Click here to load reader

Propensão à Doença do Refluxo Gastroesofágico

  • View
    41

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

A. s. t. r. a. Z. n. e. c. a. e. Propensão à Doença do Refluxo Gastroesofágico. Índice. Objetivos Metodologia Resultados Índice de Propensão à Doença do Refluxo Gastroesofágico Perfil da população com propensão à Doença do Refluxo Percepção dos sintomas - PowerPoint PPT Presentation

Text of Propensão à Doença do Refluxo Gastroesofágico

  • Propenso Doena do Refluxo Gastroesofgico

  • ndiceObjetivosMetodologiaResultadosndice de Propenso Doena do Refluxo GastroesofgicoPerfil da populao com propenso Doena do RefluxoPercepo dos sintomasAtitudes em relao aos sintomasHbitos em relao sade

  • Objetivos

    Medir o percentual da populao que tem propenso doena do refluxo gastroesofgico

    Conhecer o comportamento em relao aos sintomas.

    Conhecer os hbitos em relao sade.

  • MetodologiaUniversoPopulao de 16 anos ou mais, pertencentes a todas as classes sociais (critrio Brasil), com propenso .

    A propenso doena do refluxo gastroesofgico foi determinada atravs de trs questes:

    1- Sente ou j sentiu queimao ou azia? (sim)

    2- E esta queimao ou azia acontece s no estmago ou na regio do estmago e do peito? (na regio do estmago e do peito)

    3- No perodo que acontece esta queimao ou azia, com que freqncia ela ocorre? (uma vez por semana ou mais)Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal em pontos de fluxo populacional, mediante aplicao de um questionrio estruturado.

  • MetodologiaAbrangnciaA pesquisa foi realizada nos 9 maiores mercados brasileiros, abrangendo as cidades de S. Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Distrito Federal, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife e Interior de S. Paulo.AmostraO processo amostral foi probabilstico e aleatrio. Foram realizadas 2.268 entrevistas finais, assim distribudas:

    So Paulo426Interior de S. Paulo 212Rio de Janeiro323Belo Horizonte201Distrito Federal231Porto Alegre213Curitiba238Salvador219Recife205

  • Para a obteno da amostra foram realizadas 13.959 abordagens. A distribuio amostral das abordagens a mesma da populao residente nos mercados estudados

    ( * ) IBGE Censo 2000( ** ) Consolidado Datafolha

    Plan1

    PesquisaPopulao *

    %%NA

    SEXO

    Masculino484818,178,344

    Feminino525219,859,186

    IDADE

    16 a 25 anos272710,323,957

    26 a 35 anos24249,257,717

    36 a 45 anos20207,548,381

    46 a 55 anos13134,885,744

    56 anos ou mais16166,021,731

    CLASSE SOCIAL **

    A551,946,578

    B25259,636,037

    C383914,815,428

    D272810,581,849

    E331,057,638

    BASE13,95938,037,530

  • Data de campoChecagemMargem de erroA coleta de dados foi realizada entre os dias 11 a 30 de maio de 2001.A margem de erro mxima para o total da amostra, considerando-se um intervalo de confiana de 95%, de 2 pontos percentuais.E para o total das abordagens, dentro do mesmo intervalo, de 1 ponto percentual A checagem foi simultnea coleta de dados, cobrindo 30% das entrevistas

  • ndice de Propenso Doena do Refluxo Gastroesofgico66% da populao, residente nos mercados estudados, j sentiu e/ou sente azia / queimao. Este percentual tende a ser maior entre as mulheres, entre as pessoas de 26 a 35 anos e, principalmente, entre os residentes de Porto Alegre.

    Para 26% da populao essa azia / queimao ocorre na regio do estmago, subindo at o peito. Mais uma vez, Porto Alegre o destaque com 42% da populao declarando sentir este sintoma.

    E, o ndice de propenso doena do refluxo de 12%; ou seja, pessoas que declararam sentir queimao na regio do estmago subindo at o peito, e que, quando ocorre, tem freqncia igual ou superior a uma semana.

  • Este percentual (12%) corresponde a aproximadamente 4 milhes e meio de brasileiros residentes nas reas metropolitanas do pas. A propenso doena do refluxo parece ser maior entre mulheres do que entre os homens; ou pelo menos, um nmero maior de mulheres do que de homens declara ter estes sintomas (14% e 9% respectivamente).

    Por outro lado, no se observam diferenas significativas em relao faixas etrias, nem a classes sociais.

    Com relao s cidades estudadas, observa-se um nmero significativamente maior de pessoas com propenso doena do refluxo em Porto Alegre e Belo Horizonte e um nmero significativamente menor em S. Paulo e em Braslia.

  • ndice de Propenso Doena do Refluxo GastroesofgicoBase: Total de abordagens - 13.959 entrevistas

  • ndice de Propenso, segundo segmentosBase: Total de abordagens(Em %)

  • ndice de Propenso, segundo cidadesBase: Total de abordagens(Em %)

  • Perfil da Populao com propenso Doena do Refluxo GastroesofgicoEm conformidade com os ndices de propenso descritos, o perfil das pessoas que tm propenso doena mais feminino. Quanto classe social, idade e nvel de instruo no se observam diferenas de perfil entre quem tm propenso e a populao em geral. Isto , os sintomas atingem a todos, igualmente.

    Neste estudo, foi calculado o IMC - ndice de Massa Corprea (relao peso/altura), sempre tomando como base a declarao da populao. Verificou-se que 59% das pessoas com propenso doena do refluxo tm IMC at 25, ou seja tm peso normal, 29% apresentam tendncia obesidade e 11% so obesas.

  • IdadeSexoBase: Total da Amostra - 2268 entrevistasMasculino38 anosFeminino24%25%21%16%15%

  • EscolaridadeClasseBase: Total da Amostra - 2268 entrevistas40%

  • Base: Total da Amostra - 2268 entrevistas59%29%11%PesoIMC(Em %)Altura

  • IMC(Em %)

  • IMC(Em %)

  • Percepo dos Sintomas da Doena do Refluxo GastroesofgicoCerca de 1/3 das pessoas com propenso doena relata que, quando tem o sintoma, sua freqncia diria. Observa-se que quanto mais idosa a pessoa e menos favorecida economicamente, maior a tendncia de ter o sintoma diariamente.

    Estes sintomas relatados parecem ser persistentes, ou de difcil tratamento, na medida em que 40% afirmam sentir esta queimao h mais de 5 anos (entre pessoas mais velhas, este ndice chega a 58%).

    A maioria das pessoas atribui a causa do sintoma, essencialmente, ingesto de alimentos (56%) seja porque so gordurosos ou por serem temperados. 22% relacionam o sintoma ingesto de bebidas principalmente, o caf e bebidas alcolicas. Igual nmero (22%) citam como causa, o estado nervoso. Apenas 9% relacionam ao cigarro ( observando-se que nesta populao 30% tm o hbito de fumar)

  • Enquanto os homens citam como causa, com maior freqncia, a ingesto de bebidas alcolicas (16%), as mulheres (27%) e as pessoas de classe A (45%) atribuem seus sintomas ao nervosismo.

    Quando indagados a respeito de qual situao melhora ou piora o sintoma, em uma lista de situaes previamente definidas, observa-se mais uma vez a relao sintoma/alimentao: comer alimentos gordurosos, condimentados ou comer mais do que o normal so situaes que fazem piorar os sintomas.

    A ocorrncia do retorno do contedo do estmago, melhora o sintoma, segundo 27% das pessoas. Ficar deitado aps a ingesto de grande quantidade de alimentos no causa nenhum efeito para 43% das pessoas e piora para 44%.

    E, fazer esforo fsico e ficar deitado ou inclinado ou curvado, independentemente da quantidade da alimentao so situaes que no causam nenhum efeito, para a maioria das pessoas.

  • Base: Total da Amostra - 2268 entrevistasFreqncia do sintoma(Em %)41%30%30%

  • Freqncia do sintoma, segundo segmentos(Em %)

  • Freqncia do sintoma, segundo cidades(Em %)

  • Base: Total da Amostra - 2268 entrevistasTempo que tem o sintoma(Estimulada e nica, em %)40%21%15%12%11%

  • (Estimulada e nica, em %)Tempo que tem o sintoma, segundo segmentos

  • (Estimulada e nica, em %)Tempo que tem o sintoma, segundo cidades

  • Base: Total da Amostra - 2268 entrevistasAtribuio de causas aos sintomas(Espontnea e mltipla, em %)INGESTO DE ALIMENTOSINGESTO DE BEBIDASNERVOSO/TENSO/ESTRESSADO/ANSIOSO/TRISTEPROBLEMAS DE SADEPOR CAUSA DO CIGARRO /FUMA MUITO

  • (Espontnea e mltipla, em %)INGEST.ALIMEN-TOSINGEST.BEBIDASNERVOSOTENSO/PROBL. SADEFUMAMUITOAtribuio de causas aos sintomas

  • (Espontnea e mltipla, em %)INGEST.ALIMEN-TOSINGEST.BEBIDASNERVOSOTENSO/PROBL. SADEFUMAMUITOAtribuio de causas aos sintomas

  • Comer mais que o normalComer alimentos gordurososComer alimentos muito temperados / condimentadosFicar deitado/inclinado/curvado aps a ingesto de grande quantidade de alimentosFicar deitado/inclinado/curvado independente da quantidade da alimentaoLevantar ou fazer esforo fsico ou qualquer atividade que necessita de uma respirao mais forteQuando ocorre retorno do contedo do estmago, alimentos ou lquidos, para a garganta ou a bocaPercepo de efeitos de determinadas situaes no sintoma(Estimulada e nica, em %)Base: Total da Amostra - 2268 entrevistas

  • Atitude em relao aos Sintomas Quando indagados a respeito de quais meios se utilizam para obter informaes sobre o problema 46% responderam que consultam mdicos, 35% que conversam com pessoas que tm o mesmo sintoma e 34% conversam com parentes. Consultar mdicos hbito mais freqente entre mulheres, quanto mais velhos e quanto maior a classe social. Conversar com pessoas que tm o mesmo sintoma maior entre pessoas de 25 a 36 anos de idade e entre residentes em Recife. Conversar com parentes, uma prtica mais freqente entre os mais jovens.

    Apesar de 46% responderem que consultam mdicos para obter informaes a respeito da doena, pode-se observar que a automedicao um comportamento muito freqente entre as pessoas que tm propenso doena.

    Na tentativa de melhorar o sintoma, 57% disseram que usam remdios. Observando a lista de medicamentos, mencionados espontaneamente, observa-se que trata-se principalmente de anticidos (Eno, Sonrisal, Sal de frutas, etc.).

  • E ainda, mais freqente do que qualquer marca ou classe de medicamento as pessoas que apresentam os sintomas fazem uso de bebidas - principalmente leite - e de chs, especialmente ch de boldo. Consultar um mdico, quando tm o sintoma, foi resposta de apenas 12%.

    Confirmam estes resultados as respostas obtidas em questo estimu

Search related