Hannah Hoch

  • Published on
    26-Jun-2015

  • View
    867

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<p>Hannah Hch</p> <p>ndiceBiografia ------------------------------------------------------------------- Pg. 2 Relacionamento de Hoch com Hausmann ---------------------------------- Pg. 4 Feminismo ----------------------------------------------------------------- Pg. 5 Obras ---------------------------------------------------------------------- Pg. 6 Anos 30 -------------------------------------------------------------------- Pg.10</p> <p>Hannah HchHannah Hch foi uma grande representante do movimento dadasta, como tambm percussora da fotomontagem.</p> <p>Hannah Hch nasceu Anna Therese Johanne Hch em 1889 e foi criada numa famlia de classe mdia na pequena cidade de Gotha, na Alemanha. Aos 15 anos saiu da escola para cuidar dos seus irmos, e em 1912 iniciou os estudos na Escola de Artes Aplicadas em Charlottenburg, Berlim. Do ponto de vista de Hannah, foi um compromisso: Concentrara todos os meus sonhos na Academia, mas nem me atrevia a dizer que queria ir para l, observou ela mais tarde no Lebensuberblick autobiogrfico 1958, comentando a sua verdadeira ambio de tornar-se pintora. A deflagrao da Primeira Guerra Mundial em Agosto de 1914 assinalou o colapso da . Nessa altura Hch viajou para Colnia para visitar a exposio Werkbund. Em 1915 inscreveu-se no curso de artes grfica dado por Emil Orlik no Museu Estatal de Artes Aplicadas. No mesmo ano, iniciou uma relao de sete anos com o escritor e artista Raoul Hausmann, atravs de quem conheceu uma srie de grupos artsticos entre os quais os Expressionistas (com o seu centro focal na galeria e editora de Herwarth Walden, Der Sturm) os Futuristas italianos, e o crculo dadasta que se constituiu em 1917, incluindo Richard Hulsenbeck, Johannes Naader, George Grosz, John Heartfield e Wieland Herzfelde. Nessa altura Hch e Hausmann juntaram-se ao crculo de Dada de Berlim. Juntos desenvolveram a arte da fotomonta gem (colagem em papel atravs de imagens fotogrficas) como uma ferramenta de comentrio artstico. Dada - uma resposta devastao da Primeira Guerra Mundial - foi um tumultuado, o movimento anarquista niilista que floresceu entre 1916 e 1922, em Zurique, Nova York, Colnia, Hannover, Berlim e Paris.</p> <p>Em 1919, Hch participou na Primeira Exposio Dada em Berlim, juntamente com Raul Hausmann e George Grosz. Apesar da atitude anarco-revolucionria os dadastas berlinenses eram, de facto, uma espcie de clube de cavalheiros com um perfil patriarcal, em que as mulheres constituam uma excepo. Hch foi, realmente a nica artista mulher includa na Primeira Feira Internacional Dada realizada em 1920 na galeria berlinense de Otto Burchard. Entre as obras ai expostas por ela, estava a fotomontagem " Cut With the Kitchen Knife Dada Through the Last Weimar Beer-Belly Cultural Epoch of Germany" 1919-1920, a qual no s atacava veemente a cultura da barriga de cerveja de Weimar, como prometia o titulo, como visava a situao social das mulheres: um mapa mostrava os pases europeus que tinham concedido o direito de voto s mulheres, enquanto na montagem os corpos de homens e mulheres Hch Subvertia imagens inequvocas da identidade sexual. As afirmaes polticas mais latas feitas na sua obra eram tambm bastante claras: no canto inferior esquerdo, juntamente com fotografias de multides e as iniciais de Hch, esto cabeas de dadastas, bem como Marx e Lenine, ao passo que no canto superior direito, sobre as palavras Movimento Antidadaista, esto retratos de Friedrich Ebert, do Imperador Guilherme II, do Marechal Hindenburg e de outros chefes militares. No centro da composio est Kathe Kollwitz, a primeira mulher que foi membro da Academia de Artes, em 1919; o seu retrato parece virtualmente suspenso sobre o corpo da bailarina Nidda Impekoven, que personifica a Nova Mulher, auto confiante e financeiramente independente, da dcada de 1920. O Material usado por Hch, tanto o pictrico como textual provem em parte de brochuras tcnicas ou de fotografias privadas, mas na sua maior parte foi retirado de revistas ilustradas. Estas eram um meio em que Hch estava mergulhada, no s no seu trabalho como artis tas, mas tambm profissionalmente como designer grfica para a editora Ullsteiin de 1916 a 1926. A montagem Meine Hausspruche (As Minhas Mximas Domesticas), 1922, justapondo pedaos de trabalhos manuais como os produzidos na poca por Hch com fotografias de peas de mquinas, retratos, desenhos infantis e citaes de autores to variados como Hulsenbeck, Baader e Hans Arp, Goethe e Nietzsche. Esta obra foi realizada quando os Dadastas Berlinenses se dividiram, tendo-se tambm separado Hch e Hausmann os nomes de Arp e Kurt Schwitters assinalam as suas novas afinidades polticas.</p> <p>No perodo ps-Dada, Hch continuou a alargar o seu potencial na colagem e na fotomontagem, quer em termos formais quer de contedo. As suas obras de dcada de 20 incluem Mischling (Mestio), 1924, e sries como Aus einem ethnographischen Museum (De um Museu etnogrfico), 1925-29, desconstruindo lugares-comuns da identidade tnica e sexual e refazendo-os num esprito ldico. Embora Hch seja conhecida sobretudo pelas suas fotomontagens, tambm produziu paralelamente uma obra substancial e estilisticamente diversa; h quadros em que o princpio da montagem foi importado para a pintura, por exemplo, e h ainda quadros surrealistas surpreendentes, naturezas-mortas ao estilo da Nova Objectividade e expressivos retratos.</p> <p>Relacionamento de Hch com HausmannEste foi o primeiro relacionamento crucial a ter uma influncia sobre o trabalho artstico de Hch, muitas vezes ela reflectiu sobre os seus relacionamentos em pedaos, como em Love (1926). Depois do seu envolvimento com Hausmann, ela esteve envolvida sexualmente com mulheres e teve um relacionamento (1926-1929) com o escritor e linguista holands Til Brugman. Hausmann era casado com outra mulher durante o seu envolvimento, e recusou-se a casar com Hch. Ela apoiou o direito das mulheres ao controlo reprodutivo e durante o seu envolvimento com Hausmann fez dois abortos. Hch e Hausmann separaram-se em 1922, altura em que Hch seguiu o seu caminho para se tornar uma artista no seu prprio direito e independente do seu envolvimento com Hausmann. Alis, foi durante esse relacionamento que ambos os artistas comearam a trabalhar mais profundamente com colagem, estendendo a forma de arte aplicada em primeiro lugar pelos pintores cubistas. Hch fez alguns trabalhos com Hausmann, em 1920.</p> <p>FeminismoApesar do grupo dadasta ajudar na emancipao da mulher, eram claramente relutantes em incluir uma mulher entre as suas fileiras. Raoul Hausmann at sugeriu que Hch conseguisse um emprego para apoi-lo financeiramente. Hch era a mulher solitria entre o grupo Dada de Berlim, embora Sophie Tauber, Beatrice Wood, e Baronesa Else von Freytag-Loringhoven tambm tenham sido importantes (e esquecidas) figuras Dada. Ela faz referncia a hipocrisia do grupo Dada de Berlim e da sociedade alem como um todo em sua fotomontagem. Seu trabalho na Verlang colocou-a numa posio onde trabalhava com revistas especficas para as mulheres tornando-a ciente da diferena entre as mulheres nos media e realidade. O casamento no escapou sua crtica, ela retratava noivas como manequins e crianas, reflectindo a ideia de que as mulheres no so vistas como pessoas completas e tm pouco controlo sobre as suas vidas. Hch viu-se como parte do movimento de mulheres na dcada de 1920. As suas peas tambm pretendiam combinar o masculino e feminino num ser. Durante a poca da Repblica de Weimar, mulheres msculas eram castigadas e celebradas por quebrarem os padres tradicionais dos sexos; os seus personagens andrginos tambm podem ter sido relacionados com a sua bissexualidade, e atraco masculinidade nas mulheres.</p> <p>Hannah reflectiu nas suas obras a justaposio entre a mulher alem moderna e a mulher alem colonial. Ao faz-lo desafiou as representaes culturais das mulheres, levantando questes relativamente sexualidade das mulheres e aos seus papis de gnero na nova sociedade. Com as suas imagens, Hch abordou os medos, possibilidades e as novas esperanas para as mulheres na Alemanha moderna. Dada Ernst 1920 Em Dada Ernst, Hch questiona o papel da mulher na nova sociedade. No lado direito da imagem, dominando a composio, esto uma par de pernas femininas. Substituindo a regio pbica das pernas est um olho de um homem colocado num ngulo. Quase a cobrir o olho esto duas moedas douradas, que so o emblema mais brilhante da composio. Um arco faz a ligao entre as moedas e a atleta simboliza a mulher moderna e atltica. Ao seu lado encontra-se uma mulher nua tocando trompete que simboliza a feminilidade da mulher. A justaposio violenta do metal contra a carne levanta questes que dizem respeito sexualidade das mulheres no mundo e sobre o olhar atento do sexo masculino. Atravs destas imagens, Hch cria uma viso inquietante sobre as esperanas e medos da mulher moderna. Beautiful Girl - 1920 Nesta obra encontra-se uma mulher usando um fato de banho moderno com uma lmpada na cabea, sentada sobre uma viga de ao e rodeada por vrias imagens de industrializao como por exemplo: smbolos da BMW, pneus, engrenagens e um relgio. No canto direito, um boxer preto percorrendo o pneu representa a automao. Na parte de trs da imagem encontra-se a silhueta da cabea de uma mulher com olhos de gato e direccionados para a plateia. Ser moderno era sinnimo de velocidade, consumismo, urbanizao e tecnologia; essas mudanas promoviam esperana para as mulheres. No entanto, entre a esperana veio o medo, como se v no olhar atento da mulher que se esconde por trs das cenas. Nesta justaposio de imagens Hch reflecte um certo optimismo sobre a industrializao e a sua relao com a mulher moderna.</p> <p>Obras</p> <p>Aus einem ethnographischen Museum 1924-1930 Este trabalho de uma srie de dezassete fotomontagens executadas entre 1924 e 1930. Combina imagens de uma mscara tribal, um torso de um beb e um olho de uma revista de moda, num encontro de culturas, deliberadamente enigmtico. A figura estranha de um hbrido montada sobre ps pequenos, como se estivesse em exibio. A fotomontagem um comentrio irnico sobre o tratamento das mulheres na Alemanha de Weimar: visto como inferior, por serem equacionadas com os povos primitivos, tratado como infantil e, simultaneamente, a ser colocada num pedestal. O fundo geomtrico recorda os trabalhos do grupo holands De Stijl de artistas e arquitectos modernistas, com quem Hch foi associada.</p> <p>Abduction 1925 Hch representa a mulher moderna alem dentro de uma narrativa Africana, como ela vista sentada numa escultura de madeira Africana. A escultura consiste em duas figuras masculinas africanas e duas figuras femininas, sendo transportados por um animal de grandes dimenses. Hoch colocou a imagem numa base grande, com rvores de p de cerejeira no fundo. A cabea de uma das mulheres esculpidas substituda por uma cabea de uma mulher moderna alem, mas colocada virada para trs. Comparada com os outros rostos estticos, a mulher alem parece estar a gritar com a boca aberta. A mensagem que Hch sugere a diferena, e talvez at mesmo uma deslocao, ou rapto, em referncia s mudanas que ocorrem na sociedade de Weimar e o que esta significou para as mulheres, a emoo e ao mesmo tempo, uma sensao de instabilidade e luxao.</p> <p>German Girl 1930 Um perfil de trs quartos do rosto de uma jovem mulher e o pescoo adornado com prolas, contra um fundo preto. Ela carrega um sorriso sereno, com os cabelos amarrados em estilo japons. Mais uma vez, Hch cria uma viso distorcida por justaposio de imagens que d a iluso de uma mulher, sem testa, e com olhos q no coincidem. Os historiadores da arte afirmam que essas imagens / figuras imitam interpretaes dos meios de comunicao sobre a mulher alem convencional. Hch aborda questes de normas do que considerado bonito em termos de conformidade com as normas sociais.</p> <p>Love 1926 Em Love a artista explora os relacionamentos convencionais do amor extasiado entre homens e mulheres. Hch usou imagens de bonecas populares, que na poca eram produzidas em massa e comercializadas como sendo inocentes e cheios de admirao. O olho de boneca aparece grande e os lbios demonstram um belo sorriso educado, mas tem uma cara sinistra e uma aparncia estranha reforada pelo facto dela ter sido cortada em ngulos estranhos. Por outro lado, vemos um homem que no olha directamente para a boneca, mas exteriormente. A boneca usada para representar o ego alterado da mulher moderna. Tanto a mulher como ohomem parecem estar num estado de esprito mecanizado e presumivelmente sob os efeitos do amor encantado.</p> <p>Indian Female Dancer - 1930 Mostra uma cabea de mulher para trs, onde metade do seu rosto uma esttua da ndia. O seu cabelo est escondido atrs do recorte de silhuetas de garfos e facas em forma de coroa. Hch cria uma alegoria da mulher moderna reconhecida pelo seu corte de cabelo moderno, chamado de Bubikopf, a sua justaposio de imagens cria uma mulher moderna coroada e ao mesmo tempo identifica como sendo um esteretipo de uma dona de casa. O rosto da mulher vem de uma foto de uma actriz popular da poca chamada Marie Falconetti. Hch cria uma imagem em camadas com muitas identidades: a feminina, a actriz, a mulher moderna, a mulher caseira e a mulher coroada pronta para a batalha.</p> <p>A Noiva c. - 1933 A iluso de freio, que explora a raa, por justaposio de uma mulher branca no pescoo e ombros, com os lbios de outra mulher com um rosto no-caucasianos. O lao usado para retratar a iluso de um vu de noiva. Os elementos da imagem conjugam-se to bem que fazem oscilar os olhos do espectador para a frente e para trs entre as imagens justapostas. Hch cria uma imagem onde o espectador incapaz de definir a raa da mulher claramente.</p> <p>Anos 30Nos anos 30, Hch viu-se sob grande presso da politica oficial artstica nazi do III Reich, um dilema que teve expresso em vrias obras. A colagem (anterior ao Reich) Dompteuse (Domadora), 1930, no s expressa o conflito pessoal com a sua amiga de muitos anos, a escritora holandesa Til Brugman, como tambm (no vesturio de tipo uniforme envergado pela figura) no sentido articulado de ameaa politica. Vrios dos seus amigos artistas abandonaram o pais depois da chegada ao poder dos Nazis, mas Hch, embora desancada como e proibida de expor, manteve-se na Alemanha, em . Correndo perigo de vida, criou um arquivo dadasta na sua casa, nos arredores de Berlim, e foi este quer levou redescoberta do grupo aps a Segunda Guerra Mundial. Ainda que Hannah Hch voltasse a expor nas galerias em 1046, e fosse includa nas retrospectivas dada, s na grande exposio de 1971, realizada na Academia de Artes em Berlim, que o seu trabalho se tornou objecto de maior interesse. Ainda assim, Hch viu-se reduzida uma vez mais ao seu papel de mulher de Raoul Hausmann, vista como uma fada (Eberhard Roters), a Bela Adormecida do Dadasmo (Heinz Ohff), ou a indispensvel operaria(Hans Richter) dos Dadastas. S na dcada de 80 a historia da arte feminista adquiriu uma viso subtil e cuidadosa do trabalho complexo e comprometido de Hch.</p>