Click here to load reader

Diário Económico Nº 5117 DE 17 FEVEREIRO 2011

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Diário Económico Nº 5117 DE 17 FEVEREIRO 2011

  • ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIRIO ECONMICO N 5117 DE 17 FEVEREIRO 2011 E NO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

    Yuriko

    Nakao

    /Reu

    ters

    Tecnologias e geografiajuntam-se para apoiar

    as empresas

    sistemas de informao

    Sector pblico o maior cliente dos SIG

    Os projectos portugueses inovadores

    GEOGRFICA

    PUB

  • II DirioEconmico Quinta-feira 17Fevereiro2011

    Sector pblico oprincipal cliente dos SIG

    COM O PLACEBOOK pode localizar-se, num mapa, ainformao sobre os utilizadores darede social facebook. Oprojecto comeou na Repblica Checa, mais concrectamentena NACIS, uma competio de estudantes de geografia naUniversidade de Masaryk. O mapa foi assim por Zdenek Hyneke por Martin Pulicar. Para conhecer melhor este projecto, v ahttp://www.geographics.cz/socialMap/index.php.

    Fundadordageografiamoderna

    portuguesa, fez ontem 100 anos que

    Orlando Ribeiro nasceu emLisboa, onde

    viria amorrer, em 1997. Em 1943, fundou

    o Centro de Estudos Geogrficos (CEG)

    da Universidade de Lisboa, a que

    presidiu at dcada de 70. no CEG

    que est a coleco de cerca de 11mil

    imagens do gegrafo. Para saber um

    poucomais sobre Orlando Ribeiro, fique

    atento edio do documentrio

    Orlando Ribeiro - Itinerncias de Um

    Gegrafo, que passou na RTP2 no

    passado sbado.

    JORGE HORTA

    Director-geral da Autodesk

    O crescimentodas solues SIGem OpenSourcena AdministraoCentral servepara identificaruma fortetendncia quevaleria a penaregulamentar,com bom sensoe sem cair emexcessos.

    RUI ANDRADECEO da Novageo Solutions

    Muitos projectose investimentosforamcongelados,tambm forade Portugal.

    Gerir dados atravs dos Sistemas de Informao Geogrfica tem vindo aconquistar adeptos quer sejam cmaras municipais ou empresas do Estado.DRCIA LOPES

    [email protected]

    ada vez mais os Sistemas deInformao Geogrfica (SIG)esto presentes no dia-a-diae as suas solues podem serintegradas em qualquer tipode empresa. Em Portugal estarea conta com vrias empre-

    sas que no terreno esto envolvidas em projec-tos que vo desde a defesa, infra-estruturas em que se inclui telecomunicaes, rede rodo-viria e ferroviria , gesto de redes de gs ougua, logstica, entre outros. Exemplos decomo os SIG esto presentes no quotidiano nofaltam, mas o sector pblico que se destacacomo principal cliente desta rea de negcio. AEsri Portugal uma das empresas que se assu-me como lder deste mercado garante que osector pblico representa entre 60% a 70% donegcio. Gonalo Magalhes Collao, admi-nistrador da empresa, destacou vrios projec-tos em que tem como parceiro o sector empre-sarial do Estado, como por exemplo o realizadoem conjunto com a Ferbritas para o cadastrodo patrimnio da REFER, a discusso do novoPDM para a Cmara Municipal de Lisboa, oPortal do Investimento da Cmara Municipalde Arcos de Valdevez, os contratos com a Es-tradas de Portugal ou com o Instituto de Infra-Estruturas Rodovirias.Jorge Horta, director-geral da Autodesk Por-tugal, confirma tambm a prepondernciadas empresas pblicas como destinatrios dassolues de SIG, j que tem vrias cmarasmunicipais e projectos de infra-estruturasvirias ainda em desenvolvimento na carteirade clientes. No entanto, salientou que o cen-tro do nosso negcio situou-se no domnio dagesto da informao GeoEspacial do sectorprivado. Para dinamizar o sector, o direc-tor-geral da Autodesk, lembra que basta ana-lisar o crescimento que as solues SIG emOpenSource tm vindo a ter na Administra-o Central, para identificar uma forte ten-dncia que valeria a pena regulamentar, ob-viamente com bom senso e sem cair em ex-cessos. Para Jorge Horta, o OpenSource emPortugal uma realidade indiscutvel em al-guns domnios dos SIG, representando umforte contributo para economias do Estado epara o desenvolvimento do conhecimentogenuinamente nacional neste domnio.A Novageo Solutions tem estado envolvidaem projectos na administrao central e localem Portugal e em Angola. Rui Andrade, CEO

    C da Novageo, afirmou que neste segmentoque se encontram os maiores clientes da em-presa com projectos como a Carta de Ocupa-o e Uso de Solos de Portugal Continentalconcludo em Dezembro de 2010 ou o WebSIGna Cmara Municipal de Guimares, umexemplo de implementao integrada degeorreferenciao de processos urbansticos.Esta soluo foi desenvolvida com base emtecnologia prpria e software OpenSource.Na Edisoft os mercados com maior importn-cia para solues e servios em SIG so insti-tuies nacionais da administrao central einternacionais como a Comisso Europeia.Dirk Tilsner, gestor da rea de sistemas deci-sionais de base geogrfica da empresa, expli-cou que estas entidades utilizam informaogeogrfica para os mais diversos fins, in-cluindo organismos ligados rea do am-biente, defesa e segurana pblica bemcomo alguns mercados privados, com algumdestaque para as telecomunicaes.Questionados sobre os constrangimentos queeste sector ainda enfrenta, os vrios protago-nistas so unnimes em apontar o facto de emPortugal no existir, ainda, tal como no existena Europa, e apesar dos esforos dos projectosINSPIRE e outros, uma verdadeira poltica p-blica respeitante aos dados espaciais ou in-formao geogrfica. Para o administrador daEsri Portugal, a ausncia dessa poltica quepoder constituir-se numa condicionante paraquem est no terreno. Rui Andrade, da Nova-geo, destacou a lentido da modernizao nosector pblico, enquanto Jorge Horta salientouque a integrao entre tecnologias de informa-o nesta rea ainda est pouco explorada.Esta rea de actividade tem sofrido os efeitos dacrise, j que o arranque de vrios projectos ficoupendente. Gonalo Magalhes Collao, admi-nistrador da Esri Portugal, afirmou que as con-tas de 2010 ainda no esto fechadas, mas prevque a facturao se situe nos 7,6 milhes de eu-ros, quase o mesmo valor de 2009. Para o cor-rente ano espera uma melhoria considervelporque as pessoas inteligentes investem sem-pre em momentos de crise em ferramentascomo o SIG, porque lhes permitem um substan-cial ganho de eficincia e eficcia quase imedia-tos. Rui Andrade, CEO da Novageo, espera re-tomar em 2011 o nvel de crescimento de 2009,na altura foi de 35%, depois de termos muitosprojectos e investimentos congelados, tambmfora de Portugal.

    ExportamosPortugal comea a ser visto como um parceiroem vrios projectos internacionais relaciona-dos com SIG, por exemplo, nos PALOP.

    Em Portugal os SIG encontram-se massificadostantono sector pblico comonoprivado?Massificados, no esto certamente. Existe j,ao nvel das instituies pblicas com respon-sabilidades directas no ordenamento do terri-trio (municpios, CCDR sobretudo) ou sobreinformao geogrfica (INE, IGeoE, IGP, IM,INAG, IA, etc.) uma integrao dos SIG no seutecido organizacional e funcionamento for-mal. Essa integrao nota-se, quer ao nvel daaquisio e armazenamento da informao,quer ao nvel anlise e divulgao da informa-o geogrfica (WebSIG). Todavia, os SIG tmvindo a adquirir cada vez mais funcionalida-des e interoperabilidade com outras platafor-mas, o que implica remodelao e expansodos SIG para outros domnios, logo longe deestarem massificados. No privado, a sua exis-tncia, quer parte dos utilizadores, quer por

    ENTREVISTA A PAULO MORGADO,

    S ISTEMAS DE INFORMAO GEOGRFICA

  • Quinta-feira 17Fevereiro2011 DirioEconmico III

    plo EUA, Inglaterra, ndia, entre outros.

    No mercado empresarial, que sectores de acti-vidade mais recorrem aos SIG? O Geomarketing e o designado GeographicBusiness Intelligence tm, sobretudo nosEUA, mas tambm nalguns pases do Norte daEuropa e Brasil, mostrado a importncia dainformao geogrfica na deciso e gestoempresarial. Por esta via, os SIG tm tido apli-caes em sectores de actividade como: ban-ca, seguros, indstria farmacutica, comrciogrossista, imobilirio, campanhas polticasentre outras. Actualmente, em Portugal, tal-vez as infra-estruturas de transportes e as te-lecomunicaes sejam os sectores com maiorfatia de mercado para os SIG.

    Em que novas reas que um sistema geogrfi-co de informao poder ser til e que aindano temaplicao?reas que trabalhem escala do indivduo. Jexistem alguns exemplos, como sejam os siste-

    OPINIO: ????????????????????????????????????????????????

    uma das mais reconhecidas e antigas sociedadesportuguesas. Trata-se da Sociedade Portuguesa de Geografia,sedeada em Lisboa (na foto). Ser antiga no significa que noseja actual. As suas conferncias so constantes e sobreos mais diversos temas ligados Geografia. O prximo, arealizar no dia 23, ser sobre a Proteco Civil e oOrdenamento do Territrio.

    A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZRIA DO TEJOest a funcionar com o projecto WebSIG. Os 11 municpios queintegram esta comunidade desde cedo comearam a utilizaros SIG nos seus processos de gesto e interveno noterritrio. As aplicaes desenvolvidas pela NovageoSolutions permitem a consulta dos Planos DirectoresMunicipais, a emisso de Planos de Localizao, entre outros.

    Fotocedida

    pelaRTP

    muitos servios, aplicaes e pessoas especializadasVOGAL DA ASSOCIAO PORTUGUESA DE GEGRAFOS (APG)

    parte das empresas produtoras, existe aindamuito mercado por explorar.

    Quais soos grandesdesafios do sector?A interoperabilidade, nomeadamente com aInternet e plataformas mveis. E tambm oOpenSource. E isto tem de ser conseguido aomesmo tempo que se produz e introduz algo-ritmia para anlise espacial mais avanada ese produz interfaces de utilizador cada vezmais simpticos.

    Portugal j uma referncia a nvel internacio-nalnestarea?Uma referncia no sei, mas com certezaum parceiro, quer a nvel acadmico (ensi-no e investigao), quer a nvel empresarial,de reconhecido mrito e qualidade dos seustrabalhos e dos seus cientistas e tcnicos.Exportamos muitos servios, aplicaes epessoas especializadas, sobretudo para ospases lusfonos, mas tambm temos par-cerias com os mais competitivos, por exem-

    m