Ppc Tecnologia Automao Industrial SrtPpc Tecnologia Automao Industrial Srt

  • Published on
    03-Dec-2015

  • View
    8

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Ppc Tecnologia Automao Industrial SrtPpc Tecnologia Automao Industrial SrtPpc Tecnologia Automao Industrial SrtPpc Tecnologia Automao Industrial Srt

Transcript

  • MINISTRIO DA EDUCAO

    SECRETARIA DA EDUCAO MDIA E TECNOLGICA

    PLANO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

    AUTOMAO INDUSTRIAL DA UNED SERTOZINHO

    CEFET-SP/UNED SERTOZINHO/2007

  • 2

    CENTRO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DE SO PAULO UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DE SERTOZINHO

    PLANO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAO INDUSTRIAL

    CARMEN MONTEIRO FERNANDES Diretora da Unidade de Sertozinho

    PROF. CARLOS ROBERTO MATIAS Gerente Acadmico

    PROF. NILTON MARTINS RODRIGUES JNIOR

    Coordenador do Curso Tcnico em Automao Industrial

    Comisso de estudos para implantao do Curso Superior de Tecnologia em Automao Industrial

    Prof. Nilton Martins Rodrigues Junior

    Prof. Rafael Manfrin Mendes Prof. Joo Baptista Silveira Cascaldi Prof. Silmrio Baptista dos Santos

    Prof. Ana Cludia Daroz dos Santos

    SERTOZINHO, SETEMBRO DE 2007

  • IDENTIFICAO DA INSTITUIO

    CENTRO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DE SO PAULO UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DE SERTOZINHO

    CEFET/SP - UNED SERTOZINHO

    RUA EXPEDICIONRIO SOLANO, 1420 CENTRO SERTOZINHO SP

    CEP: 14160-740 FONE: (16) 3942-5544

  • 4

    SUMRIO Pg.

    1. Identificao do Plano .............................................................................. 5

    2. Identificao do Curso .............................................................................. 7

    3. Projeto Pedaggico do Curso .................................................................. 8

    3.1 Misso do Curso...............................................................................

    3.2 Perfil do Egresso........................................................................

    3.3 Objetivos............................................................................................

    3.4 Justificativa da Oferta do Curso.........................................................

    3.5 Organizao Curricular ............................................................................

    3.6 Poltica de Estgio.............................................................................

    3.7 Avaliao Discente............................................................................

    3.8 Critrios de Aproveitamento de Estudo.............................................

    3.9 Requisitos e formas de Acesso.....................................................................

    3.10 Certificados e Diplomas Expedidos aos Concluintes do Curso........

    8

    8

    10

    10

    15

    18

    19

    20

    20

    20

    4. Corpo Docente.......................................................................................... 20

    5. Corpo Tcnico envolvido no curso............................................................ 21

    6. Infra-estrutura Fsica e recursos materiais necessidade de

    investimento.................................................................................................

    27

    6. Necessidades de investimento............................................................................ 37

    ANEXO I Grade Curricular

    ANEXO II Ementrio

  • 5

    1. Identificao do Plano 1.1 rea do curso: Indstria 1.2 Mantenedora

    Unio

    1.3 Identificao da instituio mantida

    Nome: Centro Federal de Educao Tecnolgica de So Paulo CEFET-SP

    CNPJ: 39.006.291/0001-60

    End.: Rua Dr. Pedro Vicente, 625

    Cidade: So Paulo UF: SP CEP: 01109-010

    Fone: (11) 6763-7500 Fax: (11) 6763-7650

    E-mail: drg@cefetsp.br

    1.4 Dirigente Principal da Instituio de Ensino

    Cargo: Diretor Geral Nome: Garabed Kenchian End.: Rua Dr. Pedro Vicente, 625 Cidade: So Paulo UF SP CEP: 01109-010 Fone: (11) 6763-7500 Fax: (11) 6763-7650 e-Mail: kenchian@cefetsp.br

    1.4.1 Diretor de Ensino da Instituio mantida Cargo: Diretor de Ensino Nome: Carlos Frajuca End.: Rua Dr. Pedro Vicente, 625 Cidade: So Paulo UF: SP CEP: 01109-010 Fone: (11) 6763-7500 Fax: (11) 6763-7650 e-Mail: frajuca@ceftsp.br

    1.4.2 Dirigente da Unidade de Ensino qual pertence o curso e ao qual est subordinado o

    Coordenador do curso Cargo: Diretor da Unidade de Ensino Descentralizada de Sertozinho Nome: Carmen Monteiro Fernandes End.: Rua Expedicionrio Solano, 1420, centro Cidade: Sertozinho UF: SP CEP: 14170-810 Fone: (16) 3942-5544 Fax: (16) 3942-6530 e-Mail: sertaozinho@cefetsp.br

  • 6

    1.5 Histrico da Instituio Mantida

    A demanda por operrios mais qualificados no Brasil, do ponto de vista de recursos tcnicos,

    surge no final do sculo XIX e incio do sculo XX, cenrio em que foram criadas as escolas de

    artes e ofcios, nas quais, prevalecendo ainda o modelo de transferncia de tcnica do arteso para o

    aprendiz, j foram introduzidos recursos tecnolgicos e uma pequena parcela de conhecimento

    formalizado.

    Em 19 de fevereiro de 1910, como Escola de Aprendizes Artfices, foi criada a Escola que

    viria a ser o CEFET-SP, instalada provisoriamente no bairro da Luz, no centro de So Paulo,

    oferecendo primeiramente os cursos de tornearia, mecnica e eletricidade, alm das oficinas de

    carpintaria e artes decorativas.

    Em 1942, com a Reforma Capanema, a Escola de So Paulo transformou-se em Escola

    Tcnica, com direito a ministrar Segundo Grau Tcnico. Em 1965, a Escola Tcnica Federal de So

    Paulo ampliou sua oferta de cursos, implantando o Curso Tcnico de Eletrnica. Em 1976,

    procedeu-se mudana da Escola para o bairro do Canind, sua atual sede. J em 1977, criaram-se

    os cursos de Eletrotcnica e Telecomunicaes e, no ano seguinte, o de Processamento de Dados.

    A Escola Tcnica Federal de So Paulo passou condio de Centro Federal de Educao

    Tecnolgica de So Paulo (CEFET-SP), a partir do Decreto Presidencial de 18 de janeiro de 1999.

    Visando atender a Comunidade de Sertozinho, Municpio localizado a 350 km de So

    Paulo, no ano de 1996, foi instituda a Unidade Sertozinho do Centro Federal de Educao

    Tecnolgica de So Paulo, por meio do convnio de Cooperao Tcnica 001/96, envolvendo a

    Prefeitura de Sertozinho, a Secretaria de Educao Mdia e Tecnolgica e o Centro Federal de

    Educao Tecnolgica de So Paulo.

    A Unidade Sertozinho tem uma trajetria que se caracteriza, por um lado, pelas dificuldades

    para sua institucionalizao e, por outro, pela sua solidificao, junto regio, mesmo a despeito

    das dificuldades surgidas para sua efetivao.

    O estudo de demanda profissional no municpio de Sertozinho e regio foi iniciado com o

    processo de implantao da Escola, no ano de 1996, por meio de uma pesquisa realizada pela

    Prefeitura Municipal, envolvendo o empresariado local. Dados da referida pesquisa, relatados no

    projeto de implantao da Unidade Sertozinho, mostraram a necessidade de desenvolvimento de

    cursos nas reas de Mecnica e Eletrnica, sendo prioritria, na poca, a formao de profissionais

    para atuarem como Tcnicos em Mecnica, curso que fora implantado. Em todo o perodo de

    funcionamento, a Direo da Unidade Sertozinho vem mantendo contatos com representantes do

    empresariado local, procurando, assim, diagnosticar as necessidades de formao profissional mais

    emergente e propor formas de atendimento.

    A proposta de atuao na rea de Automao nasceu a partir dos encontros com o

    empresariado local e foi objeto de anlise por parte de profissionais que atuam nessa rea, assim

  • 7

    como pelo Secretrio de Indstria e Comrcio do Municpio. O primeiro plano de curso foi

    apresentado no ano 2000, tendo sido iniciada a primeira turma em maio daquele ano. Em 2002,

    foram feitas alteraes curriculares para melhor adequao do Curso s necessidades do sistema

    produtivo e s manifestaes de interesse da comunidade. Entretanto, face escassez de recursos, a

    comunidade da Escola sempre optou por manter o curso com um carter bastante generalista, como

    forma de abarcar as reas de Mecnica e Automao. Porm, o currculo desenvolvido at ento

    deixa brechas no tocante a uma melhor formao nas especificidades de cada rea, existindo

    necessidade tanto de maior especializao na rea de controle de processo industrial como na

    produo e manuteno mecnicas. Dessa forma, houve a opo pelo desmembramento do

    currculo, a reformulao do currculo do Curso Tcnico em Automao Industrial e a formulao

    de um Plano de Curso para habilitao de tcnicos em Mecnica.

    Devido a orientaes do Governo, que pretendia transformar a Unidade Sertozinho em

    Escola pertencente ao Segmento Comunitrio, a escola, que fora criada em 1996 como uma

    Unidade da Escola Tcnica Federal de So Paulo, permaneceu sem perspectiva de ter sua sede

    prpria at final de 2002.

    No ano de 2003, com o novo governo, foi mudada a orientao do papel social da escola,

    com a mesma sendo mantida na esfera Federal. A partir de 2006, tiveram incio os Cursos Tcnicos

    Integrados de Mecnica e Automao Industrial, na modalidade EJA - Educao de Jovens e

    Adultos. No ano de 2006 teve incio o processo de construo da sua sede prpria, estando, nesse

    meado de 2007, sendo entregue Comunidade de Sertozinho.

    2. Identificao do Curso 2.1.Nome do curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAO INDUSTRIAL. 2.2 Nmero de vagas anual 40

    2.3 Nmero de alunos por sala 40 alunos por sala / por semestre

    2.4 Turnos de funcionamento Noturno

    2.5 Regime de matrcula Anual

    2.6 Carga horria 2.755 horas + 360 horas de estgio = 3.115 horas

    2.7 Durao do curso 03 anos

    2.8 Bases legais do curso Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional, n 9.394/96; Decreto n 5.154/04;

    Parecer CNE/CES n 436/2001; Parecer CNE/CP n 29/2002; e Resoluo CNE/CP

    n 03/2002.

  • 8

    3. Projeto Pedaggico do Curso

    3.1 Misso do Curso

    A Unidade Sertozinho do CEFET-SP prope-se formar um profissional apto a atuar nos

    diversos processos da rea de Automao Industrial, seja em processos discretos, seja em processos

    contnuos, bem com na gesto de processos industriais.

    De maneira geral, o currculo da Unidade Sertozinho prope um itinerrio formativo

    interdisciplinar e prtico que garanta ao aluno as condies bsicas para a insero no mundo do

    trabalho, plena atuao na vida cidad e os meios para continuar aprendendo, bem como o

    despertar da sua capacidade empreendedora.

    A experincia da Unidade proporcionada pelo curso Tcnico em Automao Industrial,

    desenvolvido em sintonia com o setor produtivo regional, foi muito importante na elaborao do

    Curso Superior de Tecnologia em Automao Industrial. Essa experincia propiciou formular um

    curso Superior com um currculo que atenda a exigncia cada vez maior de uma qualificao que,

    devido crescente complexidade dos processos produtivos, o nvel tcnico no consegue mais

    atender.

    3.2. Perfil do Egresso O perfil do egresso foi gerado com base em pesquisas junto s empresas que compem o

    sistema produtivo na rea de atuao da UNED Sertozinho, por meio de entrevistas. Foram

    consultados profissionais responsveis pela rea de produo industrial e gerentes ou diretores de

    Recursos Humanos.

    Empresas pertencentes aos setores sucroalcooleiro, bem como fabricantes e integradores de

    equipamentos de automao representaram o maior nmero de empresas que compem a amostra.

    Representando o setor sucroalcooleiro, foram visitadas a Usina Santo Antnio e a Cia. Energtica

    Santa Elisa, sendo esta uma das maiores e mais modernas usinas do pas. Nessas empresas ficou

    evidente a importncia dos conhecimentos slidos nas reas de acionamentos eltricos e

    instrumentao industrial.

    Contrapondo-se tendncia de terceirizao vivida por diversas indstrias, essas empresas

    decidiram por manter suas prprias equipes de manuteno, havendo inclusive planos de carreira

    bastante atrativos para profissionais de reas tcnicas. No entender do gerente da rea de

    automao da Cia. Energtica Santa Elisa, existe espao para profissionais com slidos

    conhecimentos na rea de Automao, para atuar na elaborao e implantao de novos projetos.

    No caso das empresas fabricantes de equipamentos de Automao, foram entrevistados

    profissionais da Fertron Controle e Automao Ltda. e SMAR Equipamentos Industriais. No caso

  • 9

    da Fertron, uma empresa tradicional na fabricao de CLPs, ressaltou-se a grande necessidade de

    profissionais para atuar na assistncia tcnica s indstrias que utilizam seus sistemas, levando o

    seu gerente industrial a afirmar que a empresa teria capacidade imediata de contratar 20

    profissionais de uma s vez, caso atendessem ao perfil desejado. Afirmou ainda que existe uma

    carncia de profissionais com slidos conhecimentos em processos industriais, capazes de

    compreender as interaes entre os sistemas de controle e o processo. J os representantes da

    SMAR ressaltaram a importncia das seguintes caractersticas: iniciativa, boa postura,

    conhecimento tcnico, vontade de aprender, multifuncionalidade, compromisso/comprometimento,

    aptido para trabalho em equipe e bom relacionamento.

    Surge assim uma lacuna para um profissional com conhecimentos especficos

    aprofundados, capaz de compreender os sistemas de automao e suas diversas interligaes.

    O perfil do Tecnlogo em Automao Industrial ser adquirido com o exerccio e

    desenvolvimento das seguintes competncias:

    Implementar sistemas de automao industrial, integrando sensores, atuadores, mquinas

    programveis, sistemas de superviso e controle;

    Implementar redes industriais, aplicadas a sistemas de automao;

    Implementar e fazer manuteno em sistemas automatizados eletro-eletrnicos,

    pneumticos e hidrulicos;

    Planejar as estratgias de implantao de sistemas automatizados;

    Conduzir equipes de trabalho na rea de automao industrial;

    Realizar ajuste e calibrao de instrumentos e equipamentos utilizados nos sistemas

    industriais;

    Elaborar documentao relativas a equipamentos, tecnologias e sistemas de automao;

    Programar controladores lgicos programveis e microcontroladores aplicados a

    automao industrial;

    Pesquisar novas tecnologias na rea de sistemas automatizados;

    Executar o projeto e implementar sistemas de automao da manufatura;

    Implementar e fazer manuteno em sistemas eletrnicos analgicos e digitais industriais.

    Executar instalaes eltricas prediais, industriais e comerciais.

    Produzir e aplicar os conhecimentos prprios da rea, levando em considerao as questes

    de sade, segurana do trabalho e preservao do meio ambiente;

    Conviver em grupos para solucionar problemas e tomar decises;

    Atuar na gesto de recursos humanos, ligados aos setores administrativo, financeiro e

    tcnico;

    Atuar de forma tica, crtica e criativa nos processos de fabricao industrial;

  • 10

    3.3. Objetivos

    3.3.1. Objetivos Gerais

    O Curso Superior de Tecnologia em Automao Industrial tem por objetivo geral propiciar

    ao estudante um itinerrio formativo interdisciplinar e prtico, que lhe garanta condies para a

    insero no mundo do trabalho, a plena atuao na vida cidad e os meios para continuar

    aprendendo, bem como o despertar da sua capacidade empreendedora. Em sua elaborao,

    valorizaram-se tanto as disciplinas tericas quanto as prticas, indo ao encontro do modelo de

    formao unitria, integrando assim, cincia e tecnologia, o pensar e o fazer. Espera-se que a

    vivncia prtica traga um constante pensar sobre o que fazer, como fazer e por que fazer,

    buscando constantemente, com criatividade, solues p...

Recommended

View more >