Tecnico Mecatronica Eletronica - .Este caderno contém 50 questões de múltipla escolha, apresentando

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Tecnico Mecatronica Eletronica - .Este caderno contém 50 questões de múltipla escolha,...

  • NO ABRA ESTE CADERNO ANTES DA ORDEM DO FISCAL

    TCNICO EM LABORATRIO MECATRNICAREA ELETRNICA

    SERVIO PBLICO FEDERAL MINISTRIO DA EDUCAOCENTRO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DE MINAS GERAIS

    CONCURSO PBLICO

    CONCURSO PBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS NA CARREIRA

    DOS SERVIDORES TCNICO-ADMINISTRATIVOS DO CEFET-MG

    (BELO HORIZONTE, DIVINPOLIS, NEPOMUCENO,

    LEOPOLDINA, TIMTEO E VARGINHA)2008

  • INSTRUES

    1. No abra este caderno de questes antes da ordem do fiscal.

    2. A prova ter 4 horas de durao, improrrogveis, incluindo o tempo ne-cessrio para marcar a resposta de cada questo das provas de LnguaPortuguesa, de Legislao, de Informtica Bsica e de ConhecimentosEspecficos.

    3. Este caderno contm 50 questes de mltipla escolha, apresentando 4opes cada uma, assim distribudas:

    Prova de Lngua Portuguesa, 10 questes, numeradas de 01 a 10.Prova de Legislao, 10 questes, numeradas de 11 a 20.Prova de Informtica Bsica, 5 questes, numeradas de 21 a 25.Prova de Conhecimentos Especficos, 25 questes, numeradas de 26 a 50.

    4. Somente a ltima folha, gabarito rascunho, poder ser destacada.

    5. Leia, atentamente, cada questo antes de responder a ela.

    6. No perca tempo com questo cuja resposta lhe parea difcil; volte aela, quando lhe sobrar tempo.

    7. Quando necessrio, faa os clculos e os rascunhos neste caderno dequestes, sem uso de mquina de calcular.

    8. Marque a folha de respostas, preenchendo, atentamente, a opo corre-ta, apresentada em uma das letras (a, b, c, ou d) com caneta esferogr-fica de tinta preta ou azul.

    9. O nmero de respostas dever coincidir com o nmero de questes.

    10. O candidato devolver este caderno de questes e a folha de respostasidentificada com o nome e o nmero de inscrio.

    11. O gabarito e a relao dos candidatos aprovados sero divulgados nosquadros de avisos da instituio em que voc fez sua inscrio e nosite http://www.concursota.cefetmg.br

  • 5 Concurso Pblico 2008 CEFET-MG Tcnico em Laboratrio Eletrnica

    PROVA DE LNGUA PORTUGUESA

    A SLIDA FELICIDADE ESTICA PARAUMA MODERNIDADE LQUIDA

    Em seu clssico A Divina Comdia, Dante Alighieri descre-ve os portais do inferno como sendo marcados por um aviso queconclama os visitantes a abandonar toda e qualquer forma de es-perana.

    De fato, a esperana parece ter adquirido um estatuto toelevado na coletividade humana, que a simples idia de perd-laparece remeter a um estado infernal. Nem sempre foi assim, con-tudo. E, conforme alerta o filsofo francs, Andr Comte-Sponville,ao longo de sua vasta obra, vale a pena assumir uma postura crti-ca no que diz respeito ao apreo que o moderno senso comumcultiva por esta to propagandeada palavra: esperana. Sponvilleno inaugura uma abordagem ousada ao criticar a esperana. Tra-ta-se, para sermos honestos com a histria, do resgate de umaabordagem por demais antiga. Para entendermos o esprito dessacrtica sponvilliana passividade da esperana, faz-se necessrioum retorno no tempo, uma volta ao rico perodo helenstico da Filo-sofia, fase em que despontaram o ceticismo, o epicurismo e oestoicismo. De diferentes maneiras, cada uma dessas trs esco-las se ocupou do tema felicidade. [...]

    No se trata, todavia, de qualquer felicidade, mas daquelaespecfica advinda do cultivar da sabedoria. Uma alegria que ultra-passa, portanto, o mero gozo dos sentidos, um prazer oriundo daalma e do exerccio da virtude, ao contrrio do prazer efmero obti-do (e posteriormente perdido) do meio exterior.

    A partir dessas reflexes resgatadas pelo mestre Sponville,vale questionar: pensar positivo realmente adianta? O pensamentopositivo traz a felicidade? Tais questes parecem receber um simquase unnime na contemporaneidade, sobretudo a partir das obrasde venda fcil, prometedoras de sucesso, de realizao de sonhos,de onipotncia das idias otimistas sobre o mundo circundante. Talmaterial vende fcil porque satisfaz a necessidade de auto-enganodos seres humanos e, muito embora ningum consiga se tornar

    1

    5

    10

    15

    20

    25

    30

  • 6 Concurso Pblico 2008 CEFET-MG Tcnico em Laboratrio Eletrnica

    imune a toda e qualquer iluso, vale a pena realizar um contrapontocrtico, assumindo uma postura atenta diante de manuais que in-sistem na duvidosa teoria de que pensar coisas boas atrai apenascoisas boas.

    sabido que uma postura confiante e entusistica permiteuma melhor qualidade de vida e proporciona reaes positivas aosfatos da vida, mas no h nenhuma garantia dada por absoluta-mente ningum a de que pensar positivo torne nossas existn-cias livres do ciclo de alegria e tristeza, prazer e dor, satisfao eperda, roda gigante inexorvel, dentro da qual todos os seres vivosembarcam quando vm ao mundo. Por mais positivo que pense-mos, isso no nos torna imunes s eventuais perdas, decepes,tristezas, abandonos, doenas e percalos. A esperana no livraningum de viver o inferno. Ao contrrio: muitas vezes a esperana ela mesma o prprio inferno. Afinal quem nunca se viu numa situ-ao de pattica espera em relao quela pessoa amada que pediuum tempo, mas nunca mais nos telefonou? Ou mesmo de um oti-mismo ingenuamente carregado de certeza, a parir um srio desa-pontamento, quando fica constatado que, a despeito de toda a ex-pectativa, o que era desejado no ocorreu?

    Sneca, um estico tardio, sucinto e objetivo no que tan-ge esperana. Diz o filsofo no seu Cartas a Luclio, que, ao abrirsua mtica caixa, Pandora libertou todos os males da humanidade.E segundo nos conta o mito, no fundo da caixa estava a esperan-a. Via de regra, interpretamos a esperana na caixa de Pandoracomo uma ddiva emergida para compensar os infortnios que fo-ram libertados. Ser? Sneca discorda. Diz o filsofo, sobre a es-perana: tratar-se-ia do ltimo mal a emergir da funesta caixa. Vi-ver em esperana decepcionar-se, pois no h como escapardos infortnios da vida. Entretanto, se escapar impossvel, pos-svel uma educao filosfica que nos auxilie a lidar mais tranqila-mente com tais revezes.

    MAGNAVITA, Alexey Dodsworth. In: Filosofia, Cincia & Vida. So Paulo: Escala,n23, 2008. p.17-19. Texto adaptado.

    3 5

    4 0

    4 5

    5 0

    5 5

    6 0

  • 7 Concurso Pblico 2008 CEFET-MG Tcnico em Laboratrio Eletrnica

    QUESTO 01

    O objetivo central do texto

    a) fazer uma crtica viso do senso comum sobre a esperana.

    b) desacreditar os manuais de venda fcil sobre idias otimistas.

    c) discutir a filosofia de Sneca a partir de seu livro Cartas a Luclio.

    d) propor uma possvel soluo para os sofrimentos e apegos hu-manos.

    QUESTO 02

    Em seu clssico A Divina Comdia, Dante Alighieri descreve osportais do inferno como sendo marcados por um aviso que conclamaos visitantes a abandonar toda e qualquer forma de esperana.

    O recurso de intertextualidade utilizado no trecho acima e seu obje-tivo esto apresentados na opo:

    a) Epgrafe, preparar o leitor para a discusso do texto.

    b) Pardia, inverter o sentido do texto original, para ironiz-lo.

    c) Citao, corroborar o argumento a partir de uma autoridade.

    d) Aluso, mencionar outro texto para dialogar com a sua idia.

    QUESTO 03

    As inferncias sobre a concepo de felicidade podem ser com-provadas pelo texto EXCETO na opo:

    a) A felicidade efmera advm do mero gozo dos sentidos.

    b) A felicidade estica prope a busca e a reflexo sobre a sabedo-ria e a virtude.

    c) A idia de felicidade origina-se da necessidade de auto-enganodos seres humanos.

    d) Os manuais que propalam as leis da atrao como causas dafelicidade so obras de venda fcil.

  • 8 Concurso Pblico 2008 CEFET-MG Tcnico em Laboratrio Eletrnica

    QUESTO 04

    O pensamento de Sneca sobre a esperana pode ser traduzidopela seguinte afirmao:

    a) ela mesma o prprio inferno.

    b) trata-se do ltimo mal a emergir da funesta caixa de Pandora.

    c) emerge para compensar os infortnios que foram libertados.

    d) decepcionar-se, pois no h como escapar dos infortnios davida.

    QUESTO 05

    A opinio do articulista apresenta uso do coloquialismo em:

    a) Trata-se, para sermos honestos com a histria, do resgate deuma abordagem por demais antiga.

    b) Via de regra, interpretamos a esperana na caixa de Pandoracomo uma ddiva emergida para compensar os infortnios queforam libertados. Ser?

    c) sabido que uma postura confiante e entusistica permite umamelhor qualidade de vida e proporciona reaes positivas aosfatos da vida,...

    d) Afinal quem nunca se viu numa situao de pattica espera emrelao quela pessoa amada que pediu um tempo, mas nuncamais nos telefonou?

  • 9 Concurso Pblico 2008 CEFET-MG Tcnico em Laboratrio Eletrnica

    QUESTO 06

    As vrgulas foram utilizadas para separar as oraes adverbiaisem destaque, EXCETO em:

    a) Viver em esperana decepcionar-se, pois no h como es-capar dos infortnios da vida.

    b) E, conforme alerta o filsofo francs, Andr Comte-Sponville, ao longo de sua vasta obra, vale a pena assumiruma postura crtica...

    c) Para entendermos o esprito dessa crtica sponvilliana passividade da esperana, faz-se necessrio um retorno notempo,...

    d) Por mais positivo que pensemos, isso no nos torna imuness eventuais perdas, decepes, tristezas, abandonos, doen-as e percalos.

    QUESTO 07

    O sentido dos articuladores destacados est apresentado correta-mente por seus correlatos em:

    a) No se trata, todavia, de qualquer felicidade, (AINDA)

    b) Tal material vende fcil porque satisfaz a necessidade de auto-engano dos seres humanos. (UMA VEZ QUE)

    c) Ou mesmo de um otimismo carregado de certeza, a parir umsrio desapontamento. (AT)

    d) ... quando fica constatado que, a despeito de toda a expectati-va, o que era desejado no ocorreu? (ASSIM)

  • 10 Concurso Pbli