Click here to load reader

LÍNGUA PORTUGUESA

  • View
    62

  • Download
    12

Embed Size (px)

Text of LÍNGUA PORTUGUESA

LNGUA PORTUGUESA1SINNIMOS E ANTNIMOS:* Sinnimos So palavras de sentido igual ou aproximado:

alfabeto - abecedrio; brado, grito - clamor; extinguir, apagar - abolir.

Observao: A contribuio greco-latina responsvel pela existncia de numerosos pares de sinnimos:

adversrio e antagonista; translcido e difano; semicrculo e hemiciclo; contraveneno e antdoto; moral e tica; colquio e dilogo; transformao e metamorfose; oposio e anttese.

* Antnimos So palavras de significao oposta:

ordem - anarquia; soberba - humildade; louvar - censurar; mal - bem.

Observao: A antonmia pode originar-se de um prefixo de sentido oposto ou negativo: bendizer e maldizer; simptico e antiptico; progredir e regredir; concrdia e discrdia; ativo e inativo; esperar e desesperar; comunista e anticomunista; simtrico e assimtrico.

1

Compilao organizada por Neirimar Coradini em Setembro de 2010.

1

INICIAIS MAISCULASSegundo a ortografia brasileira, devem ser escritos com variante maiscula o grafema (letra) que inicia perodo ou citao e o primeiro grafema de palavras que compem sintagmas substantivos especficos que analisaremos adiante. Algumas siglas e abreviaturas tambm so escritas com variante maiscula no todo ou em parte. Nos demais casos, deve-se empregar a variante minscula. Se observarmos o emprego da variante maiscula nos livros, jornais, revistas, peas publicitrias, etc., veremos que as regras ortogrficas no so seguidas em muitos casos. O emprego dos grafemas maisculos e minsculos costuma ser orientado para um aproveitamento retrico dessas variantes da escrita e no apenas pela obedincia ortografia. A observncia s regras ortogrficas, porm, comum em textos mais longos como o corpo de uma reportagem, o captulo de um livro, ou a descrio de um produto em uma pea publicitria. Iniciar perodo ou citao com grafema maisculo uma regra clara que no precisa de maiores comentrios. Essa marcao corresponde pausa que se usa no discurso oral entre o final de um perodo e o incio de outro.

Sintagmas substantivos escritos com grafemas iniciais maisculos (Palavras com inicial maiscula)Alguns sintagmas substantivos (palavras) devem ser escritos com grafemas (letras) iniciais maisculos. Veja exemplos a seguir em negrito: A cidade do Rio de Janeiro. O poeta Augusto dos Anjos. A obra Os Sertes. O Ministrio de Minas e Energia. O filme E o Vento Levou. O projeto Educao para Todos. A cano Pra No Dizer que No Falei das Flores. Nem todas as palavras que compem os sintagmas substantivos em negrito apresentam grafema inicial maisculo. Preposies, subordinativos, artigos e conjunes ficam excludas da regra, exceto no caso de iniciarem o sintagma. O uso de grafema inicial maisculo na representao de sintagmas substantivos tem algumas peculiaridades. Primeiramente, trata-se de uma regra sem correspondncia no discurso oral. Quando falamos, no fazemos nenhum tipo de marcao desses sintagmas. O uso de iniciais maisculas , nesse caso, uma regra exclusivamente ortogrfica. Em segundo lugar, a regra no tem funo em nenhum dos nveis lingsticos de anlise. Vamos encontrar funo apenas no nvel sociolingstico. Por fim, a delimitao dos sintagmas substantivos marcados com iniciais maisculas baseada totalmente em critrios semnticos. Veja a seguir tipos de sintagmas substantivos que devemos escrever com grafemas iniciais maisculos.

Nomes de pessoas fsicas ou jurdicas, reais ou hipotticas. Ex.: Fernando Pessoa, Policardo Quaresma, Banco do Brasil, Instituto Nacional de Seguridade Social. Em casos como Alexandre, o Grande ou Maria Santssima, o adjetivo recebe grafema maisculo, pois est incorporado ao nome. Apelidos. Ex.: Pel, Aleijadinho. Patronmicos. Ex.: as famlias Maia, Bragana e Silva. 2

Topnimos. Ex.: Copacabana, Curitiba, Pernambuco, Brasil, Amrica do Sul. Nomes de acidentes geogrficos. Ex.: Pico da Neblina, Cataratas do Iguau, Corcovado, Lagoa dos Patos. Nomes de regies geogrficas. Ex.: Vale do Itaja, Tringulo Mineiro, Oriente Mdio. Nomes de vias pblicas, logradouros, edifcios e construes. Ex.: Rua Direita, Praa Castro Alves, Palcio do Planalto, Ponte Oscar Niemeyer. Nomes de corpos celestes. Ex.: Via Lctea, Lua, Sol, Marte. Ttulos de publicaes, programas de televiso ou rdio, e nomes de meios de comunicao. Ex.: Folha de So Paulo, Hora do Brasil, Rdio Nacional, Universo Online. Ttulos de obras intelectuais, literrias e artsticas. Ex.: Memrias Pstumas de Brs Cubas, Eles No Usam Black-Tie, Casa Grande e Senzala, O Bbado e a Equilibrista, Abaporu. Nomes de leis, decretos e portarias se forem prprios. Ex.: Cdigo Penal, Lei de Diretrizes e Bases. Marcas comerciais: Leite Moa, Maizena, Casas Bahia. Alguns pronomes de tratamento. Ex.: Vossa Senhoria, Sua Majestade, Vossa Excelncia. Nomes de cincias, artes e reas do conhecimento. Ex.: a Histria, a Botnica, a Matemtica, a Msica. Nomes de altos cargos. Ex.: Presidente da Repblica, Ministro da Justia. Nomes de entidades sagradas, divinas ou mitolgicas: Ex.: Deus, Esprito Santo, Iemanj, Crbero, Golem. Altos conceitos religiosos ou polticos. Ex.: Nao, Ptria, Senado, Igreja. Nomes de pocas histricas e eras ou perodos geolgicos. Ex.: Idade Mdia, Repblica Velha, Renascena, Perodo Neoltico, Era Mesozica. Nomes de eventos histricos e festas religiosas. Ex.: Proclamao da Repblica, Natal, Ramad. Nomes de concursos e eventos. Ex.:Festival Internacional da Cano, Congresso Brasileiro de Cardiologia. As palavras Oriente e Ocidente e os nomes dos pontos cardeais quando usados para citar regies. Ex.: a cultura do Oriente, as cidades do Nordeste.

As palavras que compem locuo com hfen seguem a regra e so escritas com inicial maiscula. Ex.: Gr-Bretanha, Vice-Presidente.

Sintagma substantivo prprioA lista apresentada no exaustiva, pois os casos em que se usa iniciais maisculas so numerosos. Havendo dvida sobre a aplicao de iniciais maisculas, podemos recorrer a uma regra vlida na maioria dos casos. O sintagma substantivo ser escrito com iniciais maisculas se for prprio, ou seja, se for nome para um referente nico. No vamos abordar aqui o estudo dos nomes, por se tratar de assunto complexo pertencente Semntica. Vamos apenas considerar que o nome um signo privilegiado de seu referente. O nome cita o referente de maneira especial.

VariantesNo h unanimidade sobre a grafia de sintagmas como nos exemplos a seguir: A rua das Flores. A Rua das Flores. 3

O rio das Mortes. O Rio das Mortes. A era Cenozica. A Era Cenozica. A discusso se o substantivo inicial do sintagma pertence ou no ao nome do referente. Por se tratar de caso limtrofe, melhor considerar as duas possibilidades como vlidas

SEPARAO SILBICAA diviso silbica deve ser feita a partir da soletrao, ou seja, dando o som total das letras que formam cada slaba, cada uma de uma vez. Usa-se o hfen para marcar a separao silbica.

Normas para a diviso silbica:No se separam os ditongos e tritongos: Como ditongo o encontro de uma vogal com uma semivogal na mesma slaba, e tritongo, o encontro de uma vogal com duas semivogais tambm na mesma slaba, evidente que eles no se separam silabicamente. Por exemplo: Ex. Au-las / au = ditongo decrescente oral. Guar-da / ua = ditongo crescente oral. A-gei / uei = tritongo oral. Separam-se as vogais dos hiatos: Como hiato o encontro de duas vogais em slabas diferentes, obviamente as vogais se separam silabicamente. Cuidado, porm, com a sinrese ee e uu, conforme estudamos em encontros voclicos. Por exemplo: Ex. Pi-a-da / ia = hiato Ca-ir / ai = hiato Ci--me / i = hiato Com-pre-en-der ou com-preen-der (sinrese) No se separam os dgrafos ch, lh, nh, qu, gu: Ex. Cho-ca-lho / ch, lh = dgrafos inseparveis. Qui-nho / qu, nh = dgrafos inseparveis. Gui-sa-do / gu = dgrafo inseparvel. Separam-se os dgrafos rr, ss, sc, s, xc e xs: Ex. Ex-ces-so / xc, ss = dgrafos separveis. Flo-res-cer / sc = dgrafo separvel. Car-ro-a / rr = dgrafo separvel. Des-o / s = dgrafo separvel. Separam-se os encontros consonantais impuros: Encontros consonantais impuros, ou disjuntos, so consoantes em slabas diferentes. Ex. Es-co-la E-ner-gi-a Res-to 4

Separam-se as vogais idnticas e os grupos consonantais cc e c: Lembre-se de que h autores que classificam ee e uu como sinrese, ou seja, aceitam como hiato ou como ditongo essas vogais idnticas. Ex. Ca-a-tin-ga Re-es-tru-tu-rar Ni-i-lis-mo V-o Du-un-vi-ra-to Prefixos terminados em consoante: Ligados a palavras iniciadas por consoante: Cada consoante fica em uma slaba, pois haver a formao de encontro consonantal impuro. Ex. Des-te-mi-do Trans-pa-ren-te Hi-per-mer-ca-do Sub-ter-r-neo Ligados a palavras iniciadas por vogal: A consoante do prefixo ligar-se- vogal da palavra. Ex. Su-ben-ten-di-do Tran-sal-pi-no Hi-pe-ra-mi-go Su-bal-ter-no

TranslineaoTranslineao a mudana, na escrita, de uma linha para outra, ficando parte da palavra no final da linha superior e parte no incio da linha inferior. Regras para a translineao: a) No se deve deixar apenas uma letra pertencente a uma palavra no incio ou no final de linha. Por exemplo: em translineaes so inadequadas as separaes: "pesso-a", "a-", samambai-a", "a-meixa", "e-tope", "ortografi-a". b) No se deve, em final ou incio de linha, quando a separao for efetuada, deixar formar-se palavra estranha ao contexto. Por exemplo: em translineaes so inadequadas as separaes: "presi-dente", "samam-baia", "quero-sene", "fa-lavam", "para-guaia".

ACENTUAO GRFICAO portugus, assim como outras lnguas neolatinas, apresenta acento grfico. Sabemos que toda palavra da lngua portuguesa de duas ou mais slabas possui uma slaba tnica. Observe as slabas tnicas das palavras arte, gentil, txi e mocot. Voc constatou que a tonicidade recai sobre a slaba inicial em arte, a final em gentil, a inicial em txi e a final em mocot.

5

Alm disso, voc notou que a slaba tnica nem sempre recebe acento grfico. Portanto, todas as palavras com duas ou mais slabas tero ac