279 -a_a_y_yo_do_tratamento_do_agulhamento_a_seco_no_controle_da_sindrome_dolorosa_miofascial

Embed Size (px)

Text of 279 -a_a_y_yo_do_tratamento_do_agulhamento_a_seco_no_controle_da_sindrome_dolorosa_miofascial

  • 1

    A ao do tratamento do agulhamento a seco no controle da sindrome dolorosa miofascial.

    Kyssia Roberta Sena Batista de Souza1

    kyssiaroberta25@gmail.com

    Dayana Priscila Maia Mejia2

    Ps-graduao em reabilitao em ortopedia e traumatologia com nfase em terapia manual Faculdade Cambury

    Resumo

    O tratamento do Agulhamento a seco realizado atravs de agulhas estreis de mono

    filamento fino para inserir no ponto-gatilho especifico, resultando numa melhora da

    contratura do msculo afetado, da circulao local, diminuio do edema, disperso dos

    produtos qumicos, at a eliminao dos efeitos nocivos sobre os nervos locais. Esta tcnica

    rpida e com limiar baixo de dor, aps a aplicao ocorre uma reduo da dor e a melhora

    da funo. A Sndrome Dolorosa Miofascial muito freqente na pratica clinica, porm so

    mal avaliadas e principalmente mal tratadas, no entanto sua caracterstica mais comum so

    as dores localizadas nas regies. Desta forma, esta pesquisa tem como objetivo identificar a

    ao do tratamento do agulhamento a seco no controle da Sndrome Dolorosa Miofascial. Palavras-chaves: Agulhamento a seco, Sindrome dolorosa miofascial, Dor.

    1.Introduo

    Segundo Dommerholt (2011) no inicio do ano 1980, Baldry expandiu a prtica do agulhamento a seco superficial e aplicou a tcnica para todos os Pontos-Gatilhos Miofasciais do corpo, obtendo bons resultados empricos tanto nos msculos superficiais como nos profundos. O agulhamento a seco, tambm conhecido como Dry Needling, que caracterizado como um tratamento especifico para desativao de pontos-gatilho, com utilizao de agulhas de acupuntura que so inseridas na pele e msculo, atuando em nvel local, agindo de forma antiinflamatria e a nvel sistmico, liberando endorfinas e outras substncias que melhoram a dor, e promovem o bem estar do paciente. No tratamento so utilizadas agulhas estreis de mono filamento fino, a tcnica rpida e com limiar de dor muito baixa, sendo que logo aps a aplicao da agulha h uma reduo da dor e conseqentemente h uma melhora na funo. A Sndrome Dolorosa Miofascial uma desordem regional neuromuscular caracterizada por presena de locais sensveis nas bandas musculares tensas/contradas que produz dor referida _______________________________________ 1 Ps Graduando em Reabilitao em Ortopedia e Traumatologia com nfase em Terapia Manual. 2 Orientadora: Fisioterapeuta, especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestranda em Biotica e Direito em Sade.

  • 2

    em reas afastadas ou adjacentes. E uma das causas mais comuns de dor msculo-esqueltica e so encontrados nos pacientes que executam movimentos repetitivos, geralmente movimento do brao e da mo, enquanto mantm uma postura desfavorvel do corpo. A dor o sinal de alarme do corpo, onde essencial que as causas subjacentes sejam compreendidas e que seja tratada de maneira mais apropriada e ampla, pois pode ser causada por diversos fatores.

    Richter e Hebgen (2009) definem o ponto gatilho como reas hiperirritveis situados nos msculos, fscias e tendes. Quando estimulados com o toque, desencadeiam dor local, dor remota e tenso muscular. Os pontos gatilhos so divididos em ativo e latente. O ativo definido pela dor perceptvel ao paciente e a latente reconhecida somente quando estimulada, causando limitao de movimentos, desconforto e fraqueza do msculo comprometido. O tratamento dos pontos-gatilhos foi desenvolvido pelos mdicos David Simons e Janet Travell. Portanto o objetivo desta pesquisa identificar a ao do tratamento a seco no controle da Sindrome Dolorosa Miofascial atravs de uma reviso bibliogrfica sistemtica.

    2.Reviso Bibliogrfica

    Agulhamento a Seco

    Dommerholt (2011), afirma que a tcnica agulhamento a seco surgiu empiricamente, em diferentes escolas e modelos conceituais, foram desenvolvidos incluindo o modelo de radiculopatia que uma forma de agulhamento seco profundo e o modelo de ponto-gatilho miofascial uma forma de agulhamento supercifial. Vulfsons (2012), afirma que o agulhamento seco um mtodo relativamente novo no arsenal de remdios contra a dor. A sua utilizao generalizada comeou aps Publicao de Lewit mais de 30 anos atrs. Desde o incio do sculo XXI, a ateno cientfica sria tem sido dada a este mtodo. Agulhamento seco mtodo invasivo com utilizao de agulhas, que cada vez mais, est sendo utilizado para o tratamento de pontos-gatilhos miofasciais. E esta definio de agulhamento a seco devida no ser infiltrada nenhuma substncia no organismo. Consoante Chaitow (1984) as agulhas geralmente so feitas de ao inoxidvel e esterilizadas com um cabo de cobre ou alumnio e devem ser suficiente flexvel para evitar a quebra que poderia ocorrer devido a espasmo muscular aps a insero. Entretanto antes da insero da agulha estril, a regio do corpo do indivduo que ser aplicada dever estar limpa com lcool ou um material antissptico. E Chaitow (1984) refora que as agulhas devero ser examinadas com relao a defeitos antes do uso, se houver alguma anormalidade, dever ser descartada, ou seja, inutilizadas. A agulha dirigida para um local doloroso ou ponto gatilho miofascial em um ngulo de 20-30 com a pele, mas no penetra o tecido do msculo. A tcnica atua apenas nas camadas subcutneas. Nessa altura, a agulha deslocada suavemente e ritmicamente de lado a lado por pelo menos 2 minutos, aps isso, a agulha removida do tubo flexvel, a qual permanece no lugar. A tcnica de agulhamento a seco no deve ser doloroso, como subcutneo so pouco inervados. A presso aplicada com o dedo ou polegar da mo esquerda (a presso da unha pode ser utilizada) na area imediatamente prxima regio da insero. Ao mesmo tempo, a agulha, que deve ser segurada pelo cabo entre o indicador e o polegar da mo direita, inserida e torcida. Pode haver uma dor momentnea quando a agulha penetra na pele, mas depois disso, dever haver apenas uma sensao de volume ou de calor. (CHAITOW, 1984).

  • 3

    Dommerholt (2011), afirma que ao usar a tcnica de agulhamento a seco superficial, Baldry comentou que a quantidade de estimulao da agulha depende de uma capacidade de resposta do indivduo. Em respostas mdias, Baldry recomenda deixar a agulha no local durante 30-60 segundos. Em respostas fracas, a agulha pode ser deixada at 2-3 minutos. A eficcia do agulhamento a seco , em certa medida, dependente da capacidade de palpar preciso ponto gatilho miofascial. Sem as habilidades de palpao excelentes necessrios, o agulhamento a seco pode ser um processo bastante aleatria segmentares esto envolvidos em um determinado indivduo. Os efeitos adversos agulhamento a seco foram usados com segurana para o tratamento de pontos gatilhos miofasciais em pacientes com dor relacionado miofascial e disfuno. No entanto os autores Amirdehi et al. (2013) e Vulfson et al. (2012), afirmam que existem alguns riscos envolvidos neste procedimento pois existe uma mnima chance de infeco, sangramento local, aumento da dor com a rigidez e uma oportunidade rara de pneumotrax induzido com agulhamento. Porm se for utilizado agulhas estreis ir reduzir significativamente a chance de infeco. Amirdehi et al. (2013) diz que em pacientes com problemas cardiovasculares e sangramento ou aqueles que esto tomando medicamentos para o sangue ficar mais fino no sero permitidos a utilizao da tcnica de agulhamento a seco. De acordo com a Associao Parkinson Madrid (2013), tambm sendo contra-indicado para o agulhamento a seco, embora na maioria dos casos so contra-indicaes relativas: - O medo de agulhas intransponveis. - Alergia ao nquel (as agulhas so fabricadas pelo metal). - Problemas de coagulao (mesmo se voc estiver em terapia anticoagulante, o risco de hemorragia). - As pessoas imunossuprimidas (para o risco de infeco). - As pessoas que tm ndulos linfticos retirados (por causa do risco de linfedema). - Hipotireoidismo (para o risco mioedema).

    Dor

    A dor uma sensao perceptiva e subjetiva, de etiologia variada, que cria impotncia funcional, medo, comprometimento psicolgico e que se traduz na diminuio da qualidade de vida do ser humano, sensibilizando e afetando tambm seus familiares. A intensidade da dor ser percebida de forma distinta em cada sujeito, modificada pela personalidade do individuo. A durao, localizao e freqncia da dor so facilmente identificveis, mas no a intensidade e caractersticas da mesma (GABRIEL,2001). Lopes (2003) afirma que em relao dor nociceptiva os estmulos que provocam a ativao dos nociceptivos ou nxicos, e podem classificar-se em mecnicos, trmicos ou qumicos. A principal funo dos nociceptores transformar a energia patente nos estmulos nociceptivos em impulsos nervosos, ou seja, potenciais de ao, e conduzi-los at a medula espinhal. Consoante Baldry (2007) menciona que Hannington-Kiff (1974) descreve que a natureza da dor tem trs componentes principais, tais como: fsico, mental e racional. No componente fsico se determina pela suscetibilidade do sistema nociceptivo de um individuo a um estmulo. O componente racional originado de uma interpretao objetiva da dor no crtex cerebral. E por fim, no componente emocional pela suscetibilidade do sistema lmbico em qualquer estimulo em particular. Para Baldry (2007) temos trs tipos de dor, tais como: dor psicognica, dor neuroptica e dor nociceptiva. A mais comum a dor nociceptiva que a dor quando se desenvolve por causa da ativao primaria e sensibilizao de nociceptores na pele, em um msculo ou em uma vscera. Esto ligados a dor nociceptiva os receptores sensoriais na pele, so eles:

  • 4

    Nociceptores A-delta que esto conectados com os cornos dorsais da medula espinal atravs das fibras nervosas A-delta mielinizadas. Esse nociceptores so ativados por qualquer estmulo mecnico nocivo, como os enviados por instrumento pontiagudo ou uma agulha e por esta razo, tambm so conhecidos como mecanonociceptores de alto limiar, so encontrados principalmente