O Batismo, John Gill

  • View
    216

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of O Batismo, John Gill

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    Traduzido do original em Ingls

    A Body of Practical Divinity Book III: Of the Public Ordinances of Divine Worship 1. Of Baptism

    By John Gill

    Via: PBMinistries.org

    (Providence Baptist Ministries)

    Apndice:

    Believers Baptism by Immersion: A New Testament and Baptist Distinctive, By William R. Downing

    Via SGBCSV.org Copyright W. R. Downing, publicado com a graciosa permisso do autor.

    Traduo por Camila Almeida

    Reviso e Capa por William Teixeira

    2 Edio: Fevereiro de 2015

    Salvo indicao em contrrio, as citaes bblicas usadas nesta traduo so da verso Almeida

    Corrigida Fiel | ACF Copyright 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bblica Trinitariana do Brasil.

    Traduzido e publicado em Portugus pelo website oEstandarteDeCristo.com, com a devida

    permisso do ministrio Providence Baptist Ministries, sob a licena Creative Commons Attribution-

    NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License.

    Voc est autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato,

    desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que tambm no altere o seu contedo

    ne m o utilize para quaisquer fins comerciais.

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    O Batismo Por John Gill

    [Um Corpo de Teologia Prtica, Livro 3 Captulo 1 Editado]

    Como a primeira Aliana, ou Testamento, tinha ordenanas de culto divino, as quais esto

    abaladas, removidas e abolidas; assim o Novo Testamento, ou dispensao do Evangelho,

    tem ordenanas de culto divino, que no podem ser abaladas, mas permanecero at a

    segunda vinda de Cristo. Estas, como diz Agostinho [1], so poucas; e fceis de serem

    observadas, e de uma significao muito expressiva. Entre as quais, o Batismo deve ser

    considerado uma, e adequado que seja tratado, em primeiro lugar, pois ele no uma

    ordenana da igreja, uma ordenana de Deus, e uma parte e ramo da adorao pblica.

    Quando eu digo que no uma ordenana da igreja, quero dizer que no uma ordenana

    administrada na igreja, mas fora dela, e no intuito de admisso para ela, e comunho com

    ela; preparatria para ela, e uma qualificao para ela; o Batismo no faz de uma pessoa

    um membro de uma igreja, ou a admite em uma igreja visvel; pessoas devem primeiramente

    ser batizadas, e depois adicionadas igreja, como os trs mil convertidos foram [Atos 2:41];

    uma igreja no tem nada a ver com o Batismo de qualquer um, mas para ser satisfeito, eles

    so batizados antes de serem admitidos comunho com ela.

    A admisso ao Batismo est apenas sob a autoridade do administrador, que o nico juiz

    qualificado para isso, e tem o poder exclusivo de receb-lo ou de rejeit-lo; se no satisfeito,

    ele pode rejeitar uma pessoa, considerada apropriada por uma igreja, e admitir uma pessoa

    para o Batismo que no tida como apropriada por uma igreja; porm, um desacordo no

    desejvel nem recomendvel.

    A prescrio escriturstica ordenada e regular do procedimento parece ser a seguinte: a

    pessoa inclinada a apresentar-se ao Batismo, e juntar-se em comunho com a igreja, pri-

    meiro deve solicitar um administrador; e ao dar-lhe satisfao, ser batizada por ele; e, em

    seguida, dever propor-se comunho da igreja; quando ela fosse capaz de responder a

    todas as perguntas adequadas, se solicitada, e dar a razo da esperana que est nela,

    ela est pronta para faz-lo; se um testemunho de sua vida e converso for requerido, se

    ningum presente pode d-lo, ela pode apontar pessoas que podero dar este testemunho;

    e se for perguntado se ela uma pessoa batizada ou no, tal pessoa pode responder de

    forma afirmativa, e dar provas disso, e assim, o caminho claro para a sua admisso

    comunho da igreja. Assim Saulo, quando convertido, foi imediatamente batizado por Ana-

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    nias, sem qualquer conhecimento prvio e consentimento da igreja; e, foi muitos dias depois

    disso que ele props juntar-se aos discpulos, e foi recebido (Atos 9:18, 19, 23, 26-28),

    assim o Batismo nas guas, quanto ao que ele significa, eu irei,

    ................................................................................................................................................

    O Batismo peculiar dispensao do Evangelho, uma ordenana per-

    manente nela, e ter continuidade at a segunda vinda de Cristo.

    ................................................................................................................................................

    1. Primeiro, provar que peculiar dispensao do Evangelho, uma ordenana perma-

    nente nela, e ter continuidade at a segunda vinda de Cristo. Isto o oposto dos sentimen-

    tos de tais que dizem que o Batismo estava em uso antes dos tempos de Joo, de Cristo e

    de Seus apstolos; e de tais que limitam o Batismo nas guas ao intervalo entre o incio do

    ministrio de Joo e a morte de Cristo, quando este deveria, com outros ritos externos,

    cessar; e tais, como os Socinianos [2], que pensam que apenas os primeiros convertidos

    ao Cristianismo em uma nao devem ser batizados, e seus filhos, mas no a sua seguinte

    posteridade.

    Havia de fato vrias lavagens, banhos ou batismos, sob a dispensao legal, para a purifi-

    cao de pessoas e coisas impuras, por meio da lei cerimonial; que tinha uma doutrina em

    si, chamada de doutrina dos batistas, que ensinou a purificao do pecado pelo sangue de

    Cristo; mas no havia nada neles semelhante ordenana do Batismo nas guas, seno

    apenas a imerso. Os judeus alegam que seus antepassados foram recebidos em aliana

    pelo Batismo, ou imerso, bem como pela circunciso e sacrifcio; e que os proslitos do

    Paganismo foram recebidos da mesma maneira; e isso avidamente agarrado pelos defen-

    sores do batismo infantil; estes imaginam que Joo, Cristo e Seus apstolos, tomaram esse

    costume como eles o encontraram, e o continuaram, isto o que eles imaginam em consi-

    derao ao silncio sobre o assunto no Novo Testamento, e por que no h nem preceito

    para isso, nem exemplo disso, mas com certeza se isso estava em uso comum, como imagi-

    nam, embora nenhum novo preceito tenha sido dado, haveria precedentes suficientes para

    isso; mas nenhuma prova obtida naqueles tempos deve ser dada de tal prtica, nem a partir

    do Antigo nem do Novo Testamentos; nem dos livros apcrifos escritos por judeus entre

    eles; nem de Josefo e Filo, o judeu, que escreveram um pouco depois dos tempos de Joo

    e Cristo; nem do Mishn judeu, ou livro de tradies. Apenas a partir de escritos posteriores

    aos deles, tarde demais para a prova disso antes daqueles tempos [3].

    Joo foi o primeiro administrador da ordenana do Batismo, e por isso chamado de o Ba-

    tista (Mateus 3:1) por meio de nfase; ao passo que, se tivesse sido de uso comum, teria

    havido muitos batizadores antes dele, que teriam uma reivindicao quanto a esse ttulo; e

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    por que as pessoas estariam to alarmadas com ele, a ponto de vir de todas as partes para

    v-lo administrando, e para ouvi-lo pregar, se quando isso tivesse sido de uso frequente,

    eles teriam muitas vezes o visto? E por que o Sindrio judeu enviou sacerdotes e levitas de

    Jerusalm at Joo, para saber quem ele era, se o Messias, ou seu precursor, Elias ou o

    profeta falado e esperado? E quando ele confessou, e negou que ele era algum deles, eles

    disseram-lhe: Por que batizas, pois? [Joo 1:25], por que coisa e pelo que eles espera-

    vam, parece que era algo novo, e que eles esperavam quando o Messias viesse, mas no

    antes; e que, em seguida, seria realizado por algum grande personagem, um ou outro dos

    mencionados antes; ao passo que, se tivesse sido realizado por um professor comum, rabi-

    no comum ou doutor, sacerdote ou levita, em pocas imemoriais, no poderia haver espao

    para tal questo; e tivesse sido este o caso, no haveria nenhuma dificuldade para os ju-

    deus responderem pergunta de nosso Senhor: O Batismo de Joo era do cu ou dos

    homens? [Lucas 20:4]. Ao que eles teriam respondido que isso era uma tradio deles, um

    costume em uso entre eles em tempos remotos, se este fosse o caso conhecido; nem teriam

    sido sujeitos de qualquer dilema: mas o Batismo de Joo no era um dispositivo de homens;

    mas o conselho de Deus, de acordo com a Sua vontade e sbia determinao (Lucas

    7:30). Joo tinha uma misso e comisso de Deus, ele era um homem enviado da parte de

    Deus, e ordenado a batizar (Joo 1:6, 33), e seu batismo foi o Batismo nas guas, isso ele

    afirma, e os lugares que ele fez uso para este propsito demonstram isso, e ningum o

    negar.

    ................................................................................................................................................

    Cristo foi batizado por Joo, e Seu Batismo foi certamente o Batismo Cristo,

    disso ningum pode duvidar (Mateus 3:13-17), e os Seus discpulos tambm

    foram batizados por ele; pois, por quem mais seriam batizados? No pelo pr-

    prio Cristo, pois Ele no batizou ningum (Joo 4:2). O Batismo de Joo e o

    Batismo de Cristo e Seus apstolos eram o mesmo e ocorreram no mesmo pe-

    rodo; eles eram contemporneos, e um no sucedeu o outro. Ora, no razo-

    vel supor que deveria haver dois tipos de Batismo administrados ao mesmo

    tempo; mas um nico e mesmo para ambos (Joo 3:22, 23, 26, 4:1-2).

    .....................................................................