COMENTÁRIOS E REFERÊNCIAS - .Verifique se este caderno de prova contém um total de 120 questões,

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of COMENTÁRIOS E REFERÊNCIAS - .Verifique se este caderno de prova contém um total de 120 questões,

Nome do Aluno Nmero

edudata

INSTRUES

Verifique se este caderno de prova contm um total de 120 questes, numeradas de 1 a 120.

Caso contrrio solicite ao fiscal da sala um outro caderno completo.

Para cada questo existe apenas UMA resposta correta.

Voc deve ler cuidadosamente cada uma das questes e escolher uma resposta.

Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que voc recebeu.

VOC DEVE:

Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o nmero da questo a que voc est respondendo.

Verificar no caderno de prova qual a letra (A, B, C, D) da resposta que voc escolheu.

Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS fazendo um trao bem forte no quadrinho que aparece abaixo dessa letra.

ATENO

Marque as respostas com caneta esferogrfica de tinta azul ou preta.

Marque apenas uma letra para cada questo, mais de uma letra assinalada implicar anulao dessa questo.

Responda a todas as questes.

No ser permitida qualquer espcie de consulta, nem o uso de aparelhos eletrnicos.

Voc ter 4h (quatro horas) para responder a todas as questes e preencher a Folha de Respostas.

"Direitos autorais reservados. Proibida a reproduo, ainda que parcial, sem autorizao prvia".

FMRP-USP

TESTE DE PROGRESSO INTERINSTITUCIONAL SETEMBRO/2016

COMENTRIOS E REFERNCIAS

2 Teste de Progresso setembro/2014

1. A - O enunciado da questo esclarece que a protena Ki-67 no expressa em clulas em G0. Portanto, ao analisar o elevado ndice Ki-67 do tumor em questo, o aluno poderia concluir que se trata de um tumor de crescimento rpido. Com base nesse conhecimento, j descartaria as alternativas B eC, que mencionam crescimento lento do tumor ou o predomnio de clulas em fase no-proliferativa. O simples reconhecimento de que necrose e apoptose so diferentes tipos de morte celular tambm levaria excluso da alternativa B. Noes sobre fagocitose seriam suficientes para que o aluno descartasse a alternativa D, j que a fagocitose no explicaria a observao de reas de necrose.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Carvalho HF, SM Recco-Pimentel. A Clula. 3 Edio. Editora Manole, 2013.

Alberts B, Johnson A, Lewis J, Morgan D, Raff M, Roberts K, Walter P. Molecular Biologyofthe

Cell. 6th Edition. Garland Science (New York), 2014.

2. C - O MTX (metotrexato) inibe a sntese de nucleotdeos e, portanto, impede a replicao do DNA, que ocorre na fase S do ciclo celular. Portanto, uma clula neoplsica exposta ao MTX tem seu ciclo celular bloqueado na fase S.

A vincristina impede a polimerizao de microtbulos e, dessa forma, impede a formao e atuao do fuso mittico. Uma clula exposta droga vincristina fica bloqueada na fase M do ciclo celular.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Alberts, B. et al. Molecular Biology of the Cell. Garland Publ. Inc., N. York & London, p. 779-800, 2008.

Carvalho, H.F.; Recco-Pimentel, S.M. A Clula. 3. Edio. Editora Manole, 2013.

3. A - O enunciado da questo tpico de portadora de sndrome de Turner e essa alternativa explica o mecanismo correto para o caritipo 45, X.

Falta de disjuno em cromossomos autossomos durante a meiose em um dos gametas resultando em caritipo 47, XX, +21, se refere ao mecanismo para explicar a sndrome de Down. O enunciado no compatvel com sndrome de Down.

Mutao no gene FMR1 resultando em sndrome do X frgil tem sido relacionada mais frequentemente infertilidade feminina. As mulheres portadoras dessa mutao apresentam infertilidade, mas no apresentam sinais neurolgicos. O enunciado da questo no compatvel com essa mutao.

Falta de disjuno em cromossomo sexual durante a meiose em um dos gametas resultando em um caritipo 45, XXX, sndrome do triplo Xse refere a uma triploidia, situao que habitualmente evolui para abortamento precoce.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Sadler TW. Langman - Embriologia Mdica, 12. ed., Guanabara Koogan, 2013.

Moore KL, Persaud TVN, Torchia MG. Embriologia Clnica, 9. ed., Elsevier, 2013.

4. D - no rim que ocorre a converso da 25 vitamina D em 1,25 vitamina D, forma ativa da vitamina, devido a enzima renal 1 hidroxilase . O aumento da forma ativa da vitamina aumenta a absoro intestinal de clcio

Hipocalcemia, hiperparatireoidismo e hipofosfatemia estimulariam a atividade da enzima 1-hidroxilase no rim formando assim uma quantidade maior de 1,25 vitamina D.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

CURI, R.; PROCOPIO, J. Fisiologia Bsica. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. 857p.

BERNE, R. M.; LEVY, M. N. Fisiologia. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 864p. GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia mdica. 12 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 1151p.

5. C - Trata-se uma acidose metablica por excesso de cetocidos com tentativa de compensao respiratria. O diagnstico da acidose metablica se faz pela queda do pH sanguneo (acidose) associado a queda da concentrao do bicarbonato (HCO3-) e do base-excess (BE). A tentativa de compensao respiratria detectada pela queda do pCO2. A acidose metablica pode ocorrer por perda de bicarbonato ou aumento da produo de cidos, o principal parmetro que diferencia essas duas situaes o hiato aninico. Esse parmetro mostra a relao de equilbrio entre a quantidade de ctions e nions circulantes. Valores normais do hiato aninico sugerem que h perda de bicarbonato, enquanto valores elevados sugerem adio de cidos, e seus nions correspondentes, no sangue. No caso em questo, o hiato aninico est aumentado, sendo que o diagnstico de acidose metablica causada pela adio de cetocidos, cetoacetato e beta-hidroxibutirato na circulao (cetoacidose).

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Diagnsticos clnicos e tratamento por mtodos laboratoriais de Henry - 21 edio. Autores: Richard A. McPherson e Mathew R. Pincus

Tietz. Fundamentos da Qumica Clnica - 6a edio. Autores:Carl A. Burtis, Edward R. Ashwood, David E. Bruns

6. B - O polimorfismo gentico da tiopurina S-metiltransferase instrutivo da importncia clnica da farmacogentica na medicina de preciso. Quando dosagens uniformes (padro) soprescritos a pacientes homozigotos e heterozigotos para variantes de baixa atividade, ocorre a toxicidade grave da medula ssea. A enzima TPMT transfere um grupo metil para frmacos anlogos de purinas, levando-o sua inativao. Alelos deficientes levam ao acmulo do substrato, sendo que indivduos com gentipos deficientes requerem doses mais baixas destes medicamentos.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Nussbaum RL, McInnes RR, Willard HF. Thompson & Thompson - 2008 - GenticaMdica, 7a. Ed., Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, RJ, 525p (captulo 17).

Strachan T, Read A. Gentica Molecular Humana. 2013 - 4a. Ed. ArtmedEditora LTDA, Porto Alegre, RS, 780p (captulo 19).

Teste de Progresso setembro/2014 3

7. D - O tratamento bem-sucedido da fenilcetonria permite que os homozigotos acometidos levem uma vida independente e tenham perspectivas de maternidade/paternidade. Como previstos pelos princpios mendelianos, os filhos de casamentos entre um indivduo normal e me acometida seriam heterozigotos. Assim, neste caso o fentipo do beb no decorre de seu gentipo, mas do efeito teratognico dos nveis elevados de fenilalanina na circulao materna.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Nussbaum RL, McInnes RR, Willard HF. Thompson & Thompson - 2008 - GenticaMdica, 7a. Ed., Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, RJ, 525p (captulo 12).

Strachan T, Read A. Gentica Molecular Humana. 2013 - 4a. Ed. ArtmedEditora LTDA, Porto Alegre, RS, 780p (captulo 19).

8. A - A espessura aumentada da translucncianucal relaciona-se trissomia do 21 ou Sndrome de Down. A trissomia dos autossomos ocorre com maior frequncia medida que a idade materna aumenta em decorrncia de erros numricos na disjuno meitica dos cromossomos (meiose I ou II) durante a gametognese, o que resulta em um gameta com 24 cromossomos (ao invs de 23) e na formao de um zigoto com 47 cromossomos.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Sadler, T.W. Langman Embriologia Mdica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan. 2013.

Moore, K. L., Persaud, T.V.N., Torchia, M.G. Embriologia Clnica. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2016.

Nakadonari, E.K; Soares, A.A. Sndrome de Down: consideraes gerais sobre a influncia da idade materna avanada. ArqMudi. 10(2):5-9, 2006.

9. D - Os corpos celulares para os neurnios motores somticos que suprem os msculos esquelticos de tronco e membros esto localizados nos cornos anteriores da medula espinal.

Os gnglios da cadeia simptica pertencem ao sistema nervoso visceral autnomo, no estando, portanto, relacionados ao controle voluntrio do sistema esqueltico.

Os gnglios da raiz posterior contm corpos celulares que esto relacionados sensibilidade do sistema neural somtico.

Os cornos posteriores da medula espinal esto relacionados sensibilidade do sistema neural somtico.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS:

Cosenza RM. Fundamentos de Neuroanatomia. 4 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2013.

Pezzi LHA, Correia JAP, Prinz RAD, Pessanha Neto S. Anatomia Clnica Baseada em Problemas. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2013.

Moore KL, Agur AMR, Dalley AF. Fundamentos de Anatomia Clnica. 4 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2013.

10. B - Claudicao intermitente decorrente de doena vascular arterial perifrica, na qual a presena de placas ateromatosas nas artrias diminui a perfuso tecidual. O aumento na perfuso necessrio quando h trabalho muscular e a incapacidade de fornecer oxignio adequadamente, por esta reduo do fluxo, produz isquemia e consequentemente dor.

A doena vascular venosa no oca