Mackenzie 2018 - Prova - Tarde - .inscri§£o e assinale o tipo de prova A. 3. Verifique se a folha

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Mackenzie 2018 - Prova - Tarde - .inscri§£o e assinale o tipo de prova A. 3. Verifique se...

pg. 1 Prova Tipo AGrupos I - IV - V - VI

Nome: _______________________________________________________________

N de Inscrio:

REDAO, PORTUGUS, INGLS, MATEMTICA, GEOGRAFIA, QUMICA,

BIOLOGIA, HISTRIA e FSICA

Grupos I - IV - V - VITIPO DE PROVA: A

Instrues

1. Escreva o seu nome e o seu nmero de inscrio neste caderno.

2. Verifique se a folha de respostas est perfeita, confira o seu nmero de inscrio e assinale o tipo de prova A.

3. Verifique se a folha de redao est perfeita e confira o seu nmero de inscrio.

4. Transcreva, com tinta azul ou preta, as alternativas escolhidas para a folha de respostas, sem cometer rasuras.

5. Terminada a prova, entregue a folha de respostas, a folha de redao e o caderno de questes ao fiscal.

6. Aps o nicio da prova, de uma hora a permanncia mnima do candidato na sala. A durao da prova de 4 horas, incluindo a passagem das respostas para a folha de respostas.

30 / 11 / 2017

pg. 2 Prova Tipo AGrupos I - IV - V - VI

REDAORedija uma dissertao a tinta, desenvolvendo um tema comum aos textos abaixo.Obs.: O texto deve ter ttulo e estabelecer relao entre o que apresentado nos textos da coletnea.

Texto I

Enquanto no o possumos, o objeto do nosso desejo parece maior que qualquer outra coisa. Porm, to logo usufrumos dele, ansiamos por algo distinto com a mesma sofreguido.

Lucrcio, poeta e filsofo romano do sculo I a.C.

Texto II

Fonte: http://pjpontes.blogspot.com.br/2016/02/sociedade-de-consumo.html

Texto III

A experincia humana contempornea atravessada pelo consumo, pelo desejo de possuir as coisas, mesmo aquelas que nos parecem impossveis. Lutamos todos os dias para ter o que no temos. Assim caminha a humanidade numa luta v entre o desejo e a falta, esquecendo-se de que o mais importante talvez seja o que de fato j temos e desprezamos por conta da busca desenfreada por ter e querer sempre mais, sejam produtos, seja dinheiro, sejam afetos, seja at uma improvvel fama.

Conrado Marton, socilogo

pg. 3Prova Tipo A Grupos I - IV - V - VI

RASCUNHO DA REDAO

01. __________________________________________________________________

02. __________________________________________________________________

03. __________________________________________________________________

04. __________________________________________________________________

05. __________________________________________________________________

06. __________________________________________________________________

07. __________________________________________________________________

08. __________________________________________________________________

09. __________________________________________________________________

10. __________________________________________________________________

11. __________________________________________________________________

12. __________________________________________________________________

13. __________________________________________________________________

14. __________________________________________________________________

15. __________________________________________________________________

16. __________________________________________________________________

17. __________________________________________________________________

18. __________________________________________________________________

19. __________________________________________________________________

20. __________________________________________________________________

pg. 4 Prova Tipo AGrupos I - IV - V - VI

RASCUNHO DA REDAO

21. __________________________________________________________________

22. __________________________________________________________________

23. __________________________________________________________________

24. __________________________________________________________________

25. __________________________________________________________________

26. __________________________________________________________________

27. __________________________________________________________________

28. __________________________________________________________________

29. __________________________________________________________________

30. __________________________________________________________________

31. __________________________________________________________________

32. __________________________________________________________________

33. __________________________________________________________________

34. __________________________________________________________________

35. __________________________________________________________________

36. __________________________________________________________________

37. __________________________________________________________________

38. __________________________________________________________________

39. __________________________________________________________________

40. __________________________________________________________________

pg. 5Prova Tipo A Grupos I - IV - V - VI

PORTUGUS

Texto para as questes de 01 a 06

Escrever um ato no natural. A palavra falada mais velha do que nossa espcie, e o instinto para a linguagem permite que as crianas engatem em conversas articuladas anos antes de entrar numa escola. Mas a palavra escrita uma inveno recente que no deixou marcas em nosso genoma e precisa ser adquirida mediante esforo ao longo da infncia e depois. A fala e a escrita diferem em seus mecanismos, claro, e essa uma das razes pelas quais as crianas precisam lutar com a escrita: reproduzir os sons da lngua com um lpis ou com o teclado requer prtica. Mas a fala e a escrita diferem tambm de outra maneira, o que faz da aquisio da escrita um desafio para toda uma vida, mesmo depois que seu funcionamento foi dominado. Falar e escrever envolvem tipos diferentes de relacionamentos humanos, e somente o que diz respeito fala nos chega naturalmente. A conversao falada instintiva porque a interao social instintiva: falamos s pessoas com quem temos dilogo. Quando comeamos um dilogo com nossos interlocutores, temos uma suposio do que j sabem e do que poderiam estar interessados em aprender, e durante a conversa monitoramos seus olhares, expresses faciais e atitudes. Se eles precisam de esclarecimentos, ou no conseguem aceitar uma afirmao, ou tm algo a acrescentar, podem interromper ou replicar. No gozamos dessa troca de feedbacks quando lanamos ao vento um texto. Os destinatrios so invisveis e imperscrutveis, e temos que chegar at eles sem conhec-los bem ou sem ver suas reaes. No momento em que escrevemos, o leitor existe somente em nossa imaginao. Escrever , antes de tudo, um ato de faz de conta. Temos de nos imaginar em algum tipo de conversa, ou correspondncia, ou discurso, ou solilquio, e colocar palavras na boca do pequeno avatar que nos representa nesse mundo simulado.

Adaptado de Steven Pinker, Guia de Escrita

Questo n 01

Depreende-se corretamente do texto que:

a) a escrita uma atividade to natural quanto falar, tanto que seu aprendizado prescinde de treinamento direcionado.

b) escrever e falar so atividades da linguagem humana absolutamente equivalentes no seu modo de produo e resultado nas trocas interacionais.

01 02 03 04 05 06

07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21

22 23 24 25 26 27 28 29

pg. 6 Prova Tipo AGrupos I - IV - V - VI

c) a atividade da escrita implica aprendizagem e treinamento e pode ser melhorada e aperfeioada ao longo da formao educacional.

d) a presena fsica e real dos interlocutores na modalidade escrita facilita o processo de produo da escrita.

e) o dilogo efetivo entre escritor e leitor permite que os feedbacks constantes ampliem as possibilidades de interpretao de textos escritos.

Questo n 02

O texto, pela sua estrutura e linguagem, pode ser caracterizado corretamente como:

a) uma descrio sobre um objeto definido, caracterizado detalhadamente.b) um texto informativo com teor de divulgao cientfica.c) uma narrao com o desenvolvimento de um enredo.d) um tratado argumentativo que defende um ponto de vista poltico.e) um texto de teor pessoal com forte presena de ndices de subjetividade.

Questo n 03

Assinale a alternativa com fragmento textual que mais se assemelha ao texto quanto forma e ao modo de apresentao do contedo.

a) A Coreia do Norte aumentou o tom das provocaes militares e lanou um mssil que sobrevoou o territrio japons, ampliando a tenso no leste da sia. (O Estado de S.Paulo, 29/8/2017)

b) A sala arrumadinha no meio da calada: sof, duas poltronas, mesa de centro, tapete, vaso e pufe. Mulher chora abraada televiso procura com medo uma chuva no cu. Crianas mascam chupetas, imploram paredes. Marido no h. Cachorro nem. O caminho do despejo leva tudo num instante. (Fernando Bonassi, 100 histrias colhidas na rua)

c) Viviaaannnn!!!! Menina, vc est completamente desaparecida!! Nunca mais te vi na nossa querida faculdade... A Mrcia e a Leila eu ainda vejo de vez em quando, mas voc, nunca! Me escreva logo!!! (Adaptao de texto em Se liga na lngua 2, Wilton Ormundo e Cristiane Siniscalchi)

d) Por ser uma atividade de interao entre pessoas, preciso analisar a lngua em funcionamento, observando seu uso nas situaes comunicativas. Em todas as lnguas existem regras especficas para a organizao e a combinao das palavras, as quai