Click here to load reader

Conhecimentos Gerais, Língua Portuguesa e Literaturas em

  • View
    239

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Conhecimentos Gerais, Língua Portuguesa e Literaturas em

  • GABARITO 3

    CCCAAADDDEEERRRNNNOOO DDDEEE QQQUUUEEESSSTTTEEESSS --- PPPAAASSS---UUUEEEMMM///222000111111 --- EEETTTAAAPPPAAA 333

    N.o DE ORDEM: N.o DE INSCRIO: NOME DO CANDIDATO:

    IIINNNSSSTTTRRRUUUEEESSS PPPAAARRRAAA AAA RRREEEAAALLLIIIZZZAAAOOO DDDAAA PPPRRROOOVVVAAA 1. Confira os campos N.o DE ORDEM, N.o DE INSCRIO e

    NOME, que constam na etiqueta fixada em sua carteira.

    2. Confira se o nmero do gabarito deste caderno corresponde ao constante na etiqueta fixada em sua carteira. Se houver divergncia, avise, imediatamente, o fiscal.

    3. proibido folhear o Caderno de Questes antes do sinal, s 14 horas.

    4. Aps o sinal, confira se este caderno contm 40 questes objetivas e/ou qualquer tipo de defeito. Qualquer problema, avise, imediatamente, o fiscal.

    5. Durante a realizao da prova, proibido o uso de dicionrio, de calculadora eletrnica, bem como a consulta a qualquer material adicional. Tambm proibido o uso de bon, de relgio, de celulares, de bips, de aparelhos de surdez, de MP3 player ou de aparelhos similares.

    6. A comunicao ou o trnsito de qualquer material entre os candidatos so proibidos. A comunicao, se necessria, somente poder ser estabelecida por intermdio dos fiscais.

    7. O tempo mnimo de permanncia na sala de 2 horas, aps o incio da prova.

    8. No tempo destinado a esta prova (5 horas), est includo o de preenchimento da Folha de Respostas.

    9. Transcreva as respostas deste caderno para a Folha de Respostas. A resposta ser a soma dos nmeros associados s alternativas corretas. Para cada questo, preencha sempre dois alvolos: um na coluna das dezenas e um na coluna das unidades, conforme exemplo ao lado: questo 13, resposta 09 (soma das proposies 01 e 08).

    10. Se desejar, transcreva as respostas deste caderno no Rascunho para Anotao das Respostas constante abaixo e destaque-o, para receb-lo hoje, ao trmino da prova, no horrio das 19h15min s 19h30min, mediante apresentao do documento de identificao. Aps esse perodo, no haver devoluo. O Caderno de Questes no ser devolvido.

    11. Ao trmino da prova, levante o brao e aguarde atendimento. Entregue ao fiscal este caderno, a Folha de Respostas, o Rascunho para Anotao das Respostas e o Caderno Verso Definitiva da Redao.

    12. A desobedincia a qualquer uma das determinaes dos fiscais poder implicar a anulao da sua prova.

    13. So de responsabilidade nica do participante a leitura e a conferncia de todas as informaes contidas no Caderno de Questes e na Folha de Respostas.

    Corte na linha pontilhada. ........................................................................................................... RRRAAASSSCCCUUUNNNHHHOOO PPPAAARRRAAA AAANNNOOOTTTAAAOOO DDDAAASSS RRREEESSSPPPOOOSSSTTTAAASSS --- PPPAAASSS---UUUEEEMMM///222000111111 --- EEETTTAAAPPPAAA 333

    N.o DE ORDEM: NOME:

    01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

    21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

    UEM Comisso Central do Vestibular Unificado

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 2

    REDAO

    Texto 1

    Pior colgio tem baile funk em aula e rebelio

    Na mochila dos alunos do Ensino Mdio da Escola Estadual Madre Paulina, no Itaim Paulista (zona leste de SP), os cadernos e as apostilas dividem espao com minicaixas de som e pen drives, ao menos uma vez por ms. o dia do baile funk.

    A unidade foi a que obteve a pior pontuao em Lngua Portuguesa entre os alunos do 3 ano do Ensino Mdio no Saresp 2010 (Sistema de Avaliao de Rendimento Escolar do Estado de So Paulo).

    O ranking foi elaborado pela reportagem a partir dos boletins fornecidos pelo governo estadual. Com 230 pontos, a Madre Paulina est no nvel abaixo do bsico ou insuficiente. No colgio, comum haver msica alta dentro das salas, e em perodo de aula. So os alunos que fazem

    a seleo e determinam o horrio da festa, que pode ocorrer de manh ou noite. Os professores reclamam, mas no conseguem evitar, dizem os estudantes. Policiais que fazem ronda na

    regio confirmam a prtica e denunciam outros atos indisciplinares, como consumo de drogas, brigas entre gangues e at rebelio.

    H poucos dias tivemos de entrar l para apartar uma guerra de mas. Os alunos, que ficam trancados em um corredor durante as aulas, estavam se atacando com as sobras do recreio. Eles gritavam que era rebelio, e parecia mesmo, diz um policial.

    A infraestrutura do colgio tambm no ajuda: placas de ao protegem as janelas de vidro, constantemente quebradas.

    A Secretaria de Estado da Educao no autorizou a entrada da reportagem na unidade ontem. Alunos relataram, porm, diversos problemas estruturais, como cadeiras e mesas quebradas, ausncia de portas nos banheiros e buracos na quadra de esportes.

    O histrico de problemas desanima os prprios jovens. At quem tenta estudar no consegue. um ambiente que no combina com o ensino. Estou l desde a 5 srie (atual 6 ano do Ensino Fundamental) e o desnimo geral. Tem professor bom, mas tm outros que at passam a resposta na lousa para no ter que explicar, diz Talita da Silva Medeiros, 17.

    A colocao da escola no ranking do Saresp no surpreende as turmas da unidade. assim mesmo. Os professores j desistiram da gente, lamentou Uemerson de Bastos, 16.

    OUTRO LADO Procurada, a Secretaria da Educao no se manifestou at a concluso desta edio.

    (ADRIANA FERRAZ, DO AGORA, texto retirado da Folha de S.Paulo, 21/5/2011)

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 3

    GNERO TEXTUAL 1 CARTA DE RECLAMAO

    Depois de ler o texto Pior colgio tem baile funk em aula e rebelio, voc assumir o papel de Aurora, me fictcia de Talita da Silva Medeiros, aluna citada no texto, e escrever uma CARTA DE RECLAMAO, com no mximo 20 linhas, ao Secretrio de Educao do Estado de So Paulo, solicitando providncias para dar fim s ocorrncias de indisciplinas que acontecem na Escola Estadual Madre Paulina.

    20

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 4

    Texto 2

    Reproduo assistida: possibilidades e limites Ter filhos uma aspirao natural da maioria dos casais e a medicina pode ajudar quem tem problemas de infertilidade. Mas, quais so os limites tcnicos e ticos?

    Segundo a Organizao Mundial da Sade, de 8% a 15% dos casais em idade frtil tm dificuldades para gerar filhos. Parte superar o problema com o uso de medicamentos e tratamentos mais convencionais, mas cerca de 20% ter como nica opo recorrer s tcnicas de reproduo assistida. Conquistas da medicina contempornea, elas tm ajudado um nmero crescente de pessoas a superar os limites da infertilidade dos originados por causas genticas e doenas at os relacionados com procedimentos como vasectomia e laqueadura. Mais recentemente, um perfil de paciente tem aumentado nas clnicas especializadas: mulheres mais maduras, que priorizaram a carreira e decidem ser mes depois dos 35 anos, quando os vulos j passaram da fase urea da fertilidade.

    Basicamente, as tcnicas de reproduo assistida abrangem a inseminao artificial, na qual a fecundao induzida dentro do corpo feminino, e a fertilizao in vitro, com fecundao e desenvolvimento inicial externo dos embries. Procedimentos inovadores tm se multiplicado. Entre eles esto o congelamento de clulas reprodutivas e de embries para posterior aproveitamento (h dois anos foi vencida a ltima barreira, com a tcnica de congelamento de vulos); o diagnstico gentico pr-implantacional, que possibilita identificar a probabilidade de doenas e o sexo do embrio antes que ele seja implantado; e as tcnicas de sexagem, que permitem a seleo do sexo.

    Tudo isso, porm, no faz da reproduo assistida a nica soluo. H outros tratamentos para infertilidade de medicamentos at cirurgias para, por exemplo, reverter uma vasectomia. E, vale lembrar, no h mtodo infalvel. A taxa mdia de sucesso da fertilizao in vitro de 35%. Aps quatro tentativas, sobe para 78% a chance de gravidez, mas isso implica custos financeiros e emocionais para o casal. Alm disso, preciso considerar que o processo pode ser muito desgastante. A mulher que vai se submeter fertilizao in vitro ter de usar drogas para estimulao ovariana, far vrios ultrassons transvaginais, realizar a retirada dos vulos por meio de um procedimento invasivo que requer anestesia e, se a fertilizao for bem-sucedida, ter de tomar remdios base de progesterona para ajudar a preparar o tero. E, depois da transferncia do embrio, pode, em duas semanas, receber a notcia de que no engravidou.

    Ainda assim, as novidades da cincia tm tornado mais efetiva a possibilidade de vencer a infertilidade. Ao mesmo tempo, desafiam conceitos culturais, morais e religiosos. tico escolher o sexo do beb? E comercializar vulos, smen e embries? Que destino dar aos embries congelados e no usados?

    So questes polmicas, mas as fronteiras esto sendo delineadas. No Brasil, alm de aspectos legais, como a proibio de comercializao de tecidos, rgos e embries, h prticas e limites bem-definidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Embries excedentes devem ser congelados; no podem ser descartados ou destrudos, mas podem ser doados, inclusive para pesquisa. Prticas de eugenia (melhoria gentica) so repudiadas. A sexagem deve ser restrita aos casos que visam preveno de doenas genticas associadas ao sexo, como a hemofilia, passada de me para filho. A implantao de vulos limitada a at quatro por procedimento, a fim de minimizar gestaes mltiplas e os riscos que representam para a me e os bebs.

    Estabelecer essas regras e limites fundamental. Afinal, a reproduo assistida ajuda a criar a vida, mas, com todos os seus avanos e possibilidades, tem de ser praticada com respeito, segurana e dignidade.

    (Texto retirado de contedos do INFORME PGINA EISNTEIN, publicado na Revista Veja, edio 2177, ano 43, n. 32, p. 51, 11/8/2010) Vocabulrio

    sexagem: seleo de sexo.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 5

    GNERO TEXTUAL 2 RESUMO

    A partir da leitura do texto Reproduo assistida: possibilidades e limites, produza um RESUMO desse texto, com no mnimo 10 e no mximo 20 linhas. Lembre-se de que o RESUMO um gnero textual que tem por objetivo passar ao leitor as informaes mais relevantes do texto original, mantendo-se fiel a ele.

    10

    20

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 6

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 7

    FSICA Formulrio e Constantes FRMULAS CONSTANTES FSICAS

    RiV =

    1 22

    Q QF kr

    =

    BA cos =

    2P Ri= P Vi=

    2

    QE Kr

    =

    QV Kr

    =

    Qit

    =

    LRA

    =

    mag.F QvB sen=

    EF QE=

    QvBa

    m=

    W Q V=

    QEam

    =

    F ma= U Ri=

    11 2 2G 6,6 10 Nm / kg= 9 2 2K 9 10 Nm / C=

    70 4 10 Tm / A =

    8c 3 10 m / s= 3

    gua cm/g0,1=

    Cg/cal0,1cgua =

    Cg/cal5,0c guadvapor =

    g/cal80L )gua(F =

    g/cal540L )gua(V =

    1 cal = 4,18 J atm LR 0,082 mol K=

    5 21 atm 1,013 10 N / m=

    MATEMTICA Formulrio Geometria Espacial

    rea lateral do cone: = A RG

    rea da superfcie esfrica: 24= RA

    Volume do cubo: 3V a=

    Volume do cone: 2

    3

    =R hV

    Volume da esfera: 343

    V R=

    Geometria Analtica

    Ponto mdio do segmento de extremidades 1 1( , )A x y e 2( )2B x , y :

    M 1 2 1 2,2 2x x y y+ +

    rea do tringulo de vrtices 1 1( , )P x y , 2( )2Q x , y e 3( )3R x , y :

    12

    A D ,= onde 1 1

    2 2

    3 3

    111

    x yD x y

    x y=

    Distncia de um ponto 0 0( , )P x y reta 0r: ax + b y + c = :

    0 02 2P,r

    ax b y cda b+ +

    =+

    Coeficiente angular da reta r que passa pelos pontos 2 1

    1 1 2 22 1

    ( ) e ( ) : =

    y yA x , y B x , y mx x

    , para 1 2x x

    Equao reduzida da reta: y mx n= +

    Equaes Algbricas

    Relaes de Girard na equao do o

    3 grau 3 2 0 , 0 :ax bx cx d a+ + + =

    1 2 3 1 2 1 3 2 3 1 2 3; ;b c dx x x x x x x x x x x xa a a

    + + = + + = =

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 8

    CONHECIMENTOS GERAIS

    Questo 01

    Assinale o que for correto sobre a teoria da relatividade restrita de Einstein e sobre o comportamento da luz. 01) O princpio da constncia da velocidade da luz

    estabelece que a velocidade da luz, no vcuo, tenha o mesmo valor para todos os observadores, qualquer que seja o seu movimento ou o movimento da fonte de luz.

    02) O princpio da relatividade estabelece que as leis da Fsica sejam diferentes para observadores em diferentes sistemas de referncia inerciais.

    04) Segundo a relatividade restrita de Einstein, um corpo de massa m, inicialmente em repouso, teria sua massa diminuda, medida que sua velocidade aumentasse.

    08) A luz composta por um feixe de partculas denominadas ftons; os ftons podem apresentar comportamento ondulatrio e corpuscular.

    16) O comportamento corpuscular da luz pode ser perfeitamente descrito pela mecnica clssica baseada nas leis de Newton.

    Questo 02

    Considerando seus conhecimentos de nmeros complexos, que z um nmero complexo e z o conjugado de ,z assinale o que for correto.

    01) ( )( )2 1 3 .i i i+ = + 02) 1 2 1 .2 5 5 ii = ++

    04) 5 32(2 ) (4 ) 0.i i+ = 08) O nmero complexo ,z tal que

    2 15 5 3 ,z z i = + 20 .z i= + 16) A forma polar do nmero complexo 2 2z i= +

    ( )4 cos sen .4 4z i = +

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 9

    Questo 03

    O metano )4(CH um gs que emana do interior de minas de carvo e que se forma em pntanos e nos aterros sanitrios atravs da degradao anaerbica da matria orgnica. Tratando-se da estrutura molecular dos compostos orgnicos, o metano tem uma representao espacial imaginria na forma de um poliedro convexo P. Em relao ao exposto, assinale o que for correto. 01) Pelo menos duas faces de P so paralelas. 02) P possui quatro arestas que se encontram em

    um de seus vrtices. 04) Uma das faces de P uma regio limitada por

    um tringulo equiltero. 08) A combusto completa do gs metano forma

    gs carbnico e gua. 16) P possui quatro faces, seis arestas e quatro

    vrtices.

    Rascunho

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 10

    Questo 04

    O grfico a seguir representa as curvas caractersticas de um gerador com resistncia interna r e de um resistor ,R em que U denota a diferena de potencial, em volt (V), e i a intensidade da corrente, em ampre (A). Considerando seus conhecimentos sobre geometria analtica e sobre eletricidade, assinale o que for correto.

    O 5 25

    15

    50

    i (Ampre)

    U (Volt)

    Resistor

    GeradorB

    A

    C

    01) O coeficiente angular da reta determinada pelos

    pontos (0,50)A e (25,0)C positivo. 02) A fora eletromotriz do gerador de 50 V. 04) Ligando o resistor aos terminais do gerador, a

    intensidade de corrente que se estabelece no circuito formado igual abscissa do ponto de interseco das curvas caractersticas.

    08) A rea da regio triangular que tem como vrtices os pontos (0,0), (5,15) (25, 0)O B C e 187,5 unidades de rea.

    16) Existe uma reta, com coeficiente angular 14 ,

    perpendicular reta que contm os pontos (0,0)O e (5,15).B

    Questo 05

    Com respeito a resistores, fontes, corrente eltrica e potncia em circuitos eltricos, assinale o que for correto. 01) Um resistor de resistncia 10 percorrido por

    uma corrente = 2i A dissipa 40 W . 02) O resistor mencionado no item anterior no

    suportaria operar sob uma tenso de 110 V . 04) Se duas lmpadas, L1 e L2, de potncias 100 W

    e 200 W , respectivamente, so submetidas mesma tenso de 110 ,V ento a resistncia de L1 menor que a de L2.

    08) Dispondo-se de vrias lmpadas idnticas e de uma nica fonte de tenso de 110 V , a potncia mxima dissipada por essas lmpadas independente da maneira como elas so associadas (ligadas) no circuito.

    16) Na representao grfica da tenso em funo da corrente de um resistor hmico, o coeficiente angular da curva numericamente igual ao inverso da resistncia.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 11

    Questo 06

    Os polmeros condutores so geralmente chamados de metais sintticos por possurem propriedades eltricas, magnticas e ticas de metais e semicondutores. O mais adequado seria cham-los de polmeros conjugados, porque so formados por cadeias contendo duplas ligaes C=C conjugadas. Considerando os seguintes polmeros, assinale o que for correto.

    CH2 CH2 CH2 CH2[ ]n

    SS

    S

    NN

    N

    H

    H

    H

    [ ]

    ][

    n

    n

    Polietileno

    Politiofeno

    Polipirrol 01) Todos os polmeros mostrados so

    homopolmeros. 02) O polipirrol constitudo de anis

    heterocclicos. 04) Todos os tomos de carbono do politiofeno e do

    polipirrol apresentam hibridizao sp2. 08) O polietileno no um polmero condutor. 16) Sabendo-se que o polipirrol apresenta uma

    condutividade de 6x104 -1.m-1, e o politiofeno de 2x104 -1.m-1, pode-se dizer que o politiofeno apresenta a menor resistividade eltrica.

    Questo 07

    O dipivaloilcubano, um derivado do cubano, um composto sinttico eficaz no tratamento da AIDS.

    N

    O

    ONC

    O

    Cubano Dipivaloilcubano Com relao ao cubano e ao dipivaloilcubano, assinale o que for correto. 01) No cubano, todos os tomos de carbono

    apresentam hibridizao sp3. 02) Devido sua geometria, o cubano apresenta

    baixa tenso de Baeyer. 04) No dipivaloilcubano, encontra-se um carbono

    com hibridizao sp. 08) Considerando-se que no cubano todas as

    ligaes C-C medem 157 picmetros, a diagonal do cubo, representao espacial do cubano, mede 157 2 picmetros.

    16) O dipivaloilcubano apresenta duas cetonas.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 12

    Questo 08

    A aplicao do princpio de Le Chatelier possibilita o controle da direo e da extenso de uma determinada reao qumica. Um exemplo tpico o equilbrio entre as formas cor de rosa e azul dos ons cobalto em soluo aquosa, como representado a seguir. Dado: H = +120 cal/mol (variao da entalpia do processo abaixo) [Co(H2O)6]+2(aq) + 4 Cl1(aq) [CoCl4]+2(aq) + 6 H2O(l) (rosa) (azul) Informao: O sal PbCl2 praticamente insolvel em gua temperatura ambiente. Sobre isso, assinale o que for correto. 01) A adio de uma soluo aquosa de cloreto de

    sdio, NaCl, ao sistema em equilbrio, intensifica o tom azulado da soluo.

    02) Aquecendo-se o sistema em equilbrio, a colorao rosa ir se intensificar.

    04) A constante de equilbrio ir se alterar em caso de adio de gua ao sistema.

    08) A adio de uma soluo aquosa de nitrato de chumbo II, Pb(NO3)2, ao sistema em equilbrio, intensifica o tom rosa da soluo.

    16) Resfriando-se o sistema em equilbrio, a colorao azul ir se intensificar.

    Questo 09

    Quando se trata de arte, comum lembrar de artistas conhecidos mundialmente, como Leonardo da Vinci, Van Gogh, Salvador Dali. Entretanto, alm da incomparvel beleza e inestimvel valor das suas obras, h, bem perto de ns, pintores que merecem reconhecimento nesse contexto. Por exemplo, vale lembrar que, em 1833, fixou morada no Paran, um estudioso de zoologia e de msica, poliglota e desenhista de charges. Era Guilherme Frederico Virmond, primeiro pintor a retratar a gente paranaense. No se pode ainda desconhecer que a primeira escola de arte do Paran foi criada, em 1886, pelo artista portugus Mariano Lima e que muitos artistas paranaenses deixaram sua obra na paisagem urbana do Estado. Nesse contexto, correto afirmar que 01) o paranismo foi um movimento regionalista

    ocorrido entre as dcadas de 1920 1940, conduzido por um grupo de intelectuais que procurava cultuar e divulgar a histria e as tradies do Paran.

    02) de estilo animalista, com vrias obras expostas em espaos pblicos, como o Tigre Esmagando a Cobra, Luar do Serto, e tambm bustos e esttuas, Joo Turin foi um importante escultor paranaense, que tambm se dedicou pintura.

    04) Dante Alighieri, escultura em gesso, acervo da casa Joo Turin, de autoria de Guido Viaro, inspirado nas gravuras de Gustave Dore, que ilustram o livro A Divina Comdia.

    08) Candido Torquato Portinari (1903-1962) foi um artista paranaense que pintou quase cinco mil obras, de pequenos esboos a pinturas gigantes, murais, como os painis Guerra e Paz, presenteados sede da ONU, em Nova York (EUA), em 1956.

    16) atualmente a maioria dos murais encontrados em Curitiba (PR) de autoria de Poty (Napoleon Potyguara Lazzarotto 1924-1998). Sua obra, de carter expressionista, demonstra realismo social, o nativismo paranaense e ainda faz aluso ao fantstico. A obra de Poty no se encontra somente em Curitiba (PR); pode ser vista, tambm, em So Jos dos Pinhais (PR), em Maring (PR) e at mesmo no Rio de Janeiro (RJ), em Copacabana.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 13

    Questo 10

    Desde a filosofia grega, o mtodo dedutivo valorizado como um processo de raciocnio que permite a organizao do conhecimento, ao estabelecer concluses logicamente vlidas a partir de premissas gerais previamente aceitas. Sobre o mtodo dedutivo, assinale o que for correto. 01) O mtodo dedutivo permite resolver

    contradies entre as premissas e a concluso de um argumento.

    02) Se a negao da concluso implica a negao da premissa, ento, o argumento vlido.

    04) A concluso uma proposio que expressa um caso particular contido em premissas mais gerais.

    08) O seguinte argumento no logicamente vlido: Todos os cavalos so mamferos; alguns mamferos tm chifres; logo, alguns cavalos tm chifres.

    16) Para que a concluso seja logicamente vlida, preciso que a validade das premissas seja comprovada empiricamente.

    Questo 11

    A palavra globalizao comeou a ser usada na dcada de 1980, e definia estratgias de expanso para as empresas multinacionais e transnacionais. A partir da dcada de 1990, o vocbulo se difundiu pela mdia. Assinale o que for correto sobre o fenmeno da globalizao. 01) A globalizao o nome que se d atual fase

    da expanso capitalista, em seu perodo informacional, marcada pela intensificao dos fluxos de capitais, mercadorias, servios e informaes e do fluxo de pessoas entre pases.

    02) A globalizao produziu o nivelamento das condies econmicas e a homogeneizao da cultura, pondo fim s caractersticas regionais e nacionais dos pases.

    04) As fronteiras nacionais definem espaos econmicos mais ou menos homogneos, em termos dos custos da fora de trabalho, dos impostos e das legislaes trabalhista e ambiental. As empresas transnacionais tm a capacidade de ultrapassar o limite constitudo pelas fronteiras nacionais, dispersando suas atividades pelos mais diferentes pases.

    08) A globalizao s se viabilizou pelos avanos tecnolgicos da terceira revoluo industrial, marcada pelo fordismo e taylorismo, como forma de organizao do trabalho.

    16) No processo de globalizao, destacam-se as cidades globais como Nova York, Tquio, Paris e Londres, centros urbanos que exercem influncia decisiva sobre os fluxos de negcios, os intercmbios polticos e as trocas culturais internacionais.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 14

    Questo 12

    A histria do sculo XX foi marcada pela ocorrncia de duas guerras mundiais, nas quais a Alemanha desempenhou papel chave. Assinale o que for correto sobre a histria desse pas no sculo XX. 01) At a derrota na Primeira Guerra Mundial, a

    Alemanha foi governada por um regime monrquico. A repblica foi proclamada em 1918 e, em 1919, uma assembleia constituinte promulgou a constituio que instaurou a repblica parlamentarista.

    02) No final de 1918, uma ala dissidente do Partido Social Democrata, que se autodenominou grupo Spartacus, em aluso famosa revolta de escravos da Roma antiga, tentou implantar um regime socialista na Alemanha por meio de uma insurreio armada.

    04) O movimento nazista inspirou-se no famoso livro de Adolfo Hitler, escrito na priso, cujo ttulo O Caminho do Poder.

    08) O termo nazismo origina-se de Nationalsozialist, abreviatura em alemo de Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemes.

    16) O programa do nazismo previa a adoo de uma sociedade politicamente aberta, baseada no sistema de diviso dos poderes, na liberdade de imprensa e no pluripartidarismo. Na economia, os nazistas defendiam a adoo de uma poltica econmica inspirada no liberalismo econmico.

    Questo 13

    Sobre os Blocos Econmicos, correto afirmar que 01) a abertura da economia chinesa, em 1992,

    possibilitou a transformao do espao econmico. O ponto de partida para as reformas industriais foi a criao de Zonas Econmicas Especiais (ZEE), que funcionam como enclaves econmicos internacionalizados. A internacionalizao da economia acelerou as transformaes estruturais no territrio chins, aprofundando a diferena de renda entre a cidade e o campo e entre a indstria e a agricultura.

    02) o Grupo dos Oito (G-8), um frum que congrega as cinco maiores potncias (Estados Unidos, Japo, Alemanha, Reino Unido e Frana) mais a Itlia, o Canad e a Rssia, rene-se a cada ano para debater questes de seu interesse. J o Frum Econmico Mundial rene pases, maiores empresas financeiras e industriais e instituies.

    04) a constituio de vrios blocos econmicos regionais tem estimulado o crescimento do comrcio mundial no apenas entre os pases membros, mas tambm entre os blocos. Dentre esses blocos, destacam-se Unio Europeia, NAFTA, ASEAN e MERCOSUL.

    08) os pases participantes dos blocos econmicos regionais tm buscado acordos para estimular a circulao de capitais, servios e mercadorias. A livre circulao de pessoas e, principalmente, de trabalhadores no tem sido priorizada.

    16) a APEC (Cooperao Econmica da sia e do Pacfico) tornou-se um bloco econmico, em 1993, e tem por objetivo promover o desenvolvimento por meio do incremento do comrcio, da cooperao econmica e da reduo de barreiras alfandegrias, com vistas ao estabelecimento de uma zona de livre-comrcio. Esse bloco formado por pases distintos do ponto de vista poltico, econmico, social e cultural, como os Estados Unidos, Japo, China, Coreia do Sul, Chile e Mxico, entre outros.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 15

    Questo 14

    O pensador alemo Karl Marx (1818-1883) afirmou que a ideologia dominante ser aquela advinda da classe que domina a sociedade. Ela representar, ento, as ideias, a forma de pensar e de explicar o mundo, provenientes dessa mesma classe. Essas afirmaes encontram-se na obra A Ideologia Alem, escrita em 1845-1846, expressas nesta citao: As ideias (...) da classe dominante so, em cada poca, as ideias dominantes; isto , a classe que a fora material dominante da sociedade , ao mesmo tempo, sua fora espiritual dominante (MARX, 1996:72, in Sociologia / vrios autores. - Curitiba: SEED-PR, 2006, p.207). Conforme o conceito marxista de ideologia, correto afirmar que

    01) as classes dominadas so influenciadas pelas ideias da classe dominante, incorporando seus valores.

    02) os indivduos so livres para pensar como quiserem e no so influenciados pelos pensamentos elaborados pelas classes sociais.

    04) a ideologia representa os pontos de vista econmicos e polticos da classe social que a elabora para atender aos seus interesses.

    08) a classe dominante, quando formula suas ideologias, no est preocupada com os seus interesses econmicos, mas em tornar a sociedade igualitria e livre.

    16) as ideologias no devem ser criticadas, pois cada classe social tem o direito de formular suas prprias ideias.

    Questo 15

    Sobre a histria e a geografia poltica da Idade Contempornea, assinale o que for correto. 01) Aps a desmontagem do sistema colonial

    mercantilista nas Amricas, as principais potncias industriais da Europa iniciaram um novo sistema colonial na frica e na sia, dando incio ao que alguns estudiosos denominaram a era do imperialismo. Na chamada partilha da frica, as naes europeias que mais conquistaram territrios coloniais foram a Alemanha e a Blgica.

    02) No processo de descolonizao da sia, os domnios britnicos localizados no subcontinente indiano deram nascimento a diversos pases, entre os quais podemos citar a ndia, o Paquisto e Bangladesh.

    04) Os domnios coloniais da Frana, na Indochina, compreendiam os atuais Vietn, Laos e Camboja.

    08) Apesar de sofrer algumas perdas territoriais, a Tailndia, antigo reino de Sio, foi a nica nao do sudeste asitico a no ser submetida ao domnio colonial de potncias ocidentais.

    16) O fim dos regimes socialistas foi marcado pelo surgimento de um novo mapa poltico da Europa e pela ocorrncia de violentos conflitos tnicos. A regio dos Blcs, onde se localiza a Repblica da Iugoslvia, foi a nica que escapou fragmentao poltica e violncia tnica.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 16

    Questo 16

    O crescimento da populao humana e o desenvolvimento da atividade industrial tm causado o esgotamento dos recursos naturais, o acmulo de resduos, bem como a introduo de espcies exticas, provocando alteraes ambientais e problemas sade. Nesse contexto, assinale o que for correto. 01) O monxido de carbono, resultante da queima

    incompleta dos combustveis, pode combinar-se com a hemoglobina do sangue, acelerando o ritmo respiratrio em funo do aumento no transporte de oxignio.

    02) Poluentes atmosfricos, como os dixidos de enxofre e de nitrognio, concentram-se nos nveis trficos das cadeias alimentares, causando intoxicaes.

    04) O lanamento de esgoto domstico nos rios causa alterao na comunidade biolgica e a propagao de doenas, como hepatite A, amebase e clera.

    08) A introduo de espcies exticas pode levar ao aumento ou reduo do nmero de organismos produtores e consumidores das populaes nativas, interferindo nos nveis trficos das cadeias alimentares.

    16) O desmatamento e as queimadas das florestas, alm de levar extino de espcies e de comunidades, tambm favorecem a eroso e o empobrecimento do solo.

    Questo 17

    Em 1960, iniciou-se o estudo da variao do tamanho populacional de duas espcies, A e B, em uma regio de uma floresta. Verificou-se que o nmero de indivduos da espcie A, at a sua extino na regio, dado por

    2( ) 110 1800,N x x x= + em que x representa o tempo, em anos, de modo que (0)N corresponde ao nmero de indivduos no final do ano de 1960. Com relao espcie B, constatou-se um aumento no seu nmero de indivduos durante um perodo e, depois, uma estabilizao nesse nmero. A esse respeito e considerando que ( )P x o polinmio que define a funo polinomial ( )N x e as relaes entre seres vivos, assinale o que for correto. 01) O nmero de indivduos da espcie A, no final

    do ano de 1960, 700. 02) No final do ano de 1980, a espcie A foi extinta

    na regio. 04) O polinmio ( ) 7Q x x= um fator do

    polinmio ( ).P x 08) O resto da diviso do polinmio ( )P x por

    ( ) 10Q x x= 800. 16) Uma relao ecolgica que bem descrita pela

    associao da espcie A com a espcie B a competio interespecfica.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 17

    Questo 18

    O recente acidente nuclear no Japo reacendeu a polmica em torno desse tipo de gerao de energia e est causando preocupao entre as populaes que vivem prximas a usinas. Mesmo em Angra dos Reis, na Costa Verde Fluminense, onde no existe risco de tsunamis ou terremotos, parte da populao est ainda mais aflita com um possvel vazamento radioativo nas usinas Angra 1 e 2, criadas na dcada de 70. Uma possvel falha humana ou no reator seria o suficiente para uma tragdia na regio, que possui cerca de 200 mil habitantes. (Texto extrado de < http://jornal.ofluminense.com.br/editorias/cidades/tragedia-no-japao-deixa-angra-dos-reis-na-costa-verde-do-rj-em-alerta>. Acesso em 13/6/2011). Com relao radiao e seus efeitos no organismo humano, assinale o que for correto. 01) Radiao ionizante um agente fsico que

    aumenta as taxas de mutao. Entretanto, essas alteraes no genoma somente sero transmitidas aos seus descendentes, se ocorrerem nas clulas germinativas.

    02) Em comparao radiao alfa e beta, a radiao gama tem maior poder de penetrao no corpo humano. Por isso, o tipo de radiao ionizante com maior potencial de provocar mutaes no genoma.

    04) As mutaes desencadeadas pela radiao ocorrem sempre no RNA mensageiro e no no DNA, j que o DNA est protegido deste tipo de mutao por molculas que reparam as bases nitrogenadas alteradas.

    08) As radiaes solar UVA e UVB tm baixo poder de penetrao em nossa pele e podem causar cncer de pele.

    16) Mutaes desfavorveis (ou deletrias) podem ter sua frequncia reduzida na populao por meio da seleo natural, enquanto mutaes favorveis (benficas ou vantajosas) podem se acumular, resultando em mudanas adaptativas.

    Questo 19

    Estima-se que um, em cada 10 mil rcem-nascidos, seja portador da fenilcetonria, uma doena metablica com transmisso gentica autossmica recessiva, caracterizada por erro no cdigo gentico da enzima fenilalanina hidroxilase, responsvel pela metabolizao do aminocido fenilalanina. Pode ser diagnosticada por meio da triagem neonatal teste do pezinho, obrigatrio por determinao de Lei Federal. Se no for diagnosticada precocemente, o acmulo de fenilalanina no organismo pode ocasionar leses cerebrais, retardo mental e convulses. A respeito da fenilcetonria, assinale o que for correto. 01) Sendo F o gene dominante normal e f o gene

    recessivo para a doena fenilcetonria, a probabilidade de um casal, ambos heterozigotos para a alterao gentica da fenilcetonria, ter uma criana sem a doena de 75%.

    02) Em relao fenilcetonria, a proporo fenotpica do cruzamento de um casal Ff x ff de 1/4 de indivduos fenilcetonricos para 3/4 de indivduos normais.

    04) Considerando que a estrutura molecular da fenilalanina est representada na figura

    CH2

    C

    H

    NH

    HC

    O

    HO

    pode-se concluir que sua frmula qumica

    11 2.9C H NO 08) Por ser uma doena autossmica recessiva, os

    portadores heterozigotos da anormalidade gentica para fenilcetonria, normalmente no exibem manifestao clnica da doena.

    16) Os aminocidos se unem atravs de ligaes peptdicas, formando os peptdeos e as protenas. Para produzir suas protenas, as clulas precisam de aminocidos, que podem ser obtidos a partir da alimentao ou serem fabricados pelo prprio organismo.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 18

    LNGUA PORTUGUESA

    Texto 1

    Choque entre contextos da natureza de todas as pilhrias

    Hlio Schawartsman

    Articulista da Folha de S.Paulo.

    5 10 15 20 25 30 35 40 45

    Ok. Eles pegaram pesado. Fazer troa com autistas quase to ruim quanto passar rasteira em cego. Mas o simples fato de algum ter achado que isso seria engraado j revela um paradoxo: por que somos capazes de rir da desgraa alheia?

    Comecemos, no rastro do escritor Arthur Koestler (1905-1983), tentando estabelecer a gramtica do humor. De um modo geral, rimos quando percebemos um choque entre dois cdigos de regras ou de contextos, todos consistentes, mas incompatveis entre si.

    Um exemplo: O masoquista a pessoa que gosta de um banho frio pelas manhs e, por isso, toma uma ducha quente. Cometo agora a heresia de explicar a piada. Aqui, o fato de o sujeito da anedota ser um masoquista subverte a lgica normal: ele faz o contrrio do que gosta, porque gosta de sofrer. claro que a lgica normal no coexiste com seu reverso, da a graa da pilhria. Uma variante no mesmo padro, mas com dupla inverso, : O sdico a pessoa que gentil com o masoquista.

    Outro bom exemplo o do mdico que conforta seu paciente dizendo: Voc est com uma doena muito grave. De cada dez pessoas que a pegam, apenas uma sobrevive. E voc est com sorte, acabo de perder nove pacientes com essa molstia.

    O gozado a emerge da oposio entre a abstrao estatstica e a concretude do caso real do paciente. Sabemos que a estatstica s vale se no a tentarmos aplicar a casos concretos. Tambm sabemos que as chances de um dado evento ocorrer independem de eventos anteriores. A piada confunde todos esses planos.

    Essa estrutura de choque de contextos excludentes entre si est presente em todas as pilhrias. At no mais infame trocadilho h um confronto inesperado entre o significado da palavra e o seu som: A ordem dos tratores no altera o viaduto.

    Podemos agora traar uma escala do humor, dos mais primitivos aos mais sofisticados. Bebs, que tambm so

    50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100

    capazes de rir, deliciam-se com caretas e imitaes. Garotos pr-adolescentes deliciam-se com piadas escatolgicas. Quanto mais coc, xixi e xingamentos, melhor.

    J adolescentes gostam de anedotas sexuais. medida que crescem, vo espera-se buscando formas mais sofisticadas e cerebrais.

    Essa gramtica d conta da estrutura intelectual das piadas, mas h outros aspectos em jogo. O humor tambm encerra dinmicas emocionais. Ele de alguma forma se relaciona com a surpresa.

    Kant, na Crtica do Juzo, diz que o riso o resultado da sbita transformao de uma expectativa tensa em nada. Rimos porque nos sentimos aliviados. nesse contexto que se torna plausvel rir de desgraas alheias.

    Em alemo, at existe uma palavra para isso: Schadenfreude, que o sentimento de alegria ou prazer provocado pelo sofrimento de terceiros. No necessariamente estamos felizes pelo infortnio do outro, mas sentimo-nos aliviados com o fato de no termos sido ns a vtima.

    Mais ou menos na mesma linha vai o filsofo francs Henri Bergson (1859-1941). Em O Riso, ele observa que muitas piadas exigem uma anestesia momentnea do corao. A crueldade explcita nos chistes mais primitivos (como a Casa dos Autistas), mas sobrevive mesmo nos gracejos mais elaborados, na forma de malcia (caso das piadas em que se comparam diversas nacionalidades), autodepreciao (tpica do humor judaico) ou, mais simplesmente, na suspenso da solidariedade para com a vtima (sim, piadas geralmente tm vtimas).

    H, por fim, a dinmica social. Bergson v o riso como um gesto social. Para o filsofo, o temor de tornar-se objeto de riso reprime as excentricidades do indivduo. uma espcie de superego social porttil. claro que o esquema perde o sentido quando a vtima no tem condies de reagir provocao humorstica, como no caso dos autistas. Mas a ineficcia social no faz com que, no plano da gramtica, a piada deixe de ser engraada. Da os inevitveis choques entre humor e adequao social.

    (Texto retirado da Folha de S.Paulo, 1./5/2011. Ilustrada. E4)

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 19

    Questo 20

    Assinale a(s) alternativa(s) correta(s) em relao ao contedo do texto 1 e ao contedo da charge a seguir.

    Charge

    (Adaptado da Folha de S.Paulo, 1./5/2011. E4 ilustrada). 01) Visto que o deficiente da charge no tem

    condies de reao ao discurso da outra personagem, o humor perde totalmente a sua eficcia, conforme o texto 1.

    02) possvel inferir que, na charge, a personagem em p sente prazer provocado pelo sofrimento resultante da deficincia fsica da outra personagem (sentimento denominado Schadenfreude em alemo texto 1, linha 70).

    04) O cartunista, por meio da charge, atenua uma desgraa vivida pela personagem deficiente mediante uma anestesia momentnea do corao (texto 1, linhas 80-81).

    08) O contedo da charge evidencia que o seu autor fez sua personagem ter um gesto social (texto 1, linha 91) para com a outra personagem que convive com uma deficincia permanente.

    16) O autor da charge no segue a gramtica do humor (texto 1, linhas 9 e 58), visto que nela no h compatibilidade entre regras e contextos, no h choques entre humor e adequao social (texto 1, linhas 101-102).

    Questo 21

    Assinale a(s) alternativa(s) correta(s) quanto s afirmaes sobre os elementos lingusticos, em negrito, empregados no texto 1. 01) Em Fazer troa com autistas quase to ruim

    quanto passar rasteira em cego (linhas 1-3), os elementos destacados em negrito estabelecem uma correlao comparativa entre a condio dos cegos e a dos autistas.

    02) Em O gozado a emerge da oposio entre a abstrao estatstica e a concretude (linhas 32-33), o elemento destacado em negrito desencadeia uma consequncia do contraste apresentado.

    04) Em J adolescentes gostam de anedotas sexuais (linhas 54- 55), o elemento destacado em negrito introduz uma relao temporal vinculada s preferncias dos adolescentes nessa etapa da vida.

    08) Em medida que crescem, vo espera-se buscando formas mais sofisticadas e cerebrais (linhas 55-57), a expresso destacada em negrito estabelece uma relao de proporo entre as aes expressas nas duas oraes.

    16) Em A crueldade explcita nos chistes mais primitivos (...), mas sobrevive mesmo nos gracejos mais elaborados (linhas 81-84), o elemento destacado em negrito empregado como elemento de incluso.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 20

    Questo 22

    Assinale a(s) alternativa(s) correta(s) quanto ao emprego dos sinais de pontuao e sua funo no texto 1. 01) Os dois pontos, em Mas o simples fato de

    algum ter achado que isso seria engraado j revela um paradoxo: por que somos capazes de rir da desgraa alheia? (linhas 3- 6), introduzem uma sntese do que foi dito anteriormente.

    02) Em Kant, na Crtica do Juzo, diz que o riso o resultado da sbita transformao de uma expectativa tensa em nada (linhas 63-65), a segunda vrgula foi empregada equivocadamente, visto que separa o sujeito do verbo.

    04) Em medida que crescem, vo espera-se buscando formas mais sofisticadas e cerebrais (linhas 55-57), o duplo travesso introduz um comentrio do autor.

    08) Em Comecemos, no rastro do escritor Arthur Koestler (1905-1983), tentando estabelecer a gramtica do humor (linhas 7-9), as aspas empregadas na palavra gramtica ressaltam o valor significativo do que o autor entende por regra.

    16) Em sobrevive mesmo nos gracejos mais elaborados, na forma de malcia (caso das piadas em que se comparam diversas nacionalidades), autodepreciao (tpica do humor judaico) (texto 1, linhas 83-87), os parnteses substituem travesses.

    Questo 23

    Assinale a(s) alternativa(s) correta(s) quanto aos aspectos lingusticos presentes no texto 1. 01) Em quando a vtima no tem condies de

    reagir provocao humorstica (linhas 96-97), o emprego do sinal indicativo de crase uma exigncia da regncia da forma verbal reagir.

    02) Em E voc est com sorte, acabo de perder nove pacientes com essa molstia (linhas 30-31), a locuo verbal destacada em negrito expressa o aspecto verbal cessativo.

    04) Em nesse contexto que se torna plausvel rir de desgraas alheias (linhas 66-68), a expresso destacada em negrito funciona, no contexto, como sujeito da orao anterior.

    08) Em sentimo-nos aliviados com o fato de no termos sido ns a vtima (linhas 74-76), a concordncia verbal est incorreta, porque a expresso destacada em negrito deveria estar no plural.

    16) Em Aqui, o fato de o sujeito da anedota ser um masoquista (linhas 17-19), a construo destacada em negrito tambm poderia ser reescrita da seguinte forma: o fato do sujeito.

    Questo 24

    Assinale a(s) alternativa(s) correta(s) quanto ao que se afirma a respeito da sintaxe de colocao pronominal sublinhada. 01) Em Bebs, que tambm so capazes de rir,

    deliciam-se (texto 1, linhas 48-49), a nclise obrigatria por causa da presena da vrgula.

    02) Em o temor de tornar-se objeto de riso (texto 1, linhas 92-93), pode ocorrer tambm a prclise devido ao emprego do infinitivo.

    04) Em Rimos porque nos sentimos aliviados (texto 1, linhas 65-66), pode ocorrer nclise devido ao emprego da conjuno explicativa.

    08) Em De cada dez pessoas que a pegam (texto 1, linhas 28-29), pode ocorrer nclise devido ao emprego do gerndio.

    16) Em a estatstica s vale se no a tentarmos aplicar (linhas 34-35), pode ocorrer tambm nclise devido locuo verbal.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 21

    LITERATURAS EM LNGUA PORTUGUESA

    Questo 25

    Assinale o que for correto em relao ao livro de Rubem Fonseca, O cobrador. (FONSECA, R.. O cobrador. So Paulo: Companhia das Letras, 1989) 01) A preferncia de Rubem Fonseca pelo gnero

    conto, como se observa em outros contistas contemporneos, pode ser justificada pelo dinamismo e velocidade dos acontecimentos, relativos ao contexto em que o autor est inserido.

    02) A presena do realismo fantstico na estrutura narrativa dos contos de Rubem Fonseca, aspecto responsvel pelo desaparecimento dos limites entre fatos reais e sobrenaturais, justifica tanto o carter fragmentado da linguagem dos textos como a violncia gratuita entre as personagens do mundo narrado.

    04) Rubem Fonseca pode ser considerado escritor hiper-realista, em razo da nfase s questes psicolgicas referentes ao ser humano, como se pode observar no trecho do conto Onze de maio: Pharoux carrega com ele um estilete de ao. Que raios querer esse maluco com tal arma? Pharoux tem sempre um ar hostil, sua cara parece dizer: odiar o mais longo e o melhor dos prazeres(p. 123).

    08) O conto Livro de ocorrncias, organizado em trs partes, narrado em primeira pessoa. Na primeira parte, relata um caso de violncia domstica; na segunda, narra a morte do garoto de bicicleta no trnsito; e, na terceira, registra o suicdio de um homem no banheiro de seu apartamento.

    16) Um trao marcante na obra de Rubem Fonseca a banalizao da morte, como se pode ver neste trecho: Esses motoristas de nibus so todos uns assassinos, disse o perito, ainda bem que o local est perfeito, d pra fazer um laudo que nenhum rbula vai contestar (Livro de ocorrncias, p. 113). No excerto, o narrador, ao focalizar o perito, mostra sua preocupao exclusiva com a adequao do local para a elaborao de um laudo tcnico, sem qualquer lampejo de sentimento em relao morte do ser humano.

    Questo 26

    Leia atentamente o fragmento abaixo e, a seguir, assinale a(s) alternativa(s) correta(s). Estrela da Manh Eu quero a estrela da manh Onde est a estrela da manh? Meus amigos meus inimigos Procurem a estrela da manh Ela desapareceu ia nua... Desapareceu com quem? Procurem por toda parte Digam que sou um homem sem orgulho Um homem que aceita tudo Que me importa? Eu quero a estrela da manh. (...) (BANDEIRA, M.. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983, p. 227) 01) O poeta Manuel Bandeira uma das vozes

    mais representativas da poesia brasileira. Pertencente ao livro Estrela da Manh, o fragmento acima apresenta uma sntese dos pressupostos poticos que nortearam a linguagem parnasiano-simbolista, fora de resistncia no incio do modernismo brasileiro, tal como exemplificam os versos, Eu quero a estrela da manh/ Onde est a estrela da manh?.

    02) O poeta Manuel Bandeira buscou na vida a inspirao para um dos seus grandes temas a observao da rua e dos seus habitantes, principalmente as mulheres. Nos versos Ela desapareceu ia nua/ Desapareceu com quem?, a figura feminina surge personificada, inatingvel e preenchendo apenas a imaginao do poeta.

    04) No fragmento em questo, apesar do impulso de liberdade e de criao autnoma do poeta, constata-se um tradicional esquema de rimas na primeira estrofe, que desaparece ao longo do texto: AABA (manh/ manh/ inimigos/ manh), fruto do esprito de formao clssica do poeta.

    08) No fragmento do poema Estrela da Manh, os versos revelam a ironia do poeta e seu instinto de homem solitrio e melanclico, confirmado nos versos: Meus amigos meus inimigos / Procurem a estrela da manh, fruto do impulso de liberdade e de criao autnoma aliados ao sarcasmo que marca a produo potica de Bandeira.

    16) Os versos Ela desapareceu ia nua/ Desapareceu com quem? (...) / Digam que sou um homem sem orgulho / Um homem que aceita tudo/ Que me importa? / Eu quero a estrela da manh. expressam o desejo intenso pela mulher (estrela da manh), ser inatingvel para o poeta, reiterado nas repeties, Eu quero (...); e no tempo verbal imperativo, Procurem (...); Procurem (...); Digam (...).

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 22

    ESPANHOL

    Un cero en oratoria Los adolescentes carecen de habilidad para expresarse en pblico La receta de los expertos pasa por potenciar los debates en la escuela y la Universidad

    Elisa Sili

    5 10 15 20 25 30 35 40 45

    Con independencia de saberse la leccin o no, cuando a un adolescente le llaman a la pizarra le embarga el pavor escnico. Es ms que habitual que el reo esquive entonces la mirada, juegue con el boli, cruce los brazos, se atuse el pelo nerviosamente y no encuentre las palabras adecuadas para hacerse entender [...]. Veredicto: un cero en oratoria. La mayora de los espaoles de la quema no se salvan tampoco los adultos no controla ninguno de los tres tipos de lenguaje: verbal (palabra), gestual o paraverbal (voz). Cuesta hasta levantar la mano para preguntar en clase. "Nos puede el sentido del ridculo y no hay que tenerlo. Hablar es algo natural y hacerlo delante de mucha gente no cambia las cosas", asegura la periodista Mnica Prez de las Heras, que imparte cursos a profesionales. "No gestionamos bien el lenguaje, delegamos en el subconsciente. Decimos una cosa de palabra pero, a lo mejor, lo contrario con los gestos", prosigue. "Hay que aprender a controlar la inteligencia emocional desde pequeos. Por ejemplo, en la guardera, trabajando la empata. En Estados Unidos, a los 11 aos los nios exponen en clase, debaten y cuando llegan a la Universidad ya estn preparados", sostiene Prez de las Heras, autora de Ests comunicando? y El secreto de Obama. "Los nios ven como un castigo salir a la pizarra y, por eso, para habituarles, deberan de explicarse delante de ella desde los tres aos", aade Miguel Gmez-Aleixandre, profesor del club de debate del CEU-San Pablo. Manuel Snchez-Puelles, ganador de varios concursos hablados, tambin apuesta por la edad temprana: "Los nios no tienen vergenza y hay que aprovechar ese momento para que expresarse en pblico les parezca una cosa natural". En Italia y Francia abundan los exmenes orales en secundaria y pasan una prueba en Selectividad. En Espaa, a partir del prximo ao, existir un examen oral en lengua

    50 55 60 65 70 75 80

    extranjera para acceder a la Universidad, mientras los Gobiernos autonmos planean organizar campeonatos de debate. Tmidamente empiezan a celebrarse tambin en colegios, como el Balder (Las Rozas, Madrid) cuyos alumnos de 5 y 6 de primaria compitieron en su octava edicin con tres escuelas. El tema a discutir: reciclamos todo lo que necesita nuestro medioambiente? Cada equipo lo formaba un capitn, un documentalista y tres oradores. "Una cosa es repetir como un papagayo lo que has aprendido en un examen y otra convencer al pblico construyendo un discurso que se va cambiando si se necesita", diferencia Adolfo Lucas, coordinador de las mesas de debate en la Universidad Abat Oliba CEU y autor de El poder de la palabra. "Desde el momento en el que el nio tiene una base de lectura y escritura, cuando uno es capaz de expresarse, debe aprender persuasin". Oratoria no es una asignatura obligatoria en las universidades espaolas, "pero lo ser a medio plazo porque Bolonia impulsa estas habilidades y capacidades", asegura Gmez-Aleixandre, coordinador del campeonato Inter CEU. Cada vez ms universidades ofrecen clases complementarias. Entre esa red tambin se organizan torneos en los que se enfrentan conjuntos de dos a seis personas. "Te proponen dos temas y tienes 20 das para preparar la postura a favor y en contra. Un minuto antes, te enteras de qu vas a debatir y en qu lado ests", cuenta Snchez-Puelles.

    (Disponible en . Acceso el 01/6/11 a las 15h35min)

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 23

    Questo 27

    En cuanto a los mecanismos textuales extrados del texto, es correcto afirmar que 01) la locucin a lo mejor (lnea 22) podra ser

    sustituida por tal vez sin cambiar el sentido de la oracin.

    02) el vocablo hasta (lnea 13) puede ser traducido al portugus por ainda.

    04) la palabra Veredicto (lnea 8) se refiere a la mala relacin que tienen los espaoles con el lenguaje.

    08) en la lnea 4, el trmino reo es utilizado para demostrar que los alumnos espaoles son antisociales.

    16) la preposicin desde (lnea 25) est relacionada con el tiempo en que ha de empezar a preparar a los alumnos para hacer el buen uso del lenguaje.

    Questo 28

    A partir del texto, es correcto afirmar que 01) debido al carcter reservado del espaol tanto

    adultos como adolescentes tienen dificultad en oratoria.

    02) est previsto el desarrollo de la capacidad de oratoria de los alumnos de las Universidades Espaolas.

    04) los adolescentes espaoles se sienten absorbidos por el terror si les invitan a hacer un teatro.

    08) arreglarse el pelo es una reaccin usual del estudiante que se pone nervioso y no consigue hablar con elocuencia.

    16) una de las razones por las cuales al espaol no le gusta exponerse en clase es el sentido de ridculo que le domina.

    Questo 29

    En relacin con la lectura del texto, es correcto afirmar que 01) un ejemplo apuntado sobre como controlar la

    inteligencia emocional es el trabajo que hacen con los guardas.

    02) el texto es relevante por presentar instrucciones para que uno aprenda a hablar bien en pblico.

    04) el objetivo del texto es la de reforzar la necesidad que tienen las escuelas y universidades espaolas de preparar a sus alumnos para expresarse en pblico.

    08) Snches-Puelles tambin defiende la necesidad de comenzar a preparar a los alumnos para hablar en pblico desde la niez.

    16) Mnica Peres afirma que hablar delante del pblico ayuda a gestionar mejor el lenguaje.

    Questo 30

    En lo que se refiere al sentido de los vocablos presentes en el texto, es correcto decir que 01) la palabra nios (lnea 32) es utilizada para

    referirse a los espaoles en general. 02) en el fragmento Oratoria no es una asignatura

    obligatoria en las universidades espaolas, pero lo ser a medio plazo... (lneas 70-72), se puede entender que los interesados deben apuntar su nombre desde ya en la lista de los aspirantes al estudio.

    04) en la expresin clases complementarias (lnea 76), el adjetivo complementarias demuestra que las universidades empiezan a ofrecer ms salones de aula.

    08) el vocablo tampoco (lnea 10) es un adverbio que tiene un sentido negativo.

    16) el trmino cuyos (lnea 53) es un mecanismo lingustico que demuestra que los alumnos estudian en el colegio Balder.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 24

    FRANCS

    Fausses vidences sur la population mondiale

    Grard-Franois Dumont

    5 10 15 20 25 30 35 40 45 50

    Lhumanit connat une natalit dsordonne. Non, car depuis plusieurs dcennies les taux de natalit diminuent nettement et partout, sous leffet de ce quil est convenu dappeler la transition dmographique (...), priode durant laquelle une population voit baisser une natalit et une mortalit auparavant trs leves.

    Il faut craindre une vritable explosion dmographique. Quon se tranquilise: la bombe ne sautera pas. Le phnomne majeur du XXIe sicle ne sera pas la croissance rapide de la population, mais son vieillissement.

    Nous allons vivre sur une Terre domine par la surpopulation. Non, nouveau, car la concentration humaine sur de petits territoires, occasionne par lurbanisation, provoque le dpeuplement dautres rgions.

    Les vagues migratoires Sud-Nord vont nous submerger. Cest ignorer que les nouvelles logiques migratoires engendrent des mobilits dans tous les sens, dont de trs importantes migrations Sud-Sud.

    En somme, la population mondiale nexiste pas: elle est un masse sans signification, addition de ralits si diffrentes que lvoquer revient mlanger pommes et cerises. La Guine et le Portugal ont pratiquement le mme niveau de peuplement (respectivement 10,8 et 10,7 millions dhabitants). Faut-il en dduire que ces deux pays occupent une place semblable dans la dmographie mondiale? A leur sujet, tous les indicateurs divergent: le taux daccroissement naturel de la Guine, par exemple, est largement positif (+ 3 %), celui du Portugal ngatif ( 0,1 %).

    Prsenter les indicateurs dmographiques de la population mondiale, cest gommer les dynamiques propres: celles de pays taux de natalit lev et faible esprance de vie, comme le Niger et le Mali, ou celles de pays dont le taux de natalit est si faible quil ne compense pas le taux de mortalit, comme la Russie ou le Japon. Dans le cas nippon, la hausse sensible de la mortalit dans les annes 2000 nest pas due des comportements mortifres ou une dtrioration (...)

    (Adaptation du texte disponible sur http://www.monde-diplomatique.fr/2011/06/ DUMONT/20659 Accs le 03/6/2011, 10h)

    Questo 27

    partir de la lecture du texte, choisissez la/les rponse(s) correcte(s). 01) Les taux de natalit ont netemment augment. 02) La transition dmographique est une priode o

    les taux de natalit et de mortalit sont quilibrs.

    04) Cest vrai que nous allons vivre sur une Terre domin par la superpopulation.

    08) Les petits territoires auront la fonction de dpeupler les rgions surpeuples.

    16) On ne peut pas faire confiance aux indicateurs dmographiques.

    Questo 28

    Marquez la/les alternative(s) correcte(s). 01) Le texte permet de dire quil y a trop de bruit sur

    le thme dmographie mondiale mais la situation nest pas si grave.

    02) Le texte affirme que le monde vit une priode de natalit desordonne ce qui provoquera une explosion dmographique.

    04) Les numros de la dmographie du Portugal et de la Guine mettent ce deux pays dans un mme niveau dans la dmographie mondiale.

    08) Le XXIe sicle sera le sicle o la population mondiale se fera plus vieille que nombreuse.

    16) Dans les annes 2000, le Japon a prsent une augmentation assez importante de mortalit de la population.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 25

    Questo 29

    Marquez la/les alternative(s) correcte(s) exprimant une/des action(s) prsentes dans lindicatif. 01) ... priode durant laquelle une population voit

    baisser une natalit et une mortalit auparavant trs leves. (lignes 6-8).

    02) Quon se tranquilise. (ligne 10). 04) Faut-il en dduire que ces deux pays occupent

    une place semblable dans la dmographie modiale? (lignes 32-34).

    08) ... le taux de natalit est si faible quil ne compense pas le taux de mortalit (lignes 44- 46).

    16) ... la hausse sensible de la mortalit dans les annes 2000 nest pas due des comportements mortifres (lignes 47-49).

    Questo 30

    partir de la lecture de lextrait ...les taux de natalit diminuent nettement et partout... (lignes 3-4), cochez la/les alternative(s) correcte(s), ayant le mme sens du mot soulign: 01) surtout. 02) en tous lieux. 04) tout. 08) nulle part. 16) en de nombreux endroits.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 26

    INGLS

    Tea in Britain 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50

    The use of tea spread slowly from its Asian homeland, reaching Europe by way of Venice around 1560, although Portuguese trading ships may have made contact with the Chinese as early as 1515. It was the Portuguese and Dutch traders who first imported tea to Europe, with regular shipments by 1610. England was a latecomer to the tea trade, as the East India Company did not capitalize on tea's popularity until the mid-18th century. Curiously, it was the London coffee houses that were responsible for introducing tea to England. One of the first coffee house merchants to offer tea was Thomas Garway, who owned an establishment in Exchange Alley. He sold both liquid and dry tea to the public as early as 1657. Tea gained popularity quickly in the coffee houses, and by 1700 over 500 coffee houses sold it. This distressed the tavern owners, as tea cut their sales of ale and gin, and it was bad news for the government, who depended upon a steady stream of revenue from taxes on their sales. By 1750 tea had become the favoured drink of Britain's lower classes. Charles II did his bit to counter the growth of tea, with several acts forbidding its sale in private houses. A 1676 act taxed tea and required coffee house operators to apply for a license. By the mid 18th century the duty on tea had reached an absurd 119%. This heavy taxation had the effect of creating a whole new industry - tea smuggling. Ships from Holland and Scandinavia brought tea to the British coast, then stood offshore while smugglers met them and unloaded the precious cargo in small vessels. The smugglers, often local fishermen, snuck the tea inland through underground passages and hidden paths to special hiding places. One of the best hiding places was in the local parish church! In 1784 William Pitt the Younger introduced the Commutation Act, which dropped the tax on tea from 119% to 12.5%, effectively ending smuggling. When tea became popular in Britain, there was a crying need for good cups with handles, to suit British habits. This made for tremendous growth in the pottery and porcelain industry, and the prosperity of such companies as Wedgwood, Spode, and Royal

    55

    Doulton.

    (Adapted from text available at http://www.britainexpress.com/History/tea-in-britain.htm Accessed on 15/5/2011, at 9h25min)

    Questo 27

    Choose the correct alternative(s) according to the text. 01) The text discusses the art of drinking tea. 02) The popularity of tea in Britain contributed to the

    development of the pottery and porcelain industry.

    04) Tea was brought to Europe in ships. 08) London was the first city to sell tea in England. 16) The smugglers used churches to hide their

    precious cargo.

    Questo 28

    According to the text choose the correct alternative(s). 01) The order of the topics discussed in the text is

    respectively: 1 Smuggling tea; 2 Tea and pottery; 3 How tea reached Europe; 4 Coffee houses; 5 Taxation on tea.

    02) The countries approached in the text are Italy, Portugal, China, Holland, England and India.

    04) The drinks mentioned in the text are tea, ale and gin.

    08) The people mentioned in the text are Thomas Garway, Charles II, William Pitt the Younger and Royal Doulton.

    16) England was the first European country to trade tea.

  • GABARITO 3 UEM/CVU PAS/2011 Etapa 3 Caderno de Questes 27

    Questo 29

    It is correct to affirm according to the text. 01) Tea originally came from Asia. 02) The first contact of Portuguese ships with the

    Chinese was probably by 1560. 04) In 1700 there were only 500 coffee houses

    selling tea in England. 08) Tea smugglers were from Holland and Portugal. 16) British people like to drink their tea in porcelain

    cups.

    Questo 30

    It is correct to affirm about the following vocabulary in the text. 01) Chinese (line 5), Portuguese (line 6), and

    Dutch (line 6) are adjectives which refer to nationalities.

    02) traders (line 6) and merchants (line 15) are synonyms.

    04) establishment (line 16), popularity (line 19), sales (line 22), and growth (line 27) are all nouns which derive from their respective verbs.

    08) owners (line 21), operators (line 30), and smugglers (line 40) all refer to people.

    16) offshore (line 37) and inland (line 41) refer to opposite directions regarding the coast.