Pedro Kupfer Katha Upanishad

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Nesta segunda entrega dos Cadernos de Yoga, convido nosso amigo leitor para refletir sobre a história do jovem Nachiketas, que representa o buscador da verdade, na narração da Katha Upanishad, um dos livros mais antigos que existem sobre a realização espiritual...

Text of Pedro Kupfer Katha Upanishad

1 Kaha Upaniad: h vida alm da morte? Traduo e apresentao por Pedro Kupfer. Nesta segunda entrega dos Cadernos de Yoga, convido nosso amigo leitor para refletir sobre ahistriadojovemNachiketas,querepresentaobuscadordaverdade,nanarraoda Kaha Upaniad, um dos livros mais antigos que existem sobre a realizao espiritual. AsUpaniadsconstituemumadasfontesmaisprofusasdesabedoriareveladas Humanidade.normalque,aoouvirmosisto,saiamoscorrendoprocuraralguma traduo destes stras para mergulharmos na leitura. igualmente comum que fiquemos frustrados por no entender sua linguagem, e que concluamos que as Upaniads so pura filosofia, acabando por irmos procurar esse conhecimento em algum outro lugar. Istoaconteceporquemuitosdostextoshindusestoescritosemumalinguagemmtica e simblica,cujaschavesdedecifraoseencontramnumaculturaantiqssimae radicalmente diferente da nossa.Portanto, sentir-se frustrado ao no entender uma leitura dessas um fato normal embora infeliz,poisasUpaniadsnosoferecemdicasprecisasemuitoprticaspararealizaro propsito supremo da existncia. Elas respondem s duas principais perguntas que um ser humano pode fazer-se:Qual o propsito supremo da vida? Como posso realiza-lo? Porm, conseguir fazer as perguntas certas menos da metade da tarefa. A Kaha Upaniad respondeessasduasperguntascolocandooquestionadorfrenteafrentecomarealidade davidaemostrandoclaramenteocaminhoaserpercorrido.Narraoencontroentre Nachiketas e o Senhor da Morte, Yama.Esta Upaniad, chamada igualmente Khakopaniad, pertenceescolaTaittiryadoYajurVeda.Datado primeiromilnioa.C.econtm,emforma embrionria,elementosdacosmogoniaSkhya. Constadedoiscantos,comtrscaptulos(vallis) cada.Usa-sedeumaantigaalegoriadogVeda(X: 135) como moldura para o encontro definitivo entre o mestre perfeito, a Morte, e o discpulo ideal, um jovem adolescente sedento de sabedoria.O incio da Kaha Upaniad poder lembrar-lhe um conto de fadas mas, diferentemente dos contosinfantis,existeumaliobemprofundaportrsdela.Lembrodeumafrasedo A Kaha Upaniad responde asperguntas essenciais colocando o questionador frente a frente com a realidade da vida e mostrando claramente o caminho a ser percorrido. 2 rabino Nachman (1772-1810), de Bratislava (Eslovquia): "Muitas pessoas acreditam que as estrias so contadas para fazer as pessoas dormir. Eu conto as minhas para acord-las." OjovemNachiketasoferecesuaprpriavidaaoacharqueasoferendas(algumasvacas magras) queVjasravasa,seupai,pdereunireramindignasdeumpjdecente:Pai,a quemmedarsemsacrifcio?Peranteainsistnciaimpertinentedofilho,Vjasravasa responde,literalmente:Vparaoinferno!Portanto,Nachiketasempreendesozinhoa viagem ao reino da Morte.Paraentendermosoporqudoinciodajornadaqueojovemempreende,cabelembrar queapalavraempenhadatem,naculturahindu,umpesoquenoencontraparalelona nossa.Seopaidisseoquedisse,ofilhoprecisacumprireponto.Nohnenhum questionamento ulterior possvel. Acontece,porm, queYamaestausenteeo jovemprecisaaguardarsuaportaportrs dias e trs noites sem comer. Ao voltar, o deus percebe que, como Nachiketas no recebeu as homenagens a ele devidas, como hspede e vtima de um sacrifcio, gerou uma dvida que decide pagar concedendo-lhe trs pedidos. Nachiketaspedeemprimeirolugarpodervoltarparacasaeparaseupai,feliz.Em segundolugar,pedeparaentenderosignificadoocultodoritualdofogo.Emterceiro lugar, busca saber o mistrio da vida alm da morte. Odeusconcede-lheosdoisprimeirospedidos,mastestaojovememrelaoaoterceiro, oferecendo-lhe,emtrocadele,muitossculosdevida,inmerosdescendentes,riquezas inimaginveis e mulheres belssimas, fora do alcance dos mortais.No entanto, Nachiketas persevera em sua idia original, pois sabe que as coisas percebidas pelos sentidos so transitrias, e ele est em busca do conhecimento eterno.As coisas do mundomaterialsoinsignificantesesemvalorparaele.Yama,impressionadopela determinaodojovem,aquiesceemlheensinar.EntoYamafala-lhesobreovalor absoluto que ns, ignorantes, colocamos em coisas finitas e relativas: Apassagem[amorte]noestclaraparaaquelescom mentalidadeinfantil,ofuscadospelasilusesdomundomaterial. Pensandoesteomundoreal!Nohnadaalmdele!,eles voltamvezesemaisvezesaficarsobmeucontrole[continuam presosnarodadosasra,ciclodemorteserenascimentos sucessivos]. II:6 3 AquiYamaabordaaquestomatria/espritode maneiratodiretaquepodeparecer incompreensvelparaoleitordesatento.Quando Yamadizquetempessoascommentalidade infantil,querdizerquelevamosnossavidinha materialmuitoasrio,chorandoquandonossos brinquedosquebram,nosassustandocomfilmes violentos,nosemocionandocomtelenovelas,nos preocupando com futilidades. Depois, o deus instrui o jovem sobre a natureza da alma e o processodeconhecimentodoqueestalmdela,numaprogressognosiolgicaque lembra bastante a cosmogonia da filosofia Skhya. Somoscrianasgrandes.Crianasnoparquedediverses.Onicoquemudaque, conformecrescemos,nossosbrinquedosvoficandomaioresemaiscaros.Estamosto absorvidospelascoisasdomundomaterialquenoconseguimossequersuspeitaroque existe alm dele. por isso que continua sendo mais fcil falar sobre o que a vida espiritual no , ao invs de falar sobre o que ela . Participando de uma conversa com um yogi realizado, lendo um livroouassistindoumapalestra,podemosnosfazerumaidiadoquehajaportrsdo mundo material.No entanto, existe uma enorme diferena entre, por exemplo,lerumlivrosobreandiaefazeruma viagem para a ndia. Para viver a ndia, precisamos viajaratl,oque,porsuavez,requerque tenhamosnosomenteavontade,mastambmos meiosmentaisemateriaisparafazermosaviagem. Quandoestamosprontosparaajornada,deixamosdesercrianas.Navidaespiritual igual.Noinciosomostodoscrianas.Notemosexperinciaparasaberqueomundono unidimensionaleestamosaprioridesculpadosporisso.Senossosnicoscontatosforem comoutrascrianasquetambmdesconhecemaprofundidadedaexistncia,ficaremos semprenomesmonvelecontinuaremosavivernossasvidasachandoqueafelicidade depende de nossos brinquedos. As diferentes experincias criam impresses na mente que no nos permitem transcender omundounidimensional,eacabamospornostransformaremcrianasgrandes, mantendointactasaignornciaeacondutainfantil.Assim,omundolimitadoque acabamoscriandoparansmesmosatravsdasnossasconquistasederrotasnoplano Levamos nossa vidinha material muito a srio, chorando quando nossos brinquedos quebram, nos assustando com filmes violentos, nos emocionando com telenovelas, nos preocupando com futilidades. Somos como crianas no parque de diverses. O nico que muda que, conforme crescemos, nossos brinquedos vo ficando maiores e mais caros. 4 material,transforma-senanossanicarealidade,naqualficamosgirandoegirando, presos no nosso parquinho de diverses particular. E assim, a vida vai passando... Comovocperceberpelotomnofinaldestaprimeiraparte,aKahaUpaniadparece concluir-seaqui.OeruditoS.Radhakrishnansugerequeasegundaparte,comseustrs captulospodeserumaadioposterior.Essasegundaparteserpublicadanoprximo numerodosCadernoseconstituiumaunidadeemsiprpria,comummtododeYoga bastante mais tcnico e detalhado que o que aparece na primeira parte. Assimcomoemoutrastraduesquefizemosanteriormente,utilizamosorecursode reconstituio de texto usando colchetes. Por razes de espao, estamos suprimindo nesta entregaatranscriodotextooriginalnoalfabetodevangar,bemcomoatransliterao correspondente,queserodisponibilizadasbrevementenanovabibliotecaonlinedosite www.yoga.pro.br. Boa leitura! 5 Kaha Upaniad + H Tl 9|+97 + || atha kahopaniad || Aqui, inicia-se a Kaha Upaniad V Br +l446 Br +l + Br4l4T4l4r 6 =|F4 +l4l6PF6 Pl |4|9l4r + V Hl|-6- Hl|-6- Hl|-6-+ o saha nvavatu | saha nau bhunaktu | sahavrya karavvahai | tejasvi nvadhtamastu | m vidvivahai || o nti nti nti || INVOCAO DA PAZ. O. Que Ele proteja ns dois. Que Ele esteja feliz conosco.Que possamos trabalhar juntos com vigor. Que nosso estudo nos ilumine.Que nunca haja inimizade entre ns. O. Que haja paz, paz, paz. Parte I Canto 1 V 7H+r 44l=~4B- B4 4 7B77l 6F4 r +|T 6l +lP 9 HlB+ + o uan ha vai vjaravasa sarvavedasa dadau | tasya ha naciket nma putra sa || 1|| NACHIKETAS ENTREGUE MORTE. Conta-se que uma vez, com grande zelo, o brmane Vjravasa doou tudo o que possua [para obter mrito espiritual]. Ele tinha um filho chamado Nachiketas. 6r T PlB-67|1HTlB+l4Pl+lB~&l|44 H Bl 5P-46+ -+ ta ha kumra santa dakisu nyamnsu raddhvivea so'manyata || 2|| Enquanto os presentes eram doados aos sacerdotes, entusiasticamente a confiana fez-se presente nele que, [embora fosse muito jovem,] pensou: 9l6l 7Tl =6 Tl T7l rl |+||-4l- H+-7l +lP 6l TlF6l+B 7|6 6l 776 + + ptodak jagdhat dugdhadoh nirindriy | 6 anand nma te lokstn sa gacchati t dadat || 3|| Beberam sua gua. Comeram sua grama. Seu leite foi ordenhado. Sua vitalidade foi exaurida. Qual o mrito em doar essas [velhas] vacas? Certamente, sem alegria o lugar para onde v quem d esses presentes sem valor. B rl 4l |9666 TFPPl7lF4Bl|6 |6l46 6l46rl 4l P t44t4l 77lPl|6+ v+ sa hovca pitara tata kasmai m dsyasti | dvitya ttya ta hovca mtyave tv dadmti || 4|| Ento, dirigindo-se a seu pai, disse-lhe vezes e mais vezes: Pai, para quem voc me dar em sacrifcio? Seu pai, [cheio de clera,] lhe respondeu: Dar-te-ei para a Morte! 4r+lP |P 9Pl 4r+lP |P P\4P- |T|F4HPF4 T6 -44-P4l5H T|!4|6+ -+ bahnmemi prathamobahnmemi madhyama | ki svidyamasya kartavya yanmay'dya kariyati || 5|| NACHIKETAS NA CASA DA MORTE. [Nachiketas pensou: Ao encontro da Morte] vou, o primeiro dentre muitos que morrero, em meio a muitos que esto morrendo. Que far a Morte comigo hoje?. H+ 974 4l 9 49|6974 6l59 BF4|P4 Pt4 - 946BF4|P4l=l469 +-+ + anupaya yath prve pratipaya tath'pare | sasyamiva martya pacyate sasyamivjyate puna || 6|| Olhando para frente, vejo os que j morreram. Olhando para trs, vejo os que ainda esto vivos. Como o gro, o homem nasce. Como o gro, renasce novamente. 4 Hl+- 9|4Ht4|6|l OTl rl+ 6F4 6lHl|-6T 4 |-6 r 4 4F46l 7TP + + vaivnara praviatyatithirbrhmao ghn | tasyait nti kurvanti hara vaivasvatodakam || 7|| Um hspede que entra em casa de seu anfitrio, como uma chama brilhante, deve ser bem recebido. Prepara a gua para as oferendas, Filho do Sol! 7 HlHl96l1HB 6