Jornal ipanema 818

  • View
    231

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Um jornal a serviço da população de Sorocaba e região

Text of Jornal ipanema 818

  • Ano XIV - n 818 - 23 de maio de 2015

    30 MIL EXEMPLARES - SOROCABA E REGIOwww.jornalipanema.com.br

    tragdia+Direo lcool=

    Leia relato de quem bebeu e resolveu dirigir. Psicloga afi rma que leis para quem imprudente ainda so brandasPgs. 11 e 12

    Uma variedade de ofertas para quem compra, vende ou aluga

    Caderno de Imveis

  • 2 JORNAL IPANEMA / 23 de maio de 2015

  • JORNAL IPANEMA / 23 de maio de 2015 3ARQUIVO ABERTO

    ARTIGOEDITORIAL

    Francisco Pagliato

    Neto empresrio e educador

    Dirigir sob a infl uncia de l-cool ainda fi gura como uma das principais causas de acidentes envolvendo vti-mas no trnsito. Beber e dirigir so os ingredientes de uma receita criminosa e inconsequente que atinge inocentes e causa sofrimento em famlia, como mostra reportagem especial desta edi-o. Pesquisas do Ministrio da Sade apontam que uma em cada cinco vti-mas de acidentes de trnsito atendidas nas emergncias ingeriu bebida alco-lica. Os dados revelam ainda que um total de 21% dos acidentes esto rela-cionados ao uso do lcool.

    A associao lcool e direo uma realidade que impe e justifi ca o desen-volvimento de campanhas constantes, mais especfi cas e de fi scalizao mais rigorosa medida que a sociedade ain-da assiste s consequncias - trgicas e assustadoras - da falta de responsabili-dade de boa parte dos cidados. pre-ciso manter o tema no centro das aten-es de modo a maximizar o rigor na aplicao das leis, tanto a Lei Seca, uma conquista para minimizar a violncia do trnsito brasileiro, quanto a Lei An-tilcool, que pune quem vende bebida alcolica para menores de 18 anos.

    Uma vida saudvel no est asso-ciada apenas ausncia de doenas, mas sim com a preocupao da qua-lidade de vida, nela includa a prtica de esportes e atitudes seguras, dentre elas a conduo responsvel de vecu-los automotores. Assim, estilo de vida saudvel inclui tambm atitudes no trnsito ligadas a hbitos corretos. So exemplos que, juntos, sinalizam para um novo processo de formulao rumo a um passo evolutivo na mudana de conscincia, na adoo de novos com-portamentos. Apesar de tmido, esse processo j comeou.

    O movimento Maio Amarelo um exemplo de que a sociedade est se mobilizando. O movimento nasceu com a proposta de chamar a ateno para o alto ndice de mortes e feridos no trnsito em todo o mundo. A moti-vao para o Maio Amarelo no no-vidade para a sociedade. Muito pelo contrrio, respaldada em argumentos de conhecimento pblico e notrio, mas comumente desprezados. O que se espera a participao das pessoas, comprometidas com o bem-estar social, educao e segurana. Um ms de alerta, um convite refl exo em nome da vida.

    lcool e direo: mistura fatal

    Sim decidi que no viverei mais do passado que machuca, ressentimento, mgoa, dor, dio e tudo que envenena nossas vidas. Vou esta-belecer um foco nico no que foi bom, naquilo que, passado um tempo, com tranquilidade, podemos perceber que fi ns podem ser prmios.

    A vida feita de ciclos e bvio que neles teremos um pouco de tudo, mas que, com boa dose de equilbrio e sabedoria, fazemos desse limo uma refrescante limonada. Perdoar, mui-tas vezes, condenar mais que o dio, mal querer faz mal s a quem deseja e dio no deixa de ser, muitas vezes, uma forma de amor do ser rejeitado. Porque viver na tristeza, se h muitas, mas muitas pessoas dispostas a doarem seu amor verdadeiro e, muitas vezes, focamos na misria, no campo da traio e migalha.

    Ento, meus caros, melhor olharmos com nostalgia para as horas que foram boas, mesmo que estes momentos tenham sido minoria em nossas relaes. Sempre, nas histrias relacio-nais, h quem mente ou trai, na realidade est fazendo isso para consigo mesmo, ento a vida segue, a porta sempre deve estar aberta e a deci-so em deixar de ser eu, para sermos ns in-dividual no eu mas plural para o ns, portanto, claro tem gente que jamais ser unida a algum pela incapacidade de se vincular ou mesmo di-reito legtimo, embora ainda tem gente que ten-ta enganar a si prprio e, pior, a incautos, vtimas da crueldade humana ou v saber, algum desvio de ordem psicolgica.

    Se h, portanto, momentos bom ento faamos deles o alicerce do nosso desenvolvi-mento e tratemos a vida e relaes com desa-pego, assim podemos viver conscientes que tudo no permanente, no dominamos muitas coisas e, por vezes, queremos dominar coisas, pessoas e situaes sendo que nem nossas mentes temos capacidade para tal na plenitude. Um sorriso, uma lgrima, saudades, tudo pode ser um bom adubo que vai fortalecendo as flores do jardim de nossas existncias.

    Vivemos o Outono, mas podemos, em nos-sas vidas, vivermos sempre a Primavera, uma vida fl orida na qual pssaros e borboletas con-tribuam para uma paisagem magnfi ca e que esse seja o quadro da tua ou de nossas vidas. Lembra o sorriso, a emoo de um momento, dia especial, uma viagem, um pr do sol, a ale-gria da pureza de uma criana, a entrega verda-deira, um papo agradvel, a taa de champanhe na comemorao de uma data especial. O que importa se tudo acabou com ressentimentos? Lembre-se o tempo um unguento para a dor e que fi quem apenas os bons momentos, velar o que sepultou no tem cabimento, a mgoa um veneno, afaste ela do teu corao.

    Pense nos bons momentos.Boa semana, paz e bem.

    Ficarei com os bons momentos

    Quebra de sigilo (I)

    A Justia autorizou, nesta semana, a quebra do sigilo do inqurito conduzido pela Polcia Civil que investiga irregularidades na gesto da Santa Casa de Sorocaba antes da requisio da prefeitura. Com isso, informaes sobre as investigaes devem ser compartilhadas com a Comisso Parlamentar de Inqurito (CPI) da Cmara Municipal que tambm investiga a administrao do ex-provedor Jos Antonio Fasiaben frente do hospital. A deciso foi tomada pelo juiz Jos Eduardo Marcondes Machado, da Vara da Fazenda Pblica de So-rocaba, e divulgada pelo vereador Jos Crespo (DEM), na tribuna do Legislativo.

    Quebra de sigilo (II)Na deciso, o juiz entendeu que o sigilo das in-vestigaes conduzidas pelo delegado Carlos Augusto Marinho Martins no pode atingir os membros da CPI da Santa Casa, que presidi-da por Crespo. Na concesso da liminar que garante o acesso s informaes, Machado determina, tambm, que os vereadores no devem divulgar os informes da polcia. Para tanto, os parlamentares devero tomar as cautelas necessrias preservao do sigi-lo, declara o representante da Vara da Fa-zenda Pblica.

    Crespo comentaPresidente da CPI da Santa Casa, o vereador Crespo comentou a deciso da Justia. Ago-ra chegada a hora dos dois processos, o Le-gislativo e o policial, serem cotejados, em sinergia, para que os resultados desejados pela populao sejam plenamente atingi-dos, considerando o interesse pblico e o rombo de mais de R$ 50 milhes ocorrido naquele hospital, afi rmou.

    Na presidncia da Alesp

    A deputada estadual Maria Lcia Amary (PSDB) est ocupando, at a prxima segunda-feira (25), a presidncia da Assembleia Legislativa

    do Estado de So Paulo (Alesp). A deputada, que vice-presidente, est exercendo o cargo interinamente por conta da viagem do titular da cadeira, Fernando Capez (PSDB), Beirute, no Lbano, que representa a Alesp no evento O Potencial da Dispora Libanesa 2015.

    Agncia aprovadaDurante a presidncia de Maria Lcia, a Alesp aprovou, nesta semana, o projeto de lei com-plementar que cria a Agncia Metropolitana de Sorocaba (AgemSorocaba). Entre as atri-buies, a agncia dever arrecadar receitas prprias, elaborar programas e projetos estra-tgicos, elaborar e executar o oramento e ge-rir a receita e os recursos adicionais da Regio Metropolitana de Sorocaba (RMS). A criao da AgemSorocaba foi aprovada por unanimidade e segue, agora, para sano do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

    Plano Municipal O secretrio de Educao, Jos Simes, partici-pou, nesta semana, do Jornal da Ipanema, da Rdio Ipanema, para falar sobre a construo do Plano Municipal de Educao, que conti-nua sendo objeto de plenrias em Sorocaba. Na entrevista, o titular da pasta falou sobre os desa-fios da elaborao do plano e das reunies com o Conselho Municipal da Educao. Ainda nesta semana, unidades de ensino funda-mental da rede municipal de ensino reali-zaram discusses sobre o plano. As plen-rias continuam a acontecer neste fi m de semana (23 e 24 de maio) e na semana que vem (30 e 31 de maio).

    Imveis de aluguelO secretrio de Educao, em entrevista Rdio Ipanema, tambm falou sobre a pro-cura da pasta por imveis na rea urbana de Sorocaba, onde possam ser instaladas creches municipais. A medida considerada como uma alternativa para suprir a demanda local enquanto as unidades que esto sendo cons-trudas pelo Executivo no fi cam prontas. Se eu puder alugar um espao, enquanto de-terminada escola estiver sendo preparada, eu j estou atendendo, disse Simes. Um edital de chamamento para pessoas fsicas e jurdicas j foi publicado no jornal Muni-cpio de Sorocaba.

    Fim da epidemiaA secretaria de Sade de Sorocaba decretou o fi m da epidemia de dengue em Sorocaba. O municpio pde sair dessa situao por ter tido, pela quinta semana seguida, queda do nmero de novos casos da doena. Apesar dis-so, o secretrio Francisco Antonio Fernandes declarou que o alerta de dengue continua. A cidade continua em situao de emergncia para a tomada de decises, frente s necessi-dades de continuidade das aes preventivas e de cuidados de sade daqueles que ainda esto com a doena em fase de tratamento ou monitoramento, explicou. No novo levan-tamento, 52.575 casos j foram notifi cados na cidade e 28 mortes foram registradas.

    Erick Rodrigues

  • 4 JORNAL IPANEMA / 23 de maio de 2015ARQUIVO ABERTO / ARTIGOS

    ESPAO DO RUI

    Rui Batista de Albuquerque Martins jornalista e publicitrio

    Ipanema Sistema Grfico e Editora Ltda

    DiretoriaFrancisco Pagliato Neto

    Juliana Camargo Pagliato

    EditorBenedito Urbano Martins MTB 36504