ARINOS - EDIÇÃO 905

  • View
    221

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Desde 1997 o Jornal Arinos é o mais expressivo veículo de comunicação de Nova Mutum (MT), tendo acompanhado o desenvolvimento social, político e econômico da região.

Text of ARINOS - EDIÇÃO 905

  • NOVA MUTUM19 - 25 de Abril de 2012Edio n 905, ano 15 DISTRIBUIO GRATUITA

    A VERDADE LETRA A LETRAA VERDADE LETRA A LETRA

    Segunda Sexta12h00

    Canal 9

    Inscries para 2 Corrida do Trabalhador seguem at o dia 26

    Audincia debate revitalizao da Avenida Mutum

    Pg. 06

    Pg. 04

    Pg. 09

    Cmara aprova cooperao entre prefeitura e organizao alem

    Pg. 03

    Gerao Y criativa, ansiosa e

    baseada em relaes de igualdade

    Pg. 11

    Motociclista morre aps bater em carro

  • Atualizao de CadastroEsto sendo convocadas, pela Secretaria de Ao e Promoo Social, 186 famlias da terceira e quarta etapa do Loteamento Edelmina Querobin Marchetti, a m de que atualizem seu cadastro junto ao rgo. A medida necessria para que, posteriormente, sejam assinados os contratos requeridos pelo Programa Minha Casa, Minha Vida do Governo Federal.As unidades habitacionais, alvo da convocao, so as de 36,07 metros quadrados que tiveram seu cadastro realizado nos anos de 2009 e 2010. No ano passado, as duas primeiras etapas foram iniciadas com previso de entrega das casas para o prximo ms de fevereiro.O prazo para a atualizao de dados como telefone e endereo atual se encerram no dia 31 de janeiro e caso o contemplado no os atualize poder ceder o benefcio ao cidado constante na lista de espera.Vale ressaltar que no momento da assinatura do contrato com a Caixa Econmica Federal o bene cirio no poder apresentar restries de crdito junto ao Sistema de Proteo ao Crdito (SPC).A lista com as famlias convocadas se encontra a xada nos postos do Programa de Sade da Famlia (PSF), Cmara de Vereadores e na Prefeitura, sendo possvel tambm consult-la em www.novamutum.mt.gov.br . Coleta de DocumentosO Departamento de Planejamento e Desenvolvimento Urbano estar promovendo entre os dias 30 de janeiro e 1 de fevereiro a coleta de documentos na Comunidade Rancho para atualizar o cadastro dos imveis da regio, com vistas lavratura das escrituras de regularizao fundiria.So requeridos os seguintes documentos para a atualizao: RG, CPF, comprovante de residncia e certido de casamento, caso o estado civil seja casado. Ainda, ser necessrio apresentar os documentos dos imveis, tais como contrato de compra e venda, permuta, entre outros.Quarenta hectares so ocupados pelo ncleo urbano e esto registrados em nome do municpio que tende a repassar a posse do terreno aos moradores.

    jornalarinos@grupoarinos.com.br

    (65) 3308.2222 Redao/Comercial

    EXPEDIENTEDiretor Geral. Claudio Prestes Diretor Administrativo. Andrei Mariotti Reportagem. Kleber Gutierrez, Poliana Chaves, Silvio Mori (MTB 844/MS) Diagramao. Bruna Alves

    Editado e distribudo porBFF Gr ca e Comunicao. Endereo: Rua dos Cedros, 39 N, Centro, CEP 78450-000, Nova Mutum, MT. O Jornal Arinos im-presso na Gr ca ImpreNorte.

    Circulao. Nova Mutum e regio. Tiragem. 1 mil exemplares.

    WWW.GRUPOARINOS.COM.BR19 - 25 de ABRIL DE 201202

    EDITORIAL

    Assaltantes que aterro-rizam famlia, acidente que termina em morte, cursos de quali cao, audincia pbli-ca e corrida. Sim, todos es-ses temas esto presentes na edio 905 que est em suas mos ou na tela de seu computador.

    Contudo, no h como deixar de comentar os dois casos apresentados na edi-toria de geral. No primeiro deles, uma possvel impru-dncia e mais uma vida se vai. Jeandilson de Souza Almeida, 22 anos, conduzia uma moto e acabou falecen-do no hospital, aps colidir com um carro na Rua dos Cedros. O mesmo foi sepul-tado na tera-feira (17).

    Trs assaltantes apro-veitaram um porto aberto e aterrorizaram uma famlia. Na fuga, acabaram encon-trando a polcia e trocaram tiros. Um deles foi alvejado na cabea, costas e brao esquerdo, transferido para Sorriso e retornou em pouco tempo para a Cadeia Pblica de Nova Mutum.

    Na poltica, o Poder Exe-cutivo teve apoio proposta de cooperao tcnica com uma organizao alem de boas prticas agrcolas. J no Congresso, as operado-ras de telefonia mvel culpa-ram as prefeituras pela bu-rocracia que resulta em m cobertura do servio.

    Uma audincia pblica debate, na sexta-feira (20), a revitalizao da Avenida Mutum. A ideia contar com o apoio da populao antes das mudanas comearem a ser implantadas.

    Cursos de quali cao para o ingresso de adoles-centes no mercado de tra-balho tambm esto nesta edio, bem como informa-es quanto a 2 Corrida do Trabalhador, que inscreve os participantes at o dia 26.

    Volto a lembrar voc lei-tor que possvel participar de nossas edies enviando fotos, sugestes de matrias e crticas atravs do e-mail: jornalarinos@grupoarinos.com.br ou do telefone (65) 3308.2222.

    Boa leitura!

    O estresse no ambiente corporativoPor Mari Cordeiro

    So constantes as pesquisas que mostram o quanto o nvel de estresse prejudica a vida dos executivos. Embora o Brasil esteja em 30 lugar no ranking mundial de acordo com pesquisa do International Busi-ness Report (IBR), o ndice saltou de 9% para 19% no ltimo ano em So Paulo. O fato que o ambiente corpora-tivo exige pro ssio-nais brilhantemen-te competentes - o que os deixa ainda mais estressados.

    As competncias so diversas e en-globam no s as tcnicas, mas tam-bm as comporta-mentais. Ter experi-ncia e saber fazer j no mais su -ciente. necessrio extrapolar as metas, ser simplesmente perfeito! Toda esta carga literalmente de tirar o sono. Tan-to que uma enquete da revista Voc S/A, de abril de 2012, revela que 61% da populao sofrem de insnia em de-

    corrncia principal-mente de ansieda-de e preocupaes com o trabalho.

    Como o mercado competitivo na-tural que as empre-sas estabeleam objetivos altura e cabe aos gesto-res tomar medidas humanas para al-can-las. As ava-liaes de desem-penho baseadas nas competncias da empresa reve-lam o que o pro s-sional faz e em que nvel.

    A armadilha est em querer colocar foco naquelas que esto baixas ou tor-nar todas num nvel elevado. Uma sa-da possvel ter as competncias prin-cipais para a fun-o bem mapeadas e acordadas entre gestor e liderado. Assim, o pro ssio-nal tem maior cla-reza de onde colo-car o foco para seu desenvolvimento. papel do gestor no economizar em fee-dback adequado e motivador para que as rotas sejam cor-rigidas.

    A ansiedade to

    experimentada ul-timamente mostra quanta insegurana permeia a carreira do executivo. O pe-rigo que com toda a correria no se sabe ao certo o des-tino que se almeja - mal se tem tempo para almoar! Fazer um check-up m-dico e ver os lhos crescendo prati-camente tarefa para o m de semana.

    O medo de per-der o emprego faz com que as pesso-as liguem o piloto automtico e sigam com a crena de que este o me-lhor caminho, mas todos perdem com isso. Os lhos cres-cem, a sade enfra-quece, a realizao se dissipa at que um dia outro ocu-pe o seu lugar. A empresa perde um pro ssional engaja-do. O gestor precisa correr atrs de um novo pro ssional. A equipe ao redor ca insegura. Os resul-tados j no esto to certos.

    A grande questo est em ter o con-trole nas mos. As competncias que

    fazem a diferena neste momento so relacionamento e negociao. de-ver de cada indiv-duo ter sua meta de carreira de nida, plano de ao bem desenhado e mui-tos planos de con-tingncia. Deve-se acordar com seu gestor as expecta-tivas, possibilida-des de realizao em capacidade e tempo. Vale lembrar que exigir alm do real para uma pes-soa pode ser ca-racterizado como bullying, uma vio-lncia psicolgica.

    No d para o pro ssional delegar a responsabilidade de sua carreira - e muito menos de sua vida e felicidade - nas mos da empre-sa. Tambm no d para o gestor atri-buir exclusivamente ao seu colaborador a responsabilidade de competncias surpreendentes.

    Faz parte das atribuies de um gestor saber avaliar a condio para seu liderado executar uma tarefa, criar um ambiente favorvel,

    oferecer ferramen-tas para que ele possa se desenvol-ver e reconhecer as evolues conquis-tadas.

    medida que cada parte assu-me sua responsa-bilidade possvel estabelecer metas justas e realizveis. Ao se ter clareza do que esperado e a partir do autoconhe-cimento ca mais fcil empregar ener-gia em aes mais assertivas. A em-presa capaz de fazer a gesto ade-quada tendo cada pro ssional no lugar certo. E o gestor j pode se preparar para o prximo pas-so em sua carreira, a nal estar prepa-rando o seu suces-sor. Ambos, sem es-tresse, conseguiro desfrutar de uma vida pessoal e pro- ssional muito mais saudvel.

    Mari Cordeiro psicloga e diretora executiva da M&S, consultoria especia-lizada em desenvol-vimento humano.

    Vidas em brancoAntonio Jorge Rettenmaier

    Tem pessoas que tentam a vida intei-ra transformar suas vidas em pginas negras nas vidas dos outros. E na maioria das vezes, por motivos banais e irresponsveis ou quem sabe, at demncia. A xa-o com o tempo vira obsesso, e a obsesso, doena. Sem cura, e sem re-sultados. Sempre o mais difcil de acei-tarem de que os

    alvos acabam res-surgindo das cinzas, como Fnix. E seus novos brilhos ainda mais intensos, dei-xam o escuro ainda mais obscuro. Seria como se atirsse-mos bombas contra o sol. Provocariam choque inicial, mas receberiam de vol-ta um brilho ainda mais intenso, au-mentado com a for-a de sua exploso.

    O ser humano incapaz de enten-der de que as e-chas de fogo joga-das podem voltar

    com a fora do tem-po e do vento. E vo arder. Mais forte do que quando joga-das. Em tempos em que se fala tanto de sonhos de consumo, h aqueles que tm como, destruir vi-das. Mas esquecem de que seu tnel ca cada vez mais profundo e com cada vez menos luz. A pouca que ainda tinham, jogaram em direes erradas.

    Como podem al-gumas trincheiras ser to difcil de serem destrudas?

    Pelo simples fato de s um estar em guerra. O outro est em paz. Consigo mesmo e com a vida. Uns tentam a vitria e somam derrotas. Buscam a rendio, mas jamais vero a bandeira branca. Esta s aparecer sim ao nal