Click here to load reader

Lição 12 - Cosmovisão Missionária

  • View
    455

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Lição 12 - Cosmovisão Missionária

Lio 8 24 de Fevereiro de 2013 O Legado de Elias

TEXTO UREO

"E desta maneira me esforcei por anunciar o evangelho, no onde Cristo houvera sido nomeado, para no edificar sobre fundamento alheio."(Rm 15.20)2

VERDADE PRTICA

Os crentes que foram alcanados pela graa e vivem pela f, em Jesus Cristo, precisam ter uma viso missionria amorosa e abrangente.3

420 - E desta maneira me esforcei por anunciar o evangelho, no onde Cristo houvera sido nomeado, para no edificar sobre fundamento alheio;21 - antes, como est escrito: Aqueles a quem no foi anunciado o vero, e os que no ouviram o entendero.22 - Pelo que tambm muitas vezes tenho sido impedido de ir ter convosco.23 - Mas, agora, que no tenho mais demora nestes stios, e tendo j h muitos anos grande desejo de ir ter convosco,24 - quando partir para a Espanha, irei ter convosco; pois espero que, de passagem, vos verei e que para l seja encaminhado por vs, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia.25 - Mas, agora, vou a Jerusalm para ministrar aos santos.26 - Porque pareceu bem Macednia e Acaia fazerem uma coleta para os pobres dentre os santos que esto em Jerusalm.27 - Isto lhes pareceu bem, como devedores que so para com eles. Porque, se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais, devem tambm ministrar-lhes os temporais.28 - Assim que, concludo isto, e havendo-lhes consignado este fruto, de l, passando por vs, irei Espanha.29 - E bem sei que, indo ter convosco, chegarei com a plenitude da bno do evangelho de Cristo.Romanos 15.20-29LEITURA BBLICA EM CLASSE

OBJETIVO GERAL

Mostrar que os crentes que foram alcanados pela graa precisam ter viso missionria.

5

OBJETIVOS ESPECFICOSAbaixo, os objetivos especficos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tpico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tpico I com os seus respectivos subtpicos.

I. Compreender a necessidade de termos uma cosmoviso missionria;II. Apontar a necessidade do planejamento missionrio;III. Relacionar as necessidades espirituais da obra missionria.

6

Esboo da Lio

7I - A NECESSIDADE DE UMA COSMOVISO MISSIONRIA (Rm 15.14-21)1. O propsito da misso.2. O agente da misso.3. A esfera da misso.

II - A NECESSIDADE DO PLANEJAMENTO MISSIONRIO (Rm 15.22-29)1. Estabelecer bases.2. Estabelecer intercmbio.

III - A NECESSIDADE ESPIRITUAL NA OBRA MISSIONRIA (Rm 15.30-33)1. A necessidade da cobertura espiritual. 2. A necessidade do refrigrio espiritual.

7

INTERAGINDO COM O PROFESSOREstamos quase concluindo o estudo da Epstola aos Romanos. Na lio de hoje estudaremos o penltimo captulo como continuao do texto anterior, Paulo prossegue tratando a respeito do amor e do respeito que devemos ter para com todos os irmos. Assim, como fomos acolhidos pela misericrdia de Jesus Cristo, precisamos acolher o prximo. Acolher no somente aqueles que fazem parte do Corpo de Cristo, mas tambm os que ainda esto fora e precisam ouvir a mensagem do Evangelho. Paulo dedicou toda a sua vida pregao do Evangelho. Ele procurou anunciar o nome de Cristo e sua graa aos que ainda no tinham ouvido nada a respeito do Filho de Deus. O apstolo pede que a igreja em Roma ore por ele e o ajude na obra missionria, pois, sem a ajuda dos irmos, ele no teria como continuar anunciando a Cristo aos que estavam perdidos.

8

PONTO CENTRAL

O crente precisa ter uma cosmoviso missionria.

9

INTRODUOPaulo j estava chegando ao final da epstola igreja de Roma. Um dos ltimos assuntos tratados por ele havia sido acerca da tolerncia que os crentes maduros devem demonstrar para com os imaturos. A soluo do problema estava em saber equilibrar a liberdade com o amor cristo. Agora, o apstolo deseja expor o que estava em seu corao - o desejo de levar o evangelho da graa de Deus a terras ainda no alcanadas. Os crentes de Roma, membros de uma igreja que fez o mundo inteiro ouvir os ecos de sua f (Rm 1.8), deveriam apoi-lo nesse empreendimento missionrio. Todavia, para que seu intento fosse alcanado, ele sente a necessidade de explicar com maiores detalhes o seu projeto missionrio. o que vamos estudar nesta lio.

10

I - A NECESSIDADE DE UMA COSMOVISO MISSIONRIA (Rm 15.14-21)

1. O propsito da misso.2. O agente da misso.3. A esfera da misso.11

1. O propsito da misso.

O que o apstolo tinha em mente quando reservou esse espao em sua Epstola para tratar a respeito do seu projeto missionrio? Paulo desejava que os crentes romanos compartilhassem do propsito da sua chamada - a converso do mundo gentlico ao Evangelho (Rm 15.16). Algumas observaes so importantes para ajudar no entendimento das palavras do apstolo. Primeiramente, Paulo quer que a igreja o veja como algum que estava prestando um servio de grande relevncia diante de Deus. Este o sentido do termo grego leitougeo (ministro), usado por ele aqui. Em segundo lugar, Paulo desejava tambm que os crentes tivessem conscincia de que esse servio um sacrifcio do qual Deus se agrada. Esse o sentido do termo grego ierourgounta (servir como sacerdote), usado para se referir s cerimnias do sacrifcio levtico. Paulo era um sacerdote de Deus a servio da obra missionria e desejava que os crentes se unissem a ele.12

2. O agente da misso.

O apstolo diz que o seu ministrio de evangelismo era instrumentalizado pelo Esprito Santo. O ministrio de Paulo foi marcado pela atuao do Esprito Santo (1 Co 2.1-4). No h movimento missionrio que se sustente sem a participao efetiva do Esprito do Senhor. Ele que traz o poder de convencimento ao mundo perdido e prova que Jesus Cristo continua vivo. Em palavras mais simples, as credenciais de um ministrio autntico so dadas pelo Esprito Santo. O Movimento Pentecostal uma prova viva de que o Esprito Santo a mais poderosa fora geradora de misses.13

3. A esfera da misso. Paulo informa aos romanos que pregou o Evangelho desde Jerusalm at ao Ilrico. Um mapa da poca nos permite ver que esses eram os pontos extremos do mundo alcanado por Paulo. Agora, ele precisava ampliar a esfera do seu projeto missionrio, pois no queria pregar onde outros j tivessem pregado (Rm 15.20,21). No queria trabalhar sobre fundamento alheio. O campo era o mundo e este se encontrava branco para a ceifa. O modelo de Paulo deve ainda ser o nosso modelo. Infelizmente, o que se observa hoje que muitos esto edificando sobre fundamento alheio, invadindo a esfera de atuao de outros obreiros, coisa que Paulo jamais fez. Esto pregando onde j existem igrejas estabelecidas, s vezes, da mesma confisso de f e no onde h realmente necessidade missionria. Agem movidos pelo esprito de competividade e no de solidariedade14

SNTESE DO TPICO (1) A igreja precisa ter uma cosmoviso missionria abrangente.

15

"Os planos missionrios de Paulo (15.22-33)15.22,23 - Nestes versculos Paulo fala do seu grande desejo de ir a Roma, e diz que tem sido impedido por circunstncias vrias. Entretanto, ele sente que suas atividades missionrias nas regies da Grcia, Macednia e sia Menor, j foram completadas. Ele dera incio tarefa evangelstica e j podia confiar a obra a outros obreiros, a fim de cumprir o desgnio de seu ministrio apostlico.15.24 - 'Quando parti para a Espanha'. Est expressa aqui a viso expansionista missionria do grande apstolo. A Espanha agora era a sua meta, e, para tal, passaria antes por Roma.15.25,26 - Nestes versculos Paulo diz igreja em Roma que antes ter de ir a Jerusalm, acompanhado por vrios irmos na f, das igrejas gentlicas. A viagem tinha um cunho filantrpico, pois levariam as ofertas das igrejas da Macednia e Acaia para os crentes que passavam privaes em Jerusalm" (CABRAL, Elienai. Romanos: O Evangelho da Justia de Deus. 5.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.146). SUBSDIO BIBLIOLGICO

16

17CONHEA MAIS* O desejo de Paulo de visitar a Igreja em Roma"Paulo desejava visitar a igreja em Roma, mas tinha adiado sua visita por ter ouvido inmeras notcias sobre os cristos de l, pois sabia que eles estavam agindo bem por conta prpria. Para o apstolo, era mais importante pregar em regies onde os habitantes ainda no tinham ouvido as Boas Novas".Para conhecer mais leia Bblia de Estudo Aplicao Pessoal, CPAD, p. 1577.

II - A NECESSIDADE DO PLANEJAMENTO MISSIONRIO (Rm 15.22-29)

1. Estabelecer bases.2. Estabelecer intercmbio.18

1. Estabelecer bases.

Um dos princpios bsicos da implantao de um projeto evangelstico feito primeiramente com o estabelecimento de uma base missionria, um ponto de apoio. Paulo sabia que o seu projeto s teria sucesso se a igreja de Roma se tornasse um ponto de apoio: "Quando partir para a Espanha, irei ter convosco; pois espero que, de passagem, vos verei e que para l seja encaminhado por vs, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia" (Rm 15.24). A expresso "seja encaminhado por vs" traduz o termo grego propempto, que ocorre nove vezes no Novo Testamento. Essa palavra segundo o lxico de Bauer significa "ajudar na jornada de algum com alimento, dinheiro, companheiros e meios de viagens." No se faz misses sem esse tipo de apoio.19

2. Estabelecer intercmbio. Paulo no era um calouro na obra missionria nem tampouco um aventureiro em busca de glria humana. Sua vida foi marcada pela entrega aos outros. Em breve ele estaria abrindo outra frente missionria, mas antes deveria terminar outro empreendimento missionrio j iniciado (Rm 15.26). Paulo j havia estabelecido parcerias entre as igrejas. Aqui o intercmbio feito entre as igrejas da Macednia e Acaia e a igreja de Jerusalm. A "igreja me" estava sendo ajudada pelas filhas.20

SNTESE DO TPICO (2)Para que a obra missionria seja realizada com excelncia necessrio que haja planejamento.21

22

SUBSDIO BIBLIOLGICOaulo enfatiza que as igrejas gentlicas so devedoras para com a igreja em Jerusalm, visto que a bno d

Search related