Leia estas instruções - .Este Caderno contém cinquenta questões de múltipla escolha, ... voe

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Leia estas instruções - .Este Caderno contém cinquenta questões de múltipla escolha, ... voe

Leia estas instrues:

1 Este Caderno contm cinquenta questes de mltipla escolha, assim distribudas: Lngua Portuguesa 01 a 15

e Conhecimentos Especficos 16 a 50.

2 Se o Caderno contiver alguma imperfeio grfica que impea a leitura, comunique isso imediatamente ao

Fiscal.

3 Cada questo apresenta apenas uma resposta correta.

4 Os rascunhos e as marcaes feitas neste Caderno no sero considerados para efeito de avaliao.

5 Interpretar as questes faz parte da avaliao; portanto, no adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais.

6 Utilize qualquer espao em branco deste Caderno para rascunhos e no destaque nenhuma folha.

7 Voc dispe de, no mximo, quatro horas para responder s questes de mltipla escolha e preencher a Folha

de Respostas.

8 Use exclusivamente caneta esferogrfica, confeccionada em material transparente, de tinta preta ou azul.

9 O preenchimento da Folha de Respostas de sua inteira responsabilidade.

10 Retirando-se antes de decorrerem duas horas do incio da prova, devolva, tambm, este Caderno; caso

contrrio, poder lev-lo.

11 Antes de retirar-se definitivamente da sala, devolva ao Fiscal a Folha de Respostas.

Assinatura do Candidato : _______________________________________________________

IFRN Concurso Pblico 2010 Tcnico Administrativo em Educao [Arquivista] 1

Lngua Portuguesa - 01 a 15

Responda s questes de 01 a 06 com base no Texto 1, fragmento de Como voc toma

decises?, escrito por David Cohen, Martha Mendona, Nelito Fernandes e Rodrigo Turrer.

Texto 1

Como voc toma decises?

David Cohen, Martha Mendona,

Nelito Fernandes e Rodrigo Turrer

Foram trs anos e meio de observaes e testes, e no final a deciso mais surpreendente de Dunga foi no convocar o jogador Adriano, do Flamengo, para a seleo

brasileira que vai disputar a Copa do Mundo da frica do Sul. O emocional falou uma coisa, a 3

razo fala outra, disse o tcnico. Dunga no est sozinho nesse dilema. Uma pesquisa feita pelo

instituto Ibope mostra que os brasileiros se dividem de maneira quase uniforme entre racionais e

emotivos. De acordo com a pesquisa feita a pedido da TV Globo, da mesma organizao que 6

publica POCA, para o lanamento da novela Passione, que aborda o tema , um tero da

populao age costumeiramente de forma emocional, ou intuitiva. Outro tero diz raciocinar mais

friamente antes de tomar decises . 9

A diviso da mente entre dois polos no exatamente nova: foi exposta no sculo IV

a.C. pelo filsofo grego Plato, no livro Fedro. Ele usou uma analogia baseada em tradies

ainda mais antigas, provavelmente do Egito ou da Mesopotmia. Segundo a verso de Plato, 12

nossa alma como uma charrete com dois cavalos. O condutor seria a razo, e os cavalos as

emoes. Um deles obediente, representa nossos desejos mais nobres. Outro, rebelde, so

nossos apetites. A difcil tarefa do condutor controlar os dois cavalos para que a charrete, 15

dotada de asas, voe at as alturas onde ficam os deuses .

Quase 2.500 anos depois, Plato foi atropelado pela charrete. Pesquisas e estudos em

vrios campos do conhecimento vm destroando sua analogia. De um lado, economistas e 18

matemticos dizem que as carroas de hoje no tm apenas dois cavalos, mas 100 ou 200, e a

nica esperana do cocheiro guiar-se por instrumentos automatizados, como computadores e

programas de anlise. Um segundo grupo, da psicologia cognitiva, afirma que o condutor 21

caolho e no consegue enxergar boa parte da estrada. Os psiclogos oferecem mapas

detalhados dos buracos no caminho. H um terceiro grupo, dos evolucionistas, para quem o

condutor deveria aprender a largar as rdeas: eles dizem que, no geral, os cavalos sabem muito 24

bem para onde esto indo e o condutor, ao tentar fre-los, s faz tornar o caminho mais longo.

Finalmente, o grupo mais recente, dos neurocientistas, diz que o cocheiro no passa de um

cavalo disfarado. No h, segundo eles, possibilidade de razo sem emoo. 27

por isso que a rea de conhecimento denominada, com tanta pompa, de tomada de

decises hoje um campo de batalha. Basta ver os lanamentos de livros mais recentes [...].

Revista poca, p.92, 17 maio 2010.

IFRN Concurso Pblico 2010 Tcnico Administrativo em Educao [Arquivista] 2

01. Infere-se do texto que

A) a deciso do tcnico da Seleo Brasileira prova que ele aprendeu a largar as r deas.

B) a no convocao de Adriano pelo tcnico da Seleo Brasileira j era esperada.

C) os resultados de uma pesquisa do Ibope revelam que os brasileiros, em sua grande mai o-ria, so emotivos.

D) estudos contemporneos tm refutado a teoria platnica acerca da polaridade emoo e razo.

02. No penltimo pargrafo, de um lado e finalmente (linha 18 e 26) so algumas das expresses usadas para

A) indicar a orientao argumentativa de uma corrente filosfica.

B) concluir a argumentao desenvolvida no texto.

C) apresentar, ordenadamente, uma srie de argumentos.

D) introduzir enunciados sobre a teoria dos evolucionistas e a dos neurocientistas.

03. No ltimo pargrafo, a expresso um campo de batalha constitui uma

A) metonmia.

B) metfora.

C) apstrofe.

D) ironia.

04. A mesma relao semntica que tradicionalmente se estabelece no par razo e emoo se manifesta em

A) campo de batalha e confronto de ideias.

B) agir emocionalmente e agir intuitivamente.

C) pesquisas recentes e pesquisas contemporneas.

D) largar as rdeas e frear os cavalos. 05. Considere o trecho:

Finalmente, o grupo mais recente, dos neurocientistas, diz que o cocheiro no

passa de um cavalo disfarado. No h, segundo eles, possibilidade de razo

sem emoo.

Observando-se a manuteno do sentido original e as regras de pontuao, a reescrita do trecho est correta em

A) Finalmente, o grupo dos neurocientistas mais recentes diz, que o cocheiro no passa de um cavalo disfarado: portanto, segundo esses estudiosos, impossvel haver razo com emoo.

B) Finalmente diz o cocheiro o grupo dos neurocientistas no passa de um cavalo disfa r-ado, pois segundo eles no h possibilidade de razo sem emoo.

C) Finalmente, o grupo mais recente dos neurocientistas diz que o cocheiro no passa de um cavalo disfarado, pois, segundo esses estudiosos, no existe possibilidade de razo sem emoo.

D) Finalmente, o grupo mais recente, dos neurocientistas diz, que o cocheiro no passa de um cavalo disfarado, embora, segundo eles, seja impossvel haver razo sem emoo.

IFRN Concurso Pblico 2010 Tcnico Administrativo em Educao [Arquivista] 3

06. Considere os seguintes enunciados:

Uma pesquisa feita pelo instituto Ibope mostra que os brasileiros se dividem de maneira

quase uniforme entre racionais e emotivos.

Foram trs anos [...] no convocar o jogador Adriano, do Flamengo, para a sele o

brasileira que vai disputar a Copa do Mundo da frica do Sul.

Os elementos destacados so, respectivamente,

A) conjuno integrante e pronome relativo.

B) conjuno subordinativa e conjuno coordenativa.

C) pronome relativo e conjuno integrante.

D) conjuno coordenativa e conjuno subordinativa.

O Texto 2, charge publicada aps a divulgao da lista dos jogadores convocados para

a Seleo Brasileira de 2010, e o Texto 3, cartaz do filme Exterminador do futuro,

divulgado poca de seu lanamento em 1984, serviro de base para a questo 07.

07. Sobre os textos 2 e 3 correto afirmar que eles mantm uma relao dialgica entre si. Esse

fenmeno denomina-se

A) denotao.

B) ambiguidade.

C) intertextualidade.

D) conotao.

Disponvel em: Acesso em: 18 maio 2010.

Texto 2

Texto 3

Disponvel em: . Acesso em: 18 maio 2010.

IFRN Concurso Pblico 2010 Tcnico Administrativo em Educao [Arquivista] 4

O Texto 4 servir de base para responder s questes de 08 a 10.

Texto 4

SERVIO PBLICO FEDERAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAO, CINCIA E TECNOLOGIA

DO RIO GRANDE DO NORTE

CAMPUS NATAL ZONA NORTE

Av. Brusque, 2926 Conj. Santa Catarina Bairro Potengi Natal/RN

CEP.: 59.112-490

Fone/Fax: (84) 4006-9500 E-mail: unedzn@cefetrn.br

MEMO N. 005/2010-DAE/ZN-IFRN Natal/RN, 19 de maio de 2010.

Do: DAE/ZN

Para: Departamento de Administrao

Assunto: Administrao. Instalao de microcomputadores

Senhor Diretor do Departamento de Administrao

Nos termos do Plano Geral de Informatizao, solicito a Vossa Senhoria verificar a possib i-

lidade de que sejam instalados trs microcomputadores neste Departamento.

Sem descer a maiores detalhes tcnicos, acrescento, apenas, que, conforme orientao do 3 Departamento de Informtica, o ideal seria que o equipamento fosse dotado de disco rgido e de

monitor padro EGA. Quanto a programas, haveria necessidade de dois tipos: um processador de

textos e um gerenciador de banco de dados. 6

O treinamento de pessoal para operao dos micros poderia ficar a cargo da Seo de

Treinamento do Departamento de Modernizao, cuja chefia j manifestou seu acordo a respeito.

Devo mencionar, por fim, que a informatizao dos trabalhos deste Departamento ensejar 9 racional distribuio de tarefas entre