of 22 /22
DLCV - João Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 37 ENSINO DE LITERATURA: O QUE DIZEM AS DISSERTAÇÕES E TESES RECENTES (2001-2010)? Maria Amélia Dalvi * Neide Luzia de Rezende ** Trata-se de um mapeamento das recentes pesquisas em torno do ensino de literatura, no âmbito de programas de pós-graduação em Educação e Letras do país. Tem como objetivo identificar dissertações e teses produzidas na última década (de 2001 a 2010), que trazem como uma de suas palavras-chave “ensino de literatura”, no Banco de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, com acesso pelo Portal Domínio Público. Procura-se identificar temáticas e abordagens, bem como instituições e programas de pós-graduação nos quais tais pesquisas têm acontecido. Conclui-se que: há um impulso para a mudança do ensino, com base em teorias voltadas para a recepção; persistem limitações na busca pela internet, pela aparente lentidão das instituições na inserção dos dados; o modo como os pesquisadores identificam suas pesquisas não leva em conta o suporte digital; por fim, os resumos não são suficientemente precisos quanto aos conteúdos dos textos. Ensino de Literatura, Banco de Teses da Capes, Programas de Pós-Graduação em Educação e Letras. Resumo Palavras-chave: O ensino de literatura: uma aproximação A formação de leitores, a leitura e a literatura, no espaço escolar ou fora dele, continuam sendo grandes chamarizes editoriais, como mostra a proliferação de títulos atinentes, ano a ano: é praticamente impossível organizar uma bibliografia com pretensão de tudo abranger. Por vezes repetindo conhecimentos produzidos ou sistematizados ao longo das últimas décadas (desde os anos de 1970, quando houve o boom da literatura para crianças A R T I G O Universidade Federal do Espírito Santo * Universidade de São Paulo ** no Brasil e fomentou-se uma tradição crítico-teórica especializada), os novos títulos em muitos casos oscilam entre assumir uma postura prescritiva (que intente dizer/sugerir ao professor da educação básica o que deve ou não fazer) ou adotar um enfoque acadêmico- científico (embasado em pesquisas teóricas e práticas que possam efetivamente enriquecer as discussões, sem repetir tão-somente o já dito, o já lido). Esse diagnóstico consoante à repetição de ideias na área – mas agora

ENSINO DE LITERATURA: O QUE DIZEM - Seja Bem-Vindo · Metodologia do ensino da literatura infantil, de Marta Morais da Costa (2007), Literaturas africanas e afro-brasileira na prática

  • Author
    dongoc

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ENSINO DE LITERATURA: O QUE DIZEM - Seja Bem-Vindo · Metodologia do ensino da literatura infantil,...

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 37

    ENSINO DE LITERATURA: O QUE DIZEMAS DISSERTAES E TESES

    RECENTES (2001-2010)?

    Maria Amlia Dalvi *Neide Luzia de Rezende **

    Trata-se de um mapeamento das recentes pesquisasem torno do ensino de literatura, no mbito deprogramas de ps-graduao em Educao e Letrasdo pas. Tem como objetivo identificar dissertaes eteses produzidas na ltima dcada (de 2001 a 2010),que trazem como uma de suas palavras-chave ensinode literatura, no Banco de Teses e Dissertaes daCoordenao de Aperfeioamento de Pessoal de NvelSuperior, com acesso pelo Portal Domnio Pblico.Procura-se identificar temticas e abordagens, bemcomo instituies e programas de ps-graduao nosquais tais pesquisas tm acontecido. Conclui-se que:h um impulso para a mudana do ensino, com baseem teorias voltadas para a recepo; persistemlimitaes na busca pela internet, pela aparente lentidodas instituies na insero dos dados; o modo comoos pesquisadores identificam suas pesquisas no levaem conta o suporte digital; por fim, os resumos noso suficientemente precisos quanto aos contedosdos textos.

    Ensino de Literatura, Banco de Teses da Capes,Programas de Ps-Graduao em Educao e Letras.

    Resumo

    Palavras-chave:

    O ensino de literatura: uma aproximao

    A formao de leitores, a leitura e aliteratura, no espao escolar ou foradele, continuam sendo grandeschamarizes editoriais, como mostra aproliferao de ttulos atinentes, ano aano: praticamente impossvel organizaruma bibliografia com pretenso de tudoabranger. Por vezes repetindoconhecimentos produzidos ousistematizados ao longo das ltimasdcadas (desde os anos de 1970, quandohouve o boom da literatura para crianas

    ARTIGO

    UniversidadeFederal doEspritoSanto

    *

    Universidadede So Paulo

    **

    no Brasil e fomentou-se uma tradiocrtico-terica especializada), os novosttulos em muitos casos oscilam entreassumir uma postura prescritiva (queintente dizer/sugerir ao professor daeducao bsica o que deve ou no fazer)ou adotar um enfoque acadmico-cientfico (embasado em pesquisastericas e prticas que possamefetivamente enriquecer as discusses,sem repetir to-somente o j dito, o jlido).

    Esse diagnstico consoante repetio de ideias na rea mas agora

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5838

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    com foco nos seminrios, encontros,colquios e congressos foi apontadopor Ana Maria Machado em seu recentelivro de ensaios Silenciosa algazarra:reflexes sobre livros e prticas de leitura.Diz a escritora, ao organizar o novovolume resultante de palestras econferncias sob encomenda: [...]chamou-me a ateno a convergncia detemas abordados em diferentes lugares ora repetidos h anos, ora quasesimultneos. Coincidncia? Falta deoriginalidade? Falta de leitura einformao por parte de quem devia ler oj publicado e dar um passo adiante?(MACHADO, 2011, p. 08).

    No entanto, a despeito da sanhamercadolgica de se pr disposiopblica mais e mais do mesmo, h, porparte de muitas publicaes, decorrentesou no de trabalhos cientficos, muitareflexo interessante e original sobrea questo da leitura, ao buscarcompreend-la na particularidade denosso momento histrico e da escolacontempornea1.

    Porm, os propsitos deste trabalhoso outros, diferentes de revolver asofertas editoriais na rea de ensino deliteratura. No porque no sejamimportantes, imprescindveis, masprecisamente porque, uma vezpublicadas, tm maior chance de seremconhecidas dos pesquisadores da reado que, por exemplo, as dissertaes eteses com o mesmo escopo. Assim,interessam-nos as pesquisas produzidasem nvel de ps-graduao stricto sensurelativas ao tema, que tm igual

    importncia e menor visibilidade. Comoraramente so publicadas na ntegra(algumas delas do origem apenas apublicaes em peridicos ou livros deautoria coletiva), parece-nos que seulevantamento e sua sistematizao sonecessrios para que se d o passoadiante de que falava Ana Maria Machado.

    Desse modo, este trabalho recortede um projeto maior apresenta umlevantamento a respeito das recentespesquisas, em nvel de mestrado e dedoutorado, sobre o ensino de literatura,no mbito de programas de ps-graduao em Educao e em Letras dopas. A base de dados que elegemos paraas buscas foi o Portal Domnio Pblicodo Banco de Teses e Dissertaes daCoordenao de Aperfeioamento dePessoal de Nvel Superior (Capes),considerada a mais completa no paspara pesquisas do tipo.

    O nosso levantamento aqui temcomo objetivo mapear as dissertaes eteses produzidas na ltima dcada (de2001 a 2010) que trazem como uma desuas palavras-chave ensino de literatura,excluindo-se, propositalmente, trabalhosque, mesmo abordando, preferencial outangencialmente, a temtica, no aincluem no conjunto das palavras-chave.

    O Banco de Teses e Dissertaesda Coordenao de Aperfeioamento dePessoal de Nvel Superior (Capes), eleitopara as buscas, foi acessado a partir doPortal Domnio Pblico, uma bibliotecadigital mantida pelo governo federal, quedisponibiliza gratuitamente diversos tiposde mdia (texto, vdeo, imagem etc.).

    1 Fazendo um brevssimo apanhado em bibliotecas especializadas, a respeito do ensino de literatura, que orecorte especfico deste trabalho, encontramos excelentes ttulos como, por exemplo, Educao literria comometfora social, de Cyana Leahy-Dios (2000), Ensino de literatura, de William Cereja (2006), Literatura naescola, de Juracy Assmann Saraiva e Ernani Mgge (2006), A poesia vai escola, de Neusa Sorrenti (2007),Metodologia do ensino da literatura infantil, de Marta Morais da Costa (2007), Literaturas africanas e afro-brasileira na prtica pedaggica, de Iria Maria da Costa Amncio, Nilma Lino Gomes e Miriam Lcia dos SantosJorge (2008), A formao do leitor literrio em casa e na escola, de Caio Riter (2009), O professor e a literatura,de Ligia Cademartori (2009), Literatura infantil na escola, de Ana Arguelho de Souza (2010), A literatura nassries iniciais, de Maria Helena Zancan Frantz (2011) e volumes como A escolarizao da leitura literria,organizado por Aracy Alves Martins Evangelista, Heliana Maria Brina Brando e Maria Zlia Versiani Machado(2006 [1999]) e Literatura infantil e juvenil na prtica docente, organizado por Georgina Martins, Leonor Werneckdos Santos e Rosa Gens (2010) isso para ficar apenas em pouqussimos exemplos.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 39

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    possvel, no Banco do Portal, pesquisaras dissertaes e teses por rea doconhecimento, autor, ttulo, nvel, ano dedefesa, palavras-chave e instituio deensino. O levantamento de dados paraeste trabalho foi realizado nos dias 08 e09 de agosto de 2011, buscando-se, apartir do ano de 2001, dissertaes eteses nas reas de conhecimentoEducao e Letras que tivessem comopalavra-chave ensino de literatura. Comesse filtro, obtivemos 5 trabalhos na reade Educao e 11 na rea de Letras.

    Chama a ateno evidentemente opequeno nmero de trabalhosencontrados, o que se explica pordiversas particularidades, relacionadastanto prpria metodologia empregadapara este levantamento, como sausncias de registro no Banco de Tesespor parte das instituies de ensinosuperior a Capes avisa na home pagedo Banco que as informaes sofornecidos diretamente superior aCapes avisa na home page do Banco queas informaes so fornecidosdiretamente Capes pelos programas deps-graduao, que se responsabilizampela veracidade dos dados2.

    No que se refere metodologia, hde se destacar aspectos responsveispelo nmero reduzido de trabalhos: abusca inicialmente feita por meio do PortalDomnio Pblico no traz o mesmonmero de trabalhos conseguidosmediante a busca direta pelo Banco deTeses, tampouco elenca exatamente osmesmos ttulos associados ao termoensino de literatura como palavra-chave.Ou seja, o Banco de Teses acionado peloPortal Domnio Pblico apresentainformaes distintas do Banco de Teses

    que faz parte do Portal de Peridicos daCapes/MEC e que disponibil izaferramenta de busca e consulta a partirdos resumos, por autor, ttulo e palavras-chave. Neste, ao buscar ensino deliteratura como assunto, aparecem (nadata de acesso, 31 de agosto de 2011),183 resumos, com o termo ora compondoo conjunto das palavras-chave, oraaparecendo apenas no ttulo ou comotema no resumo. Muitas vezes, aparececomo temtica central no resumo ouaparece no ttulo, mas no no conjuntodas palavras-chave razo pela qualestamos procedendo a uma investigaomaior, da qual este artigo no se ocupar,relacionada a essas diferentes categoriasde busca, de modo a entender tambmas relaes entre elas, que, de imediato,parecem um problema para quem utilizao Banco de Teses para pesquisar.

    Neste artigo, utilizamos, pois, aprimeira estratgia de busca,considerando o conjunto uma amostra,capaz, entretanto, de oferecer umaprimeira abordagem do assunto trazendoalgumas questes para reflexo sobre apesquisa em ensino de literatura nestaltima dcada. Procuramos identificartemticas, recortes e abordagens mais emenos recorrentes, bem comoinstituies e/ou programas de ps-graduao nos quais tais pesquisas tmacontecido com maior ou menorregularidade. Justif ica-se pelanecessidade que os pesquisadores darea de Metodologia do Ensino de LnguaPortuguesa (entre os quais se incluemos que atuam no ensino de literatura eleitura literria) tm de dialogar com aproduo acadmica coetnea, em seucampo de conhecimento.

    2 Ao sentir falta de dissertaes sobre o tema defendidas sob sua orientao, uma das autoras deste artigo,professora na Universidade de So Paulo, indagou a secretaria de ps de sua unidade (a Faculdade deEducao) sobre as ausncias e foi informada de que naquela ocasio (agosto/setembro de 2011) estavamsendo inseridos diversos trabalhos, recentes e mais antigos, que por diversas razes no haviam sido inseridosno momento oportuno. As dissertaes de seus orientandos se incluam nesse conjunto em fase de registro.Assim, de se imaginar que o mesmo pode ocorrer em n instituies e provocar inmeras outras ausncias.Portanto, somente quando o servio estiver automatizado, com insero imediata aps a aprovao na defesa, que se poder aspirar a uma Base completa.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5840

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    Atende, pois, ao propsito decontribuir com uma histria do presente,no que diz respeito s pesquisasconcernentes ao ensino de literatura noBrasil. Se, para Roger Chartier, a NovaHistria Cultural tem por principal objetoidentificar o modo como em diferenteslugares e momentos uma determinadarealidade social construda, pensada edada a ler (CHARTIER, 1990, p. 16-17),podemos dizer que, em recorteespecfico, esse tambm o nossoobjeto aqui; por isso, perguntamos: comoo ensino de literatura, nacontemporaneidade, construdo,pensado e dado a ler, pelos trabalhosacadmico-cientficos que a ele sededicam nos programas de ps-graduao do Brasil?

    Os dados produzidos, a partir dolevantamento realizado, so entendidosaqui como produto de um determinadotempo e espao histricos, tornando-se,

    assim, substrato de relaes de umcenrio que, atravessado por interessesmuitas vezes conflituosos entre si, inscrito [...] por escritas [...]necessariamente culturais (PIROLA,2008, p. 32, grifo do autor). Essas escritasse inscrevem como resultado de visesde sociedade, de escola e escolarizao,de ensino, de formao de leitor, deliteratura, de cultura, de autor e de obra,vises essas que traduzem expectativasde construo de representaes,formando e ampliando comunidades deinterpretao, detentoras (edisseminadoras) de certas apropriaese prticas.

    Nosso Corpus

    a) Dissertaes e teses na rea deEducao, de 2001 a 2010, com ensinode literatura como palavra-chave(apresentao em ordem cronolgica):

    1) Educao Alaimde Souza Neto 2008Mestrado UNESC

    Formao do leitor e cnone literrio: relaes entreas Orientaes Curriculares e as prticas docentesEsta pesquisa tem como objetivo investigar asatuais abordagens tericas e prticas sobre leitura,cnone e ensino de literatura. Com isso, procurou-se refletir e conhecer como os discursos dasOrientaes Curriculares Ensino Mdio (2006)problematizam a relevncia do cnone literrio noprocesso de formao do leitor. Assim, tomaram-se como construo terica os elementos quecompem a questo a ser investigada: leitor, leituraliterria, literatura e cnone, com vistas a refletirsobre a formao do leitor e a funo pedaggicaque o letramento literrio pode oferecer numprocesso educativo para os indivduos. Ametodologia utilizada feita atravs de umaabordagem qualitativa, tecendo consideraes arespeito das relaes e contradies entre umaanlise documental dos discursos presentes nasOrientaes Curriculares para o Ensino Mdio(BRASIL, 2006) e uma pesquisa de campo queanalisa as experincias relatadas de seis

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 41

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    professores de literatura de escolas pblicas eparticulares, colhidas em entrevistas semi-estruturadas videogravadas sobre a suas prticaspedaggicas. A anlise do corpus mostrou que otrabalho docente e as concepes sobre cnone,leitura e literatura dos professores no sorealizados com base em reflexes tericasconsistentes em relao s OrientaesCurriculares. Evidencia-se tambm que osprofessores no conhecem esses documentos epor isso no sabem do que tratam. Por ltimo,observa-se que os professores acabam nopriorizando a leitura literria em sala de aula, dandomuita nfase histria da literatura, pois,apresentam fragilidades no que diz respeito funo da literatura, mediao da leitura e,consequentemente, formao do leitor do textoliterrio.

    2) Educao AnaBeatriz Cabral 2008Doutorado UFSCAR

    O texto, o contexto e o pretexto: o ensino de literatura,aps a reforma do ensino mdioA reforma do ensinomdio no Brasil conferiu escola de nvel mdio afuno de aprofundar os conhecimentos adquiridosno nvel anterior, de modo a possibilitar ao aluno oprosseguimento dos estudos na educaosuperior, como tambm de garantir a preparaobsica para o trabalho e o exerccio da cidadania.Dois documentos, as Diretrizes CurricularesNacionais para o Ensino Mdio DCNEM e osParmetros Curriculares Nacionais do EnsinoMdio PCNEM , apresentam os princpiosfilosficos e curriculares que a orientam; alm deconterem as competncias bsicas a seremdesenvolvidas pelos alunos nesse nvel de ensino.Com base nesses documentos e tendo em vistaque a reforma retirou formalmente a Literatura comorea de conhecimento do currculo de ensinomdio, a pesquisa em questo procura investigaro ensino de Literatura aps a reforma desse nvelde ensino, sob o delineamento de trs campostericos convergentes, quais sejam: a Literatura eseu ensino, a reforma educacional como polticapblica de Estado e os professores e seus saberes.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5842

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    Para tanto, foi aplicado um questionriosemiestruturado a 38 professores de Literatura deescolas pblicas e particulares de ensino mdiodo Distrito Federal, cujas instituies obtiveram asmaiores mdias no Exame Nacional do EnsinoMdio ENEM do ano de 2005, e entrevistadosdois professores cujas respostas destacaram-sedas demais. O tangenciamento entre os campostericos e a pesquisa de campo permitiu conhecero perfil de professores bem sucedidos de Literaturado Distrito Federal, suas prticas pedaggicas esaberes, bem como esses saberes coadunam-secom os princpios e diretrizes reformistas, de modoa traar um panorama do ensino de Literatura apsa reforma do ensino mdio nessa Unidade daFederao.

    3) Educao NilsaCorra FariaMeneguetti 2009Mestrado UNESP/Marlia

    Anlise descritiva dos planos de ensino deliteratura das escolas de ensino mdio deUmuarama PRCientes do reconhecimento dopensamento esttico como algo relevante para aformao humana e do papel da escola naeducao cultural, visualizamos no ensino daliteratura o instrumento propcio para esse fim. Esteestudo se encontra norteado pela Lei de Diretrizese Bases para educao LDB, n. 9394/96 epelas Diretrizes Curriculares do Ensino Mdio DCNEM para uma anlise descritiva dos Planosde Ensino da disciplina de Lngua Portuguesa dosquais se distende o Ensino de Literatura. O nossoobjetivo desvelar como so interpretadas peloseducadores as ideias especificadas nos princpiosesttico, poltico e tico do Art. 3 das DCNEM emvalores pedaggicos no processo de elaboraodos Planos de Ensino para ensino de literaturanas escolas de Ensino Mdio de Umuarama PR.Este trabalho toma como parte central da anliseos contedos propostos nos documentos das 13(treze) escolas da rede pblica e das 4 (quatro)escolas da rede privada de ensino mdio domunicpio a partir do embasamento terico contidonas revises bibliogrficas utilizadas.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 43

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    4) Educao Lcia MariaPedreira de Almeida 2009Mestrado PUC-SP

    Discursos sobre o livro infantil (1968-1978)Oobjetivo desta dissertao de mestrado apresentar os discursos sobre o livro infantil noperodo de 1968 a 1978. Os discursos sodivididos em duas instncias; para efeito depesquisa: a primeira ligada legislao de ensinopromulgada neste momento por rgos federativose paulistas. A segunda instncia remete a doislugares: a Fundao Nacional do Livro Infantil eJuvenil FNLIJ, inaugurada em 1968, e a BibliotecaInfantil Monteiro Lobato do municpio de So Paulo.As fontes utilizadas so, alm dos textos legais,portarias e resolues, os Guias curriculares deensino do estado de So Paulo, os BoletinsInformativos da FNLIJ e as Bibliografias deLiteratura Infantil e Juvenil produzidas pelaBiblioteca Infantil Monteiro Lobato do municpio deSo Paulo. Os documentos pesquisados apontamos critrios e as escolhas de ttulos e autores delivros prescritos para os professores utilizarem nassalas de aula. Demonstram tambm asrepresentaes acerca do ato de ler de mediadoresculturais que, por muitas vezes, interferiram naproduo do livro infantil adequando-o s novasprescries. Entre as representaes analisadas,so constatadas no perodo falas homogneas arespeito da fomentao do hbito de ler nasescolas e bibliotecas. Acompanhando estesdiscursos, verificada, com a literatura infantil dosanos 1970, a divulgao do prazer e do gosto deler realizada pelos agentes que circulavam noscenrios envolvidos com o livro e a leitura infantil. Apesquisa se insere no campo da histria daeducao que trata da constituio da formaescolar. Fundamentada, sobretudo, na obra deAnne-Marie Chartier e Jean Hbrard, que tem comointeno desvendar os discursos sobre a leitura,esta dissertao, inserida no mbito da histriacultural, pretende discutir as representaes dosatores sociais envolvidos com o ensino da leiturae a seleo de livros para as escolas paulistas.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5844

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    O ensino de literatura na educao profissionalagrcola numa perspectiva dialgica: formandoleitoresO presente trabalho teve por objetivoestudar o processo de compreenso de textosliterrios e a construo de conceitos em literatura,a partir de uma prtica de ensino-aprendizagemcentrada nas interaes dialgicas, no espao dasala de aula. Pretendemos tambm, com esteestudo, oferecer subsdios para a melhoria doensino de literatura. Partindo da premissa de queo ensino desta disciplina, nos moldes em que vemsendo ministrado, no tem alcanado seu principalobjetivo a formao de leitores para a leitura dotexto literrio visando a uma melhor fruio dessaleitura , fizemos uma reviso de literatura e foramdetectados os problemas pontuais que causamessa deficincia no ensino desta disciplina, asaber, a nfase na historiografia literria, apreferncia por textos e autores clssicos segundo o cnone oficial , a escolarizao daleitura literria, a utilizao do livro didtico comoinstrumento principal na explorao da leituraliterria, o ensino de literatura voltado para ovestibular e a prevalncia de uma propostacurricular ainda centrada numa concepotradicional de ensino. Outrossim, buscamosalgumas ideias de Vigotsky e Bakhtin comoaportes tericos no contexto das aulas de literatura.Assentados no mbito da metodologia qualitativade pesquisa de orientao scio-histrica,utilizamos a observao participante, natural eindividual como tcnica para coleta de dados.Durante quatro meses, gravamos em MP3 vinteaulas de literatura, das quais cinco foramescolhidas, transcritas e analisadas luz,principalmente, de referenciais vigotskianos ebakhtinianos.

    5) EducaoReginaldo de Jesus2010 Mestrado UFRRJ

    Em primeiro lugar, chama ateno ofato de que no perodo de 2001 a 2007, narea de Educao, nenhuma dissertaoou tese no Banco tenha como uma desuas palavras-chave ensino de literatura.

    Isso, no entanto, no pode nos induzir apensar que o ensino de literatura notenha sido pesquisado no perodo: almda incompletude do prprio banco dedados eleito (que iniciou a coleta em

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 45

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    1987), a escolha de outras palavras-chave (como leitura, literatura, ensino,metodologia do ensino, letramentoescolar, leitura literria etc.) emsubstituio a ensino de literatura, oentendimento de que o ensino deliteratura compe o campo ensino deleitura e/ou ensino de lngua portuguesaetc.

    Os cinco trabalhos identificadosconcentram-se, pois, no perodo de 2008a 2010, sendo quatro de mestrado e umde doutorado, o que sinaliza umaprevalncia do tema entre pesquisadoresmais jovens e/ou menos experientes3. Apartir da leitura dos resumos, pudemosidentificar que dois deles trabalham comdocumentos escritos, um conjugadocumentos escritos com pesquisa decampo, outro conjuga documentosescritos com aplicao de questionriose entrevistas e um realiza a observaoparticipante.

    Os novos paradigmas de ensino delngua e de literatura vigentes nas ltimasdcadas trouxeram em consequnciauma nova terminologia, como, porexemplo, leitura literria, letramentoliterrio no lugar de ensino de literatura,em decorrncia de novas teorias, o queprovavelmente explique a pulverizaodeste termo tradicionalmente empregadopara designar um tipo de ensino centradona abordagem de um conjunto de obrasconsideradas formadoras na histria daliteratura nacional enquanto leituraliterria supe um foco na leitura, dealgum modo na recepo, no leitor. Essamudana de foco foi impulsionada nosltimos anos pelos documentos oficiais,o que de algum modo aparece em quatrodos cinco estudos da rea de Educaoquando utilizam como parte do corpusdocumentos oficiais (OCNEM, PCNEM,Diretrizes Curriculares, planos de ensino,bibliografias de instituies do livro etc.)para cotej-las com as prticas de ensino.

    Percebe-se que h uma tendncia aapreender esses documentos commrito, legitimidade e modernidade emcontraposio a prticas escolaresnecessitadas de mudanas parafuncionar melhor.

    A partir das diretrizes curriculares,proliferaram no mbito do governo federal,vrios documentos norteadores doensino, voltados para os diferentes nveisescolares. Os documentos para o EnsinoMdio, fontes dos trs primeiros estudos,mostram essa profuso (e confuso): oprimeiro trabalho usa as OCNEM de 2006,que parecem ser desconhecidos pelosoutros dois estudos citados a seguir (de2008 e 2009), os quais se baseiam aindanos PCNEM, de 2002, como documentooficial orientador para o ensino mdio.

    Quanto s interlocues ou filiaesterico-epistemolgicas, apenas doisdeles as explicitam no resumo: um delesindica os trabalhos de Anne-MarieChartier e Jean Hbrard, e o outro indicaos de Lev Semenovitch Vigotski e MikhailBakhtin. Essa ausncia de indicaoacerca da filiao terico-epistemolgicaem resumos dos trabalhos acadmico-cientficos um dado recorrente, tambmapontado em Dalvi (2010, p. 86-121).

    O conjunto de trabalhos, emborasinalize um interesse aqum do esperadono tema ensino de literatura (para se terparmetro de comparao, quando seprocuram temas como leitura, produode texto ou livros didticos a respostachega casa das dezenas ou centenas),confirma duas coisas: a pulverizaoinstitucional das pesquisas (houveapenas um trabalho em cada instituio:UNESC, UFSCAR, UNESP, PUC-SP eUFRRJ) e a concentrao de trabalhosem instituies da Regio Sudeste.

    Por fim, h outro dado de interesse,para esse mapeamento das pesquisasna ltima dcada: dos cinco trabalhos,trs deles focalizam explicitamente, j no

    3 A mesma observao foi feita por Batista e Rojo (2005), quanto s pesquisas que tomam os livros didticoscomo objeto.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5846

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    resumo, o ensino mdio (CABRAL, 2008;SOUZA NETO, 2008; e MENEGUETTI,2009); um deles focaliza tambm o ensinomdio, mas essa indicao de recorte sse confirma no acesso ao texto integralda pesquisa (JESUS, 2010); e um ltimofocaliza os discursos (legais,educacionais e pedaggicos) em torno dolivro infantil (ALMEIDA, 2009). Esse focorecorrente no ensino mdio no conjuntodas pesquisas analisadas pareceevidenciar o quanto ainda comum oentendimento de que na educao infantile no ensino fundamental (sries iniciaise finais) no existe o ensino de literaturade modo sistematizado. De fato, parececorroborar uma viso recorrente de que o

    ensino de literatura sistematizado deresponsabilidade do ensino mdio, quelida com um saber especializado e inserea literatura na histria, enquanto cnone,e que a leitura livre, literria, o letramentoliterrio so da competncia do nvelfundamental, responsvel pela formaodo leitor. Essa separao pode serobservada tanto nos parmetroscurriculares para o fundamental e mdioquanto nos livros didticos.

    b) Dissertaes e teses na rea deLetras, de 2001 a 2010, com ensino deliteratura como palavra-chave(apresentao em ordem cronolgica):

    6) Letras PlnioRgenes Franca Dias2007 Mestra do UFPB

    A recepo de Manuel Bandeira na sala de aula:entre a fragmentao de poemas e a libertao dolirismoCom a presente dissertao, venho discutirteorias e prticas que fazem parte do cotidianopedaggico da disciplina literatura em salas de aulado ensino mdio. Contextualizando a minharealidade dentro de escola particular, procurorefletir sobre questes que perpassam a prxis deprofessores e estudiosos. O problema central detodo este trabalho diz respeito aplicabilidade docontedo de histria da literatura na formao deleitores pela escola. A partir da identificao dosproblemas que envolvem a metodologia e ocurrculo no ensino mdio, focalizo a fragmentaodo texto potico como um dos problemas maisgraves do nosso trabalho. Esse problema semanifesta, sobretudo, nos livros didticos edemonstra o carter de pura informatividade comque a disciplina vem sendo administrada. Da quefao um estudo de caso sobre um livro didtico,analisando a abordagem que ele faz de um poetaque compe o cnone literrio brasileiro: ManuelBandeira. Mostro, com uma interpretao dospoemas Os Sapos e Potica, que a histria daliteratura se constri a partir da leitura, e nonecessariamente das informaes prvias que oslivros didticos veiculam sobre o autor e seucontexto. Essa idia se confirmou na aplicao dospoemas em salas de aula de terceiro e de primeiroano, nas quais utilizo uma abordagem recepcionalcom estratgias diferentes de apresentao dostextos aos jovens leitores.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 47

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    7) Letras Vera LciaManzanatti 2007Doutorado UEL

    Ensino de Literatura Brasileira em cursos de Letrase formao de professores: entre os discursos eas prticas[Resumo no disponvel para consulta.]

    8) Letras Sirlei SantosCampos 2007Doutorado USP

    O ensino da dramaturgia shakespeariana noBrasil: realidade e perspectivasDe inspiraoetnogrfica, esta pesquisa tem por objetivo atentativa de mapear a realidade do ensino-aprendizagem da dramaturgia shakespeariana noensino superior brasileiro, trazendo tona, almdas questes literrias, questes pedaggicas emtodo.

    9) Letras Juliana AlvesBarbosa Menezes 2008Mestrado UEM

    Ensino de literatura e vestibular: que leitor esperaa Universidade Estadual de Maring e o querecebe?O trabalho focaliza as provas de literaturado vestibular da Universidade Estadual de Maringe o ensino de literatura, no ensino mdio e noscursos pr-vestibulares; objetiva investigar se hinterao entre as expectativas de professoreselaboradores dessas provas, as expectativas deprofessores e alunos de ensino mdio e cursospr-vestibulares e confront-las com oconhecimento exigido no vestibular da instituio,a partir da anlise das provas de concursosvestibulares dos anos de 2004, 2005 e 2006. Paraviabilizar a investigao, optamos pelo mtodoqualitativo-quantitativo, cujo direcionamento seorientou por duas perspectivas, uma oficial e outraprtica. A oficial, composta pela viso de ensino deliteratura e de leitura propalada pela UniversidadeEstadual de Maring, pelo Ncleo Regional deEnsino e pelos PCNs, foi construda a partir dequestionrios com professores elaboradores,entrevista com o representante do Ncleo deEducao de Maring e anlise de documentos,como: Manual do Elaborador, Manual do Revisor,Manual do Candidato, Parmetros CurricularesNacionais; a prtica, colhida por meio da aplicaode questionrios a alunos e professores do ensinomdio, de escolas pblicas e privadas de Maring,procurou detectar suas expectativas em relaoao ensino de literatura e de leitura. Com apesquisa, desejvamos responder questo:Qual o leitor de literatura esperado pelo vestibularda UEM e, na prtica, o que temos? Para responders nossas indagaes, ancoramo-nos em aparatoterico da Esttica da Recepo; na Teoria do

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5848

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    Efeito; e na Sociologia da Leitura. Os resultadosde nossas anlises apontam para um modelo deprova de vestibular que atende ao modelo de leitorgestado pelo ensino mdio. A pesquisa, ainda queadmitindo seus limites, abre espao para novaspesquisas que respondam necessidade derefletir e apontar concretamente sobre apossibil idade de modelos de provas queconsiderem outras leituras, que no apenas ascannicas, e que valorizem, efetivamente, a leiturado texto literrio. Somando-se a isso, abre espao,tambm, para que pensemos nos sujeitos quedevem agir, com vistas a quebrar o crculo de umaproposta de ensino que visa atender ao vestibulare de um vestibular que visa atender ao aluno deensino mdio.

    10) Letras SamuelRonobo Soares 2008Mestrado UEM

    Letramento literrio: materiais didticos e o ensinode literaturaO objetivo deste trabalho foi realizarum rastreamento das orientaes e dos modelosde letramento literrio em materiais pedaggicose materiais que tambm fazem a mediao do textoliterrio. Ao compreender o conceito de letramentocomo um conjunto de prticas sociais que utilizama escrita como um sistema simblico, que a usamcom finalidades especficas e em contextosespecficos, e se considerar a literatura como umtipo de escrita especfica e que se distingue deoutros tipos de escrita, o conceito de letramentomostra-se bastante pertinente para a anlise dealguns aspectos que tangem os modos deproduo, recepo e circulao da literatura e,consequentemente, seu ensino. Como percursometodolgico para esta pesquisa, optou-se pelaAnlise de Contedo, como base para estudar osmodelos de letramento literrio presentes nosmateriais didticos. O corpus de anlisecompreende materiais didticos de 1 e 8 sriesdo ensino fundamental, do 3 ano do ensino mdio,Cadernos de Resumos, pginas de internet e fichade leitura. A partir dos dados, pde-se evidenciarque o corpus apresenta uma ambivalncia no quediz respeito ao ensino de literatura. Sites emateriais didticos especializados promovem odiscurso da crtica, ainda desenvolvida por umpblico burgus, branco e eurocntrico. Ao forneceros caminhos da leitura para os leitores, excluiqualquer possibil idade interpretativa doseducandos. As ideias e comentrios sobre os textosliterrios, bem como os resumos, estodisponveis para o leitor que deseja inteirar-se

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 49

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    sobre o fato. Por outro lado, pde-se observar aprocura por outras formas literrias presentes emoutros suportes. Evidencia-se, portanto, aprevalncia de um modelo autnomo deletramento literrio, o qual prev que o significadoreside apenas no texto, desconsiderando ocontexto para a produo de significados. Observa-se, portanto, no mbito dos materiais didticosexaminados, uma limitao dos saberes sobreliteratura, restringindo seu valor a perodosliterrios, ao contexto histrico, s caractersticasde estilo, autores principais, tipos de personagense estruturas textuais.

    11) Letras JoaquimFrancisco dos SantosNeto 2008 MestradoUEM

    O que querem os jovens na escola?: estudo decaso sobre preferncias de leituraEsta dissertaorelata resultados de pesquisa referente ao estudode caso que investigou o ensino de literatura a partirdas preferncias de leitura de um grupo de catorzealunos do primeiro ano do Ensino Mdio, em umaescola da rede privada, na cidade de NovaEsperana, no Paran. O objetivo do trabalho eraensinar literatura e, ao mesmo tempo, contemplaro gosto dos leitores, estimulando-lhes apredisposio interna para os textos literrios eidentificando os reflexos dessas preferncias naaprendizagem da disciplina. A pesquisa justificou-se no s por destacar a importncia do ensino deliteratura, quando se acredita na potencialidade dostextos literrios para humanizar, no sentido maisamplo do termo, as pessoas, mas tambm porconsiderar que a valorizao do contexto histrico,social e cultural em que os indivduos estoinseridos pode influenciar na formao do gostoindividual e coletivo do pblico, alm de favorecer aampliao de seu horizonte esttico. Por ser umestudo de carter quanti-qualitativo, o trabalho tevecomo subsdios para seu desenvolvimento ainvestigao bibliogrfica, com o suporte terico daSociologia da Leitura e da Esttica da Recepo, ea pesquisa de campo realizado nas aulascurriculares de literatura, durante os quatrobimestres letivos de 2006. A anlise demonstrouque o desenvolvimento do projeto proporcionou maioria dos alunos uma ruptura com as ideiasiniciais, permitindo, alm disso, a percepo e oalargamento da conscincia de si mesmos e aconsequente reflexo sobre sua participao comoindivduos dentro de uma coletividade que se reuniapara um objetivo comum.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5850

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    12) Letras RobertaBoechatAlbertino2008Mestrado UFRJ

    Original ou adaptado? Estudo emprico sobre arecepo de textos literriosEsta dissertao tempor base os pressupostos da Cincia Emprica daLiteratura; Estilstica e da noo de literariedade.Ciente das dificuldades enfrentadas com a leiturade textos literrios, este trabalho visa conhecercomo se comportam leitores com nvel de inglsavanado leitura de textos literrios e adaptadosem ingls. Para tanto, realizou-se um estudoemprico com 240 alunos do primeiro perodo docurso de Letras (portugus/ingls) e de cursoslivres de ingls. Os participantes leram o fragmentode um texto original e adaptado em ingls; eresponderam a um questionrio com perguntasfechadas sobre seus hbitos de leitura eimpresses sobre aspectos envolvidos naconstruo do texto literrio. A anlise quantitativadados possibilitou a verificao de aspectoscognitivos; emotivos e comportamentais da leiturade textos literrios originais e adaptados; assimcomo o contraste destas reaes leitura deambos os textos. Os resultados apontam para ummaior envolvimento dos alunos com a leitura nassituaes em que o texto adaptado apresentado.Busca-se com esta pesquisa auxiliar professoresde lngua e leitura em ingls no uso de textosliterrios adaptados e originais em sala de aula,de modo a estimular a leitura literria entre osalunos.

    13) Letras FernandaChaves Bezerra deMoura 2009 MestradoUFCG

    Brincando com a bicharada: a leitura de sextilhaspopulares e folhetos de cordel no ensinofundamental IEsta pesquisa teve como objetivoestudar a recepo e o efeito esttico causadopela leitura oral de sextilhas e folhetos em umaturma do 5 ano do Ensino Fundamental, domunicpio de Campina Grande. O corpus dotrabalho composto por uma antologia desextilhas e setilhas de diversos autores,organizada por ns para a experincia, e por doisfolhetos: A ona e o bode, de Jos Costa Leite, eGosto com desgosto, o casamento do sapo, deLeandro Gomes de Barros. Pudemos observar,durante a realizao da experincia, a boarecepo dos poemas, com a prefernciadeclarada pela maioria da turma em relao leitura da antologia. Constatamos que asatividades de leitura podem ser desenvolvidas demaneira ldica, prazerosa, pautadas na partilha

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 51

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    de experincias pessoais e no dilogo a cadaleitura. Verificamos tambm que atividadescomplementares leitura, como ilustraes,recriao de trechos das narrativas e brincadeirascom fantoches, fortalecem a interao texto-leitor.Conclumos que, apesar de termos vivido,enquanto professora pesquisadora, algumasdificuldades em relao ao desenvolvimento dametodologia adotada, principalmente nosmomentos de dilogo com a turma, revimos nossaprtica e renovamos a crena de que possvel arealizao de um trabalho significativo de leituraliterria na escola. Para a realizao dessapesquisa, recorremos, entre outras, sconsideraes tericas de Jauss (1979), Iser(Jauss et al,1979), Jouve (2002), Compagnon(2001) e Zilberman (1989), sobre Esttica daRecepo e Teoria do efeito da leitura, alm dasreflexes de Colomer (2007), a respeito da leituraliterria na escola. Igualmente, contamos com ascontribuies de Ayala (1997, 2002, 2003), Chartier(2003), Xidieh (1976), sobre cultura popular ePinheiro (2001, 2004, 2007), sobre literatura decordel e ensino.

    14) Letras Tatiana deArajo Severo2009Mestrado UEM

    Dos catlogos de literatura juvenil ao leitor emcontexto escolar: um estudo de recepo de DomCasmurro, de Machado de Assis, por alunos deoitava srie de uma escola pblica paulistaEstadissertao relata resultados de uma pesquisaque se props a descrever e analisar a recepode Dom Casmurro, de Machado de Assis, poralunos da fase final do Ciclo Bsico II deaprendizagem de uma escola pblica da redeestadual do Estado de So Paulo. Realizada noano de 2007, na cidade de Presidente Prudente(SP), esta pesquisa buscou ocorrncias daapreenso de leitura de um grupo especfico deleitores, caracterizando-se, assim, como umestudo de caso, de carter fenomenolgico. Asaes contemplaram fases exploratrias edescritivas. Todo o trabalho esteve fundamentadona teoria da Esttica da Recepo e foicomplementado pela Sociologia da Leitura, sob apremissa da relao dialgica que se institui entreliteratura e leitor. O ponto de partida para averificao da recepo do romance se concentraem sua indicao de leitura aos alunos dessenvel de escolaridade (fase final do Ensino

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5852

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    Fundamental) pelos catlogos de algumas editorasdo pas: tica, Companhia Editora Nacional,Companhia das Letras, Moderna e Scipione. Oobjetivo da investigao consistia em verificar quaismecanismos poderiam interferir na recepo de umtexto considerado cannico no sistema escolarbrasileiro. Inicialmente, o trabalho procurou refletira respeito de literatura, leitura e questes demercado. Em um segundo momento, foi divididonas seguintes etapas: anlise dos catlogos deliteratura juvenil das editoras, o exame do perfilsocioeconmico e cultural dos alunos participantesda pesquisa, e o estudo da recepo da obra. Osresultados demonstraram que poucos alunosconseguiram realizar a leitura do romance e o fatorpreponderante para a construo desse ndicereside em um quadro de m formao dascompetncias leitoras dos alunos, que muito tma ver com as prticas inadequadas (ou ausentes)de leitura promovidas pela escola, denotando afragilidade do processo educacional.

    15) Letras Vernica deFtima Gomes deMoura 2009 DoutoradoUFPB

    Perspectivas e possibilidades do estudo poticoda cano popular brasileira no ensino de literaturano ensino mdioEste trabalho apresenta reflexessobre as perspectivas para uma insero dacano nas aulas de Literatura, de maneira que oestudo dessa composio mantenha umaintegrao com o ensino-aprendizagem dosconhecimentos literrios previstos para o EnsinoMdio. Com ateno s atuais finalidades eproposies para o ensino-aprendizagem daLiteratura no Ensino Mdio, dirigimos asdiscusses para a insero de canes poticasda nossa msica popular brasileira nas aulas deLiteratura deste nvel de escolaridade, medianteexploraes didticas da msica e abordagensdidtico-metodolgicas das letras. Neste sentido,discorremos sobre possibilidades de que, atravsde abordagens que considerem a perspectiva daleitura literria, as letras poticas interajam com apoesia que nelas se expressam e viabilizem aosalunos uma aprendizagem da literatura, pela qualeles possam discutir questes a partir de umconhecimento oferecido por meio dessaaprendizagem. Pelo percurso dessas reflexes,apresentamos alternativas para explorarmos as

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 53

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    canes em sala de aula, tendo em vistas aabordagem das letras para intermediar aorientao de uma aprendizagem de leitura do textopotico e a participao da msica como umrecurso didtico que auxilie a intermediar estaaprendizagem.

    O ensino de literatura na perspectiva dos gnerosliterrios: uma proposta de trabalhoEsta pesquisainvestiga o ensino de literatura no ensino mdio ebusca propor um modelo de ensino na perspectivados gneros literrios. Recorremos, ainda, ainformaes histricas, desde a fundao doColgio Pedro II, a fim de conhecer quando e comose deu a mudana do ensino da retrica para ahistoriografia literria no Brasil. O alicerce tericoda anlise ancora-se nas concepes de CristinaMello, Willian Roberto Cereja, Maria da Glria Bordini& Vera Teixeira Aguiar, no que se refere ao ensinode literatura. As consideraes de Aristteles, Platoe Horcio do suporte discusso acerca dosgneros literrios, alm de C. Segre, Northrop Fryee Emil Staiger. O referencial terico para aabordagem da histria do ensino de literaturapraticado no Brasil est alicerado nas informaesde Roberto Aczelo de Souza, Afrnio Coutinho eAntonio Candido. A discusso sobre a literatura deentretenimento apia-se nas concepes de MunizSodr e Flvio Kothe. O corpus da pesquisaconstitui-se de cinco livros didticos de lnguaportuguesa e literatura brasileira, destinados parao ensino mdio. Verificou-se, aps a anlise docorpus, que o ensino de literatura pauta-se eminformaes acerca de dados sobre fatos histricos,scio-polticos, biografia e curiosidades da vida deescritores e poetas, bem como caractersticas deobras, privilegiando elementos externos ao textoliterrio. Alm de apresentarem quase sempre otexto literrio de forma fragmentada. Por meio deformulrio de pesquisa, questionamos junto aalunos de uma escola pblica sobre seusconhecimentos e interesses na disciplina deliteratura, em seguida, fizemos uma prtica em trsturmas de terceiro ano do ensino mdio.Percebemos que uma nova possibilidade de ensinopautado no estudo dos gneros literrios podeapontar caminhos para uma mudana significativano ensino de literatura no ensino mdio, podendoinclusive promover o gosto pela leitura literria entrejovens alunos, leitores em formao.

    16) Letras FlorncioCaldas de Oliveira2010Doutorado UFPB

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5854

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    Em relao aos trabalhos na reade Letras que se dedicam ao ensino deliteratura, temos dados semelhantes ealgumas particularidades emcomparao ao j observado para a reade Educao. Dos onze trabalhosidentificados atravs da busca no Bancoda Capes, conforme os parmetros jexplicitados, nenhum tem data de defesaanterior ao ano de 2007, o que encontracorrespondncia na rea de Educao,cujo primeiro trabalho localizado datadode 2008.

    No perodo de 2007 a 2010, foramtrs trabalhos no ano de 2007, quatro noano de 2008, trs no ano de 2009 e umno ano de 2010. Uma das possibilidadespara a ausncia de trabalhos antes de2007 e para a reduo do nmero detrabalhos no ano de 2010 de ordempragmtica: o lanamento dos dados dasdefesas de dissertao e tese no sistemada Capes, que comeou em 1987,segundo informaes do rgo, foi sendopaulatinamente assimilado pelasinstituies educacionais, tendo sidomais impulsionado nos ltimos anos,acreditando-se, contudo, que tantotrabalhos defendidos neste ano quantonos anteriores ainda se encontrem emprocesso de lanamento pelassecretarias dos programas de ps-graduao.

    Em relao ao nvel das pesquisasinventariadas, sete foram de mestrado equatro de doutorado, distribuindo-se daseguinte forma: a) mestrado: uma no anode 2007, quatro no ano de 2008 e duasno ano de 2009; b) doutorado: duas noano de 2007, uma no ano de 2009 e umano ano de 2010. Quanto s instituies-sede das pesquisas, muito significativoum movimento contrrio ao identificadonos trabalhos originados em programasde ps-graduao em Educao: senaquele corpus 80% dos trabalhosvinculava-se a instituies sediadas naregio Sudeste, neste (dos trabalhosoriginados em programas de ps-graduao em Letras) a maioria (nove de

    um total de onze, o que corresponde a81,8%) vincula-se a instituies de outrasregies do pas, sendo quatro UEM, trs UFPB, um UFCG e um UEL, restandoapenas dois trabalhos vinculados ainstituies sediadas na regio do pasque concentra o maior nmero deprogramas de ps-graduao: um dostrabalhos vinculado UFRJ e o outro USP.

    Essa distribuio aparentementeatpica da vinculao dos trabalhos acertas instituies (com destaque paraUEM e UFPB) parece sinalizar que arecorrncia de pesquisas na temticaensino de literatura tributria da nfasedada por um professor ou por um grupode pesquisa nas instituies-sede. Ouseja: quando h um professor ou grupode pesquisa focado no tema h tendnciapara incremento de pesquisas na rea o que parece bvio, mas traz comoconcluso possvel que se houvessemais professores e grupos de pesquisasocupados da questo haveria tambmmaior nmero de estudos / contribuiesna rea.

    No que se refere s fontes e/ou aosprocedimentos de pesquisa, o quadro o seguinte:

    a) trs trabalhos tm como escopode pesquisa o ensino de literatura(brasileira e/ou estrangeira) em cursossuperiores de Letras o caso da tesede Manzanatti (2007), dedicada formao de professores; da tese deCampos (2007), que, em perspectivaetnogrfica, discute o ensino dadramaturgia shakespeariana no Brasil; eo caso da dissertao de Albertino (2008),que discute o ensino de literatura emlngua inglesa a partir de textos originaise adaptados;

    b) cinco trabalhos abordam o ensinode literatura no ensino mdio o casoda dissertao de Dias (2007), que, emum estudo de caso, discute a recepoda poesia de Manuel Bandeira para

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 55

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    criticar a fragmentao do texto potico;da dissertao de Menezes (2008), que,em uma abordagem quali-quantitativa,discute o ensino de literatura no ensinomdio e nos cursos pr-vestibulares,tendo em vista o exame de seleo daUEM; da dissertao de Santos Neto(2008) que, em um estudo de caso,tematiza as preferncias de leitura dejovens no ensino mdio; da tese deGomes de Moura (2009), que apresentasugestes de trabalho com canes damsica popular brasileira em sala deaula; e da tese de Oliveira (2010), que tratado ensino de literatura a partir dosgneros, historicizando tal abordagem;

    c) dois trabalhos abordam o ensinode literatura no ensino fundamental ocaso da dissertao de Bezerra de Moura(2009) que, em um estudo de caso,discute a recepo e o efeito esttico daleitura oral de sextilhas e folhetos decordel em uma turma de 5 ano do ensinofundamental; e da dissertao de Severo(2009) que, em um estudo de caso decarter fenomenolgico, discute o ensinoda literatura machadiana em uma turmade 9 ano do ensino fundamental; e

    d) um trabalho aborda o ensino deliteratura, em perspectiva comparada, apartir da anlise de contedos, emmateriais didticos diversos para o 2 e o9 anos do ensino fundamental e para o3 ano do ensino mdio o caso dadissertao de Soares (2008).

    Em relao s orientaes/filiaesterico-epistemolgicas so citados nosresumos a Cincia Emprica da Literatura,a Esttica da Recepo, a Estilstica e aSociologia da Leitura, bem como osseguintes autores: Aczelo de Souza,Teixeira de Aguiar, Aristteles, Ayala,Bordini, Candido, Cereja, Chartier,Colomer, Compagnon, Coutinho, Frye,Horcio, Iser, Jauss, Jouve, Kothe, Mello,Muniz Sodr, Pinheiro, Plato, Segre,Staiger, Xidieh e Zilberman.

    Observa-se que, assim como narea de Educao, o maior nmero deestudos concentra-se em abordagensrelacionadas ao ensino mdio,corroborando mais uma vez a idia de queo termo ensino de literatura tem a verpreferencialmente com essa etapa daescolaridade. Entretanto, observou-seneste conjunto de Letras menospreocupao com documentos oficiaiscomo corpus e mais com materiaisdidticos e pesquisas empricas juntoaos alunos sobre a recepo de obrasliterrias. Houve tambm a apresentaoe proposta de insero de obras notradicionalmente presentes na escola,como aquelas de origem popular, comoos cordis e a cano popular.

    Reflexes provisrias: anseios eperspectivas para a pesquisa emensino de literatura no Brasil

    Algumas reflexes, mais do queconcluses, poderiam ser extradasdessa amostra, no que se refere atendncias das pesquisas. De imediato,percebe-se que existe um evidenteimpulso para a promoo de mudanasno ensino bsico por meio dessesestudos: seja anunciando a positividadede documentos oficiais para impulsionaruma reforma, seja por meio da crtica amateriais didticos que persistem numensino fragmentado, seja por meio depropostas que quebrem a hegemoniados autores cannicos e da histria daliteratura com a introduo de autorestradicionalmente situados fora do campoliterrio dominado no Brasil por obraslegitimados pela crtica acadmica e pelahistria literria.

    Desses temas e abordagens,sobressai a preocupao com arecepo da obra pelo leitor escolar, numaperspectiva contempornea, que pode serpercebida inclusive pela bibliografiaindicada como aporte terico: Anne-MarieChartier, Roger Chartier, Jean Hbrard,Bordini, Colomer, Pinheiro e Zilbermanso autores que mobilizam o conceito de

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5856

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    leitura numa visada que inclui os modosde recepo em perspectiva histrica e dahistria cultural, tendo como base oimportante momento de inflexo trazidopela esttica da recepo, de Jauss e Iser,tambm citados. Do mesmo modo, aperspectiva histrico-social e interacionistados russos Vigotski e Bakhtin, tambmreferenciados e muito utilizados no campoda Educao, do suporte a essas teoriasvincadas na recepo.

    Esses temas, abordagens e teoriasremetem, como dissemos antes, a umamudana de rumo em relao ao ensinode literatura, no passado tido como umestudo por excelncia do texto levado a cabopor especialistas, cuja visoevidentemente era a que deveria serreproduzida pelos alunos. A esttica darecepo, disseminada a partir dos anosde 1970, em especial junto aosprofissionais da rea de Educao emenos de Letras, incidiu sobremaneira nahistria da literatura, tida como umaperspectiva a ser banida do ensino, aomesmo tempo em que trazia a idia derecepo, ou seja, de uma leiturahistoricamente circunscrita e dinmica daobra literria. Essas posies favorveis mudana de perspectiva do ensino deliteratura esto explicitas ou implicitamentepresentes nos resumos. E tambm seobserva a vontade de contribuir a partir deafirmaes de que os resultados, quandohouve experincias de novas perspectivasjunto aos alunos, resultaram em melhoriado ensino.

    Assim, para efeito de finalizaodeste artigo, diante da amostra queapresentamos, resta-nos salientar oimpulso para a mudana do ensino deliteratura, com base em teorias voltadaspara a recepo, tanto na rea deEducao quanto de Letras, e apreocupao evidente com o aluno dehoje, ainda que no tenhamos observadode forma especfica a discusso voltadapara as questes histricas e culturaisda instituio escola, capazes de explicitarno interior do contexto as relaes ensino-literatura.

    Outro aspecto a ser destacado,refere-se s limitaes que aindapersistem na busca pela internet, pelaaparente lentido das instituies nainsero dos dados, o que torna arriscado,a partir do que se tem, localizar onde seencontram programas com pesquisas notema objeto de nosso artigo.

    Por fim, outro aspecto refere-se aomodo como os pesquisadoresidentificam suas pesquisas, tendo emvista: a) as ferramentas de busca digitais,links e hiperlinks: resta pensar talveznuma vinculao terminolgica entrettulo, palavra-chave e temtica centralapresentada no resumo, de modo aprecisar melhor o objeto da pesquisa; b)a organizao do prprio resumo, paraque seja capaz de oferecer informaessobre o contedo do texto resultante dapesquisa: objeto, objetivo, marcostericos, metodologia util izada econcluses.

    ABSTRACTThe present research is a mapping of recent research on the teaching of literature inthe context of Brazilian graduate programs in Education and Literature. It aims to identifymasters theses and doctoral dissertations produced during the last decade (from2001 to 2010) which include teaching of literature as one of their keywords. Data

    TEACHING LITERATURE: WHAT RECENTMASTERS THESES AND DOCTORAL

    DISSERTATIONS SAY ABOUT IT?

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-58 57

    Maria Amlia Dalvi; Neide Luzia de Rezende

    collection was done at Banco de Teses e Dissertaes da Coordenao deAperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior, accessed through a public domainportal. It seeks to identify which themes and approaches are in use, as well as in whichinstitutions and graduate programs these researches have been taking place more orless regularly. We may conclude that there is a momentum for change in teachingbased on reception-oriented theories; some limitations still persist when using Internetas a research tool due to the institutions apparent slowness to upload their data intodatabanks; the way authors identify their researches does not take into account thedigital library; finally, abstracts are not sufficiently precise about the texts contents.

    Keywords: Teaching Literature; Banco de Teses da Capes; Graduate Programs inEducation and Literature.

    Artigo submetido para publicao em: 15/09/2011Aceito em: 22/11/2011

    REFERNCIASALBERTINO, R. B. (2008). Original ou adaptado? Estudo emprico sobre a recepode textos literrios. Dissertao de Mestrado em Letras. Universidade Federal do Riode Janeiro.ALMEIDA, L. M. P. de. (2009). Discursos sobre o livro infantil (1968-1978). Dissertaode Mestrado em Educao. Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo.BATISTA, A. A. G.; ROJO, R. (2005). Livros escolares no Brasil. In: VAL, M. da G. C.;MARCUSCHI, B. (Orgs.). Livros didticos de lngua portuguesa. Belo Horizonte:Autntica; Ceale, p. 13-45.CABRAL, A. B. (2008). O texto, o contexto e o pretexto: o ensino de literatura, aps areforma do ensino mdio. Tese de Doutorado em Educao. Universidade Federal deSo Carlos.CAMPOS, S. S. (2007). O ensino da dramaturgia shakespeariana no Brasil: realidadee perspectivas. Tese de Doutorado em Letras. Universidade de So Paulo.CHARTIER, R. (1990). A histria cultural entre prticas e representaes. Lisboa:Difel.DALVI, M. A. (2010). Drummond, a crtica e a escola: a inveno de um poeta nacionalpelo livro didtico de ensino mdio. Tese de Doutorado em Educao. UniversidadeFederal do Esprito Santo.DIAS, P. R. F. (2007). A recepo de Manuel Bandeira na sala de aula: entre afragmentao de poemas e a libertao do lirismo. Dissertao de Mestrado emLetras. Universidade Federal da Paraba.JESUS, R. de (2010). O ensino de literatura na educao profissional agrcola numaperspectiva dialgica: formando leitores. Dissertao de Mestrado em Educao.Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.MACHADO, A. M. (2011). Silenciosa algazarra: reflexes sobre livros e prticas deleitura. So Paulo: Companhia das Letras.MANZANATTI, V. L. (2007). Ensino de Literatura Brasileira em cursos de Letras eformao de professores: entre os discursos e as prticas. Tese de Doutorado emLetras. Universidade Estadual de Londrina.MENEGUETTI, N. C. F. (2009). Anlise descritiva dos planos de ensino de literaturadas escolas de ensino mdio de Umuarama PR. Dissertao de Mestrado emEducao. Universidade Estadual Paulista Jlio de Mesquita Filho.

  • DLCV - Joo Pessoa, v.8, n2, jul/dez 2011, 37-5858

    Ensino de literatura: o que dizem as dissertaes e teses...

    MENEZES, J. A. B. (2008). Ensino de literatura e vestibular: que leitor espera aUniversidade Estadual de Maring e o que recebe? Dissertao de Mestrado emLetras. Universidade Estadual de Maring.MOURA, F. C. B. de. (2009). Brincando com a bicharada: a leitura de sextilhaspopulares e folhetos de cordel no ensino fundamental I. Dissertao de Mestrado emLetras. Universidade Federal de Campina Grande.MOURA, V. de F. G. de. (2009). Perspectivas e possibilidades do estudo potico dacano popular brasileira no ensino de literatura no ensino mdio. Tese de Doutoradoem Letras. Universidade Federal da Paraba.OLIVEIRA, F. C. de. (2010). O ensino de literatura na perspectiva dos gnerosliterrios: uma proposta de trabalho. Tese de Doutorado em Letras. UniversidadeFederal da Paraba.PIROLA, A. (2008). O livro didtico no Esprito Santo e o Esprito Santo no livro didtico.Dissertao de Mestrado em Educao. Universidade Federal do Esprito Santo.SANTOS NETO, J. F. dos. (2008). O que querem os jovens na escola?: estudo de casosobre preferncias de leitura. Dissertao de Mestrado em Letras. UniversidadeEstadual de Maring.SEVERO, T. de A. (2009). Dos catlogos de literatura juvenil ao leitor em contextoescolar: um estudo de recepo de Dom Casmurro, de Machado de Assis, por alunosde oitava srie de uma escola pblica paulista. Dissertao de Mestrado em Letras.Universidade Estadual de Maring.SOARES, S. R. (2008). Letramento literrio: materiais didticos e o ensino de literatura.Dissertao de Mestrado em Letras. Universidade Estadual de Maring.SOUZA NETO, A. (2008). Formao do leitor e cnone literrio: relaes entre asOrientaes Curriculares e as prticas docentes. Dissertao de Mestrado emEducao. Universidade do Extremo Sul Catarinense.