of 65 /65
O RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO Uma Grande mudança na Europa

O renascimento com. e urbano

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: O renascimento com. e urbano

O RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO

Uma Grande mudança na Europa

Page 2: O renascimento com. e urbano
Page 3: O renascimento com. e urbano

• No final da Idade Média (entre os séculos XIII e XV), a Europa passou por transformações sociais, econômicas e políticas de grande importância. O fortalecimento do comércio e o surgimento da burguesia favoreceram o desenvolvimento e surgimento de muitas cidades.

Page 4: O renascimento com. e urbano

Cidade Medieval – Maquete:

Page 5: O renascimento com. e urbano

Cidade Medieval:

Page 6: O renascimento com. e urbano
Page 7: O renascimento com. e urbano

Crescimento urbano

• Muitas destas novas cidades surgiram a partir dos burgos, que eram conjuntos de habitações fortificadas que serviam de residência para os burgueses. Com a dinamização da economia nas cidades, em função do comércio, muitas pessoas começaram a deixar o campo para tentar a vida nos centros urbanos.

Page 8: O renascimento com. e urbano
Page 9: O renascimento com. e urbano
Page 10: O renascimento com. e urbano
Page 11: O renascimento com. e urbano

Cidade Medieval – Perouges - França

Page 12: O renascimento com. e urbano

Tallinn – Estônia:

Page 13: O renascimento com. e urbano

Tallinn:

Page 14: O renascimento com. e urbano

• Portanto, nos séculos XIV e XV, a Europa passou por um importante processo de êxodo rural(saída das pessoas do campo para as cidades).

• Com mais pessoas morando nas cidades européias, as necessidades e transformações aumentaram muito.

Page 15: O renascimento com. e urbano

• Começaram a surgir novas profissões e oportunidades de trabalho. O dinheiro, principalmente moedas de ouro e prata, começou a circular com maior intensidade.

Os cambistas, por exemplo, ganharam espaço na sociedade, pois com o avanço do comércio eram necessárias as trocas de moedas, para o bom funcionamento das relações comerciais entre as várias regiões da Europa. Nesta época, cada cidade ainda possuía um tipo de moeda diferente.

Page 16: O renascimento com. e urbano
Page 17: O renascimento com. e urbano

• Surgiram também os banqueiros para garantir e proteger, com segurança, as fortunas dos prósperos burgueses. Cheques, cartas de créditos e outras modalidades financeiras também começaram a ser utilizadas neste período.

Page 18: O renascimento com. e urbano

Feiras Medievais:

Page 19: O renascimento com. e urbano

Mercado Medieval:

Page 20: O renascimento com. e urbano

• Os artesãos e comerciantes começaram a se organizar como uma maneira de obterem melhores resultados em suas atividades. Os artesãos criaram as corporações de ofício, enquanto os comerciantes estabeleceram as guildas.

Page 21: O renascimento com. e urbano

Ferreiro:

Page 22: O renascimento com. e urbano

Farmacêutico:

Page 23: O renascimento com. e urbano

• Aos poucos, os mercadores e banqueiros, cada vez mais ricos, conquistavam maior status social e passaram a ansiar pelo poder político. A burguesia ganhava prestígio e aproximava-se dos reis, emprestando-lhes dinheiro em troca de medidas políticas favoráveis ao comércio.

Page 24: O renascimento com. e urbano

Banqueiros:

Page 25: O renascimento com. e urbano

• Ao mesmo tempo, os senhores feudais viam-se envolvidos em dívidas, muitas delas aconteceram por causa das grandes despesas com as Cruzadas.

Page 26: O renascimento com. e urbano

• Além de empreendimentos comerciais, o maior contato entre os burgueses e os reis financiou o surgimento de novas universidades. Com a expansão comercial tomou-se necessário encontrar pessoas que entendessem de direito e comércio.

Page 27: O renascimento com. e urbano

Universidade de Cambridge – Inglaterra:

Page 28: O renascimento com. e urbano

Universidade de Oxford – Inglaterra:

Page 29: O renascimento com. e urbano

• A difusão do conhecimento deixou de ser algo exclusivo da Igreja católica - voltado para assuntos teológicos ou religiosos -,passou a ser cada vez mais para as questões comerciais.

Page 30: O renascimento com. e urbano

• Desse modo, o homem passou a se preocupar mais com as coisas terrenas do que com as espirituais. As aulas voltavam-se para os textos clássicos, principalmente os dos gregos e romanos, e as atenções dos estudiosos dirigiam-se a diversas áreas do saber e das artes.

Page 31: O renascimento com. e urbano

• Iniciava-se o Humanismo, movimento cultural que viria a influenciar a Europa por quase três séculos. Até então dominante, o pensamento da Igreja passou a ser questionado por religiosos e filósofos leigos.

Page 32: O renascimento com. e urbano

• Todo esse crescimento, no entanto, sofreu um forte golpe no século XIV, quando a Europa entrou em crise. Mudanças climáticas geraram um grave colapso no abastecimento agrícola.

Page 33: O renascimento com. e urbano

Castelo de Edimburgo – Escócia:

Page 34: O renascimento com. e urbano

• Apesar dos diversos avanços tecnológicos verificados no campo - como a invenção da charrua, da ferradura, a difusão dos moinhos de vento -, as safras não eram suficientes para toda a população européia - que duplicara entre os anos 1000 e 1300. Milhares de pessoas passaram a conviver com o problema da fome.

Page 35: O renascimento com. e urbano
Page 36: O renascimento com. e urbano

Charrua de Madeira

Page 37: O renascimento com. e urbano

Charrua com Metal:

Page 38: O renascimento com. e urbano
Page 39: O renascimento com. e urbano
Page 40: O renascimento com. e urbano
Page 42: O renascimento com. e urbano
Page 43: O renascimento com. e urbano

• Entre 1346 e 1352, para piorar esse quadro, o continente foi assolado pela Peste Negra, uma epidemia decorrente das péssimas condições de higiene das cidades, que matou cerca de 25 milhões de pessoas, mais de um terço da população européia.

Page 44: O renascimento com. e urbano

• A situação ficou ainda mais grave depois que a nobreza da França e Inglaterra deram início à chamada Guerra dos Cem Anos, conflito que se estendeu de 1337 a 1453 provocando grande número de mortos em ambos os países. Outras guerras ocorreram também na Península Ibérica(Portugal e Espanha), na Itália e na Alemanha.

Page 45: O renascimento com. e urbano

A Guerra dos Cem Anos:

Page 46: O renascimento com. e urbano
Page 47: O renascimento com. e urbano
Page 48: O renascimento com. e urbano
Page 49: O renascimento com. e urbano
Page 50: O renascimento com. e urbano
Page 51: O renascimento com. e urbano

Joana D’Arc:

Page 52: O renascimento com. e urbano
Page 53: O renascimento com. e urbano

• Em meio a essa situação de fome, doenças, guerras e mortes, as camadas mais baixas da população sofriam também com a elevada carga de trabalho e com os altos impostos cobrados pelos reis. Todos esses fatores provocaram diversas rebeliões populares em vários pontos da Europa.

Page 54: O renascimento com. e urbano

• Fugindo da exploração, novas levas de servos abandonaram os feudos e dirigiram-se para as cidades, onde passaram a trabalhar como assalariados.

Page 55: O renascimento com. e urbano

• O aumento da importância da burguesia, a expansão do comércio, o aparecimento da mão-de-obra assalariada, aliados ao fortalecimento do poder real - e a conseqüente formação dos Estados nacionais -foram fatores que abalaram de vez a estrutura feudal da Europa e provocaram o fim desse sistema no continente.

Page 56: O renascimento com. e urbano

• No século XV (15), os europeus já viviam sob uma nova ordem socioeconômica: o capitalismo comercial.

• Essas transformações políticas, sociais, econômicas e religiosas marcaram a passagem da Idade Média para a Idade Moderna e produziram reflexos também no campo cultural, em especial das artes plásticas e da arquitetura. Todo esse processo de renovação e cultural também recebe o nome de Renascimento Cultural.

Page 57: O renascimento com. e urbano

• Graças a essa retomada do comércio, muitos europeus deixaram o campo e foram viver dentro dos burgos - vilas fortificadas com muralhas, construídas entre os séculos IX e X (9 e 10) e depois abandonadas -, onde esperavam encontrar melhores condições de vida. Em pouco tempo, contudo, esses lugares tomaram-se pequenos e as pessoas viram-se obrigadas a se instalar do lado de fora de suas muralhas.

Page 58: O renascimento com. e urbano
Page 59: O renascimento com. e urbano
Page 60: O renascimento com. e urbano

Cidade Medieval: Bodiam

Page 61: O renascimento com. e urbano
Page 62: O renascimento com. e urbano
Page 63: O renascimento com. e urbano

Península Ibérica: Espanha e Portugal

Page 64: O renascimento com. e urbano
Page 65: O renascimento com. e urbano

A Europa em 1430: