Jornal abm 24 outubro 2013

  • View
    228

  • Download
    5

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal da ABM - outubro 2013

Text of Jornal abm 24 outubro 2013

  • Paw

    Outubro 2013 n 24 - www.portalabm.com.br

    O pequeno leitor desperta para letras e imagens

    Desenvolver o interesse e o hbito pela leitura um processo constante, que comea muito cedo, em casa, aperfeioa-se na escola e continua pela vida inteira

    Acompanhe as imagens da competio na pgina 6

    Dia das Crianas venha participar da comemorao na ABM 19 de outubro a partir das 9h30min

    II Olimpadas ABM

  • Um livro nas mos de uma criana pode lev-la a voar por mundos de fantasia, de magia, e transformar este encontro em um verdadeiro turbilho de sensaes, vozes e rudos. Como tal, tem que estar presente na vida de uma criana desde seu nascimento.

    A segurana (ou a falta dela) volta a ser assunto im-portante para os moradores do entorno da ABM. Ricardo Magalhes faz um diagnstico e levanta o tema para discusso. A Barra da Tijuca, como muitos outros bairros da cidade, vive um cenrio de crise na segurana pblica, com altas taxas de incidncia criminal, que cresceram de forma significativa nos ltimos anos.

    Aconteceram no ms de setembro as II Olimpadas ABM nas modalidades de basquete, futsal, tnis, jud e vlei. Com disputas acirradssimas o evento contou com um grande nmero de pessoas participando e prestigian-do cada momento dessas competies. Acompanhe na pgina 6 as imagens dos participantes e premiao.

    Boa leitura!

    Editorial

    2

    ww

    w.p

    ort

    alab

    m.c

    om

    .br

    Ou

    tub

    ro 2

    01

    3

    DiretoriaPresidente: Ricardo MagalhesAssessor Jurdico: Llio A. Barbosa Assessor Operacional: Joo Luiz Leite RabelloAssessora de Relaes Comunitrias: Geovanina da Fonseca

    Vice-Presidente Administrativo: Fernando MelloDiretor Financeiro: Amaury Bruno MartinsDiretor de Marketing : Mnica Santos L. e SilvaDiretor de Patrimnio: Carlos SouzaDiretor de Secretaria: Joo L. CorreaCoordenador Financeiro: Jos Carlos LourenoCoordenador de Gesto: Pricles P. Cortez

    Vice Presidente Transportes: Amrico J. A. NetoDiretor Tcnico: Fernando A. GonalvesDiretor de Fiscalizao: Paulo BessaDiretor Rel. c/ Cond. e Usurios: Hamilton Carvalho

    Vice-Presidente Sociocultural: Carlos A. TeixeiraDiretora Cultural: Sonia MagalhesDiretora Social: Janete MartinsDiretor Meio Ambiente: Miguel Angelo LourenciCoordenadora da 3 Idade: Regina WesleyColaborador do jornal: Srgio Lima NascimentoColaboradora do jornal: Ilma Novaes

    Vice-Presidente de Esportes: George KhedeDiretor de Futebol: Carlos Alberto de OliveiraDiretor de Tnis: Manoel C. NetoDiretor de Vlei/ Basquete: Paulo Oliveira

    ExpedienteEditor: Paulo WagnerFotografia: Jorge SoutoArte: Ideiatrip Comunicao e Design - (21) 4101-2248Projeto grfico: Renan Pinto Diagramao: Carlos Pereira Reviso: Marilza Bigio Colaboradores: Amrico Netto, Ilma Novaes, Sonia MagalhesSrgio Lima Nascimento, Janete Martins, Fernando Melo,Adriana Mello Distribuio gratuita Tiragem: 7.000 exemplares

    *As opinies expressas nos artigos so de responsabilidade dos autores eximindo-se a ABM de quaisquer responsabilidades tcnicas.

    Veja a edio completa na internet: www.issuu.com/jornaldaabm

    Anuncie - Ilma: 8114-0354 - ABM: 2495-6911

    1- Barra Golden2- Barra Doro3- Aloha4- Sunset5- Estrela do Mar6- Palace

    7- Royal Barrava8- Jardim Saint Tropez9- Santorini10- Marbella11- Lake Buena Vista12- Costabella13- Via Barra14- Via Cancun

    15- Sol de Marapendi16- Itapo-Jatica17- Villa Di Genova18- Costa Blanca19- Barra Marina20- Barra Inn21- Lyon22- Porto Seguro23- Barra Sol

    Data: 19/10/13.

    Horrio: A partir das 9:30hs. Local: Av. Prefeito Dulcdio Cardoso N 1250.

    Teremos diversas atraes!

    Venha comemorar na ABM

  • ww

    w.p

    ort

    alab

    m.c

    om

    .br

    Ou

    tub

    ro 2

    01

    3

    3

    Insegurana nas ruas

    Voc tem alguma coisa a ver com isto?

    Insegurana na Barra registra salto de 91% em julho. A manchete de primeira pgina do jornal O GLOBO do dia 29 de setembro confirma nosso sentimento de insegurana que provoca medo, por motivo do abandono do poder pblico aos morado-res da Barra da Tijuca. Um salto de 91% em assaltos a pedestres assustador! preocu-pante! Por que no dizer: alarmante! No foram citados: saidinhas de bancos, popula-o de rua que aumenta a cada dia, furtos e arrombamento de veculos, sequestros re-lmpagos, estupro, homicdios, latrocnios... O que mais falta? A Barra da Tijuca ocupa um dos primeiros lugares do ndice de Desenvol-vimento Humano Municipal (IDHM) na faixa considerado elevado, tem rea de 165 km e cerca de 400 mil habitantes. Para isto, a Polcia Militar dispe de somente 400 sol-dados, o que nos conduz a um soldado para cada 1.000 habitantes. A Guarda Municipal tem somente 250 profissionais, que cuidam de funes institucionais mais voltadas para ordenamento de trnsito, comrcio ambulante etc.. Mas, ostensivamente, pode tambm nos proteger. Fica claro, portanto,

    a causa primeira do aumento de assaltos estar ligada ao baixo contingente da Polcia Militar e da Guarda Municipal. O nmero reduzido de apenas 8 cmeras de TV para monitorar toda a Barra, enquanto a Roci-nha dispe de 80, tambm absurdo. H mais de dois anos reclamamos da falta de segurana, no entorno de nossa ABM, que congrega mais de 20.000 moradores. Por que no temos rondas com motociclistas, que tem mais mobilidade neste trnsito ca-tico? Por que da escurido nas nossas ruas? Porque no podar as rvores, que colaboram para reas de escurido? Por que no au-mentar o efetivo da Polcia Militar da Barra da Tijuca? Por que no criar outro Batalho para a Polcia Militar como a Polcia Civil j o fez, com mais uma Delegacia Legal, a 42 DP? Por outro lado: o que os moradores da Barra da Tijuca fizeram para merecer este tratamento de abandono e esquecimento? De que adianta a Barra da Tijuca, crescer e ser polo de expanso, ser exemplo de mo-dernidade e no termos segurana? Chega de desprezo Barra da Tijuca! Nosso grito de clamor pela paz, tranquilidade e segu-

    Assine o abaixo assinado para a desapropriao do terreno!

    Moradores participam com cartazes protestando pela falta de segurana

    Foto

    Lai

    s Ro

    sa

    rana, tem que ser ouvido! As autoridades precisam dar uma soluo urgente! J abra-amos a cabine da PM, junto ponte Lucio Costa que foi tambm abandonada... Nada mudou! Que governo este que desenvolve planos estratgicos para as comunidades, com o que eu concordo e aprovo, mas, no entanto esquece o restante dos bairros ao nvel do mar? Que a Cidade Maravilhosa o seja para todos. A ABM pede segurana e tambm pede socorro! A Barra da Tijuca quer sorrir novamente!

    A pergunta tem a ver com a sensao de insegurana que paira na cidade, uma tima questo para que possamos discutir, debater e fundamentalmente agir.

    A resposta nica: todo mundo tem a ver com isso! Tem a ver com isso a sociedade hedonista, insensvel e de valores morais e ticos to frgeis quanto teias de aranha. Tem a ver com isso a con-duta individual e coletiva das organizaes sociais que muitas vezes esto voltadas exclusivamente para seus interesses, seus fins mais imediatos. Tem a ver com isso a nossa atitude de, com a des-culpa de estar nos protegendo, fecharmos nossas casas, nossos carros, nossos sorrisos, nossos abra-

    os, nossos braos. Tem a ver com isso aquele nos-so olhar de desprezo e confusas emoes, quando nos afastamos da pobreza como se estivssemos nos protegendo de molstias infectocontagiosas. Temos a ver com isso quando no trazemos para casa o debate franco e verdadeiro sobre a imensa e perversa desigualdade social, uma das causas da violncia. Temos tudo a ver com isso quando nossas atitudes so tmidas. Quando, ainda dei-tados em bero esplndido, queremos um Estado paternalista que tudo resolva e a ns no cobre nada. Temos tudo a ver com isso quando culpamos os polticos, como se fossem eles abstraes ou criaes de nosso imaginrio mgico, sem lembrar

    que ns os elegemos. Temos tudo a ver com isso quando continuamos achando que crianas nas ruas so como o lixo: que o Estado limpe!

    A segurana pblica definida na Constituio Federal como dever do Estado, porm direito e responsabilidade de todos os cidados. Ento, ns, temos muito a ver com isso. Talvez no tenhamos prontas as solues, mas sabemos que temos muitas e muitas opes. Faltam-nos atitudes para que possamos sair da cmoda e confortvel posio de apenas criticar e no participar das aes. Em geral, a mobilizao e a participao social podem trazer vrios efeitos benficos. Pense nisso!

    Paulo Wagner

    A palavra do presidente Ricardo Magalhes

  • 4ww

    w.p

    orta

    labm

    .com

    .br

    Ou

    tub

    ro 2

    01

    3

    A Vice-presidncia de Transporte est sempre empenhada em proporcionar um bom servio ao sis-tema. Entretanto, em determinadas situaes torna-se impossvel devido ao grande nmero de usurios, cerca de 15.000 carteiras em circulao. Em decorrncia disso no possvel atendimento personalizado devido ausncia de funcionrios para esta finalidade. Solicita--se utilizar o procedimento regimental do capitulo XI, descrito a seguir:

    - As reclamaes sobre falhas na prestao dos servios, com base nas obrigaes contratuais, devem

    Transporte

    Nosso transporte comunitrio

    1 - Alm das obrigaes gerais definidas pelas regras da boa conduta, os usurios obri-gam-se a arcar com os nus decorrentes de danos causados no interior dos veculos, res-pondendo, inclusive, por seus dependentes.

    2 - Sugestes para melhoria do sistema, pedidos de criao de novos horrios, itine-rrios, pontos de embarque e outros assuntos relacionados estrutura do sistema de trans-porte devero ser registradas em formulrio prprio, disponvel nas administraes dos condomnios participantes, que os encami-

    VOC SABIA?nharo ABM.

    3 - As sugestes sero analisadas pela ABM e implantadas sempre que viveis, cab