pr classico

  • View
    603

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of pr classico

Luisa Martinez Matheus Bragalia Daniel Ferreira Gabriel Serrano

Descobrindo clssicos e pr-clssicos

Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora Campinas - 2010

Luisa Martinez - 20 Matheus Bragalia 25 Daniel Ferreira 1 Gabriel Serrano - 6

Descobrindo clssicos e pr-clssicos

Trabalho da 7B, Realizado para a disciplina de Redao, sob orientao da Prof. Cludia

Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora Campinas - 2010

NDICEIntroduo......................................................................................4 1 Captulo - NOTCIA......................................................................5 2 Captulo - COMPARATIVO CRTICO ENTRE AS OBRAS ..............6 3 Captulo RESENHA CRTICA.....................................................7 Anexos............................................................................................8 a 11 Concluso.......................................................................................12 Referncias Bibliogrficas.............................................................13

O verso meu que nego a ti a expresso do meu sarcasmo Das oliveiras que me cobriram Em dias de sol...

S pra me manter feliz!

INTRODUO Neste trabalho de redao (parte 1) estaremos apresentando alguns contedos cobrados para esta atividade, que do 1 Captulo at algumas referncias bibliogrficas. Entre estes tantos itens, estaremos, em um conjunto de 4 pessoas( fora a resenha ) no qual realizamos as etapas necessrias, algumas juntas, outras separadas, para depois unirmos. Fizemos tudo isso em volta de um propsito somente, que o pr-clssico que lemos Onde fica O Ateneu, baseado na obra de Raul Pompia, O Ateneu. O objetivo desse trabalho demonstrar que aprendemos e entendemos tanto o pr quanto o clssico, atravs de textos crticos, pesquisas, tcnicas de redao entre muitos outros!

4

* Edio *

Notcia

PARALELEPPEDORio de Janeiro, segunda-feira, 19 de novembro de 1957. Rio de Janeiro3098 R$ 3,90 Ano 13 n

Empregado de Internato assassinado sem dO estranho homicdio precisar de um dos melhores detetives da cidade para ser esclarecidoNa noite anterior fora recolhido o corpo de Glucio Neves, criado de Aristarco, o diretor do Internato O Ateneu.

Segundo testemunhas, a vtima fora morta com uma barra de ferro e facadas. Gumercindo Pereira, o autor do crime e jardineiro do internato, simplesmente no nega o crime: Sim, fui eu afirma. Aristarco, o diretor, mesmo gago de tanto surpreendimento, soltou algumas palavras: No esperava isso de Gumercindo... Ele era simplesmente esplndido e tambm completa: Perdi meu melhor criado. O caso, mesmo sendo testemunhado e assumido pelo autor do crime, ser investigado pelo detetive mais Temos que saber quem, o que, experiente e famoso do quando, onde, como e por qu Rio de Janeiro, e que como de costume, s disse o detetive, que gosta de prefere ser identificado como Mendes: Mesmo com o assassino ter sido seu trabalho sem apoio descoberto, ainda h muito que saber. O mundo da investigao policial. O jornal

5

Comparativo crtico entre as obras

Com a pesquisa individual de cada integrante do grupo, pudemos conhecer um pouco mais sobre as caractersticas da poca do clssico, O Ateneu. Primeiramente, vamos comear pela sociedade que abrigava a poca do clssico: a aristocracia. Muito diferente da sociedade atual, a aristocracia, do sculo XIX, tinha somente considerados aristarcos aqueles de alta classe social, poder poltico, econmico e esse tipo de coisa. Outra caracterstica marcante era o jeito prprio de se vestir, frequentar lugares de pessoas do seu tipo. Finalmente, a linguagem era totalmente formal, descendente da monarquia europia. Expresses quase extintas como fulgurante, crispao, erigindo entre outras expresses estranhas atualmente. Agora, a sociedade atual.Uma sociedade praticamente sem semelhanas s passadas! Vivemos em um mundo totalmente globalizado, atualizado, moderno, capitalista. Mesmo sendo poucas, as semelhanas com a aristocracia aparecem: hoje tambm ocorrem a excluso, a separao e diviso de certas classes sociais: ricos, classe mdia, e pobres, que certos tem direitos exclusivos, mas um superior ao outro. Por mais incrvel que parea, outra semelhana: o prprio modo de se vestir e frequentar certos lugares. Nossa sociedade oficial subdividia irregularmente por ns mesmos, em diversos estilos, que causam essa diferena: indgenas, emos, milionrios, pobres, patricinhas, hippies entre outros. Finalmente, encontramos uma diferena: a linguagem. Mesmo a formal ainda ser muito usaada, de um modo diferente: as expresses e palavras so de acordo com o acordo ortogrfico, e tambm com a pronncia exata. Raramente as expresses aristocratas aparecem nos nossos dias. Hoje mais comum a linguagem informal tanto nos jovens quanto em alguns adultos. Adaptao para o pr-clssico: Na nossa opinio achamos a adaptao muito boa! Mesmo sendo em uma poca diferente ( 100 anos depois em mdia ), a atual sociedade, Ivan Jaf conseguiu adaptar muito bem cada detalhe de O Ateneu na sociedade moderna, alcanando seu objetivo de mostrar e explicar um puco sobre o clsssico que deu origem ao pr. Para a descoberta desse livro com mais de um sculo, Ivan usou os mistrios e assuntos no resolvidos do clssico para fazer uma histria de investigao, que cobra que cada parte da obra e mistrio sejam analisados, discutidos, mostrados e explicados!!

Por ordens policiais, nenhum tipo de empresa informativa teve a permisso de

!

6

Anexos Raul PompiaRaul D'vila Pompia era filho de Antnio D'vila Pompia e de Rosa Teixeira Pompia. Foi morar no Rio de Janeiro e estudava no internato do Colgio Ablio, dirigido pelo educador Ablio Csar Borges, o baro de Macabas. Passando do ambiente familiar austero e fechado para a vida no internato, recebeu Raul Pompia um choque profundo no contato com estranhos. Logo se distingue como aluno aplicado, com o gosto dos estudos e leituras, bom desenhista e caricaturista, que redigia e ilustrava do prprio punho o jornalzinho O Archote``. Em 1879, transferiu-se para o Colgio Pedro II, para fazer os preparatrios, e onde se projetou como orador e publicou o seu primeiro livro, Uma tragdia no Amazonas (1880). Em 1881foi estudar direito em So Paulo, quando se engajou nas campanhas abolicionista e republicana. Escreveu em jornais de So Paulo e do Rio de Janeiro, em geral sob o pseudnimo "Rapp", um dos muitos que adotaria: Pompeu Stell, Raul D., Raulino Palma etc. Ainda em So Paulo publicou, no Jornal do Comercio, as "Canes sem metro", poemas em prosa, parte das quais foi reunida em volume, de edio pstuma. Tambm, em folhetins da Gazeta de Notcias, publicou a novela As jias da Coroa. Por ter sido reprovado no 3 ano de direito em So Paulo, foi concluir o curso em Recife (PE), mas nunca exerceu a advocacia. Voltou para Rio de Janeiro, em 1885, e dedicou-se ao jornalismo, escrevendo crnicas, folhetins, artigos, contos e participando da vida bomia das rodas intelectuais. Escreveu e publicou "O Ateneu", em formato de folhetim, na "Gazeta de Notcias", mas logo depois, j saiu em formato de livro em 8 de abril de 1888, consagrando-o definitivamente como escritor. Pompia apresenta fortes caractersticas na linguagem, devido a seu talento de caricaturista. Seu vocabulrio tem grande riqueza plstica e sonora. A princpio, a crtica o julgou pertencente ao Naturalismo, mas as qualidades artsticas mencionadas demonstram seu compromisso com o Simbolismo. Rompido com amigos, caluniado em artigo de Lus Murat, sentindo-se desdenhado e abandonado, inclusive dentro do jornal "A Notcia", que no publicara o artigo de sua colaborao, suicidou-se no dia de Natal de 1895. A posio de Raul Pompia na literatura brasileira controvertida. A princpio a crtica o julgou pertencente ao Naturalismo, mas as qualidades artsticas presentes em sua obra

fazem-no aproximar-se do Simbolismo, ficando a sua arte como a expresso tpica, na literatura brasileira, do estilo impressionista. Obras: Uma tragdia no Amazonas, novela (1880); As jias da coroa, novela (1882); Canes sem metro, poemas em prosa (1883); O Ateneu, romance (1888). A obra completa de Raul Pompia est reunida em Obras,org. de Afrnio Coutinho, 10 vols. (1981-1984).

Ivan JafIvan Jaf nasceu em 1957, no Rio de Janeiro. Na juventude, estudou Comunicao e Filosofia e passou alguns anos viajando pela Europa e pela Amrica Latina. Atualmente mora no bairro de Santa Tereza, no Rio de Janeiro, Ivan Jaf j escreveu mais de quarenta livros de fico, dedicados principalmente ao pblico infanto-juvenil. Tambm produziu roteiros para histrias em quadrinhos, teatro e cinema, tendo obtido prmios importantes como o do Sundance Institute ( USA/98 ) de cinema,e, nas literatura, o prmio da Unio Brasileira de Escritores. Ele escritor, roteirista, redator e editor brasileiro. Fez faculdade de filosofia e comunicao pela UFRJ, mas no chegou a termin-las. Alguns livros de Ivan Jaf BASTIANA VAI LUTA (infantil, ed. Memrias Futuras, Rio, 87, 7 edies) O VALE DA ETERNIDADE (infantil, ed. Memrias Futuras, Rio, 90, prmio aquisio FNLIJ 93) TRS CONTRA T (juvenil, ed. Scipione, So Paulo, 93) A PONTE PARA O PASSADO (juvenil, ed. Atual, So Paulo, 93, 8 edies) A FLORESTA DOS HOMENS DOIDOS (juvenil, Scipione, So Paulo, 94) A MONTANHA DOS OSSOS DE DRAGO (juvenil, ed. Atual, So Paulo, 94, 7 edies) BEIJO NA BOCA (juvenil, ed. Moderna, So Paulo, 94, 6 edies, Prmio Altamente Recomendvel para o Jovem / 94 - Fundao Nacional do Livro) O CERTO O CONTRRIO (infantil, ed. Jos Olympio, Rio, 94, 6 edies) ATRS DO PARASO (juvenil, ed. Jos Olympio, Rio, 95, 4 edies) A SEMENTE DA PRAA (infantil, ed. Jos0 Olympio, Rio, 95) O PODER FLUTUANTE (juvenil, ed. Scipione, So Paulo, 96) O PIRATA MAU QUE PEGOU CUPIM NA PERNA DE PAU (infantil, ed. Jos Olympio, Rio, 96) O SUPER TNIS (juvenil, ed. tica, So Paulo, 96, 4 edies) A PRIMEIRA VEZ (juvenil, ed. Modern