao da fala do homem do quadrinho NO tenha sido feita com adequao norma culta. No leve em conta possvel alterao de sentido. (A) Quando vs voltardes, trazei um copo de gua bem

gelada para mim! (B) Quando tu voltares, no tragas um copo de gua bem

gelada para mim! (C) Quando vs voltardes, no tragais um copo de gua

bem gelada para mim! (D) Quando vs voltardes, no trazeis um copo de gua

bem gelada para mim! (E) Quando tu voltares, traz um copo de gua bem gelada

para mim!

Texto para as questes 17 a 20 5 10 15 20

ltimo Desejo

Nosso amor que eu no esqueo E que teve o seu comeo Numa festa de So Joo Morre hoje sem foguete Sem retrato e sem bilhete Sem luar, sem violo Perto de voc me calo Tudo penso e nada falo Tenho medo de chorar Nunca mais quero o seu beijo Mas meu ltimo desejo Voc no pode negar Se alguma pessoa amiga pedir Que voc lhe diga Se voc me quer ou no Diga que voc me adora Que voc lamenta e chora A nossa separao s pessoas que eu detesto Diga sempre que eu no presto Que meu lar o botequim Que eu arruinei sua vida Que eu no mereo a comida Que voc pagou pra mim

(Noel Rosa)

17 Que voc pagou pra mim (verso 24) Assinale a alternativa em que a alterao do verso acima tenha sido feita de acordo com a norma culta. No leve em conta possvel alterao de sentido. (A) Que Vossa Excelncia pagou pra mim (B) Que vs pagaste pra mim (C) Que tu pagastes pra mim (D) Que tu pagreis pra mim (E) Que Vossa Senhoria pagastes pra mim

18 Assinale a alternativa em que a alterao do verso da cano tenha sido feito com adequao norma culta. No leve em conta possvel alterao de sentido. (A) Diga que voc me adora (v.16) / Diga que voc adora-

me (B) Que voc lhe diga (v.14) / Que voc lhe encontre (C) Que voc pagou pra mim (v.24) / Por que voc optou

para mim (D) Nosso amor que eu no esqueo (v.1) / Nosso amor de

que eu no esqueo (E) s pessoas que eu detesto (v.19) / s pessoas que no

gosto

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 7

19 A respeito da composio de Noel Rosa, analise as afirmativas a seguir: I. possvel inferir pela leitura da composio que se trata do ltimo desejo da vida de um dos amantes. II. No possvel identificar textualmente se a voz que fala na composio masculina ou feminina. III. O ltimo desejo constitudo por dois pedidos. Assinale (A) se nenhuma afirmativa estiver correta. (B) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (C) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (D) se todas as afirmativas estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

20 Diga que voc me adora Que voc lamenta e chora A nossa separao s pessoas que eu detesto Diga sempre que eu no presto (versos 16-20) No trecho acima h quantas ocorrncias, respectivamente, de pronomes e conjunes? (A) Cinco e cinco. (B) Sete e cinco. (C) Seis e cinco. (D) Seis e quatro. (E) Sete e quatro.

MATEMTICA FINANCEIRA E ESTATSTICA 21 A respeito das tcnicas de amostragem probabilstica, NO correto afirmar que (A) na amostragem por conglomerado a populao

dividida em diferentes grupos, extraindo-se uma amostra apenas dos conglomerados selecionados.

(B) na amostragem sistemtica os elementos da populao se apresentam ordenados, e a retirada dos elementos da amostra feita periodicamente.

(C) na amostragem por voluntrios a populao selecionada de forma a estratificar aleatoriamente os grupos selecionados.

(D) na amostragem aleatria simples se sorteia um elemento da populao, sendo que todos os elementos tm a mesma probabilidade de serem selecionados.

(E) na amostragem estratificada, se a populao pode ser dividida em subgrupos que consistem em indivduos bastante semelhantes entre si, pode-se obter uma amostra aleatria em cada grupo.

22 Em um perodo de um ano, a taxa aparente de juros foi de 15%, e a taxa de inflao, de 5%. Assim, a taxa real foi de (A) 10,00%. (B) 8,95%. (C) 9,52%. (D) 20,75%. (E) 7,50%.

23 Um processo X segue uma distribuio normal, com mdia 15 e desvio-padro () 2, ou seja, X~N(15,2

2). Sobre uma amostra

de tamanho 36 ( X ), analise as afirmativas a seguir:

I. Dado que X normal, X tambm normal.

II. A mdia amostral )(X difere da populao pelo fator

nX x /)( , no qual x a mdia populacional e n o

nmero de observaes na amostra.

III. X apresenta desvio-padro de 1/3. Assinale (A) se todas as afirmativas estiverem corretas. (B) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (C) se apenas a afirmativa I estiver correta. (D) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

24 Um indivduo tem uma dvida de R$ 500,00 cuja taxa de juros de 10% ao ms, juros compostos. Aps trs meses, essa dvida (A) R$ 680,50. (B) R$ 655,50. (C) R$ 645,50. (D) R$ 650,00. (E) R$ 675,00.

25 A respeito do Sistema de Amortizao Francs, correto afirmar que (A) o montante amortizado crescente. (B) as parcelas a serem pagas tm valor crescente. (C) o clculo da prestao dado pela diviso do

montante pelo nmero de prestaes. (D) os juros de cada parcela so constantes. (E) as parcelas a serem pagas tm valor decrescente.

26 Para duas variveis populacionais, X e Y, o desvio-padro de X 40, o desvio-padro de Y 20 e a covarincia entre Y e X 100. Assim, o coeficiente de correlao entre X e Y (A) 0,25. (B) 0,125. (C) 0,125. (D) 2. (E) 0,5.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 8

27 Um ttulo com valor de R$ 15.000,00 a vencer em 4 meses descontado no regime de juros simples a uma taxa de desconto por fora de 6,25% ao ms. O valor presente do ttulo igual a (A) R$ 10.850. (B) R$ 9.750. (C) R$ 11.769. (D) R$ 11.250. (E) R$ 12.000.

28 O nmero de anos para que um capital quadruplique de valor, a uma taxa de 5% ao ms, juros simples, de (A) 5,00. (B) 4,50. (C) 6,00. (D) 7,50. (E) 3,80.

29 A respeito dos conceitos relacionados ao clculo de montantes sob juros compostos (sendo VF o Valor Futuro, VP o Valor Presente, n o nmero de perodos e i a taxa de juros), analise as afirmativas a seguir: I. O Valor Futuro quando os juros so contnuos pode ser determinado por VF = VP i n. II. O nmero de perodos pode ser determinado pela frmula n = ln(FV / PV) / ln(1 + i). III. O clculo da taxa de juros determinado por i = (FV / PV)1/n 1. Assinale (A) se todas as afirmativas estiverem corretas. (B) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (C) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (D) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (E) se apenas a afirmativa III estiver correta.

30 Assuma que uma distribuio de Bernoulli tenha dois possveis resultados n=0 e n=1, no qual n=1 (sucesso) ocorre com probabilidade p, e n=0 (falha) ocorre com probabilidade q1p. Sendo 0

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 9

36 A tabela abaixo mostra os valores de duas variveis, X e Y.

X Y

4 4.5

4 5

3 5

2 5.5

Sabe-se que:

X = 13

Y = 20

XY = 64

X2 = 45

(X)2= 169

O valor de b na regresso simples Y = a + bX (A) 11/65. (B) 4/11. (C) 4/17. (D) 11/5. (E) 3/8.

37 Um indivduo possui um ttulo cujo valor presente de R$ 100.000,00. Sabendo-se que a taxa de juros de 10,25% ao ano, juros compostos, o fluxo de pagamentos semestral perptuo equivalente ao valor presente do ttulo (A) R$ 10.000,00. (B) R$ 10.250,00. (C) R$ 4.878,00. (D) R$ 5.000,00. (E) R$ 6.287,00.

38 Um indivduo faz um financiamento no valor de R$ 50.000, com entrada de 40% e restante a ser pago em 30 prestaes mensais e sucessivas, com a primeira a ser paga ao final de 30 dias, no Sistema de Amortizao Constante (SAC). Sabendo que a taxa de juros, no regime de juros compostos, de 2% ao ms, o valor da oitava parcela (A) R$ 2.680,00. (B) R$ 1.520,00. (C) R$ 1.680,00. (D) R$ 2.240,00. (E) R$ 1.460,00.

39

Ano A B

1 60.000 X

4 65.000 78.000

7 100.000 50.000

A tabela acima indica dois fluxos de caixa. Sabendo-se que a taxa de 10% ao ano, juros simples, o valor de X que torna os dois fluxos de caixa equivalentes (A) 78.500. (B) 76.575. (C) 88.500. (D) 81.250. (E) 67.500.

Tabela para a questo 40

MESES/

TAXAS 1 2 3 4 5 6 7

1% 0,990099 0,980296 0,97059 0,96098 0,951466 0,942045 0,932718

2% 0,980392 0,961169 0,942322 0,923845 0,905731 0,887971 0,87056

3% 0,970874 0,942596 0,915142 0,888487 0,862609 0,837484 0,813092

4% 0,961538 0,924556 0,888996 0,854804 0,821927 0,790315 0,759918

5% 0,952381 0,907029 0,863838 0,822702 0,783526 0,746215 0,710681

6% 0,943396 0,889996 0,839619 0,792094 0,747258 0,704961 0,665057

7% 0,934579 0,873439 0,816298 0,762895 0,712986 0,666342 0,62275

8% 0,925926 0,857339 0,793832 0,73503 0,680583 0,63017 0,58349

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 10

40 A tabela acima representa uma tabela de fatores para o clculo do Valor Presente sob o regime de juros compostos, sendo as linhas as diferentes taxas e as colunas os diferentes perodos (meses). Utilizando-se a tabela, o Valor Presente (descontando-se os centavos) de um ttulo cujo valor nominal de R$ 3.500,00 com prazo de vencimento de 6 meses, a uma taxa de 4% ao ms, (A) R$ 2.772,00. (B) R$ 2.766,00. (C) R$ 3.301,00. (D) R$ 2.991,00. (E) R$ 2.467,00.

ECONOMIA E FINANAS PBLICAS 41 A inflao acumulada nos ltimos doze meses encontra-se no ms de abril de 2011 acima da meta de inflao adotada no pas. Para trazer de volta a inflao para a meta, a melhor combinao de polticas monetria e fiscal , respectivamente, (A) reduo da Selic e dos gastos do governo. (B) reduo dos gastos do governo e da Selic. (C) reduo dos gastos do governo e elevao da Selic. (D) elevao da Selic e contrao dos gastos do governo. (E) elevao da Selic e dos gastos do governo.

42 Um determinado pas envia renda no valor de $ 2.000 para o exterior e recebe rendas no valor de $ 3.000. Com base na informao acima, correto afirmar que (A) PNL > PNB. (B) PIB < PNL. (C) PIB = PNB. (D) PIB > PNB. (E) PIB < PNB.

43 As recentes chuvas na regio serrana do Rio de Janeiro reduziram a produo de verduras. Ao mesmo tempo, o governo realiza uma campanha para divulgar os benefcios de uma alimentao rica em verduras. Com base nesses dois eventos, a respeito do preo e da quantidade de equilbrio no mercado de verduras, correto afirmar que (A) a quantidade diminuir, e no possvel determinar o

que ocorre com o preo. (B) a quantidade aumentar, e no possvel determinar o

que ocorre com o preo. (C) no possvel determinar o que ocorre com o preo e

a quantidade com as informaes do enunciado. (D) o preo diminuir, e no possvel determinar o que

ocorre com a quantidade. (E) o preo aumentar, e no possvel determinar o que

ocorre com a quantidade.

44 A economia do pas Z possui as seguintes curvas de demanda e oferta por soja: I. curva de demanda por soja: q=100p; II. curva de oferta por soja: q=10 + 2p. O pas Z introduz um imposto de Z$ 3 por unidade, cobrado do consumidor. Com esse imposto, (A) o consumidor paga Z$ 1 do imposto. (B) o imposto s afeta o consumidor. (C) a quantidade ofertada iguala a quantidade demandada

em 70 unidades. (D) o bem-estar total cai em 20 unidades. (E) o governo arrecada Z$ 204.

45 Seja uma economia hipottica caracterizada pelas seguintes equaes:

Consumo das famlias: C = 40 + 0,9 Y

Gastos do governo: 0

Investimento: 30

Exportaes Lquidas: X M = 30 0,1 Y Com base nos dados acima, analise as afirmativas a seguir: I. O PIB dessa economia igual a $ 500. II. O consumo das famlias igual a $ 490. III. As exportaes lquidas so iguais a $ 20. Assinale (A) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras. (B) se todas as afirmativas forem verdadeiras. (C) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. (D) se nenhuma afirmativa for verdadeira. (E) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras.

46 A respeito do sistema de tributao, analise as afirmativas a seguir: I. Um sistema eficiente nem sempre equitativo. II. Em termos de eficincia econmica, mais eficiente em um sistema tributrio elevar a cobrana de impostos sobre produtos com baixa elasticidade do que sobre produtos com elevada elasticidade. III. A utilizao de impostos sobre valor agregado introduz o efeito cascata, que eleva a eficincia. Assinale (A) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras. (B) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. (C) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras. (D) se nenhuma afirmativa for verdadeira. (E) se todas as afirmativas forem verdadeiras.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 11

47 Um monopolista observa a seguinte curva de demanda em seu mercado: Qd=100p. O custo total de produo do monopolista possui o seguinte formato:

22010 QQCT .

Com base nos dados acima, correto afirmar que (A) o preo que maximiza o lucro do monopolista $ 70. (B) o custo total de produo igual a $ 800. (C) o lucro mximo obtido pelo monopolista $ 790. (D) a quantidade que maximiza o lucro do monopolista

25. (E) a quantidade que maximiza o lucro do monopolista

10.

48 O pas Z possui uma economia com trs setores: trigo, farinha e po, que pode ser descrita da seguinte forma:

Trigo Farinha Po

Insumos $0 $1.000 $1.000

Valor Bruto da Produo

$1.000 $1.500 $2.000

Adicionalmente, as contas nacionais mostram que o total pago em salrios de $ 1.500, e o pagamento de juros de $ 300. Com base nos dados acima, analise as afirmativas a seguir: I. O PIB dessa economia de $ 2.000. II. O valor agregado do setor de farinha de $ 500. III. O total pago com aluguis no excede a $ 700. Assinale (A) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (B) se todas as afirmativas estiverem corretas. (C) se nenhuma afirmativa estiver correta. (D) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (E) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.

49 Um agente com renda de $ 100 possui preferncia com respeito aos bens A e B dada pela seguinte funo utilizada:

75,025,0),( BABAU . O preo do bem A Pa = 1 e do bem B, Pb = 3. Com base nas informaes acima, correto afirmar que (A) no ponto timo o agente consome 50 unidades de

cada bem. (B) a utilidade mxima do agente 25. (C) o agente demanda 75 unidades do bem A e 25

unidades do bem B. (D) no ponto timo de consumo o agente poupa $25. (E) o agente demanda 25 unidades do bem A e 75

unidades do bem B.

50 De acordo com a teoria quantitativa da moeda, uma elevao da quantidade de moeda somente (A) incentiva o investimento. (B) reduz o desemprego. (C) reduz os gastos do governo. (D) eleva o produto nominal. (E) eleva o produto real.

51 A respeito dos diferentes ambientes de concorrncia, avalie as afirmativas a seguir: I. Em concorrncia perfeita, as firmas maximizam o lucro ofertando a quantidade em que igualam receita marginal e custo marginal. II. Em concorrncia perfeita, as firmas maximizam o lucro ofertando a quantidade em que igualam preo e custo marginal. III. As firmas que operam em um ambiente de competio monopolstica obtm lucros extraordinrios. Assinale (A) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. (B) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras. (C) se todas as afirmativas forem verdadeiras. (D) se nenhuma afirmativa for verdadeira. (E) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras.

52 A respeito do multiplicador bancrio, correto afirmar que (A) no afetado pelas reservas voluntrias. (B) aumenta quando aumenta a frao dos depsitos e

reduz-se o redesconto. (C) reduz quando reduz a frao dos depsitos e das

reservas compulsrias. (D) aumenta quando se reduz a frao dos depsitos e

aumenta o redesconto. (E) aumenta quando reduz a frao dos depsitos e das

reservas compulsrias.

53 A respeito das curvas de custos das firmas, NO correto afirmar que (A) a curva de custo marginal intercepta a curva de custo

mdio em seu ponto de mnimo. (B) uma firma deve sair do mercado quando a receita total

inferior ao custo mdio. (C) a curva de custo fixo mdio decrescente com a

quantidade. (D) no curto prazo, uma firma deve continuar operando

mesmo que a receita total seja inferior ao custo total. (E) em um monoplio natural a curva de custo marginal

est abaixo da curva de custo mdio no ponto de produo.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 12

54 Seja a curva de oferta do mercado de milho dada por Qs=10+100p e a curva de demanda do mercado de milho dada por Qd=12010p. Com base nas curvas de oferta e demanda, analise as afirmativas a seguir: I. O preo de equilbrio no mercado de milho $10. II. A quantidade de equilbrio de milho de 110. III. O excedente do produtor igual a $155. Assinale (A) se todas as afirmativas forem verdadeiras. (B) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras. (C) se apenas a afirmativa I for verdadeira. (D) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. (E) se apenas a afirmativa II for verdadeira.

55 A crise mundial de 2008 atingiu a economia brasileira no ltimo trimestre do mesmo ano, causando uma queda de produto de 2,7% em relao ao trimestre anterior. Nessa situao, qual combinao de poltica monetria e fiscal deve ser adotada? (A) Poltica monetria expansionista com reduo da Selic

e fiscal contracionista com reduo do IPI. (B) Poltica monetria expansionista com reduo da Selic

e fiscal contracionista com reduo do IPI. (C) Poltica monetria expansionista com reduo da Selic

e fiscal expansionista com elevao dos gastos do governo.

(D) Poltica monetria contracionista com reduo da Selic e fiscal contracionista com reduo do IPI.

(E) Poltica monetria expansionista com elevao das reservas compulsrias e fiscal expansionista com reduo do IPI.

56 Uma firma possui a seguinte funo de produo: Q = XY. O custo total da firma dado pela funo 10X + 20Y + 200. Em um ambiente em que a firma minimiza os seus custos para produzir 200 unidades, o custo mnimo de (A) 600. (B) 700. (C) 400. (D) 500. (E) 300.

57 A respeito do oramento do governo, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Os governos somente podem se financiar com

impostos e dvida. (B) O supervit primrio igual receita no financeira do

governo menos a despesa no financeira do governo. (C) O dficit do governo pode ser medido pela variao do

endividamento. (D) A diferena entre o dficit nominal e o dficit

operacional a correo monetria e cambial da dvida.

(E) A elevao da alquota no garante uma maior arrecadao.

58 Suponha uma economia em que as preferncias dos agentes sejam relacionadas aos bens A e B. A respeito dessas curvas de indiferena NO correto afirmar que (A) as curvas de indiferena nunca se cruzam. (B) curvas de indiferena lineares indicam uma mesma

taxa marginal de substituio entre os bens A e B. (C) as curvas de indiferena so negativamente inclinadas

indicando o trade-off entre os bens A e B. (D) curvas mais prximas da origem representam curvas

menos preferveis em relao s curvas mais distantes. (E) curvas de indiferena cncavas indicam uma

preferncia dos consumidores com relao variedade.

59 A respeito do sistema tributrio nacional, analise as afirmativas a seguir: I. O ICMS o principal imposto estadual. II. O Fundo de Participao dos Estados (FPE) um instrumento pelo qual os estados transferem recursos arrecadados com o ICMS entre si. III. Uma possvel volta da CPMF torna o sistema tributrio mais eficiente, pois reduz a incidncia do efeito cascata. Assinale (A) se apenas a afirmativa I for verdadeira. (B) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras. (C) se apenas a afirmativa II for verdadeira. (D) se apenas a afirmativa III for verdadeira. (E) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras.

60 A economia de um pas fechado possui as seguintes curvas de oferta e demanda por tonelada de trigo: qs = 20 + p e qd = 100 3p, respectivamente. Caso o preo internacional da soja seja de $ 25 por tonelada, correto afirmar que (A) caso ocorra uma abertura comercial, o bem-estar

aumenta em 50. (B) a quantidade demandada aumenta em 10 toneladas. (C) caso ocorra uma abertura comercial, o bem-estar cai

em 50. (D) a quantidade ofertada iguala a quantidade demandada

em 40 unidades toneladas. (E) a quantidade produzida aumenta em 10 toneladas.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 13

NOES DE ADMINISTRAO E DE INFORMTICA 61 No que diz respeito s mudanas na tecnologia da informao e o impacto nas organizaes, os processos gerenciais so traduzidos para os sistemas de informao para melhorar tanto o controle interno da empresa como o seu tempo de resposta a todas as flutuaes de mercado, permitindo uma tomada de deciso mais eficaz. No contexto dos processos gerenciais, os sistemas podem ser classificados de acordo com o problema organizacional que ajudam a resolver. Assim, dois tipos desses sistemas so descritos e exemplificados a seguir: I. Usados para controlar ou medir os planejamentos operacionais da empresa e definir as metas a serem cumpridas. Exemplo: planejamento de recursos da produo. II. Aumentam a produtividade das tarefas dos profissionais de todos os departamentos que manipulam e introduzem as informaes no sistema, sendo utilizados no desenvolvimento das tarefas dirias da empresa. Exemplo: sistemas de compra/venda. Os sistemas descritos so conhecidos, respectivamente, como (A) Tticos e Operacionais. (B) Operacionais e Estratgicos. (C) Estratgicos e Especialistas. (D) Legados e Tticos. (E) Especialistas e Legados.

62 Para que um sistema de informao possa ser til e confivel, deve ser fundamentado na modelagem de dados, para posterior anlise do processo. A modelagem de dados se baseia nos seguintes elementos: (A) objetos de dados, atributos e relacionamentos. (B) objetos de dados, diagramas e componentes. (C) fluxos de dados, diagramas e requisitos. (D) classes de dados, mtodos e componentes. (E) fluxos de dados, atributos e requisitos.

63 No contexto dos sistemas operacionais Windows, os mais modernos operam com base em um recurso, baseado em dois aspectos, descritos a seguir: I. fornecido um tempo s aplicaes em execuo, sendo o controle da CPU feito pelo prprio sistema operacional. Dessa forma, independentemente do fato de uma dada aplicao ter ou no terminado o que estava fazendo, esgotado seu time slice, o sistema operacional retoma o controle da CPU e o repassa para o prximo da fila. II. Cada aplicao roda em um espao prprio, de modo que, em caso de problemas, a aplicao em pane finalizada, permanecendo as demais ativas em execuo. Esse recurso conhecido por (A) Multiprocessamento Particionado. (B) Escalonamento Round Robin. (C) Multitarefa Preemptiva. (D) Multiprogramao com Swapping. (E) Segmentao Paginada.

64 Acerca do oramento pblico, assinale a alternativa correta. (A) A execuo oramentria independe da execuo

financeira. (B) As receitas de aplicaes financeiras (patrimoniais) so

classificadas como de capital, j que derivam da aplicao do capital pblico.

(C) O exerccio financeiro ter a durao de um ano e coincidir com o ano civil, salvo nos casos em que houver crditos adicionais. Nessa situao, o exerccio financeiro ser estendido e poder ultrapassar o prazo de um ano.

(D) O ciclo oramentrio de um ano, abrangendo as etapas de elaborao do oramento, execuo e controle.

(E) As transferncias (feitas) de capital so classificadas como despesas de capital.

65 No que diz respeito aos sistemas da informao, observe a figura abaixo, que ilustra um mtodo empregado na segurana dos dados, em redes e na internet.

Esse mtodo envolve os seguintes passos: I. Gerao de um resumo criptogrfico da mensagem por meio de algoritmos complexos, denominado hash, que reduz o tamanho. II. Em seguida, o cdigo deve ser criptografado por meio de um sistema de chave pblica, para garantir a autenticao e no repdio. III. O autor da mensagem deve usar sua chave privada para assinar a mensagem e armazenar o hash criptografado junto mensagem original. IV. Para verificar a autenticidade do documento, deve ser gerado novo resumo a partir da mensagem que est armazenada, e feita uma comparao entre esse novo resumo com o recebido. Para isso, necessrio descriptografar o hash original; se for igual ao original, a mensagem est integra. O mtodo descrito conhecido por (A) criptografia assimtrica. (B) assinatura digital. (C) certificado digital. (D) criptografia simtrica. (E) estenografia reversa.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 14

66 Business Intelligence BI engloba um conjunto de ferramentas e aplicativos que oferece aos tomadores de deciso possibilidade de organizar, analisar, distribuir e agir, ajudando a organizao a tomar decises melhores e mais dinmicas. Alm das ferramentas de modelagem analtica e de previses, outras trs principais utilizadas em BI so (A) Data Warehouse, Olap e Data Mining. (B) Database, E-commerce e Outsourcing. (C) Benchmarch, Drill Through e Walkthrough. (D) E-business, Drill Up e Downsizing. (E) E-Learning, ERP e Data Marts.

67 No que diz respeito receita pblica, correto afirmar que (A) quanto afetao e competncia, as receitas podem

ser classificadas em correntes ou de capital. (B) a arrecadao se d quando o contribuinte vai at a

rede bancria e faz o pagamento do carn-leo, da guia do IPTU ou da Previdncia Social. Esse estgio no configura a realizao da receita, nos termos da Lei 4.320/1964. A partir da, ainda no possvel contar com os recursos, em funo do princpio oramentrio da indisponibilidade dos recursos, previsto na CRFB/88.

(C) as receitas patrimoniais so exemplos de receitas derivadas.

(D) a previso do que ser arrecadado no prximo ano feita com base em clculos que consideram as receitas arrecadadas nos ltimos exerccios e a receita prevista para o exerccio em que se elabora a proposta, ajustando-se o valor encontrado em funo do cenrio econmico projetado. Vale ressaltar que o Poder Executivo (detentor da iniciativa no processo oramentrio) deve disponibilizar a memria de clculo para os outros Poderes (Legislativo, Judicirio e MP), nos termos da LRF, a fim de que eles possam apreci-la e, se for o caso, contest-la, antes do envio das suas respectivas propostas oramentrias pelo Poder Executivo.

(E) esse ato, definido no Cdigo Tributrio Nacional CTN, consiste na identificao do sujeito ativo e do objeto, somente. Na prtica, ocorre, por exemplo, quando o Secretrio de Fazenda inscreve (lana no sistema) a dvida de IPTU de um determinado contribuinte proprietrio de imvel em rea urbana. preciso destacar que essa modalidade de lanamento, anterior ao pagamento do tributo, conhecida como de ofcio. As outras so: por declarao, quando o contribuinte informa ao Poder Pblico a situao passvel de tributao, sendo conferida posteriormente pelos agentes fiscais (IR, por exemplo), e por homologao, quando a autoridade fazendria reconhece o pagamento do tributo (ISS ou ICMS), verifica as condies da operao e ratifica sua legalidade e exatido. Assim, conforme se pde verificar, nem sempre o lanamento ocorrer antes da arrecadao do tributo, prximo estgio.

68 A respeito de liderana organizacional e gesto da mudana, assinale a afirmativa INCORRETA. (A) O processo de mudana ocorre dentro de um campo

de foras que atuam dinamicamente em vrios sentidos. De um lado, existem foras positivas de apoio e suporte mudana e, de outro, foras negativas de oposio e resistncia mudana. Nas organizaes, existe uma balana dinmica de foras positivas que apoiam e impulsionam a mudana de foras negativas que a restringem e a impedem.

(B) A mudana um aspecto essencial da criatividade e inovao nas organizaes de hoje. A mudana est em toda parte: nas organizaes, nas pessoas, nos clientes, nos produtos e servios, na tecnologia, no tempo, no clima... A mudana representa uma das principais caractersticas dos tempos modernos. A mudana significa a passagem de um estado para outro diferente. A mudana envolve transformao, interrupo, perturbao, ruptura, dependendo de sua intensidade. Ela constitui um processo composto de trs etapas: descongelamento, mudana e recongelamento.

(C) A Liderana acontece em uma determinada situao. Ocorre em uma dada estrutura social decorrente da distribuio de autoridade de tomar decises. O grau em que uma pessoa demonstra qualidades de liderana depende no somente de suas prprias caractersticas individuais, mas tambm das caractersticas da situao na qual se encontra.

(D) Liderana a influncia interpessoal exercida numa situao e dirigida por meio do processo de comunicao humana consecuo de um ou diversos objetivos especficos. dada em funo das necessidades existentes em uma determinada situao e consiste numa relao entre um indivduo e um grupo. O lder (natural) corresponde ao indivduo percebido pelo grupo como possuidor dos meios para a satisfao de suas necessidades (do grupo). Por esse motivo, deve ser exercida sempre por indivduos tecnicamente preparados, do ponto de vista acadmico.

(E) A resistncia nem sempre aparece de maneira uniformizada, podendo ser aberta, implcita, imediata ou protelada. Quando a resistncia aberta ou imediata torna-se mais fcil, para os administradores, enfrent-las; ao contrrio de quando ela implcita ou protelada, pois so mais sutis, como, por exemplo, a perda de lealdade organizao e perda de motivao para o trabalho, mais difceis de serem identificadas.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 15

69 As pessoas no tm objetivos e interesses idnticos. As diferenas de objetivos e de interesses individuais sempre produzem alguma espcie de conflito. O conflito inerente vida de cada indivduo e faz parte inevitvel da natureza humana. Constitui o lado oposto da cooperao. Alm da diferena de objetivos e interesses, deve haver necessariamente uma interferncia deliberada de uma das partes envolvidas para que haja conflito. O conflito existe quando uma das partes seja indivduo ou grupo tenta alcanar seus prprios objetivos interligados com alguma outra parte e esta interfere na outra que procura atingir seus objetivos. A interferncia pode ser ativa (mediante ao para provocar obstculos, bloqueios ou impedimentos) ou passiva (mediante omisso ou deixar de fazer algo). As equipes, assim como as pessoas, desenvolvem estilos especficos para lidar com conflitos, baseados no desejo de satisfazer seus prprios interesses versus o interesse da outra parte. So descritos a seguir cinco estilos de administrar conflitos por meio de duas dimenses, da assertiva (tentativa de satisfazer aos interesses das outras partes) at a no assertativa. Um deles NO est correto. Assinale-o (A) Estilo de evitao ou absteno: reflete uma postura

no assertiva nem cooperativa e apropriado (1) quando um assunto trivial, (2) quando no existe nenhuma possibilidade de ganhar, (3) quando uma demora para obter maior informao se torna necessria ou (4) quando um desentendimento pode ser muito oneroso.

(B) Estilo de acomodao: reflete um alto grau de cooperao e funciona melhor quando as pessoas sabem o que errado, quando um assunto mais importante que outros para cada lado, quando se pretende construir crditos sociais para utilizar em outras situaes ou quando manter a harmonia o mais importante. O negcio ir levando. assertativo.

(C) Estilo competitivo: reflete assertividade para impor o seu prprio interesse e utilizado quando uma ao pronta e decisiva deve ser rapidamente imposta em aes importantes ou impopulares, durante as quais a urgncia ou a emergncia se torna necessria ou indispensvel. O negocio ganhar. Reflete a assertividade total.

(D) Estilo de colaborao: reflete um alto grau de assertividade e de cooperao. O estilo colaborativo habilita ambas as partes a ganhar, enquanto utiliza uma substancial parcela de negociao e de intercmbio. O estilo de colaborao importante quando os interesses de ambos os lados so importantes, quando os pontos de vista das partes podem ser combinados para uma soluo mais ampla e quando o compromisso de ambos os lados requer consenso. O negcio resolver para que ambas as partes ganhem e se comprometam com a soluo.

(E) Estilo de compromisso ou transigncia: reflete uma moderada poro de ambas as caractersticas de assertividade e de cooperao. apropriado quando os objetivos de ambos os lados so igualmente importantes, quando os componentes tm igual poder e ambos os lados querem reduzir as diferenas ou

quando as pessoas precisam chegar a alguma soluo temporria sem presso de tempo. O negcio ter jogo de cintura.

70 A despesa, no servio pblico, contabilizada segundo o regime de competncia. Isso significa ser passvel de lanamento contbil quando ocorre seu fato gerador, ou seja, o empenho (seu primeiro estgio). Apesar de a realizao da despesa ser um ato complexo, em termos de Direito Administrativo, basta a realizao do empenho para haver o registro. Isso significa que no necessrio haver desembolso para caracterizar a despesa. Regra geral, possvel serem contabilizados milhes de reais em despesas sem ter havido pagamento algum. Ou seja: despesa no sinnimo de pagamento. Quanto s despesas, INCORRETO afirmar que (A) o empenho possui duas etapas: a autorizao, que

consiste na verificao no oramento da existncia de crdito oramentrio suficiente para a realizao daquela despesa, e a formalizao, caracterizada a partir da elaborao da nota de empenho (NE), que possui os dados referentes compra ou contratao (dados do contratante, data da entrega, valor, objeto, classificao da despesa etc.).

(B) o empenho (registro da despesa) pode ser de trs tipos: ordinrio, quando o valor a ser empenhado conhecido e o pagamento dever ser feito de uma s vez; estimativo, quando no possvel conhecer-se, com preciso, o montante de todas as despesas a serem realizadas durante o exerccio; global, quando o valor no conhecido e o pagamento se dar de maneira parcelada.

(C) o empenho , na verdade, um compromisso, por parte da Administrao Pblica, no sentido de pagar por algo em que tenha interesse e, por parte do fornecedor, de prestar o servio ou entregar determinada mercadoria. Com o empenho, a despesa j existe, embora ainda no tenha sido paga. Em termos oramentrios, sua realizao diminui os crditos disponveis (valor autorizado para gasto).

(D) principalmente na situao do empenho estimativo (mas no somente), caso o valor compromissado seja insuficiente para atender aos gastos efetivamente ocorridos, pode ser feito um reforo de empenho. Isso particularmente comum quando envolve concessionrios (energia eltrica, gua, telefone etc.), uma vez que, conforme mencionado, no se sabe com certeza o quantum a ser realizado at o final do exerccio. Caso ocorra o contrrio (valor empenhado maior do que despesas ocorridas), pode ser feito um cancelamento (estorno) parcial do empenho, de forma que o saldo no utilizado seja remanejado para outras despesas por meio dos chamados crditos adicionais.

(E) o empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 16

71 O controle exerce, na administrao sistmica, papel fundamental no desempenho eficaz de qualquer organizao. por meio dele que detectamos eventuais desvios ou problemas que ocorrem durante a execuo de um trabalho, possibilitando a adoo de medidas corretivas para que o processo seja reorientado na direo dos objetivos traados pela organizao. A Lei 4.320/1964 estabelece que o controle da execuo oramentria e financeira da Unio, dos Estados, Municpios e Distrito Federal ser exercido pelos Poderes Legislativo e Executivo, mediante controles externo e interno, respectivamente. Acerca do controle, INCORRETO afirmar que (A) o controle interno deve apoiar o controle externo no

exerccio de sua misso institucional. (B) qualquer cidado, partido poltico, associao ou

sindicato parte legtima para, na forma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidades.

(C) cabe ao sistema de controle interno exercer o controle das operaes de crdito, avais e garantias, bem como dos direitos e haveres.

(D) os responsveis pelo Controle Interno, ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade, dela daro conhecimento ao Tribunal de Justia, sob pena de responsabilidade solidria.

(E) cabe aos Poderes manter, de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execuo de programas de governo e dos oramentos.

72 No que se refere anlise dos negcios e s aplicaes empresarias, poucos conceitos revolucionaram to profundamente os negcios como o e-commerce. A seguir, so descritas trs formas bsicas das modalidades desse comrcio. I. Venda eletrnica de bens e servios entre clientes como em leiles via Web, por exemplo. II. Venda de produtos e servios no varejo diretamente a consumidores individuais via lojas virtuais e catlogos multimdia, por exemplo. III. Venda de bens e servios entre empresas e instituies do mercado de consumo via intercmbio eletrnico de dados, por exemplo. Essas modalidades so conhecidas, respectivamente, por (A) G2G (governo a governo), C2C (consumidor a

consumidor) e B2C (empresa a consumidor). (B) C2C (consumidor a consumidor), B2C (empresa a

consumidor) e B2B (empresa a empresa). (C) B2G (empresa a governo), G2G (governo a governo) e

G2B (governo a empresa). (D) B2C (empresa a consumidor), G2B (governo a empresa)

e C2C (consumidor a consumidor). (E) B2B (empresa a empresa), B2G (empresa a governo) e

G2G (governo a governo).

73 O planejamento considerado por parte da doutrina como a primeira e mais importante das funes administrativas, comportando abordagens estratgicas, tticas e operacionais. Uma organizao que planeja tem vantagem competitiva em relao a outras. Dentre essas vantagens, possvel destacar as abaixo relacionadas, EXCEO DE UMA. Assinale-a. (A) Administrao do tempo: o planejamento melhora a

administrao do tempo. difcil balancear o tempo disponvel para atender s responsabilidades e aproveitar as oportunidades pela frente. Cada dia o administrador bombardeado por uma multiplicidade de tarefas e demandas em um conjunto de frequentes interrupes, crises e eventos inesperados.

(B) Foco e flexibilidade: o planejamento permite aumentar o foco e a flexibilidade. Uma organizao com foco conhece o que ela faz de melhor, conhece as necessidades de seus clientes e conhece como servi-las bem. Uma organizao com flexibilidade opera dinamicamente e com senso de futuro. Ela gil e rpida, podendo mudar ou antecipar-se a problemas ou oportunidades.

(C) Reduzir riscos: a organizao que planeja procura antecipar-se s mudanas em seus sistemas internos e no ambiente, como forma de garantir sua sobrevivncia e eficcia.

(D) Garantia de desempenho: as entidades que operam com planejamento formal certamente tero desempenho melhor que seus concorrentes. O planejamento elaborado de forma pontual e especfica, em data predeterminada no exerccio, revela as tendncias mais modernas de gesto. Nesse caso, no se recomenda a reviso do planejamento. Uma vez elaborado, dever ser seguido de forma estrita.

(E) Melhoria no controle: o controle administrativo envolve medio e avaliao dos resultados do desempenho e a tomada de ao corretiva para melhorar as coisas quando necessrio.

74 Quanto utilizao de tecnologias na gesto da informao, as empresas podem obter vantagens competitivas que trazem um diferencial s empresas. Assim, ultimamente tem ocorrido a implementao de Extranets, cujo valor comercial decorre de vrios fatores. No que diz respeito aos negcios de uma empresa, assinale a grande vantagem de seu uso. (A) Permite o uso mais eficiente dos dados na troca de

informaes com consumidores. (B) Oferece melhor gesto das informaes por meio das

redes sociais via redes wireless. (C) Incentiva a utilizao da tecnologia computao em

nuvem na interatividade com clientes. (D) Proporciona o desenvolvimento de ferramentas CASE

para uso nos sistemas de informao. (E) Possibilita construir e fortalecer relaes estratgicas

com os clientes e fornecedores.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 17

75 A respeito de estratgia organizacional, indicadores e qualidade, INCORRETO afirmar que (A) O conceito de eficincia relaciona-se com a maneira

pela qual fazemos a coisa. o como fazemos, o caminho, o mtodo. No projeto de aprovao em um certame, se escolhermos corretamente o melhor material, a melhor equipe docente e estudarmos de forma proativa, provavelmente seremos aprovados em menos tempo. A est a eficincia: a economia de meios, o menor consumo de recursos dado um determinado grau de eficcia. Alguns autores associam o conceito de eficincia ao de economicidade, como sinnimos. Apesar de, em sentido lato, no haver diferenas, normalmente a economicidade est ligada ao menor consumo de recursos monetrios (gastar-se menos). Em uma licitao, por exemplo, a evidncia do cumprimento do princpio da economicidade previsto na Constituio da Repblica se d com a obteno do menor preo na contratao de determinado produto ou servio previamente determinado.

(B) No raro, as pessoas confundem os termos eficincia, eficcia e efetividade. A eficcia consiste em fazer a coisa certa (no necessariamente da maneira certa). Assim, est relacionada ao grau de atingimento do objetivo. Se desejamos fazer algo (ser aprovados em um concurso pblico, por exemplo) e logramos xito nesse projeto, somos eficazes. Dessa forma, evidencia o cumprimento da misso, chegar ao resultado desejado.

(C) O benchmarking visa desenvolver a habilidade dos administradores de visualizar no mercado as melhores prticas administrativas das empresas consideradas excelentes (benchmarks) em certos aspectos, comparar as mesmas tcnicas vigentes na empresa, focalizar, avaliar a situao e identificar as oportunidades de mudanas dentro da organizao. A meta definir objetivos de gesto e legitim-los por meio de comparaes externas. Uma das principais barreiras adoo do benchmarking reside em convencer os administradores de que seus desempenhos podem ser melhorados e excedidos. Isso requer uma paciente abordagem e apresentao de evidncias de melhores mtodos utilizados por outras organizaes. Por isso, no requer consenso e comprometimento das pessoas.

(D) Existem trs estratgias genricas para tornar uma empresa mais competitiva: a diferenciao, a liderana de custo e a focalizao. A Diferenciao uma estratgia que procura tornar uma organizao mais competitiva por meio do desenvolvimento de um produto que o cliente perceba como diferente dos demais produtos oferecidos pelos concorrentes. A Liderana de custo uma estratgia que focaliza tornar uma organizao mais competitiva por meio de produtos mais baratos do que os dos concorrentes. A Focalizao (ou enfoque) uma estratgia que procura tornar uma organizao mais competitiva por concentrar-se em um particular e especfico consumidor.

(E) A efetividade ressalta o impacto, a medida em que o resultado almejado (e concretizado) mudou determinado panorama, cenrio. Considerando a construo de escolas e o incremento no nmero de professores contratados, a efetividade evidenciar, por exemplo, de que maneira isso contribuiu para a reduo do ndice de analfabetismo (impacto). Nesse sentido, h autores que defendem que a efetividade decorre do alcance da eficcia e da eficincia, simultaneamente. Numa outra acepo, pode ser entendida, tambm, como satisfao do usurio. Na ponta da linha, a efetividade ocorre quando um produto ou servio foi percebido pelo usurio como satisfatrio.

76 A base fundamental do trabalho de cada executivo est na equipe. Ela constitui a sua unidade de ao, a sua ferramenta de trabalho. Com ela, o executivo alcana metas e produz resultados. Para tanto, ele precisa saber como escolher sua equipe, como desenhar o trabalho para aplicar as competncias dela, como treinar e preparar a equipe para aumentar sua excelncia, como liderar e impulsionar a equipe, como motiv-la, como avaliar o seu desempenho para melhor-lo cada vez mais e como recompens-la para reforar e reconhecer seu valor. Essa a sua praia. Trabalhar com a equipe passa a ser a atividade principal do executivo como gestor de pessoas. Mas lidar com equipes exige cuidados especiais. H uma variedade de tipos de equipes, conforme descrito nas alternativas a seguir, EXCEO DE UMA. Assinale-a. (A) Equipes autodirigidas: so compostas de pessoas

altamente treinadas para desempenhar um conjunto de tarefas interdependentes dentro de uma unidade natural de trabalho. Os membros usam o consenso na tomada de deciso para desempenhar o trabalho, resolver problemas ou lidar com clientes internos ou externos.

(B) Equipes funcionais cruzadas: so compostas de pessoas vindas de diversas reas da empresa (marketing, produtos, finanas, engenharia) e so formadas para alcanar um objetivo especfico por meio de um mix de competncias. Quase sempre so designadas.

(C) Equipes de fora-tarefa: uma fora-tarefa designada para resolver imediatamente um problema. O grupo fica responsvel por um plano de longo prazo para resoluo do problema que pode incluir a implementao da soluo proposta.

(D) Equipes de projetos: so formadas especialmente para desenhar um novo produto ou servio. Os participantes so designados na base de sua habilidade para contribuir para o sucesso. O grupo geralmente debanda aps completada a tarefa.

(E) Equipes de melhoria de processos: um grupo de pessoas com ou sem experincia, vindas de fora da entidade. Os membros so geralmente pessoas com perfil mais conservador.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 18

77 Uma equipe bem-sucedida requer habilidades especiais que devem ser inter-relacionadas, mutuamente reforadas e interdependentes entre si. A articulao dessas habilidades pode ajudar uma equipe a definir melhor o que ela deve e como fazer. Clock e Goldsmith propem habilidades que os membros de uma equipe devem desenvolver, corretamente listadas nas alternativas a seguir, EXCEO DE UMA. Assinale-a. (A) Habilidade de comunicao: a equipe deve trabalhar

colaborativamente para comunicar aberta e honestamente, ouvir ativamente para obter sinergia.

(B) Habilidade de autogerenciamento: a equipe deve, em conjunto, ultrapassar obstculos por meio da construo de um senso de propriedade, responsabilidade, compromisso e eficincia de cada membro, encorajando a total participao e autocrtica para melhorar incessantemente as condies de trabalho.

(C) Habilidade de responsabilidade: cada membro da equipe responsvel somente pelo seu trabalho. A responsabilidade no compartilhada com os demais.

(D) Habilidade de apoio diversidade: quanto mais diversificada a equipe tanto maior sua capacidade de responder a novos problemas e apresentar novas solues. Novas ideias proporcionam diferentes opinies que enriquecem o trabalho da equipe. Esteretipos e preconceitos devem ser eliminados.

(E) Habilidade de liderana: a equipe deve criar oportunidades para que cada participante sirva como lder. Para tanto, cada membro deve aprender a organizar, colaborar, planejar, facilitar, relacionar e servir como coach e mentor.

78 No que tange administrao e desenvolvimento de sistemas, o gerenciamento de riscos est sendo considerado, cada vez mais, como uma das principais atividades dos gerentes de projeto. Nesse contexto, existem trs categorias de risco, descritas a seguir e que afetam: I. a qualidade ou o desempenho do software que est sendo desenvolvido; II. a organizao que desenvolve ou adquire o software; III. o cronograma ou os recursos destinados ao projeto. Essas categorias I, II e III so conhecidas, respectivamente, como riscos de (A) negcio, implementao e produto. (B) produto, negcio e projeto. (C) processo, projeto e implementao. (D) implementao, processo e validao. (E) validao, produto e negcio.

79 Um Fiscal de Rendas criou a planilha abaixo no Excel 2007 BR.

Foram realizados, para os produtos especificados, os procedimentos a seguir descritos: I. De G5 a G8, foram inseridas expresses que determinam o maior valor dentre as trs cotaes dos fornecedores. II. De H5 a H8, foram inseridas expresses que determinam a mdia aritmtica dentre as trs cotaes dos fornecedores. III. De I5 a I8, foram inseridas expresses que determinam o menor valor dentre as trs cotaes dos fornecedores. IV. De J5 a J8, foram inseridas expresses que determinam o valor total que multiplica a quantidade pelo menor valor apurado. V. O valor inserido em J9 representa o valor total da licitao, resultado da soma entre todas as clulas de J5 a J8. VI. Nas clulas de K5 a K8 foram inseridas expresses que determinam o fornecedor que venceu a licitao, no produto indicado. Nessas condies, as expresses inseridas em I6 e K7 so, respectivamente, (A) =MENOR(D6;F6) e

=SE(I7=D7;"FR3";SE(I7=E7;"FR1";"FR2")) (B) =MNIMO(D6;F6) e

=SE(I7=D7;"FR3";SE(I7=E7?"FR1":"FR2")) (C) =MNIMO(D6:F6) e

=SE(I7=D7;"FR1";SE(I7=E7;"FR2";"FR3")) (D) =MNIMO(D6:F6) e

=SE(I7=D7;"FR2";SE(I7=E7;"FR3";"FR1")) (E) =MENOR(D6:F6) e

=SE(I7=D7;"FR1";SE(I7=E7?"FR2":"FR3"))

80 Segurana da Informao um tema que se reveste atualmente de alta importncia para os negcios. Um de seus aspectos mais relevantes est associado capacidade do sistema de permitir que alguns usurios acessem determinadas informaes e paralelamente impede que outros, no autorizados, a vejam. O aspecto abordado denominado (A) Disponibilidade. (B) Integridade. (C) Confidencialidade. (D) Privacidade. (E) Vulnerabilidade.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 19

DIREITO A CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO 81 O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, ao apreciar a legalidade, legitimidade e economicidade de contrato administrativo celebrado por determinado municpio fluminense, identifica uma srie de irregularidades, incluindo a ocorrncia de dano ao errio devidamente quantificado. Sabendo que o responsvel pelas irregularidades e pelo dano ao errio j se encontra identificado, o Tribunal de Contas do Estado dever (A) determinar a instaurao de uma Tomada de Contas

Especial, a ser realizada no mbito do rgo de controle interno do municpio, ao qual competir, aps contraditrio e ampla defesa, julgar as respectivas contas e aplicar ao responsvel as sanes previstas em lei, entre as quais multa proporcional ao dano ao errio.

(B) imputar o dbito ao gestor responsvel, em deciso dotada de eficcia de ttulo executivo extrajudicial, cabendo ao prprio Tribunal de Contas do Estado promover a respectiva execuo forada.

(C) instaurar uma Tomada de Contas e, aps a abertura de prazo para exerccio da ampla defesa, poder julgar irregulares as contas do gestor responsvel, imputando-lhe o dbito apurado, em deciso dotada de fora executiva.

(D) comunicar o fato imediatamente ao Ministrio Pblico do Estado, a fim de que seja ajuizada a competente ao de ressarcimento, uma vez que a Corte de Contas no tem competncia para imputar o dbito ao gestor responsvel.

(E) sustar imediatamente a execuo do contrato administrativo, comunicando a deciso Cmara de Vereadores, que ter o prazo de cento e vinte dias para referendar o ato de sustao.

82 A respeito do regime jurdico aplicvel s entidades da Administrao Pblica, considere as seguintes afirmativas: I. As empresas pblicas so pessoas jurdicas de direito privado e integram a Administrao Pblica Indireta do ente federativo respectivo. II. Os consrcios pblicos so pessoas jurdicas de direito privado e integram a administrao indireta de todos os entes da Federao consorciados. III. As sociedades de economia mista submetem-se ao limite mximo de remunerao previsto no artigo 37, inciso XI, da Constituio da Repblica (subsdio mensal, em espcie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal) caso recebam recursos da Unio, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municpios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio em geral. Assinale (A) se apenas a afirmativa II estiver correta. (B) se apenas a afirmativa I estiver correta. (C) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (D) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (E) se apenas a afirmativa III estiver correta.

83 Abelhudo, cidado brasileiro, contrai casamento com Abelhudinha, tendo o casal trs filhos. Infelizmente, o casal resolve divorciar-se, e o varo assume o dever de prestar alimentos sua ex-esposa e aos seus filhos. Apesar de contar com boa remunerao, Abelhudo deixa de pagar vrias prestaes dos alimentos acordados judicialmente, vindo a sofrer processo de cobrana, tendo sua ex-mulher requerido sua priso caso no solvesse a dvida. O varo, apesar de regularmente comunicado do processo, no pagou a dvida nem justificou o no pagamento, vindo sua priso a ser declarada pelo magistrado presidente do processo. A respeito da priso civil, correto afirmar que (A) foi extinta aps a edio da Constituio Federal de

1988. (B) est preservada somente para militares em tempo de

guerra. (C) est restrita dvida quando ela tem natureza de

alimentos. (D) admissvel quando o devedor contrai dvidas com

fornecedores. (E) constitucionalmente prevista para homens

inadimplentes de alimentos.

84 A respeito do regime jurdico dos contratos administrativo, assinale a alternativa correta. (A) A durao dos contratos administrativos fica adstrita

vigncia dos respectivos crditos oramentrios, admitida a prorrogao dos contratos de prestao de servios contnuos e de compras, por iguais e sucessivos perodos, limitados a sessenta meses, desde que demonstrada a vantajosidade da prorrogao.

(B) Constatada a inexecuo total ou parcial do contrato, a Administrao Pblica poder, garantida a prvia defesa, aplicar ao contratado as sanes de advertncia, multa, suspenso temporria de participao em licitao por at cinco anos e declarao de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administrao Pblica Federal, Estadual e Municipal.

(C) Em carter excepcional, devidamente justificado e mediante autorizao da autoridade superior, o contrato administrativo pode ser celebrado com prazo de vigncia indeterminado.

(D) So consideradas clusulas exorbitantes aquelas que, em contratos administrativos, rompem o seu equilbrio econmico-financeiro, sendo, por essa razo, nulas de pleno direito, ensejando ao contratado o direito resciso contratual.

(E) O contratado responsvel pelos danos causados diretamente Administrao ou a terceiros, decorrentes de sua culpa ou dolo na execuo do contrato, no excluindo ou reduzindo essa responsabilidade a fiscalizao ou o acompanhamento pelo rgo interessado.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 20

85 Analise as afirmativas a seguir: I. A competncia para legislar sobre direito tributrio privativa da Unio, mas pode ser delegada aos Estados. II. Lei estadual sobre poltica de crdito inconstitucional, porque se trata de matria de competncia da Unio. III. A competncia para editar normas gerais de licitao da Unio, mas, na ausncia de lei federal, os Estados podero legislar sobre a matria. Assinale (A) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. (B) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (C) se apenas a afirmativa I estiver correta. (D) se apenas a afirmativa II estiver correta. (E) se apenas a afirmativa III estiver correta.

86 A respeito dos sistemas de controle da administrao pblica, analise as afirmativas a seguir: I. Os responsveis pelo controle interno, ao tomarem conhecimento de qualquer ilegalidade ou irregularidade, dela daro cincia ao Tribunal de Contas competente, sob pena de responsabilidade solidria. II. A aplicao das sanes decorrentes da prtica de ato de improbidade administrativa independe da aprovao ou rejeio das contas pelo rgo de controle interno ou pelo Tribunal de Contas competente. III. De acordo com a lei de processo administrativo do Estado do Rio de Janeiro, a revogao de atos administrativos por motivo de convenincia e oportunidade deve respeitar direitos adquiridos; entretanto, como se trata de desfazimento do ato por razes de mrito, no se oferece ao beneficirio a oportunidade de manifestar-se previamente revogao. Assinale (A) se apenas a afirmativa II estiver correta. (B) se apenas a afirmativa I estiver correta. (C) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. (D) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. (E) se apenas a afirmativa III estiver correta.

87 Suponha que o STF, em ao direta de inconstitucionalidade (ADI), tenha julgado a lei X inconstitucional. Nesse caso, seria correto afirmar que a lei X (A) pode ser federal, estadual ou municipal e dever ser

encaminhada ao Senado para que seja suspensa. (B) federal e dever ser encaminhada ao Senado para

que seja suspensa. (C) pode ser federal ou estadual e no precisa ser

encaminhada ao Senado para ser suspensa. (D) pode ser federal ou estadual e dever ser encaminhada

ao Senado para que seja suspensa. (E) pode ser federal, estadual ou municipal e no precisa

ser encaminhada ao Senado para ser suspensa.

88 Manoel Gadaffi, prcer de governo que sofreu abalos por movimentos populares internos, refugia-se no Brasil, tendo sido apresentado pedido de extradio pelo novo governo do seu pas de origem, que fundamenta o seu pedido na garantia de um processo justo, uma vez que os revolucionrios formaram um tribunal especial composto de membros do povo, do novo Congresso eleito, de magistrados indicados pelos membros do Executivo, religiosos etc. Diante das caractersticas desse rgo julgador, correto afirmar que ocorreria a violao do princpio do(a) (A) repblica. (B) publicidade. (C) juiz natural. (D) isonomia. (E) prova ilcita.

89 Antnia ajuizou ao de rito ordinrio em face de empresa concessionria de servio de transporte coletivo urbano visando reparao dos danos por ela suportados ao ser atropelada em acidente de trnsito causado pelo motorista da empresa. Considerando a situao hipottica narrada, a responsabilidade civil da empresa concessionria de servio pblico ser (A) solidria em relao responsabilidade objetiva do

Poder Concedente e subjetiva do prprio agente causador do dano.

(B) subjetiva e, por tratar-se de pessoa jurdica de direito privado prestadora de servio pblico, haver presuno de culpa do agente causador do dano.

(C) subsidiria em relao responsabilidade objetiva do Poder Concedente, a quem compete o dever de fiscalizao na execuo do servio pblico concedido.

(D) subjetiva, pois a vtima do dano terceiro no usurio do servio pblico, afastando, assim, a incidncia da responsabilidade objetiva fundada na teoria do risco administrativo.

(E) objetiva, uma vez que o dano foi causado por agente de pessoa jurdica de direito privado prestadora de servio pblico, sendo indiferente ser a vtima usuria ou no usuria do servio pblico.

90 O projeto de lei relativo ao plano plurianual relacionado ao oramento da Unio deve ser apreciado (A) de acordo com o regimento da Cmara. (B) por comisso mista do Executivo. (C) pelas duas Casas Legislativas. (D) na forma do regimento do Senado. (E) por comisso permanente do Senado Federal.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 21

91 Considere a seguinte afirmativa: A Constituio da Repblica enumera os princpios que regem a atividade econmica, dentre os quais o tratamento favorecido para as empresas de pequeno e mdio porte constitudas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administrao no Pas. Essa afirmativa est INCORRETA porque (A) o tratamento favorecido viola a livre concorrncia, que

um dos princpios da atividade econmica. (B) a Constituio no admite tratamento favorecido, em

respeito ao direito igualdade. (C) o tratamento favorecido deve ser condicionado apenas

reduo das desigualdades regionais. (D) o tratamento favorecido no se estende s empresas

de mdio porte. (E) o tratamento favorecido deve ser condicionado apenas

reduo das desigualdades sociais.

92 NO atribuio legal do Auditor Fiscal da Receita do Estado do Rio de Janeiro (A) instaurar Tomada de Contas Especial por ausncia de

prestao de contas do sujeito passivo da obrigao tributria.

(B) examinar bens mveis e imveis, mercadorias, documentos e livros fiscais e comerciais, bem como arquivos do sujeito passivo da obrigao tributria.

(C) lavrar termo, intimao, notificao, nota de lanamento, auto de infrao e auto de apreenso.

(D) emitir parecer em processos de consulta e de regime especial, bem como de extino, suspenso e excluso de crdito tributrio, ressalvada a competncia do rgo central do sistema jurdico estadual.

(E) fiscalizar e efetuar o lanamento dos tributos estaduais e outras receitas no tributrias do Estado do Rio de Janeiro, decorrentes da explorao de recursos hdricos e minerais, inclusive petrleo e gs natural.

93 A Comisso de Licitao de um rgo pblico estadual, em procedimento licitatrio de Tomada de Preos, decidiu por inabilitar determinada licitante que havia descumprido norma editalcia pertinente comprovao de sua habilitao jurdica para execuo do objeto contratual. A deciso da Comisso de Licitao pauta-se no princpio setorial das licitaes conhecido por (A) instrumentalidade das formas. (B) vinculao ao instrumento convocatrio. (C) julgamento objetivo das propostas. (D) lealdade processual. (E) padronizao.

94 O presidente de uma autarquia do Estado do Rio de Janeiro, aps auditoria realizada na folha de pagamento da entidade, detectou irregularidades na concesso de vantagens pecunirias a algumas categorias de servidores pblicos e pretende rever os atos administrativos concessivos de tais benefcios. Considerando que os atos administrativos foram praticados h mais de doze anos e que vm produzindo, desde ento, efeitos jurdicos favorveis aos seus destinatrios de boa-f, o Presidente da autarquia indaga se existe algum limite temporal para a anulao de tais atos. Nessa situao hipottica, de acordo com a lei de processo administrativo do Estado do Rio de Janeiro (Lei 5.427/2009), correto afirmar que o direito de a Administrao Pblica anular tais atos (A) decai em cinco anos, contados da data de percepo

do primeiro pagamento. (B) prescreve em cinco anos, contados da data em que

foram praticados, salvo comprovada m-f. (C) prescreve em dez anos, contados da data da cincia do

vcio de legalidade, salvo comprovada m-f. (D) decai em cinco anos aps o trmino do exerccio de

mandato, cargo em comisso ou funo de confiana. (E) no se submete a prazo decadencial, em decorrncia

do princpio da legalidade.

95 As sucessivas reformas da Constituio atingiram a estrutura do Poder Judicirio nacional. No curso do debate, houve acerba campanha, inclusive da OAB, pela instituio do controle externo da atuao dos juzes. Aps os debates, surgiram os novos rgos: Conselho Nacional de Justia (CNJ) e Conselho Nacional do Ministrio Pblico (CNMP). Nessa linha, correto afirmar que (A) o Poder Judicirio no possui controle administrativo

interno previsto. (B) o CNJ exerce o controle externo da atividade do Poder

Judicirio. (C) os dois Conselhos referidos integram a estrutura do

Poder Judicirio. (D) rgo integrante do Poder Judicirio o CNJ,

exercendo controle interno. (E) o CNMP exerce a atividade de controle externo do

Poder Judicirio.

96 Suponha que, em setembro de 2010, o Presidente da Repblica tenha editado medida provisria majorando a alquota de determinado imposto. Nesse caso, correto afirmar que a medida provisria (A) constitucional e produz efeito imediatamente aps a

sua edio. (B) inconstitucional, pois medida provisria no pode

dispor sobre matria reservada a lei complementar. (C) inconstitucional, pois medida provisria pode instituir

tributo, mas no pode alterar alquota. (D) constitucional, mas s produzir efeito em 2011 se

tiver sido convertida em lei em 2010. (E) inconstitucional, pois medida provisria no pode

dispor sobre direito tributrio.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 22

97 Um cidado que no pretende recolher determinado imposto por considerar que a lei que instituiu referido tributo inconstitucional dever ajuizar a seguinte ao: (A) mandado de segurana. (B) habeas data. (C) ao popular. (D) ao direta de inconstitucionalidade. (E) mandado de injuno.

98 A Ao Civil Pblica tem assento constitucional em norma diversa da que prestigia as demais aes, como o Mandado de Segurana e o Habeas Corpus, inseridos no captulo destinado aos direitos e garantias individuais e coletivos. Em relao s caractersticas que podem ser vinculadas Ao Civil Pblica, assinale a alternativa correta. (A) A propositura exclusiva do Ministrio Pblico dos

Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. (B) Podem ser objeto de pedido na Ao Civil Pblica

questes tributrias, desde que com base constitucional.

(C) Havendo inqurito civil, ele ser presidido por membro do Poder Judicirio, especialmente designado.

(D) Sendo um direito da coletividade, qualquer cidado pode ser autor nessa espcie de ao civil.

(E) O Ministrio Pblico em geral e outras pessoas especificadas em lei podem propor a ao.

99 A respeito do regime de responsabilidade dos servidores pblicos em mbito federal, correto afirmar que (A) embora as instncias penal e administrativa sejam

independentes, a deciso penal absolutria por insuficincia de provas vincula a instncia administrativa.

(B) a responsabilidade do servidor ser afastada no caso de absolvio criminal que negue a existncia do fato ou sua autoria.

(C) a ao disciplinar prescreve em 2 (dois) anos, seja qual for a natureza da infrao administrativa cometida pelo servidor.

(D) as sanes administrativas no podem cumular-se com as sanes civis decorrentes de uma mesma infrao funcional, sob pena de bis in idem.

(E) o servidor pblico responde penal e administrativamente pelo exerccio irregular de suas atribuies, ao passo que a responsabilidade civil exclusiva da Administrao Pblica.

100 O chefe de determinado rgo pblico integrante da estrutura do Poder Executivo Federal, visando a conferir maior celeridade na tramitao de processos administrativos, decide delegar a competncia para decidir recursos administrativos a seu chefe de gabinete. Considerando a situao hipottica acima narrada, correto afirmar que tal conduta se revela juridicamente (A) correta, desde que exista previso legal e que o ato

seja acompanhado de aceitao expressa do agente delegatrio.

(B) incorreta, uma vez que legalmente vedada a delegao da competncia para decidir recursos administrativos.

(C) correta, desde que o ato de delegao seja publicado em meio oficial.

(D) incorreta, em decorrncia da regra geral de indelegabilidade de competncias administrativas.

(E) correta, uma vez que o chefe do rgo pblico exerce a direo superior da Administrao Pblica Federal.

AUDITOR FISCAL TIPO 2 VERDE Pgina 23