Patologia e Saneamento das construções

  • Published on
    31-Oct-2014

  • View
    171

  • Download
    7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

esse trabalho fala de todas as patologias na construo civil e seus possveis saneamentos

Transcript

Instrutor Tony Mine

1

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

2

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

3

Fissuras e Patologia nas Edificaes...

Como identificar? Como solucionar?

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

4

CONTEDO PROGRAMTICOo Trincas e fissuras em edifcios; o Trincas de origem trmica; o Trincas e fissuras por ao de sobrecargas e deformaes excessivas da estrutura; o Patologias decorrentes da umidade; o Patologias em madeira;

o Patologias em estruturas de concreto armado;o Patologias oriundas do recalque de fundaes; o Principais patologias dos sistemas de pintura;

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

5

TRINCAS E FISSURASO problema das trincas um dentre os muitos problemas que afetam os edifcios, cujo aparecimento tem trs aspectos fundamentais, que so: aviso de um eventual estado perigoso da estrutura, comprometimento do desempenho da obra em servio e o constrangimento psicolgico que causa aos seus usurios. sabido que as obras de restaurao ou reforo so muito dispendiosas, porm nem sempre solucionam o problema definitivamente. Muitas vezes, incompatibilidades entre os projetos de arquitetura, estrutura e fundaes conduzem a tenses que superam a resistncia dos materiais, em sees particularmente desfavorveis, originando fissuras.PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES6

TRINCAS E FISSURASAinda muito comum no Brasil, a falta de dilogo entre os projetistas acima citados e os fabricantes de materiais. Aliadas a essa incompatibilidade esto: a interferncia dos projetos de instalaes, as falhas de planejamento, a carncia de especificaes tcnicas, ausncia de mo de obra bem treinada, deficincia na fiscalizao e polticas de prazos e preos, que levam a uma srie de improvisaes e malaba-

rismos adotados na execuo de um edifcio de boa qualidade.Com isso, certo que nele ocorram fissuras, destacamentos e infiltraes que comprometem o bom desempenho do mesmo.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

7

TRINCAS E FISSURASDEFINIOA fissurao um problema patolgico que interessa a vrios ramos da engenharia, entre outros motivos, por estar diretamente relacionada resistncia dos materiais. Na engenharia de construo civil, a incidncia daquela patologia verificada tanto nos componentes mais simples, como por exemplo nos blocos de uma alvenaria, como at em elementos complexos, tais como os responsveis pela segurana estrutural de uma edificao. A fissura tambm conhecida por outras denominaes, como por exemplo: trinca e rachadura, contudo as trincas, que diferenciam-se das fissuras pela sua maior abertura, ocorrem por desequilbrios de grande amplitude, como devido a recalques diferenciais exagerados das fundaes.PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES8

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Retrao

A retrao provoca a diminuio do volume do concreto. consequncia da "retirada" de gua da massa de concreto em processo de cura, seja pela hidratao do cimento (a reao qumica utiliza gua), ou pela secagem superficial dos elementos (evaporao da gua prxima superfcie da pea). Assim, quanto mais cimento houver no concreto, maior a retrao (o processo qumico consumir mais gua); quanto maior a relao gua/cimento, tambm maior ser a retrao (sobra mais gua no utilizada no processo qumico, gua essa que pode evaporar); um processo de cura ineficiente (ambiente muito seco e/ou muito quente) e peas muito finas, tambm contribuem para agravar o problema.PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES9

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Retrao

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

10

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Variao de Temperatura

Os elementos de uma construo esto sujeitos a variaes dimensionais devido variao de temperatura sazonais e dirias a que esto expostos. Quando a temperatura aumenta, ocorre uma tendncia de expanso. O contrrio ocorre quando a temperatura diminui. As fissuras causadas por variao de temperatura podem surgir devido ao encurtamento de elementos (diminuio de temperatura) restringidos por vnculos. Esse efeito pode ser amenizado com juntas de dilatao bem projetadas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

11

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Variao de Temperatura

Outra maneira pela qual podem surgir fissuras causadas pela variao de temperatura ocorre quando as construes, ou partes dela, possuem materiais com coeficientes de dilatao trmica muito diferente (como, por exemplo, prticos de concreto armado fechados com alvenaria de blocos cermicos). Ou, ainda, partes da estrutura constitudas do mesmo material, mas sujeitas a temperaturas diferentes: o caso das lajes de cobertura, onde a face superior pode ficar exposta a uma temperatura maior que a face inferior. A configurao das fissuras causadas por variao trmica muito parecida com as causadas por retrao: de abertura constante, perpendiculares ao eixo do elemento e tendendo a seccionar o elemento.PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES12

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Variao de Temperatura

As principais movimentaes diferenciais ocorrem em funo da: juno de materiais com diferentes coeficientes de dilatao trmica, sujeitos s mesmas variaes de temperatura; exposio de elementos a diferentes solicitaes trmicas naturais e gradiente de temperatura ao longo de uma mesma parte da edificao. As fissuras de origem trmica, apesar de no comprometerem a segurana, assumem grande importncia na construo de edifcios e sua justificativa devido as deformaes que as causam so inevitveis; as fissuras so de difcil reparo, pelo seu carter cclico e varivel e, normalmente comprometem alguma exigncia essencial (por exemplo, uma exigncia psicolgica - o temor pela segurana ou de habitabilidade - sanidade).PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES13

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Variao de Temperatura

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

14

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Trao

As fissuras causadas por esforos de trao so, em geral, ortogonais direo do esforo e atravessam toda a seco. O material concreto muito susceptvel a esse tipo de fissura, pois a resistncia trao deste material muito pequena. Para impedir esse tipo de fissurao, as peas de concreto devem ser adequadamente armadas, j que o ao resiste bem trao, substituindo o concreto aonde este esforo venha a ocorrer.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

15

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Compresso

As fissuras causadas por esforos de compresso so, em geral, paralelas a direo do esforo. Quando o concreto muito heterogneo, as fissuras podem cortar-se segundo ngulos agudos. As fissuras devidas ao esforo de compresso se fazem visveis com esforos inferiores ao de ruptura, e aumentam de forma contnua. Nas peas muito esbeltas e comprimidas, podem aparecer fissuras na parte central da pea. So fissuras finas e esto juntas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

16

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Flexo

As fissuras causadas por flexo so as mais frequentes em concreto armado. Este tipo de fissura tem abertura varivel.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

17

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAFissuras Causadas por Toro

As fissuras causadas por esforo de toro so, em geral, inclinadas (aproximadamente 45), cobrindo o contorno da pea de forma mais ou menos espiral. Este tipo de fissura pode ser combatido com o adequado dimensionamento da armadura para resistir ao momento de toro.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

18

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao

A classificao das fissuras objetiva auxiliar o processo de formao do diagnstico, a partir do qual pode-se indicar a recuperao mais adequada a partir da sua origem.Associar a manifestao da fissura com a provvel causa uma forma de classificao de fundamental importncia, visto que antes de ser tomada qualquer medida de recuperao necessrio intervir nas causas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

19

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao

Do ponto de vista prtico, a classificao da fissura mais adequada seria aquela que relacionasse a tipologia da fissura com a recuperao mais apropriada. No entanto, as informaes fornecidas por apenas uma classificao no so suficientes para entender o fenmeno patolgico em questo e subsidiar um diagnstico completo. O conjunto dos dados colhidos de cada classificao que vai auxiliar a caracterizar o problema e, consequentemente, ajudar a estabelecer uma terapia apropriada para a recuperao.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

20

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a amplitude da abertura A classificao das fissuras segundo a largura da abertura pode indicar a gravidade do problema, auxiliar na identificao da causa e at mesmo limitar a utilizao dos sistemas de recuperao. O BRE (BUILDING..., 1981) estabeleceu um critrio em funo da largura da fissura, no qual classifica o dano em nveis e categorias, segundo os quais pode-se conhecer a gravidade do problema, conforme ilustra a tabela 2.16. Essa classificao foi inicialmente proposta para a avaliar o dano causado pela subsidncia do solo nas edificaes britnicas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

21

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a amplitude da abertura

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

22

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a amplitude da abertura Segundo o BRE (BUILDING..., 1981), para a maioria dos casos, as categorias 0, 1 e 2 representam os danos estticos; as categorias 3 e 4 representam os danos de utilizao e a categoria 5 representa os danos de estabilidade, e ainda explica que as trs primeiras categorias compreendem danos que prejudicam apenas a aparncia, as categorias 3 e 4 interferem nas funes da parede, enquanto na categoria 5 esto os casos em que h riscos de que a estrutura entre em colapso. Essa classificao demonstra a preocupao do BRE em estabelecer uma relao entre a fissura e os danos decorrentes da sua manifestao.PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES23

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a amplitude da abertura Entretanto, associa as categorias dos danos limites para a largura das fissuras bastante discutveis, como por exemplo ao considerar os danos da categoria 2 apenas como estticos. O BRE (BUILDING..., 1981) adverte ainda que a abertura da fissura no deve ser utilizada como o nico parmetro na determinao da sua causa. No entanto, considera que essa informao pode ser utilizada para limitar o leque de possveis causas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

24

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a amplitude da abertura SABBATINI (1984), ao diferenciar a fissura da trinca, associa a ocorrncia das trincas aos desequilbrios de maior amplitude, como por exemplo devido a recalques diferenciais das fundaes. Esse autor considera como sendo fissura a abertura com largura de at 1 mm. Os profissionais do meio tcnico utilizam os termos fissura e trinca indiscriminadamente, no fazendo qualquer distino entre eles, o que pode gerar dvida na descrio deste problema patolgico.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

25

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a movimentao A movimentao da abertura da fissura ao longo do tempo uma informao til que tambm ajuda na determinao da causa. Alm disso, a amplitude dos movimentos impe um limite utilizao dos sistemas de recuperao, em funo da capacidade de deformao. As fissuras podem ser classificadas, de acordo com a movimentao, em ativas ou inativas. MASSON (1994) considera ativas aquelas fissuras que se movimentam, abrindo e fechando, e inativas aquelas fissuras que no apresentam movimentao.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

26

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a movimentao MASSON associa ao primeiro caso as fissuras provocadas por variaes trmicas e higroscpicas e ao segundo caso as fissuras provocadas por uma carga muito importante aplicada sobre uma alvenaria, mas que no se repetir mais. De acordo com BAUER (1986) e COSTA (1993), as fissuras ativas so tambm denominadas de vivas ou dinmicas; da mesma forma, as fissuras inativas recebem outras denominaes, como por exemplo mortas ou estticas.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

27

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a movimentao As fissuras ativas podem ser ainda: cclicas, quando os movimentos de abrir e fechar se repetem; sazonais, quando os movimentos ocorrem em determinados perodos de tempo e progressivas, quando os movimentos se estendem indefinidamente.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

28

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a direo A direo preferencial das fissuras resultante do sentido das foras que atuam sobre a parede. Desse modo, a direo das fissuras tambm auxilia no processo de formao do diagnstico. Segundo ELDRIDGE (1982), as fissuras podem se apresentar sob as seguintes configuraes: vertical; horizontal; denteada e diagonal ou em degraus.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

29

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a direo

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

30

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a direo

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

31

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a direo ELDRIDGE (1982) relaciona outras informaes teis caracterizao das fissuras que tambm auxiliam na compreenso dos fenmenos que as originaram, quais sejam: Extenso da fissura: a localizao dos pontos inicial e final da fissura pode indicar a atuao de foras externas sobre a parede ou a influncia dos elementos aos quais a parede est vinculada; Profundidade da fissura: a fissura pode estar confinada apenas no revestimento, mas tambm atingir uma ou ambas as faces da parede, sendo denominadas de no-passantes ou passantes, respectivamente;

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

32

TRINCAS E FISSURASTIPOLOGIAClassificao das fissuras da alvenaria de vedao de acordo com a direo Planicidade: se as duas partes divididas pela fissura esto em planos diferentes pode indicar a ao de foras fora do plano que contm a parede; Limpeza: a proliferao de microorganismos nas fissuras pode indicar se a fissura um fenmeno recente ou no.

PATOLOGIA E SANEAMENTO DAS CONSTRUES

33

TRINCAS E FISSURASSISTEMAS DE RECUPERAO Tcnica construtiva para recuperao de fissuras o conjunto de operaes empregadas na recuperao do revestimento aplicado sobre...