RASTROS DAS LINHAS MENORES DE ESCRITA .7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Fotografia 1 - Registro da classe

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of RASTROS DAS LINHAS MENORES DE ESCRITA .7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Fotografia 1 - Registro da classe

  • 0

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM EDUCAO-MESTRADO

    REA DE CONCENTRAO EM EDUCAO

    Fabiane Olegrio

    RASTROS DAS LINHAS MENORES DE ESCRITA

    Santa Cruz do Sul, maro, 2011.

  • 1

    Fabiane Olegrio

    RASTROS DAS LINHAS MENORES DE ESCRITA

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao

    em Educao Mestrado. rea de concentrao em

    Educao, Universidade de Santa Cruz do Sul, como

    requisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em

    Educao.

    Orientadora: Dr Betina Hillesheim

    Santa Cruz do Sul, maro de 2011.

  • 2

    Aos amores de uma vida.

    Tadeu e Janete.

  • 3

    AGRADECIMENTOS

    Em especial minha orientadora professora Betina Hillesheim que acompanhou atentamente a

    trajetria desta escrita. Sua sensibilidade, generosidade e amizade sempre estiveram presentes

    nos nossos bons encontros. Neste processo de estudo aprendi muito atravs do seu jeito

    simples e afetuoso de ser. Para mim, representa o exemplo de pessoa querida e de profissional

    competente.

    Aos meus queridos pais, Tadeu e Janete, meus eternos professores. Meus amores

    incondicionais.

    Ao Claudio, meu companheiro, que no mediu esforos para me auxiliar. Pela ateno e

    cuidado. Pela compreenso e incentivo.

    Agradeo ao bando de pesquisa: as minhas colegas Liane Regina Bergesch, Marcele Bald,

    Isolde Stmer, Roselene Knig, Rosmeri Herdina e as funcionrias Rosangla Lenhardt e

    Mrcia Rambo por aceitarem o desafio em cartografar as linhas e os rastros menores de

    escrita dos estudantes. Em especial, colega Rosmeri Herdina que aceitou fazer a reviso

    ortogrfica deste trabalho.

    s minhas colegas e amigas da linha de pesquisa Identidade e Diferena na Educao do

    Programa de Ps-Graduao, Mestrado em Educao da UNISC. Em especial: Cristiane

    Becker Beise, ngela da Silva e Raquel Frhlich. Tambm no poderia esquecer a amiga

    querida Michele Idaia dos Santos que, mesmo estando em outra linha de pesquisa, me faz

    pensar atravs das suas inmeras perguntas.

    Aos professores da linha de pesquisa Identidade e Diferena na Educao- UNISC, Mozart

    Linhares da Silva e Cludio Jos de Oliveira, e a secretria do Programa e tambm amiga

    Daiane Isotton, que muitos galhos quebrou nos dois anos de convvio.

    s amigas Neila Grgen e Luciana Rodrigues, irms de alma que instigaram esta escrita,

    trazendo contribuies, sugestes, indicaes de livros e alegria potica a cada palavra.

    s professoras Anglica Vier Munhoz e Dinamara Feldens, pelas indicaes de outras rotas

    filosficas baseadas no pensamento da diferena e, especialmente aos bons encontros

    provocados pela maneira bela que afectaram a minha vida.

    professora Luciana Grupelli Loponte, pelo carinho e tambm pela oportunidade concedida

    de estudar em grupo alguns conceitos foucaultianos durante as aulas na FACED/UFRGS.

    Tambm agradeo CAPES- Fundao Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de

    Nvel Superior- pela bolsa de estudos.

  • 4

    Persigo algumas palavras. So to belas que quero

    coloc-las em meu poema...Agarro-as no vo, quando vo

    zumbindo, e capturo-as, limpo-as, aparo-as, preparo-me

    diante do prato, sinto-as cristalizadas, vibrantes,

    ebrneas, vegetais, oleosas, como frutas, como algas,

    como gatas, como azeitonas (NERUDA, 2000).

  • 5

    RESUMO

    Esta dissertao produzida a partir da perspectiva da filosofia da diferena e de suas interlocues com a Educao, Arte e Filosofia. Lana um olhar desassossegado s escritas de estudantes que esto sobre as classes, nas portas dos banheiros da escola, s margens do caderno, nas paredes na sala de aula e nos versos de trabalhos avaliativos. Partindo do objeto, escrita de alunos (as), tenta ensaiar respostas s questes: h outras maneiras de escrever na escola que escapem s formas e s convenes institucionais da escrita formal? De que modo as escritas podem produzir modos de subjetivao? Estas escritas so entendidas aqui como menores; ao se agenciar com as potncias marginais, annimas e infames, subvertem a escrita escolar baseada no modelo da representao instituda pela educao maior. Para tal empreendimento, so utilizados alguns conceitos da filosofia de Gilles Deleuze, Flix Guattari e de Michel Foucault, tentando tecer junto deles as tramas e as teias desta pesquisa, que busca incansavelmente as sadas, as adjacncias e as brechas por um ensaiar com a escrita. Desta maneira, busca-se tensionar em linhas moleculares as amarras do para ento possibilitar a inveno de outros modos para a escrita. Neste sentido, pretende-se desacomodar o que estava posto de forma natural, apostando na problematizao da escrita atrelada aos modelos institudos e dos padres que legitimam a sua automatizao atrelada s noes de verdade/saber que, apregoadas pela educao maior, so reproduzidas na escola. A escrita menor neste trabalho se contrape aos interesses de uma escrita homognea, representacional e redentora. Deste modo, tenta combater a lgica da representao, desestabilizando as pretenses totalizantes e universalizantes que se conferem s normas e aos estatutos do regramento para o bem escrever. A presente dissertao fala das possibilidades outras em pensar a escrita dos estudantes para um alm do bem e do mal.

    PALAVRAS-CHAVE: Filosofia da diferena, ensaio, menor, linhas moleculares,

    subjetivao.

  • 6

    ABSTRACT

    This work has been developed from the perspective of philosophy of difference and its interlocutions with Education, Art, and Philosophy. It focuses on students writings found on desks, doors of school restrooms, notebooks, classroom walls, and back of tests and papers. From this object students writings , this work has attempted to answer the following questions: Are there other ways to write at school that escape from institutional formats and conventions of formal writing? How can those writings produce modes of subjectivation? These writing are understood here as something minor; on connecting with marginal, anonymous, infamous potencies, they subvert the school writing that is grounded on the representation model instituted by the major education. Some concepts from philosophy by Gilles Deleuze, Felix Guattari and Michel Foucault have been used in an attempt to weave the web of this research, which restlessly searches for exits, adjacencies and breaches for writing rehearsal. It attempts to tighten, in molecular lines, the ties of being in order to foster the invention of other forms of writing. In this sense, this study aims at disarranging what has been naturally given, betting on the problematization of writing in accordance with instituted models and patterns that have legitimated its automation linked to truth/knowledge notions that, by being advocated by major education, have been reproduced at school. In this work, minor writing opposes interests of homogeneous, representational, redemption writing. This study tries to fight the representation logic, thus unstabilizing totalizing, universalizing pretensions that have been assigned to norms and rules of good writing. This study has approached other possibilities of thinking about students writing that go beyond good and evil.

    KEY WORDS: Philosophy of difference, rehearsal, minor, molecular lines, subjectivation.

  • 7

    LISTA DE ILUSTRAES

    Fotografia 1 - Registro da classe do aluno, escola do municpio de Santa Clara do Sul..........40

    Fotografia 2 - Classe do aluno. Vida Loka, escola municpio de Santa Clara do Sul...........41

    Fotografia 3 - Parede da sala de aula (Fundo), escola municpio de Santa Clara do Sul........42

    Fotografia 4 - Porta do banheiro feminino, 2 andar da escola do municpio de Lajeado........46

    Fotografia 5 - Porta do banheiro feminino, 1 andar da escola do municpio de Lajeado........47

    Fotografia 6 - da parede do banheiro feminino da escola do municpio de Lajeado................49

    Fotografia 7 - Classe do aluno da escola do muncpio de Lajeado...........................................52

    Fotografia 8 - 1 andar da escola do muncpio de Lajeado.......................................................52

    Fotografia 9 - 1 andar da escola do municpio de Lajeado. Entrada da sala de aula...............53

    Fotografia 10 - Parede interna da escola do municpio de Lajeado..........................................55

    Fotografia 11 - Porta da escola do municpio de Lajeado. Assinatura com a identificao da

    turma.........................................................................................................................................59

    Fotografia 12 - Classe da escola do municpio de Santa Clara do Sul......................................62

    Fotografia 13 - Classe da escola do municpio de Lajeado.......................................................64

    Fotografia 14 - Classe da escola do municpio de Lajeado.......................................................66

    Fotografia 15 - Parede do 1 andar da escola do municpio de Lajeado...................................73

    Fotografia 16 - Parede de banheiro feminino (1 andar) da escola do municpio de Lajeado..75

    Fotografia 17 - Fotocpia do caderno do aluno de 7 srie do ensino fundamental da escola do

    municpio de Santa Clara do Sul...............................................................................................79

    Fotografia 18 - Fotocpia do caderno do aluno da 8 srie do ensino fundamental da escola do

    municpio de Santa Clara do Sul...............................................................................................81

    Fotografia 19 - Classe de aluno da escola do mu