20
a«HBB(*W»WBWi>P»«"""»Wí WÊmmmmmmmmmmmBtsLWM HPi BMBBBBflfeJ^Sra,^BSBBI^B w&tr-ii 3rrf4jfl|L^ Bfiffi^* ffirat^fl ¦flflflffÍlÍ^BÍI^ HBiilitij! PS^^^WaS».'^^^ mmmm\mmmimmtS^3^'<iit^mtSkmm ¦ifigafljHji^^p^^^a^^^^^l IPiPilfflll ^rSflSHHB^S^^^^^^Sflfl BrMBF' 7ÍBB wl^^^^^Í^I^^^^^M^g™P Rfl§«rei9mkWÊfèíl&m%!nWmÈÈM-^*&.m\ l^*^^«aE^^gSSSa S^AV' vj»í-?.flflflBtflfl flflí^yflB flflkaSmTZSSÊm^mSÊ-Smm^ ^M9 E@BB iflfll ¦¦¦rflfl^al ¦hK^SKSH Èk^wwJflfliflflflBflfl flflrflfl flflT"'^ ^^flB flf"^"^B flflr 'y?w €13ss3ü Hr^rafl flflflflBIflflrflBfóMflld W^S^^ BgBBiSgg {SNgflfllflflfiflfll BTS-^BflflflTflJ^^^^flflKSiSffSP^ ¦ y^4**»*S"s5flBflflTK3^~i*'-* -"j—*'¦ - **¦•*~- w *jftf'ffl R^B^^raSM^í ^flflflfl" - ^H p^8™aBflr ,Br :??,-.->v'fl BfBT I Hr': I wBÊÊÊ ' flfl X:-y-'::M P ' JHfl ' -í? -3fl Ml k 9 üa ' 'li* --'<.'¦ vi 1'K:V'; ¦* |j|?í£ SJjSSS *i P ;*fc-^^^ •IP:; ¦# ifeir r.-* v; 'SS^ âfcsriwE H «Mi I^^K^s^^^^iflffi^i '•^fS^ji^*^¥&^^@#'i?^^^W£*Stev,ÀwSMS i '# sa H »i li ífeSiáM ÍÃltff? lã^ @^ »«JE È^^^^M m . .,

SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

  • Upload
    others

  • View
    5

  • Download
    0

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

a«HBB(*W»WBWi>P»«"""»Wí

WÊmmmmmmmmmmmBtsLWMHPi BMBBBBflfeJ^Sra,^BSBBI^B

w&tr-ii 3rrf4jfl|L^ Bfiffi^* ffirat^fl

¦flflflffÍlÍ^BÍI^HBiilitij! PS^^^WaS».'^^^mmmm\mmmimmtS^3^'<iit^mtSkmm¦ifigafljHj i^^p^^^a^^^^^l

IPiPilfflll ^rSflSHHB^S^^^^^^Sflfl

BrMBF' 7ÍBB wl^^^^^Í^I^^^^^M^g™P

Rfl§«rei9 mkWÊfèíl&m%!nWmÈÈM-^*&.m\ l^*^^«aE^^gSSSaS^AV' vj»í-?.flfl flBtflfl flflí^yflB flflkaS mTZSSÊm^mSÊ-Smm^^M9 E@ BB iflfll ¦¦¦rflfl^al ¦hK^SKSHÈk^wwJ flfliflflflBflfl flflrflfl flflT"'^ ^^flB flf"^"^B flflr

'y?w €13ss3üHr^rafl Bü flflflflBIflflrflBfóMflld W^S^^BgBBiSgg {SNgflfll flflfiflfll BTS-^BflflflTflJ^^^^flflKSiSffSP^

¦ y^4**»*S"s5flB flflT K3^~i*'-* -"j—*'¦ - **¦•*~- w *jftf'ffl

R^B^^raSM^í ^flfl flfl " - ^H

p^8™aBflr Br :??,-.->v'flBfBT I Hr': I

wBÊÊÊ ' fl fl X:-y-'::M

P ' JH fl ' -í? -3flMl k 9

üa

' 'li* --'<.'¦ vi 1'K:V'; ¦*

|j|?í£

SJjSSS

*i

P

;*fc-^^^

•IP:; ¦#

ifeirr.-* v;

'SS^

âfcsriwE

H

«Mi

I^^K^s^^^^iflffi^i

'•^fS^ji^*^¥&^^@#'i?^^^W£*Stev,ÀwSMS

i

'#

sa

H

»i

liífeSiáM

ÍÃltff?

lã^ @^ »«JEÈ^^^^M m . .,

Page 2: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

__ ^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfll flflfl BbB Lv^flsw

Rbh. I .^bHCÍb 1^^^ ^^^^Et!» BmW *~BF lBÍfB&ÜT %t ^B BF.BiP'-^^^^^^BBBBI ^jiflfl ¦¦£. ¦" "i ^bhhs^^^^^B flfli^^Bfl bBí^bft^^^^s.' ^BP^^Bh. flB àhl

RÜS^b^Éw ' ^'^fl IsW "' »¦ ^Êmmw^ ;'flfl * *^^*^Sp B^BB^BPwP'^1 BflBBBBflBB^H-. Bl BHlfll BB^r ;, dÉ^fl flfllflflfl '¦ ^^BsÍÉiB^. *^*Í^bB bBbWBkJBI fl)Bl ^f^^^^^^BB'*' xvl^fli InflIPíl f( 'ÈÊmm\^m\»^^*ri!^mmmçMm\ Bbk flHr*#L JP^Bb!-.-' ?' flBflflBE^?-"'fl fl -^. • '"'«Bfl flnfP ' *i*' '.fla bW

|fl^^^^^fl flf^ fl LbÍ .^^BBBBb! 8tA flB Hkmmm^r^ mm mm mrf9 mLmmW Mm\- à WÍmwkwr flflWB B» •' J flBT^^PF|B| fl? #»VflI BfbB ¦¥ .^fl bfbfJ BHEflBflk fl

r^ À^riW yflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflrt-' bp#:» fl BF 1 bf fliBPffllT^ fl flHBh flF fll bf -JarJ '"'-'flfl Kxílt fl WjLimA flr fll BiTsPfl BA ^BJp» • -' • fl^ """¦" JÉ EK/J f •^fllflW*"* ^1 bWJ * fllflr P''.BKn líifl siái' 4#.4s Bjé * flfl

flB ^bYB BBs^v- "vi''flTI IHsúF'flfl BkP^H B^BiflFflj bV' "^ 'â^P^^Sfr-WlfljB^^B^BflBT flflfl

fl :V-flf|. |ffBiB|B fli^B Bi», t *.' .^LMWmÊSm ; mflB *^' flBflB fl « ^BiBKB B a*F flB flfl-^^él- ai^ JRr»-*¦ ¦¦ '^B^^-jf B^b^b^b^b^b^b^b^b^Hbb^L^L^Bí' ÜM'^ 'JBfl I mWj$?:%$íá!-'i*?/ B

Jb jflfl Bf-*1'"4''" ¦; 7S^flflLB. bV ^ í«*^flflr fl bbM flflfl Bbb^^ctIb^^^ J^LflBO^-^^JF-%.- : fl^ "T ;'tB^fl B fe;F J i .', Ijf jBBflBBBBBBBF mm MfWPsWmMáSOttttiímm&SFl^'!. *TBüw Brflk*-* -'fll w»I. i «fl ^^Kt bH BTflAH bTbf wTiflvl1flsfy . -• j-t f í ¦¦H ¦a,-í^HB*^ .flfl BTÉTr^ flf „-^B flEJ k *JbWahv1WP' flfl flfljfll flfl .. , . am^^Wmmm^lSc-s^m^ -m/'** ¦fl BtflF »g :f,w- j -flfl BF» '.*/.«- y.' i» 1^2 J. i^BP^fl¦¦ fl ¦»•**.*' fla^HiB^^lr^*^*" Be :-**^yB'4 ¦J«>wl; T L IM fl

fll ' - flflB»VB* * WjSfff^BTBB^B^B^B^B^BBHra^ytJl^^H^CTgHHKEfl^K^ -fljmm m\ '. BBf VBB i iflrF^flBBBBBBBBBfl »*i riiiinBBi wHJVi*i^B sS ^f^Bl Bfl V'"BBBHL .IBfla- flSMl.flflflflflflflflflVjl «Cf • Jfl^B.HMÜBFBKXia^à^HKBI»BL. ^Bfl.^Bl ' /flFBB> * m* mw\W\m mrmJrnt-' aHswfJRSHBS^-^^flrflSrf •%. ^^^fl

^flflfl BB»- ° 4-flBHW' ^ flLflflfll fl ¦LjHFVl^^«^Í#i^lMllÍBÍjlfllB^fl« ^* flfl; 4-iag ,_^ í*-"^-Jflflí«HB^ BBBt^flflflTflL'^fll flflo^FTBk 5v *W|* l5rE*mZmmW^ 3* *^P fl^flflflT^* fll

BBBbW^—^flfl^flB^* t^flflM l!l\flB BTflfc *jF^Ã '* f^fl«Vj'^ flfll. -f\* 'JsÊ^mmmm^'% ^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^fll'ijflfl B^. ;-'«]fl Bfl laS^i iiríir^fll t^':;^Í'cIbBb^i ^B^flflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflfll BBFBBbé '

% ^flfl fl^flBBTflV fl^fl Pj*. -T :.^flfl| *BV¦ 3Pk''JgjIflflBflfli^s^flk. ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^|^flfl] flflbk^BB k^flB B7flTflB BTflF\flF-*/V' ZflfcMSuTiC flflfl BfBK -rmmf B^PB' ^flW ^^B

^B Éar j**-: ¦ % ^1 flflflfiE»?IP^l *¦»* ^^^^''ivuf vir^*' jfl ^^L ^^LflflKiB

fl Bbbl*í".¦ fl - ¦.«'• / Jflufl HÉB L .3flÍMfRBfl\flBEÉÜWa ."«"'. Bk:i. ^fl^^Bflfl t^ÉT 4fl*Lflfl Bflfll ^Jíl PI E^^r^flU^K f **'ü flíw ...:.^^Mmw .fl tflflflflfl BflflflBLVflsát. -'fl lu i|'^'fl/ -f >^| L^BbMjA^ííbÍ ^4flj ''

^L^ Bt -^pfl HBI>;fll L^^a^jfl B^flk^B. ^BflflflflflflWflyj•'-1 ^\ ri bP . iÂ~rmtm^SmmL!Mmmm\ mm^kf'fl ^B.A.'"!•¦, BJ HfllflH aflr flflfll vfl BflflflTflTflL ^Bk flflflflflflflflV* ,t"{j^j,jj- ,- Im\-- «flHrl-jfl flfls - - ^l,-*!*.Bfl BM'"'?'" M:'flflfl flB^flfl BflflflBflBB flfl flflflW^flfl flflflfl flflL ^kh_flfl flfíMiiSrvWliIflUk '¦*? OtiflBfll BflflKiftx4 &í*^Bf .BF - #FsBfl BSB flflfllBfl BF FflF IkflBl 111^-4!" MflJn ¦ i * ?KSTflBHflfl BBJBhkx ,B^uM Bf II II USiiflttF'' "ftílK»' * .''ifB BgBPWjBfl Bfl^Bl J^FBSSBBflflBBJ ejjBvfll flfl,fl| Bfl Vfl KSDíflHiB#*'«i-T'*5fi»' *. .JSfl E^âHsBfl '*flF^^^jy^tJPBrW^BKPa? Br Ffl flil iCv^M w9jÍt ^jftr* ' '*8l Br ^flflF,'flfl ^r " jB/s F fl flfl Hm Bbãsí&íâflFBBBB PPflB ar ^X '

Vfl r flfl! ^ ü PVT^iIkI /V8B bf^ flflfl BS^flT\Sâíjil ^i ^ 'ÍFftB Am mw*m ÁWm ^^k^NwfflL^W \ i»ifl ^flV fl¦1 flraiyi Br flF fl ¦^flrfli IftligSi^: > -^i- r^Sk. ^CwlQfBf^^Jmi^flBrW fl

fl Br mm\mmw^Kmm WF^™ ¦¦ ¦¦ - h^ptS» ..• ¦ ^N», ^Hr?^XF'ft"4. ««TB^r "™ AT• bflfll BBf flflflflflflflBflBr^ - 'SFfli flflflBF^ '&*¦&¦&.¦¦•: ¦ ã ^W9m^&9lmmfm^mmÊmm^mW^'- -"* ^bw ¦ %^Bf*i i.*-.*^BJBflkJii :^L mm f^m S: *--' áV

fll flfl fl £ ¦flflMt'Pr ¦ "n^- ^^ ' - >a vil lfailk3b1#T ti mflflfl flr HHHHHflB%F^^ ^flGkj __ s^—s.F —B '^3iLifl\A ^^ ^g^ ¦¦. ^flk rfl H_ ¦' V^flT -^'^BBk F F F F ^Bk BHk' Tflflfli 'UflPM°flrB flFfl<Bflbfl^VA^I5^fl^L^ C*1 B^h B^B flf^L. I

' ^BB^fl^fl^fl^fl^fl^fl^fl^fl^fl**. stb ¦ ¦ ¦¦iwi li b% ¦% a <i^i i É^flflBflflflá^ eé y cr' dpf

• ^B ^ '¦F II BB W I 11 I I Hfl BaFlB hBB^P^ flflj ^^ -

oem

técnico mexicano Rosalez passarevista o desporto brasileiro

RoSAÍ.122 rpprccci' no br:q'ctclol c?rioce cemopor enernto Sim-

pálico. exprimindo se com fácilidédc, esse ncnico mexiceno repi-demente intecrou-sc em nosso convívio e cedo paicnicevp p. sua grande cbmpetenciti. Não exerreu es surs funções em qur.Igüer perte por-que vicrr em vi-Rem de estudov. No Chile, onde desempenhou umaruhçSo importr.ntc remo proprpr.dor de novas iccrirs. cu\ira fa armuito do dcspó.to brasileiro impressionado., profundr menic. pdosfeitos d.« aquática c do atlciismo, aguardou a terminação dcs seuscompromissos para olhar, de peno. os motivos de sua acmiraçao.Rosalez r.qui esteve sete mc/?s. Foi hospede de todos os ctubes.Participou no I Concresso Pan-Americano de Educação Física, Intcirou-se. enfim, c'c todos os detalhes do nosso ore.rnismo desportivo,e. prihçipe.'mente, d^ evotuçSo tecnic?. tendo, mesmo, freqüentadoe Escolr Nacional de Eat;caç5o Física e Desportos.

Como cstrrnho cstrvr Rosalez. por conseguinte, cpto p nos tn?ns

mitir impressões preciosas. E quando o técnico r?tec? honrou noscem soa visita de despedida rprovcitrmos o ensejo prra im< entrevist."

Extraímos, impicdosrmente, de Ros:\le?. tedo c\\ e nos poducli/cr sobre o desporto incÍRena. E aqui vae. sintetizrda é claro, a pa'.estra

qve cem ele mrntivtmos.

U.M CAPITULO TAHA A NATAI.Õ;)

Desportos no Brásil..,Que dizer? O que todos sabemX Cueest* trabalho ó o mais importante iá realizado no continente? Queos técnicos âo Brasil são competcniíssimos? Cansrna os leitores doESPORTE II USTRADO..

Mrs Rosrlcz não interrompe e prossegue.Contudo, r natação merece um crpitulo. Sem duvidp, me

rece Do que me foi permitido ver é possive1 garantir que tão cedo oBrasil n£o perderá a hegemonip sul-rmericcna. Os técnicos, mesmosem intercâmbio, partiram de um ponto já avançado e continuem cs-tudnndo, continuam experimentendo. atingindo, di? e dia. conclu-soes novrs e novos principios. A capacidade de trabalho e, entao.ev;tráòrdinísrw».. 0 carinho que se dispensa ?os meninos è admirável, bbcstrntc \ê los nadar parp que se veja. em ceda um dele?, um autentico crack Um infentil que será, amanhã, um sênior de expres-

são um cempeSo. um recordista de primeira água. sem defeitos cem-

pletb, porque a sue infencia aquátice foi yase.de nos méis modernosensinamentos. Admirável, admirável, não me

"canso de dizer. Levo

paro e minha terra uma bagagem gigantesca de observações valiosase as agradeço á gentileza dos brasileiros.

I.Entrevistado por

CEZAR AUGUSTO

O MODESTO ATLETISMO

— Sabe do que mais se falp. dos desportos co Bresil?Do etletismo Ninguém, no exterior, olvida-se dos noteveis feitos dos bra-sileiros nos dois últimos campeonatos sul-americanos, c os seus e.tlé-ias são conhecidos quesi fe.milirrmente pelo povo

Não foi sem surpreze. pois. que notei a pouce divulgrção. a diminuta populeridede do esporte besico aqui na capital. Em S. Pruloverifiquei existir muita atenção para a especialidade. Não perdei averificer. porém, que sem constituir atração, o atletismo é olhadocom grande carinho por todes, A orientação técnica é moderníssima.E os técnicos do mundo inteiro ficariam entusiasmados se conhecessem teorias e principios práticos absolutamente originais estabele-cidos pelos brasileiros

F se com toda este modéstia, foram bi-campeÕes. que seriamse tivesse, por exemplo, a posição do futebol?

VAMOS FAI.AU DE UASQUETElOt.

Estamos, finalmente, no assunto que é a própria vida de Ro-salez: o baiquetebc*.

— E' sempre difícil a um estrangeiro, quando as su?s palavraspodem colorir-se de critica exprimir-se sem ferir suscet:b'lidades ouinsinuar desèlégancia Estou quasi nessa situação 0be;qu2tetol bra-sileiro - o carioca por excelência — é vistoso, impressionante edos m?is técnicos, sem duvida, para quem cem ele tema contate, su-perficialmente. Quando nele nos aprofundamos sobrevem \ ma ai"ter* são sensível.

Ao mesmo tempo que nos deixamos apaixonar pelo trabalho.pcis temos nas mãos elementos admiráveis, jogadores de virtudesclaras, juvenis de futuro extraordinário. choc?mo-nos com o esta-cionamehto e a. estabilização do nivel técnico Estabeleceu-se um pa-drão de academia muito interessante, mas esqueceu se o carateris-tico essencial de velocidade. Todas as táticas são iguais Não se apro-

(Continua na página 12).

y au' '*

'.A

y

¦m

A

A. ídtiB»'*' A\*mii<\ íitfi LiiWiBi iili*^

Page 3: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

9999TTIB9ppay •'"7ã»»fVfrS^rY *£ * ,'"• . *** *j(9-,,,*•¦.

W2z &

r n» ¦'¦"¦'r" r ippjwjf y*^jpg^iwpjMF#MM»^^ .««^ís^-5*»^^ ¦-S**í í*»í.^-iS!«S^-r#?H=«?.!«

¦j';...

|p7 ^^Hustrã

>.

6,o ANO — N.° 30724 DE FEVEREIRO DE 1944

¦' y. ...¦ . .¦ -

\ y

... ,. y •¦. : y .

¦ ¦¦ y

;y .¦¦¦-.

*

r

Não interessa ao futebolbrasileiro a inerte resignação

do futebol carioca •

.*'•"' '- '! v9is

-"¦s^/^pi¦/i

íiíS"" '^MBP

'at

vi£a59M

i¦ ¦.

i*' ''-i-f§9p.'; yjS

*

m"

9f?»Vy

Bi'--

O futebol carioca anda apavorado. Os diri-gentes aterrorizados com o totalitarismo financei-ro dos clubes paulistas. Já nâo ha limites para ascifras dos bandeirantes. Querer é o melhor sino-nimo de poder. As cores impressionistas das fan-tasmagóricas realizações yankees empalidecem de-ante dos cometimentos do S. Paulo F. C. por excm-

Cio. do Corirtthians. Os recordes tacitamente esta-

elecidos com as rumorosas transferências de umLivingstone ou de um Langara. -na Argentina ames-quinham-se deante dos atoais. Quasi trezentosmil cruzeiros para a aquisição de Leonidas e maisde oitocentos mil para a de Domingos!

E até quando se prolongará esta situação, m-terrogam-se, mutuamente, os responsáveis pelo fu-tebol carioca? Que se pode fazer para evitar talevasão de valores? Como se poderá aplicar os dis-positivos da legislação do C. N. D. que parecia tãoprotetora ?

Ora» ora... «o- r» r-Trata-se de profissionalismo? Sim. Profissio-nalismo é negócio? E'. O negócio deve sofrer res-trições prejudiciais? Não. Muito bem. Tudo istotem sido invocado pelos homens do futebol profissio-nal. e note-se. com justíssimos fundamentos, parareprovar uma serie de medidas obrigatórias e in-discutivelmente coercitivas da liberdade de ação in-dispensável ao desenvolvimento normal do profis-sionalismo.

E o fenômeno do futebol paulista nao se re-sume, precisamente, nisto? E' claro como água.

E' paradoxal, pois. que se pretenda, agora, darforça ao que antes foi sempre repelido.,

A concorrência é concorrência, aqui. alh em qual-quer parte. Foi assim, quando da implantação do pro-fissionalismo. Foi assim quando o Fluminense F. C.importou da Pauliceia a nata dos seus futebolistas.

* E' assim hoje, quando o Flamengo vae buscar umVévé. um Tião ou um Biguá; quando o FluminenseF. C. quer um Norival, um Pedro Amorim ou um Bi-gode; quando o Vasco arregimenta um Isaias, um Ro-berto ou um Lélé.

Todos estes fatos fazem-nos lembrar o comercioantigo da Rua Larga i

Era assim. Se a sapatana. ali perto da Estra-da de Ferro marcava um par de sapatos a trinta milreis, aquela outra, perto do Arsenal, marcava vintee nove mil e quinhentos. Porque a freguezia, quandovinha da Central, pela manhã, via o par de sapatosa trinta, e deixava para comprar na volta... E quan-do voltava, via os vinte e nove e quinhentos, e com-praça/ Mas isso acabou, é evidente que acabou. Por-que os comerciantes compreenderam que nessa mar-cha acabariam dando, graciosamente, suas merca-

. dorias...Com o futebol profissional esta acontecendo, as-

sim. E' nafural que com outras características, masem síntese, no que diz respeito á concorrência, a ana-logia é perfeita. ¦

O negociante da Central queixava-se da falta decoleguismo do do Arsenal. E este do outro, quandodescia para vinte e nove mil reis o preço dos sapatos...

O futebol carioca, presentemente, está namesma situação em que ficou o negociante do Arse-nal com a baixa de preços do concorrente.

E o mais interessante é que enquanto o negóciocorre bem para um, este não quer saber dos prejui-zos do adversário... E na revanche, a coisa é a mesma.

A nós. que nos é dado assistir tudo, platônica-mente, ocorrem-nos conclusões preciosas que nemsempre merecem a devida atenção dos principais in-

-teressados. E' de resultados negativos, por exemplo,

f

o acordo que se pretende, entre cariocas e paulistas,objetivando uma limitação de luvas, de valor de pas-sés etc. Porque, em conclusão, será um freio impôs-ro á corrente circulatóia financeira e evolucionistafe profissionalismo. E além disso, choca-se^ com osprincípios de liberdade incondicional de ação reivin-dicada em frente a outros casos. Sem dúvida, esta 6uma conclusão teórica, mas genérica, que interessaa todos. O acordo é uma solução pratica, de eficien-cia apenas contemporânea, e nitidamente unilateral,tão unilateral que nem um olhar obtém dos paulis-tas. Também o futebol carioca repudiou essa con-clusão ao se sentir bastante poderoso para impor suavontade despótica a todos. Não pode nem deve haverlimitação ou qualquer restrição. E' necessário, sim,dar ao profissionalismo todo o seu verdadeiro cará-ter de negócio. Crear-lhe o sentido de probidade, deética, e aíheiálo do amadorismo.

Que ninguém se atreva a assumir rcsponsabili-dades, mas quando o fizer, que responda por elas.

Em outras palavras: fará prpfissionalismo quempuder fazê-lo corretamente, sem se prejudicar ou aosdemais.

0 futebol carioca tem a seguir o caminho trilha-do pelos paulistanos. Profissionalismo é negócio. Bi-lheteria é a mola vital. Vamos, então, organizar oestabelecimento. Bons funcionários e capital inicial.Departamento de Publicidade. Campos de futebolá altura das previsões. Conforto e amplitude para opovo. Organização modelar e moderna.

Como, como fazer isso, se os clubes estão á min-gua ?

Como? Os paulistas operaram algum milagre?Não. Não e não.

• Usaram o cérebro, foram psicólogos no negócie organizaram o negó-iol ,

Que se obtenha da Prefeitura o super Pacaembu .Que se articule o trabalho da imprensa e do rádio comas necessidades do negó-io, dentro dos ditames da éti-ca e dos propósitos de cada um. E que se trabalhemuito, e muito bem. Só assim poderão os cariocas che-gar a estabelecer concorrência entre seus clubes coma profunda repercussão que os clubes bandeirantesóra provocam em outros centros, como provocam nofutebol, guanabarino.

Observamos, também, que o raciocínio predo-minante na classe dos dirigentes é típico de um esta-do deprressivo envolto na resignação do passivismo.E' lamuriento. E' alarmante a conclusão! Os pirati-ninguenses não agiram assim. Suportaram duros anosde provações e raros eram os casos deste jaez. La nãohavia passividade e sim reação pacífica, subterrânea!Não chegou o complexo de superioridade á mutaçãopara o lado oposto; houve, tão somente, uma com-pressão.

E' possível que os responsáveis pelo futebol me-tropolitano esgtejam cegos a estas verdades?

Trabalhem, dirigentes, trabalhem com os olhosabertos, porque o desporto nacional precisa de^ ho-mens que vejam ao longe e não de miopes ou cegos!O essencial é que esse desporto seja beneficiado como progresso dos seus principais agrupamentos.

A soma do progresso individualizado é que pro-duz o vulto imenso do progresso coletivo. Trabalhem,pois, pelo progresso do profissionalismo carioca, comosíevem trabalhar. Hoje é S. Paulo o chefe, amanhãserá o Distrito Federal, novamente; amanhã será BeloHorizonte, Porto Alegre, Recife.

0 profundamente importante, vita.1 para o rute-boi profissional, é que se evite a inércia da resigna-çao e se adote o dinamismo da reação, gênese de tra-balhoe de progresso.

Escreveu MENDES

;v

¦ * •. j

,

•d

¦M

. pp

¦ .,:;:¦

'^1

¦ .^:;'

. y

•*.:..

Page 4: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

lÉHMMta.

* iflflflj*^--''',*j!fl?*3|

fflÉ0)WÍÍwmm

•< sjai

fl^flW

--< .

•*>'- >

^^^^y^^,^^

..-. ^-;. . *" * *¦¦¦

„.;' .,':;¦ '

dfl&" -,4

íFRAHQUITO ?uma sensação!

v

A OPINIÃO CA-TEGORIZADA' DEZE'ZE' MOREIRA SO-BRE O TITULAR DAMEIA-DIREITA DOSBOTAFOGUENSES

Ainda nem Martin concluiu os preparativos e já se qualifica Fran-

quito de titular? Ora, o Botafogo, mesmo, não tem a menor idéia da

constituição da sua equipe, como pode ser Franquito titular?

E\ mas apezar dos pezares. Franquito já é o titular da meia-

direita. Primeiro, porque ha dois anos o esquadrão alvl-negro luta

por um bom elemento para o posto e. depois, porque esse bom ele-

raento é Franquito.

Meia dúzia de exibições desse crack dos pampas serviram para.

provar que nao foram vSos os esforços do preparador Martin nem

do grêmio de Bebianno no sentido do seu engajamento em Wcnces-

lau Bfaz.

Deve acabar — deve, não está acabado — uma das questões

mais sérias da direção técnica. No campeonato passa'do, então, a au-

sencia de um bom elemento para a posição chegou a tomar feições

de desastre para os botafoguenses. Todos os recursos, dentro dos

disponíveis, foram tentados, e todos resultaram inúteis. Quast todos

os atacantes foram esperimentados. Até Bolinha, um aspirante vindo

do America F. C, teve uma oportunidade. Que o problema foi re-

solvido. foi? Ninguém duvida disso, pelo menos os alvi-negros não

duvidam.E a propósito, aqui vae uma palestra mantida com o veterano

Zézé Moreira, assim com ares de entrevista, da qual foi Franquito

a figura central. E o ex-pivot alvi-negro. com essa solicitude e aten-

ção que tanto cativam nao se furtou a uma opinião formal.Então. Zézé. você acha que Franquito é o tal ?Bem, que seja o tal. é difícil, mas que será uma sensação no

campeonato, é seguro. A minha opinião é personalíssima, é claro mas

Franquito foi uma verdadeira descoberta para o Botafogo. Tem tudo

que um jogador pode desejar e necessita para ser grande. Juventu-

de, agilidade, maneio de bola. malícia, enfim... Franquito empolgará

qualquer um, como nos tem empolgado nos treinos. E' possivel que

sobrevenha um inesperado qualquer. O nervosismo irreprimível de

uma estreia, por exemplo. Temo-lo visto apenas com o campo vasio.

E nós sabemos, sobejamente, o que representa uma assistência en-

chendo um campo de futebol. Mas acredito na sua classe. E Martin

pôde confiar nele, como podem confiar todos os alví-negros. Franquito

será. não apenas a solução de um problema do conjunto, mas uma

autentica sensação para o campeonato carioca de 44. Aguardem e verão.

E vamos seguir o conselho de Zézé Moreira quanto à promessade Franquito, que vemos na gravura, entre" Laranjeira e Luzitano.

'

ÍHoinrffiwff;;^ *teíatórfi«í .. ie ....:-• :,7-Ji>**i*rti-**

11 1 -

Page 5: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

j Tz^Mimtí^^y»**^^^^ ")

^Kê

-A\

111 Elill

PS íw3Bw

¦¦MT"' I* xfl

.«•»*•..•*-

JèüL- TTS^*.

,4'^vA^ vSjãnv^w '.;. •*-yy ;'V..V X'*., ' > »':.

j^aa #wrí-rç ¦,'*«'fç í v' r- fe ^

:y.y^

fe****»;

*X'S'V:7*» ".-.* *' "*'•• ",- '.

PP EM APENAS 1"2 PAGLIARO EXECUTA UM OPOR.

TuNO "fO

REHAND" (1). COMUM 0 *»*»»<%*(2) VOLTA AO CENTRO DA MESA (3) E ENTÍO PRATICA

Si' «WCIWA»» (4). QUE TAL? O DIABO N*0 OAS-

TARIA MENOS PARA ESFREGAR UM OLHO...

"%íMM

a- ¦***¦ ' -y-|

"*¦•*•'.,**¦ y m** fV-

WWWw rAmW mm^km

k y

?0y

IP

*:^&LOUIS PROJETA-SE DO imu!,ur.

PROFUNDO E TEGE SE AFASTA DA MESA PARA, NUM LANCE

SSttlHM. REBATER A BOLA SEM OLHA-LAPO.TO.

UM SALTO ACROBATICO PARA A DIREITA PERMITE-LHE

DE TER UM "SMACH" VIOLENTO.

Page 6: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

6#. Ano _ ESPORTE ILUSTRADO - N.« 307

BBT i BTJ

BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBw BflT^*iflfl flfll

*^Sfl BbI PtBWfla^^flr ^mM ii^vfjr,': ImÍí^I I

BTviBflfl 'JB^Siry?'?* dlímwww w amW—Í!mrm\ M^-jffivrf^fl Bfctf^PJ

H^flPBh|B| ^MHPVt^T^BIBBflKr * ^"^flwflfl BB^a^iflBP^UBB" BflF^fll ^¦«aBM<>tflMwBflBfl^i*Bfcfll BL* ^flE

*flflflflflflflflflflflflflflflflfll * * flflBBBBBBBBBBBBBBBBBBBH

** ''flfl

flfl^^^- vl^flH

i-ã^w^^i^Lfixfll im flfll nfl)¦ '' ^WBBiBá» ¦ %'yflB"nBIBdWl W«i I bbbbbbmbbbbbbbbbbbbbbbbt^bíbmíbbbmbbbbb

SALTANDO ALTO E PARA DIANTE, PAQLIARO «MATA'»

UMA RESPOSTA FRACA DO ADVERSÁRIO COM UM ««BA-

CKHAND" INATINGÍVEL. PAQLIARO REPUTA 0 SEU "BA-

CKHAND" UM DOS MELHORES GOLPES.

O diminuto Louis Pagliaro. ou apenas"Lou"foi um dos mais notáveis campeões de tênis demesa dos EE. UU. c o n.° 1 do ranking nacio-nal durante dois anos.

B^s ¦¦ •'"' flBT 'VSTflBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBk ¦ kWW

mvJmwÊ lu FH mm\MJ mkmmmm ^ AmwC.'-2m\ Jyrfl BoB

BBBBBBBBBBBBBBr J^ÊmT^9WmmmW -I Iflr^fl Bk^T>flK p fl H!^Hm..mm mm'j ^fl. ¦ fl B'i^ '1flH

^fljBflnj flflB.ialBB?*''".^BB BBr ',;^^«flflfl^BBl Bfl

mmw^úSSMmt mum ^TMvflfl]¦I fl^'^k.'fi^P»K'j*l flfl^^flfl ¦ ^vS> <rflffírtflll B^fl flyiW^^-*BB

¦ 11 II aII''-*^|l I

PARA OS "FOREHANDS" PAQLIARO SEGURA A RA-

QU 11E CCV.0 SE ESTIVESSE CUMPRIMENTANDO 0 CABO.

HHHHHHHHHHHF^'flHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHfll

F t - *- : >!fltfBBBBEfli ^^|^|

BflR Bk.\Ln fl

BBJR^^flflflflflflflflKflflflflflflflflflBBHBBBffi '¦ -¦-•

BI 5?; ¦ '^^ SB*V *

i '•^RfllflB^flfll ¦¦-fll**•" flH BBBBBBHHI^BBBB^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

OUTRA DEMENSTRAÇÍO DA AOILIDADE DE LOU,

PEGANDO A ROLA DUM CORTE ATRAVESSADO NO FUNDO

DA MESA, A MAIS DE 6 METROS DE DISTANCIA DEU!

Lou é um atleta de maneiras pacatas, com1.60 de altura e algumas libras de peso... Mascomo rival parece mais fácil do que na rea-lidade. . Maiores e mais robustos, e bens te-cnicos. Jogadores de tênis de mesa praticamhabilidades cem a bolinha branca, mas nenhumdeles com a virtuosidade, c preciosismo e a ine-

gualavel capacidade de improvisação de Pa-

gliaro. Os seus golpes, aqui chamados "cortes

?de efeito" são terríveis e o seu jogo defensivo

rflfl BBr 'flfll fll

^¦Bflfl^MflflV fll

NO "BACKHANO" E NO SAQUE LOU SEGURA A RA-

QUETE OESTE MODO: TRÊS DEDOS NO CARO E 0 INDEX

ATRAVESSANDO A FACE DE GOLPEIO.

24 de Fevereiro de 1944

¦wív-*

AS MODERNAS REGRAS DETERMINAM QUE 0 ItÊ*"'VIÇO - O SAQUE - SEJA DAOO SEM QUE A BOLA SEJA

TOCADA PELOS DEDOS. LOU ATIRA A ROLA COM A PAL-

MA DA MiO E FERE-A COM A FACE TRAZEIRA DA RAQUETE.

é deveras maravilhoso, constituindo-se um de*safio constante á ofensiva dos adversários. Estaaptidão — vejam até onde vae o conceito deLou — faz lembrar os famosos jogadores delawn-tenis. Bitsy Grant e Hanry Cochet!

Nada mais, porém, pode retratar ficlmen-te as virtudes de Louis Pagliaro que as gravu-ras destas paginas, onde a câmara ultra-rapi*da permitiu fixar instantâneos nos quais o te*nista pode ser analizado rigorosamente.

ròf> i,

w m. "fcHáu.

..-¦

-¦*âà

OUTRO PORMENOR INTERESSANTE. PAQLIARO

TA A SOU DO SAPATO ESQUERDO NUM ÚNICO

EM CONSEQÜÊNCIA OAS PARAOAS, PARTIDAS E

VELOCÍSSIMOS. *

«Al

wmm

CABELOS BRANCOSsó tem quem quer

BELEZA ¦ 0)1 3 nfif m\ Vmmiài ^ÊlVe?s0R USA E NÃO MUDA,|CABELOS I

L ¦"'g| quem os nao quer !

v NÚMEROS ATRASADOS DESTA REVISTA NO

DISTRITO FEDERAL

procurar â

Rua Marangüape, 15 Telefone 22-2550

Números atrasados destaRevista no Amazonas-¦'*:.¦"¦'¦' [

Pedir a ALBANO H. MARTINS

Agencia Martins — Manaus.

'¦yiyyflSi

.'.¦-,.¦¦

¦ ¦íí-WBmwmm

¦¦¦ <. wmmmh-: —.~. .Jmmm

Page 7: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

'¦*¦.¦¦¦¦¦

IIP'-""\\\mm

Bo

m

wmm

24 de Fevereiro de 1944 6.» Ano - ESPORTE ILUSTRADO - N.« 307

'¦¦'¦¦¦ -.; ¦

O RIO NEGRO é o campeãoamazonense de 1943!

ABATIDO 0 OLÍMPICO, POR4x0, NO CLÁSSICO DECISIVO

Reportagem deROBERTOH A L L A K

Movimentou-se a cidade es-portiva. afim de assistir ao cias-siéo Rio Negro x Olímpico, empartida decisiva do campeona-to amazonense de futebol de 1943.Sem o concurso de Pelado. Pi-nhegas e Bandelaque. que se-guiram para Belém, afim de in-tegrarem o esquadrão do Remocontra o São Cristovío. difi-cilmentc poderiam laurecrcm-seos componentes do "clube doscinco aros", pois os reservas nãoestavam a altura dos titulares.Aliás não se justificava a ausen-cia desses players. que

"descr-

taram" no momento em que maisnecessário se tornavam ao seuClube. E. após 90 minutos de

*#* ^Magnífico flagrante do 4.°e ultimo tento da vitoriarionegrensc, obtido porFrança, malogrando todos

os esforços e Teo.

. ¦¦¦ s

I^^MÈMg&ig^p . :MS^ÊaflHafe r '" --?*||»^^X~l~'X> ?'¦'¦'¦ '". +'•'¦'. v . ' *•" "" '-.'¦'¦¦ "' '^"'flSí!'.'»',*',-' " "'""'s ',v" '" "'' ' ' '"¦" ' ""%¦ "•" '*' 'í '

* —'''':''*•*">

flflr •''¦.•;,••'. t •/.',- '" /..¦•?¦>¦?«!¦" m.m m\m.WmmMà&, ^.. ¦ áBaBaflÍMBaflaBãBaiBaBataB' I ai* ni ata bbbbb ii É1 bbbbB¦ •¦" vãatf L •, L^aflfl Bfl Bfl ¦l.taaflflafll Bfl bbbbb flk.t fl^afcALJal C'»Vlav. ' « ^.^'^bb bbbbI bbb! flfj fll

* 'ít^sdr-t^-k aBafl ÊllB'âBaBfl l-flafli II V'^fl flal ^1sb7*&. « *' -- Aflfl BW T^a^aT '^bV ¦ ^^' ^^TBb^^bB Wm\ flfll bE™f* *w y^aflBBaaB ^WflM flfl flj^ 3ia^^flafl flflJP^T^^flafl flaflafl1 flfll•"-il--^ V^^tHTbTtbí^^ 'b-bb' I li "fll i^rr IriW:i Tnt fllia?*? --aA¦''^sflafBav'B F^a-^Bj E^B-rWflflflJP^r^fl Bti^fla f -mrTZl* ^T^BKTat'¦ * * aX wfla's" v-» «^rlknL'¦ r g^"fl^^tfeflBflafeb^fl^'.B B^fliT ¦ ^fl iÜBE» *'f *-Jjb^^Bbb,B) flfl 1 '' #àa« a. ». T • fl bbbWm- ' .JKávC jt€^_ktf-tLg»___«

tv Éfl F? &Wrt$Ê fl. 1flaflà ^afl aflB^flfl flBata^aRK^flfll. ,áBafl aW^aHlaCT INI flal bbISI IbbMX' flf Jt/jP flaflí

' 3flal

¦flaflafll i ' « ^~flflflflBBBKBflaBB^^Sly^a»Bflw^^fl^l^^S?'^ ' AJflflaV' f^^gBflflflfl

M^flK BvBQr^^^S bbvJi Eflfl aCflB^pl^BVrjaflaiVa! flJB BBMMflfl|BflBaBBaBa^BBEaKl>wH B * ¦' bmRP^wIHbbsbIBaaaaaaa¥aaB^CJwriPP!!^RaHr3Kn?^^jy^^BBBBBBBMBBBJCTB_^jaM_^^^^aj^_|tt ^i,.W*^r Jj^BBBBBBBBBJMpt,^ *»TM«SOC'yBLjfif^i^.JnBBBBBBBBBBBBBBBflaBBBh^^ «ffllflflflflflflflflflflflflflflflflflfl^flJaaaBaBaBaflSflflflflflaBaBa^flK^^ ^aafl

-_^fl |Í|Í9kiÍM|l flfVQl Ri^'*W^^ ««MPawMf^a! ajSaflflflaflafl

ÍbbbbKbbbbb»%^Í'3L-AbÍ BÍIaubI fl ^

fl fl | flBfl

¦fl flfll: '"-'• aflflflfll BPIQfli flflt I flflBfl IflaBafl CBaflB flfla\ ' 'aflfl

BTf ' 92S*J flV «PailMbbÍ fl BffflÍ

l H aããããããããããããããããããããããããããã^ mufl ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^fl Bfl^^^^^BB^^4?al3BÍ StlaS! fc-i-"- «m

fl?J*'*' fl ^fl bP^bbbÍ aflalAatafllt "laaal^HrT aflTI ik' I ^«Ifl Br^flJ 11 Ur^Ul gyj KLAmmbmA üé»' «

BB) Bt HW te iAb BB «VÍbbÍ Hln JH I I¦ ¦¦ flj ¦ Bb> flj ¦¦¦¦¦¦ IV^ fl^^^^^H ^B^fl »^fl_fl Bfl ? *f_fl ^fljflflrJ-flGrJI ¦¦ * ^r^^fl^^^^^^flfl (

B&f»ta^fait- Jr i^Élà fl ifl ' '¦^* TaflBaP^"' flt ^flflt ^flaflK Ík'"í " "' *'bb^Bt flat^BB^ ' • V*-'^^flil bBb bBbV ¦«'¦' i» ' *^b»- '

flL %m\\ém\ I! a* J"''ji flr áflt' 9 Bt-tAT i mW*mêi ' aBaaama "'iÉí'*;"flt fl^^flaflfla^^flVa^fl^^lui^BW^^^'

aí""* ?^^^í ^ 'flX v" flfll fl ãv fl*_—| Bfl Ifljaj fli aiaB flr fla^JaV Bt^^aT aãv/flaBa-'"'

BBBBBtaBtaBBBBBBBBBBBB^ M^'9mBfBããVZ>aBáB*49 BbSbT«JI< '?

flflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflfl^flflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflja " ^ í .áaB^BB^l^LS flflrflat Bfla^^^^^T»í 1 af * aflVZltflflaVflnflflflflflB^flA flflflHTara T^PV '

aBaflal ta.aflaiaflF"' i lT Vk fl Wm ^"¦Ãfl B mWK— fl •aWaWlWl!'^^'^ L E WllElW BbbbIIbaBBBaaBBBai, iiP JmmT> Uw^Ar "^af- bVWbbbK aBáCaaW ^TBatUhm.1* ai í? C^Ba^^aaflTN>s^SaBPftVflBVVI BBBtt bbbbbb| bbt J MV' #| Ha ^B íb ^£ a^Tn^aw* f^TM bI^íbbV ar*aafj.a¥r ^'T' *-bbL-.TV jamL^ > fJpJmtXk i\JW JLm

luta titanica, confirmou-se a nos-sa previsão. Venceu o Rio Ne-gro.por um placard que não deixadúvidas. Vitoria brilhante e in-sofismavel, conquistada ante umadversário destemido, que lu-tou entusiasticamente até o ul-timo segundo de luta. Caiu poiso Olímpico, mas caiu honrosa-mente, frente a um adversário,mais homogêneo e mais clássico.Novamente, o jogo violento pos-to em pratica por alguns elemen-tos de ambos os quadros, em-panou um pouco o brilhantis-mo da luta. E' preciso que os nos-sos players, respeitem fisicamen-te aos adversários e evitem abrutalidade que muitas vezes in-utiliza para sempre um jogador.No mais a partida agradou.

Façamos agora um rápido cc-mentario do onze campeão de1943. Luizinho— Seguro e espeta-cular, o arqueiro rionegrino foio melhor elemento do triangu-Io final. E' a segunda vez que ob-tem o titulo de campeão ama-zonense pelo clube. Darcy —Falho a principio/ firmou-se aseguir, anulando completamen-te a ação do ponteiro canhotoolímpico, que, -diga-se de pas-sagem, esteve abaixo da criti-

( CONTINUA NA PAG. 14 )

Os contendores do " cias-sico ". Em cima: o Olim-pico, e em baixo: a equi-pe campeã do Rio Negro.

'7t

• 43

•¦¦j

"•iaWr T* ^

Page 8: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

Reportagem de Henrique Paiva

O GALICIA CUMPRIU UMA JORNADAOE GALA DIANTE DO VITORIA F. C.

Depois de um turno em quequasi tudo lhe foi avesso, só ven-cendo uma c empatando outrapartida, o Galicia rcacionou comtodas as energias do seu poderoso "esquadrão" para alcan-rar o lugar que por mérito, me-rece: o de lider do atual certa-me promovido pela F. B D T

Até á data de 30 de Janeiro,o Vitó"ia 5 C vinha ocupandoo privilegiado posto de ponteiro. com apenas 4 pontos perdidos. c I ponto distanciado doGalicia. seu leal adversário des-

Triunfando por 3x2 os galicianosestão a um passo do titulo de 43.

.-?:

sa tarde. Sendo o seu último com

promisso. o VitcVia com um em

pate seria proclamado Campeão

pela primeira vez de sua longa

existência

Ao Galicia. porém, faltava-lhe uma. anulada, com o Ypi-

ránga. e vencendo esta. será pro

clamado Campeão, c o tricam-

peonatc será um fatoTrês tentos a dois. foi o esco-

re que o Galicia. contra o Juize contra a violência, largou emcima de Vi'6 ia Para o Cam-

peão ser Campeão de verdade.nccesrá"io se tornava que houvesse uma prova de foge E nessa

^Lm BV Am^^T^^BBjl Bjfc. JBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBJ

BBPBJJBT^ .i BflY/ ^fl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^Bfl^BBflflflB

mm fl* ^^™JJbV * ^MÊ bbTjSB

BflL - BflBfif^B^^^BB JBmB™'^' '¦B BB^^^^^bB

WPi 5^'^ "^ ^flkljv*»^-**''* "^^l^** i\ .U i A£ Ju ISS B'*« '. ^flBH: ^¦PSC* m TiVC \ ti *¦ ' - r-jjLÊammmmimãÈÊfNmWMjflBBBBJPllf^^'i™ • ifl!: £ iifS&*v-; • WW,m»m^m*' » ^-%^^\^Ts*f^a^^S^mmmmmmm. \dttM***k>i fl Bw ^k ' "' ff^-y» _ , ,>', ¦„,*_/ ,,.vv ^"*/.. <>5g-**Tfclw^8pCir£'^wBBP^^Bk^ _I' asliBHHb'1^

BBBW *' flflB BflV ' V"'-"*¦. * • *S '*?&* * ¦" ¦>' k.* «v*- i^í^BE^-S^tS^^i? , j mm\\ Kl\* - E \ m»*a\m^mr

BflV flfl fll m* ¦>**" _j*fiBfri Í»-C* '• ' Vk%^B *' rwAmm wW^Jf' %er ^BflflBBfl Bk * •^.>*.> .' *' •* »»V*" l~¦im#ài£!tesf Játàm K*»f$&Ss¦" ±M flB flB^ • *¦* ^W "¦';:.. rLgaHJF?» lÉBk*%f '^JBBIbH2 é-Mr '^BV^fl Bli Ê '#.»WF.fll Br ¦''^^it--*'¦J^5B®íHh«S2íJf .^ETTfl BHÍHkv— -<^fl1 aV ~ *-1 ,»" ?flfl B^-vJ^SbBBhbPP^ V Jfl KJ HbIB»^'i" Aj. ^flflHHHHB^flflHHHHHHHF »Y^ íSu4if>Ai'™ Li^k |T "J Bfl B»•Í9 flBf ^™41 Bpr"-' '^flfl ¦ ¦¦*> *^ *VJT*V jÍ'* ll^flflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflflBk fl Efll PwlàlB flr. ,i ¦ ¦¦¦'''•"'" '\*^''>'^fflk^Jr ¦ fl Bifl'* ¦"¦'•"»' ' SlNb^lfJ flkT^BjBBMr - ^/fl fl ;•.,'., fT^|flflB fthJ KNESflfll B

JbT- ?'v^^B^*fl.' -.•.li.jr.jáfll BmbSõ3mÉ1 ffifflflflf •• •- *^5 B^üi^i^wtB^^H BBn bj

' . jflBhly^ ^..Vím r^^-^Vl^MZ^WBllNMflM SjLflÉiQ BBfllftfll m\ fl B,kJÁJ^<*v > . afl D Bv* i^^tlIVxTiISi] SQxm Hl1 ¦.¦ ¦'iWT ifükíM mwmm9' ' ma. iM\^*»SÍ wfVIMa Boi IMgMB^i CMSWM W^^JBBflflJ ¦** Sll&r^^fl^H IB^JV * tfflMNvBN.,3t%. 3U, T^^BKBlFkflP BliflB BBflB'VU fl ~ BBBBJP^9 , 'i> ' í ¦*' «JflflflPF^* "'#'*'i*BÉilk ' ' *^t #5 I VTJtoT^r&ttBMSBnfCBf^flBfl BPflfl BBB* ^BBF .' '"^ ' *y^ >* ^UflB^'"^ j c» *v- n&*%i' kJVSSàwm^mu ^BBI

'¦« ; ¦ *|MflfcP;*!?'-^ 'kàBwt^' .* •''¦¦¦»- *i <1 • ' . i:^i«'*j "*¦ ..-i •w^^mW^mSÊU^,Ê^!^'^immw^jf''MmmmX-\ *!*¦' *'jflB"'¦ ¦» ¦ ¦•• "WMm | -j%t7 ..* :« • » ' i.> r. , , •,-v»\ar^^.'j :>.¦-. • w, i ^ ¦•*vx- Vf^^OUUKmjgEm^m^mmomKJmWmmr Siiafeí-iSPB.•',"o. mW.Í«mwr ^ ç v , **?' ••í;^"Ss^'.i; >»'•'*' "'"'• iL^TSr*'vlK^fli*K'-^y% ^ ' ' I¦BBBBBBBBBBflBMnBBBBBPBflflflBE^V^"' ' |bv7 ' TT^m flL^

prova venceu cem por centoo Galicia O jogo agradou, pelolado do quadro vencedor, quefô> em campo um futebol vis-tosoe bunnte técnico Lutando com toda sorte de rdversi-dades. o Galicia fez ;ú» ao Tri-info. Prejudicado pelo juiz coma m*.reação de dois penaltes c dei-xando de , consignar dois con-tra o Vitória. A vio'ê"tcia nãodc:KDU.dc existir de lado do Vi-tó ia que. vendo se envolvido pe-los Gplicianof, apelou para tãodaninha prática. ^

O jogo teve inicio ás 3,25 Tossfavorável ao Goltcia Saída doVi 6 ia Aos 3 minutos Novt-nha perdeu ótima oportunida-de de *brir o escore. 2 minutosdepois o mesmo Novinha obri-gcu Hei der a praticar difícildefes? pondo a bola a corner Aos7 minutos Ncvcrcinic numa en-irada de Siri. em belo estilo cor-tou. e o juiz. centra a especta-tiva geral, marca pênalti. Foidesignado Juvenal para chutar,c Nova praticou linda defesa.Nova surpresa, pois o :uiz man-da bater outra vez c agora quem

X" ¦? liS^m^SMmm^Ê^t

'âBflfl

í

-^\J3M

í-Vm

NOVA FOI UMA FIQURV IVPARNO GRANDE COTEJQ ENTRE 0

GAIÍCIA E 0 VITÓRIA. CINFIR-MOU SEUS MÉRITOS. JUSTIFICAN.DO 0 INTERESSE OUE PELV SU\COUBORAÇlO TEM DEMONSTRADOCLUBEj CARIOCAS E PAULISTAS.VEMO-LO NUM MERGULHO ARR0-JADO. SOB A PROTEÇÃO OE DA-RUANDA E CARAPICÚ. AO LIDO

pUANOO TENTAVA DETER 0 JimDE SIRI.

^BATENDO UMA F/ LTA

MÁXIMA QUE 0 JUIZ MANDAR*

REPETIR.

is;' i>¦, ' ¦>'¦•¦ 'lí.*'""''" i*

'j.. . ¦'%-'>¦

ví..^: -Mj'¦Ã\ •-—'<•*'

f^Ú.W*'!«

P^BBA^VBBflVB^ B^BflBbfli^^fll S^^^^B^^B^^^BBkMB B^^flBflflkflfl BL BBB^^^^&^Ij^.'': •*-'-—¦ ¦*¦-¦ .^^flBI HV •*-'->''flfl'£^':^.'

* .-; HjfljBB^' < S^^i BB* ¦ ftíb-Í^^BI^^iflJLflH» ^flNflr Tflfl**'Sô- -^Bfl- ^ V'4(b ^Ba '** _J^ ' ''¦''¦'•t*^ÉBB1*«^ * flfflt *•* ^. «JB^Bi^ Bfflr* m\»BBTBBB% * Bi i^bh- ¦ ^w*.. ^^_t~* ^V ^" "4flBBflV>

«B ^]i#*^ ¦ BI ^fNuRBf^. iPbV^^^ fl~J fl^^ V? <¦. t^ aJLfy wP * 9 ^m\ ^»" <d BB^ t! Àmmmw' 9

^BflBj ¦ ^L J^HBBw. ^Bf flB BJ B BA ^? ¦2^1 fc^BBBB "j Br ^»Jl^^j*^ HL^w-- sân Jp f* tflji«^d^.^BJfl ' ^vtf i^^^^'^^ B^^^bkiZ/K "lB ^B^jL ¦ l ufllB BBl fliW^B^DIB^BJ

ABBJBBBJB*^ - * ^^^(B BbW^^íÍêÍí '¦ ¦¦-*¦«'?>'¦¦ ¦^^r"it. »., ¦ *\,^.- jdjtttt BBr^^SpSiwwlF *' '***¦' i^JiT^^lBBMMwfliSS^PT"'^S*!HS^8<BfÕ^^t^^r^M?BBa^^^^^^^^^^^BBBBBBTX '

BT *b^*1 7: a ¦ j '.'"'íi^BB- - ^B^| B^Bké>^^' - ^^fc -h í-i-í ' * W^^|t^i'fcBttMBBBNB'^^ "^ -' ¦ '* ABBBB& BB»^*m*j; j. ':< ^' t ¦ ^r ^ ¦ -^ "jT % \' S'*... ^^^^iHflEJBBii^HBl L _& - €v^flã^flB

íías?! ¦¦i'".:,-.\'^:v

Page 9: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

*•¦ ¦¦*¦¦¦¦:' , ' \

',<>¦

Bkít-

.".

&'

w:' r

¦

-24 de Fevereiro de 1944 .- Aa» - ü ESPORTE ILUSTRADO - N.« 307

IESTA A EQUIPE

09 CALÍCIA QUE SU-perou o vit6.ua.

DEVE SER A DETÉM-TORA 00 TÍTULO RA-HIANO DE 1943. PELO

MENOS ASSIM O ES.PEROf, C3MFI*MTES.SEUS FANS. N1VA.

CAR/PICU. OARU N-

DA, NEVERCINIO,PALMER. N O U CA ,LOURO, CURTO, PAU.LO. N3VINHA E ISAUTINO 5*0 OS TITU-

LARES AQUI FRESEN.TE..

...

I' "

* "í^m^á^ÊÊLm mWÊm^m%mm^m^-mt-m BB^BBBMMi

, Y.JBBI BlBfc^k^^.\;%m BBlfl ^^^^m»__'¦ IRi^^m^.fcA^_> '\fl iStüílâll PI ÍBL.bV bYbl^.^^bb BaBMRBÍMiBifl bbP^br^^^B bey ^^^^m| V jBBBJ BTjÍBBI L ."^¦3Bk>^^^%jBjB PB^^BBBRçaJ ' |B ^B ^HI»3[BÍ^B»wÇb7^í"* IIDVVM'^ a- í:*:^

BiV^^^^^^B^^^BMBBMaB^^BBBtiBJ^B^^B Bft^^^^^^C^^ ;âHÉÉ4B^^^^^^f9l^? jpt' ^*L-^. " i >*- "'^«ImLBbÍ if ¦ Jv4HB t *^4u'^^ ^^jB ^^^^Ji ^^^M*iP^^ ^Sjha < wmK IPV i' lia I # Bi- imímm.m» _^H BBIP^B^I ^fc^HP^* _V| ^i^^^^fl B^Bk. ^^1 BlBk. Lmm£ j^^^B**-Bwi ti^.*Mí * V^BRBÍ'£B¦

' MmmmWmXJ SwTx '" £ li *BB^-..^^^^^1 w^IB^^^^^^^^^d^ B ¦ ^H ^^¦ ^H ^^. ^mmmto iMHiKál f ffwxl ífT»B 0 9 E ; mmmi>4nPHüBB mmmW^ ' àHBBBBIBB BB> BB BB>BkjMBH BB] BBl i fVtn % BB BBh .^Bfl ¦HH-irv y <^H ¦FTr- ^ ^ '^w^rpi^h -¦> BTB^BjB^-B dfiVil U BB1BH ' ¦ ¦ ¦'-¦¦¦I^SéI

f ...'¦*' • <^^B^BBJ ^^P » .^^H ¦W^- | BK^9 H ¦"¦ fl C*^»wJ ¦': ' Jirfl a!Ll^ú -mmmml m- m'mmM m M T^Os B? m -í *^ttH/M ¦¦

^^H JH „ j ^Bbi^v' S ^bb HbYB ^»^^*» ^b! ¦¦Mk^J&BH ¦tT^B^^jB ¦¦ihm^P v mWmmW-MiW bNtbT b s« bYi bbmKbbR ' : ^ Í8

M^BB^^^^"'" ¦ ^^H V ^,* ^ÉYBmBmBmBB ?w^HH &Lb ê1 Bl Bht tH BvÉI B^^sH BBn' M*BB> nf^ V-^dB Av B ' BDr^ .f^^.• *^BBBBBBBBBl > 'YlifcB B ? (N. J I .B BmJEíF BkldBTi1^í£J'B.'I^B^r K**:** .^Bl>" • YBhi^BB7 '^ * Io pv P v|L ^? VrIBiBl wlv >"«SBk. ''B] ^C*"'" • h |L -' ' ' ?iiX ." ^3»»^SsP^ áy^ff^W^ •^^^r v Bmk"!1BHc IoBTIB'^~. alBl Sfidttflfl

/^HKS HH Bi Wtm - ¦ j|^&^%>iwll ^r Ba BbiK Hl^lkS^W tBtF'^^P^1-n .". '^^K^,"'- tS^b^biI BC^vKÍJBB bwbbwfl BHbB Blr WÊ -^^B^*'"-»V 'Jm t^màmmm KfcÍMÍBl Bm»'^ \^bT?J ¦*¦¦'"A*^.V^WU t,'•.*:>¦.- S*íjK?"^H BB^^'jflH Bb^^^I

*M0Ff mm\m\JwL^mm^^ ^m\\ ¦AV> RaV Ry SLfi' R^^»>^ ^tãKwBm*m"*£f ^^^| VO| k^ BVI BRB^E^. sTvH BhL * ^K' f ^^BRBg^MPB^WPniP^^

4^g^*)ÉpB] B^^ta. ^L. -^^^m9mMw^^^ m^T '•^''fl R%fl V " Bl B^ "v.*B ^Tstí^l B>B ^R*9(fl B^^BCaá^JvjfftflftflvV v$l Rfl B*'* ¦""**•' >*' BBWv/BmH % Ar- ^.BT 'B Tl^Tm Krxl BSK*^^BÍ^2 BW^B bW^I* ^^Ê^^Í^Bll W« ¦ 'fl ^V . ^^kV BR Af| Mr*^PJU^BB BT^^^BTy*>^^^t,Éf1rÍTiWB

NitfíBB"*'!^iiili^BB B^BIfc^i^B^ B^^>9 Bm'"¦**'"¦ BV#- I NH KaÍJBBBWW] Hl I ^ ^^'ÍBBK^^^BWv^^SBBJ .. j*"*>U**BBI Etlw^H^ */***•¦

vBi» mÊÊÊ i^P^va BhBBhB^ I^BiBbBbBbbV^BhV Bb BW >^BW BW^B BBti. í~\.^> ¦ ¦ '-'.1J BMW^fiwJlKji *?

^B Bbb^^bB bb* Bik'* ^B' mm\W\mm\m. MâmfL* i* ^mmW^S^ BttB bV^^V HMibk 5S^^BlK^^íílKj?tBW!^^0M^^BW>3*í?^»

^B ^B Vfl BRbL - Bl^^^^Hi BBR*^lSiBl^ BlffaT^JL^^^^^^^P1*^^*^^^^*' - v*^ 5í ,mÇ {^ , JL^kT * r\*>+ • *-£^>?-i. ^^^sií^*^»

ií-

J1Iy

bateu foi Siri que assim abriuo escore. . .

Paulo empatou.

Aos 15 minutos. Novinha co-brou uma falta, na área perigo-sa. passando a Paulo que, rapi-pido consignou o tento do em-pate.^

Tento de Siri.

Aos 35 minutos Siri recebeuum passe de Carmine e Novadeixou o arco. Siri ageitou coma mão, sob as vistas do juiz e con-signcu o último tento do seu ban-do. Um minuto depois, Louro,de passe de Novinha. empatou

^novamente o cotejo marcandoo 2° goal do Galicia.

Novinha desempatou.

Aos 42 minutos. Novinha de

passe de Paulo mandou a bolaàs redes guarnecidas por Hei-

der. Era o goal do merecido tri-unfo do Galicia Aos 44 minutos o juiz anulou o goal mais lin-do da tarde, de autoria de Curtoem lindo estilo, desviando umabola de cabeça.

A segunda fase foi iniciada às4.25. Aos 5 minutos de jogo ojuiz marcou um pênalti contrao Galicia. Siri bateu e Nova de-fendeu magistralmente. O pia-card permaneceu inalterável atéo final, cem os 3 x 2 farorável poGalicia

os QUADROS:

«alicia — Nova. Carapicu' eDaruanda; Ne-vercinio, Palmere Ncuca; Louro. (Curto, PauloNoviha, e Izaltino

vitória — Heider. Celino eUmbelino; Bengalinha. Durval,e Valter; Campos, Juvenal^Siri,Carmine e Cinco

¦ .

Apitou o encontro o Sr. Al-varo Vianna Cruz que teve umaatuação parcial e desastrosa

as grandes figTmus do gramado

Nova foi a grande figura nogramade, seguido de perto porNovinha. Carapicu'. Daruanda,Palmér. Nevercinio e Curto Pau-Io merece um registro especialpela sua educação esportivanao revidando os pontapés des-leais de Umbelinc.

No Vitó*ia 2 figuras se des*tacaram: Bengalinha e Durval,Juvenal e Valter e os demais es-forçados.

a preliminar¦>. ¦

No jogo de aspirantes venceuo Galicia de 4x3)

sagrando-se campeão de sua

categoria. Os tentos cio vence-dor foram conquistados por Na-dú (2) Carola e Aricum. Teveótima arbitragem c juiz Sr. Nel-son Ribeiro.

Os campeões de 1943 são: Ge-sonias, Lelinho e Tutu; Ferrei-ra. Fala-Baixinho e Valter; Nadú,Aricum, Nebulosa, Carola e No-gueira.

A colocação dos clubes como resultado do jogo de 30 a tarde,faltando apenas um jego a nu-lado. entre o Galicia e Ipiranga,é a seguinte:

I." lugar --*• Galicia — 5 pon-Tos perdidos. 2.° lugar — Vi-

ió:ia e Botafogo — 6 pontosperdidos. 3.°— Ipiranga — 8

pontos perdidos-• 4.° — Bahia —

9 pontos perdidos- 5.ü — Gua-

rarí 0 pontos ganhos.

¦ Yi*

:Y!

DIARIAMENTE, ás 12 HORAS, na PRA-9ESPORTES AO MEIO-DIA - com Aylton Flores

Page 10: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

-" '.

••

o^^^^B| B

^^^^¦«BBbBbÍ BBS

^BB^BfllJÉÉlxT*^^^^^b^bWÉ^bBbBBb^bBbIb^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^bBbM^b^BB' ^^bI BB

iMÉÉ^X ^^^H BM^f—JM Bb^b^||bHPHHHHh^^^H|^|¦'' W* ^bI BBH

JgSi B

TfiMfr ¦ ^Bfc-7 7. ^H BBBÈí^MíKj 'HjsW^íbbB b^Hb9B^jb^bBb^b1 bbMbuBbI

idmTmwt 1 [m^J fl Iíé^B JflIlPB B" BB

kBHB^B^B^B^B^B^B^B''' ^B^B^B^B^B^HHbÍ

IR B, BbI SmWn ^^B ^bb^b^b^H^^i w m 11B» ,w B BB

!B 11ti ^B BS' ¦ ^H KlPSiliH - _^^^- .

lx ^bb^bb^ ^bb^bbBb^bbb•

' ^ám B^B^

bB^"^^^^^ * _BBJ|B^^^ ^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^B^BJB^B^B^BH^¦^^^ ^Bl BBP^^BB

"¦•-.

6; Campeonato BrNatação foi uma hen

tòx"ííj^i.".' *

ESCREVE

VELHO CARPA

" ;

''"'' - - v

..V*-

:,%»a-

Flagrantes do 6.° Cam-peonato Juvenil de Na-tação. Vemos os cam-peões e recordistas, aquiapresentados apenas 4.A partida da 12.* provae os técnicos Carlos deCampos Sobrinho, Ca-cfiimbáu e HildiberioCavalcanti.

üfe

ÍWSKi»

ÍraB$H

*X'./

««-Kfjbi^tttWSWfcà^BB! W ^P ^BBbBP^^M B*7-V ¦ 1

'7',Çr# * ^'*¦*•"''7 p3^8yi8B^^*^ajB»SB^HB^í^: ' ¦ ¦¦!^S^HÍ*-'vn;i'«J6éíÍS^^S@l ^H bbBè3SJ^.x7- .--''inifc. "IíV. í^a^h^BB^B ¦ 7.j^bB ^mbMBB•<^"' "-''"'¦ :' ¦ " ''":: ¦¦i""y **>$kmffi¥(!&?7BSm&'" tfíxr^^1 ii^bB BbWpx' V n*'"'í'i^IMBT Tt" ¦*¦ ^B B. 7"xaB Wm~*^^^Zr" *' ^íImiSVí^E^bSkwSk' j orJBfr?rTri6.- -'J _i lB Bt^* s í* S£^Ê)tmWÁ mw\ mM.*^è^*-'z-^^^^mmmmmB'v" .'^'vCiüc^pSS^^T^ -rfSÍS^^/.'LÍ:>*-' IBl BL-1__J2SK^K"*^*^5—^*B1iB BI

fix *i*«v jjt^W*W^M»*™^^^BKy' • *BlB9H^»^3ffBM3B^J^:^ *^ ^b**^^*"*' -^—^^^^mmmm^^r^^^^mm^mTr.i^WtmMmmmmmmmmmmmmwr7^ ^^IBbb^bbBbb^^bb^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^b^bb^bb^bb^Bbb^bbB

mi^i^K ' ^ ^BBI P-^lèpIfl^H *fÍ3* BB BMlüxfeaB Bffi^^^B^BBSffl^; ^^ aB bbB - :^B bHS^P^^^P^B bbSí?ft^itHPm-Íx^KíMS»i#^l^He?' BB BfiiPS Br^.í&^ím BI

^3IpSb»-' II 11.^HraH|j WtM E^ü I

BRPHH^bbH ^ ^SBmW^^OmmWmm' felVNwBWmM$&7m XI BBB' -' ^vm

Élfl B' -á a«^ p^ ^ SmbI^WbwI Bb^bb?^ ^^m7 - ''ztr ' IliB B. -'IbbBI ^fTí^ bBMBH^bI -%" ..' ^--': ' ''":

X; Ax mÊM .^43» ^iB^B^B^MBJ^Í^aSiMMSfT .>J&iK^^^ ^*4 %, n% ^ s-.^M*-^

fiiBP -^1981 & -JiPí I^iffiHpl B»^..--"^Í^®;>"¦¦^"¦" 1ÜB Bp-.v'WÍ.'^ |^^-*xv ;^x

px7^S^BHBBK bv^ P^V§ 1 «^> ^^™PMMffiiWBBlia^f^MBHBB&#y^.^c • <-xx-A., - '^^'^"iiaBlilSlHÉufflll^^ -*r^.

1'^^SBBBBBÍB^^aP^^w^^^^B^B^^Tf -.v^^ ... - ^-::-Jg%M^^^p^wlWv7 -^n,»*.

' . 7:..

O VLCampeon&i,sileiro de Natação*^uma grande pfoj^isso esperaxio com ijresse, teve o seu _molde a justificar,toda esta expecta^tWtarde favoreceu o sesob as vistas dè,assistência que obseirenhidas entre minepaulistas e gauchlambiente sadio #deípÜna e entusiasientendidos deveriaifeitos ao atentaralhosas perjormaiorsos que Lram movi<resse regional, sem;tona, nestas ccasirtambém, ter saídoentusiasmados comtodas as equipes

A vitoria coube,!vez consecutiva,neira, sagrando-sequinta vez vice-camjcaricca. Os pajtjtfsjlem ótimo terceiro,reduzida equipe gí

^—

Page 11: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

lleiro Juvenil deMe de recordes!"¦¦ 1 BW*'.-i-

ti! •

'iáki&Restá radicado nos' nossos camposde atletismo, com a reação prontaque possue, teve a parte maisdelicada, a s,- Ida das provasde 50 metros — e o fez tambémcom maestria c ate extraordi-nario zelo...

Nilo podemos deixar de lançartambém um reparo sobre aparte administrativa. O localpara os jornalistas que em grandenumero compareceram foi exíguoe houve o desrespeito ao publicoque não poude acompanhar eanotar os resultados, dada adeficiência do microfone insta-lado. Os resultados so eram ouvi-dos nas cercanias dos juizes. Opublico, do outro lado teve dese contentar só com o observaras provas... Será tão difícil"•onsc-mir um bom mi^rofo-ne ?.. .

Em matéria de té^ni^a tudo'orreu explendidamente e tivessea a?ua da piscina do Guà-nabira, melhor estudo em relaçãoà tuibidez, os nadadores teriam

melhor orientação e melhor visanas checadas.

Numa demonstração de pro-gresso, de eficiência e de carinhopelas cousas da educação fisicada criança, por onze vezes atabela de records sofreu altera-ção. Cinco vezes os mineirosmostraram o seu acurado preparoe por duas vezes cada uma dasoutras equipes mostrou elementosde vai Sr acima do simples titulode campeão . Todos vieram, destafeita, mais organizados. Os mi-nciros, como sempre, notáveisna ordem, atendendo a todos osdetalhes c com a moral fortificadade maneira extraordinária; todosdebaixo de uma orientação única,certa, eficiente e animada quee a de Carljto. Os paulistas,neste ano, vieram estimuladospor uma outra mentalidade comrelação aos seus infanto-juvenis.Conseguiram uma concentraçãoe durante um mez, também orien-tados por um elemento experientecomo é Podboy, conseguiramdesfaser a má impressão causada

-I

A

***%& w

-se )camiu liste¦iTo,m¦ si

¦I

^ mÜ Bra-itíado por

R'-e. p°r~jjar inte-•urso de

mamente,Uma belapfsenrolar^HimerosalâisputasCanecas,

Jjjpo numem, disci-

icar satis-rnoravi-

pridas e•pélointe-trazido àdeveriamuanabara

valor quejantaram

|t quintauipe mi-

pida pelaI a equipe

chegaramquanto aha classi-

¦WW^

ficou-se em quarto. Os mineirostotalizaram 293 # pontos, assimdivididos: 10 primeiros, 12 se-gundos, 7 terceiros, 9 quartos,6 quintos e 6 sextos.

Os cariocas vioe-campeões con-seguiram 242 assim, alcançados:8 primeiros, 6 segundos, 9 ter-ceiros, 6 quartos, 8 quintos, e11 sextos.

Os paulistas com 6 primeiros,6 segundos, 9 terceiros*, 8 quarto?,10 quintos e 6 sextos somaramum total de 221 pontos. A equipegaúcha limitada aos seus oonselementos, conseguiu Aj/ pontos.Como vemos, todas as equipesapresentaram certa # homogenci-dade. Apenas os cariocas tirarammuitos sextos lugares d que con-diz bem, com #a sua organisaçãoem relação às duas outras.

*

O programa do Campeonato fjjrealisado com uma organização muito melhor do que os Campeonatosanteriores. Na parte técnica tudocorreu bem, afora alguns senõesnas classificações, o que é detodo impossivel evitar. O inte-resse demonstrado pelas equipesfez com que tudo corresse bem.Sob este ponto cabe aqui umreparo especial aos dois juizesde partida que se houveram comacerto e eficiência. Edgar deCastro, o juiz mineiro que deuas partidas das provas de cemmetros em diante, mostrou serconhecedor da sua missão eAriovaldo, o paulista, que já

¦•'¦¦

^t*^.

¦

JÊÊm

v

wmm mMm

T^Smü

ta-. ^^^mMSmmm^mA\^ ¦. Z,È*32@mÉ^M&M*mmkIH8BwBffwBíBnBffiB'^SiiTTh,*fci tB

'MrjÁ£''''^^tf9& BBteb^Bm^áá^flBMB^^^Siiii^^ES^

MmàWM v

. j; :,.v

* .i

BC

: ¦¦'.'¦

¦:;,M!i-ij;..^vV.:-'V^"

Page 12: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

6.» Ano - KSHOKTK ILUSTRADO — N. 307 24 de Fevereiro de IÍM4

no ano passado, quando n3ppossuíam ordem e não conse^u»-ram fazer um único campcSoOs "auchos, trazendo só elemen-tos de alta categoria, tiveram omérito, de justificar este valorvencendo as provas e batendorecords.

Os cariccas conseguiram umesboço de or^anisaeSo, apenasum esboço, pois aqui começou-setarde a pensar no que os paulistasfizeram, O vice-campeonato foiobtido por uma conjugação deelementos esparsos, sem se con-seguir a unidade desejada, apenascontrolados, de lon«e, pela dire-çilo central. Foi uni "scuiulo"

|K*|o valor dos elemento};, a faltade or^anisaçSo justifica-se bemnos o mie sextos lu"ares E ueces-sario muito trabi lho .. .

r

A equipe mineira, desta feitalevou superiorida<le em # tudo .Campe5e,s, vice-campcí5es e re-cords, em numero de cinco.Aparecia como favorita, nffo jxl sresultados conluiei tios, pois osmineiros precuram fazer isl<» tudoem scredo e as possibilidadesda sua equipe representam sem-pre uma dôr de cabeça para ostécnicos adversários; os uhimosresultados conhecidos deles eramde Dezembro. Um balanço dosmesmos dava "matematicamente"a vitoria a Silo Paulo, pi rémttxlps eram unanimes em con-siderá-la favorita, pois a suapotencialidade residia na or^a-nisaçílo e na confiança serenaque seus dirigentes deixavamtransparecer. Venceu e \encera,ainda, porque a melhoria d^soutros adversários sempre estápreocupando seus hábeis oricn-(adores.

Dos seus dez vencedores, Clhcoestabeleceram outros novos recordsinfantis A sua vitória maisb uiita teve-a em Luiz Amaral,ao conseguir vencer Maníre^loLeipzí^er, cousa que os cariocasníto acreditavam Luiz Amaralestabeleceu novo record, Comovitoria bonita, porque em valortécnico o ponto alto da equipemineira foi no petiz, HumbertoSantana, na prova de 60 metrosem nado de peito com 45,6.Esta performance foi a terceirada competi cito, em valor. Osoutros records batidos pelos mi-neiros classificam-se, em quintolu:<rar, o de Edehyeíss Simões

que melhorou o de 50 metros,meninas infantis de peito, reali-zando 42'f>; em oitavo lu<*arvem a bela marca de 1 * 17,3» con-seguida por Maria Prátésj e osoutros dois records que foram ode Luiz Amaral, com 2'58"4mostrando a (Jbòa qualidade comque sempre ** apresenta os na*rladores de p.^ito e o da PetizaGiglioti com 45,01 para os 50metros, meninas petizes de eos-tas. Os outros vencedores ofizeram com performances quedemonstraram o excelente pre-paro com que os mineiros cm-daram de todos os seus eementos.

Sobre os vice-campeões pre-ferimos tratar deles mais tarde,com considerações especiais. Amelhor marca caiicca que# teveo sexto lu^-ar numa classificaçãogeral dos resultados foi, a nos«over, a de Ivo Volta, ao íazOr1'21"0 para os" juvenis seniors,em nado de peito. A segunda'justamente o outro record batidojxrlos cariocas, foi a de TahtaRodrigues, nos 50 meninas in-fantis, de costas, com 41"9

Os paulistas já tinham nosseus trabalhos preparatórios danrganisaçao da equipe dado umgrande passo em prol da sua nata-çffo infanto-juvenil. Quem acom-panha a nossa nataçilo, ao fazerum c nfr nto com a sua eqiipcdo ano passado, tinha de fatode se impressionar com a orga-nizaçâo bôa com que aqui- ene-garam. Cuid indo de todos osdet; lhes, naturalmente ate ondepermitiam os seus recursos \mn-teriiis; trouxeram uma equipedebí.ixo de uma só cabeça, sópensando em dar a Sao Paulouni lugar honroso. Se n3o con-seguiram uma vitoria, entre-t.-nto, mostraram que podemdisputá-la com os mineiros nopróximo ano, porque lemos acerteza de que melhorarão muito...Foi a equipe que m.às progrediue apenas O alio v; 1 r da mathiiados elementos da equipe carLcanfío |>crmitiu. com as suas duplas,que os paulistas chegassem aologar que mereciam: o v»ce-campeonato.

0 seu melhor resujtado técnicoteve-o em Trombini, ao venceros infantis em nado de peito,no tempo de 40"2. O melhorelemento, Jatai) Jonas, foi oquarto resultado, em valor, dacompetição com 5'22"3 para os400 metros, livres.

Parabéns, pois, aoç paulistas, pe-Io modo rápido com que se orga-nisaram e Podboy pode *s\itScerto de que desta maneira muitoterá de lucrar a natação de SâoPaulo

Os gaúchos, com equipe reilu-sida, conseguiram uma grandecousa. E o melhor resultadotécnico tia competição. Marl.vZielinski, uma endiabrada garo-tinha dos pampas, conseguiu,em nado de ptito para petizas44"9, record melhor 3"7 que oanterior. Obtiveram, ainda, comFrancisCa Sisson, um bom resul-lailo nos 100 meiros, meninasjuvenis de peito, fazendo 1\>4".

E' preciso que se esforcem maispara trazer m;.ior equipe. A dis-tancia de fato é longa para talempreendimento, mas nSb sedeve desanimar.

fiais sflo as nossas primeirasimpressões tio excelente des-enrolar do VI campeonato In-fanto-Iuvenil, onde o melhortrabalho que se faz pela edu-caçSo da Criança no Brasil f umostrado aos assistentes quena piscina do -Guanabara, in-centivaram os seus partidos eobservaram resultados, lé.-Mieísha muito mio protlig .Usados aosjans da nátaçSo.

HEPAXPACIFICADOR DO FÍGADO

PBOOUTO DO LAdOSATÔHIO OA OUAkAMIDINA

E' digno de louvor o progresso dobasquetebol brasileiro, mas é pre-ciso muito trabalhar, muito, ainda.

(Continuação da pág. 2).^

veita a maior habilidade deste ou daquele jogador para a organiza-çao de uma chave nova.

Atentando melhor pera o ritmo de jogo. vê-se que teams íme-nores a adultos) atuam da mesma maneira, sob iguais sistemas, istoé. empregam o jogo de pivot.opivot fixo ou o homem-chave. Resubta disto que o publico se cansa com desempenhos iguais, sem um "rom-

pimento" sensacional num bloqueio ou numa incursão vigorosa paraa cesta. O bloqueio, quando empregado correi?mente, é magnífico.Aqui. entretanto, veio tal sistema posto em ação sumamente distanciado, de modo a impossibilitar a sua melhor vantagem, que consis-te no iro de conclusão. E" sabido que seu emprego, perto da cestapermite tentos primoroso*.

O América, contra o Botafogo tentou um "rompimento" pelaesquerda (aproveitamento da zona fraca, deve ter imaginado Rosa-lez). o que não deu resultado, naturalmente porque a tática não seachava bem ensinada e repetida.

O Botafogo ganhou vários jogos, com alguns "rompimentos'"

rápidos. . Perdoem-nos. todavia, seus dirigentes, mas devo dizer fran-camente que os botafoguenses ainda carecem de ensino, mais ensi*no e ainda mais ensino dos fundrmentos técnicos do basqueteI ?

E' isto. de resto — refiro-me >os fundamentos, ao "a. b. c. —-o que miis precisa o baíqjetebol por mim observado Não se cuida, demodo geri», com a devida importância, justamente do que se me afi~gura mais necessário — os treinos básicos, pratica indispensável.

Umj equipe, prosseguiu Rosalcz, que me impressionou, comoesplendida matéria prima, foi a do S. Paulo Futebol Clube, quan-do competiu, no Rio. com o Fluminense, sobretudo o jovem que fi-gurou no centro (MasseneO. o qual. instruído convenientemente,seria de difícil marcação. Bem orientado, esse jogador do S. Pauloseria indiscutivelmente o centro titular da seleção do Brasil,^ com li-cença do centro do Botafogo. Este. ainda que magnífico, não poderia superar aquele, desde que o sampaulino fosse devidamente pre-parado.

Como técnico, preferi apontar, claramente, os pontos falhos.Seja me permitido, entretanto. Icuvar os esforços que se fazem, aqui,visando melhorar o baiquetebol brasileiro. Vê-se. de resto, que se trabalha bastante e que se procura seguir a semente lançada. E a ma-neira de seguir essa diretriz é que precisa ser apurada

UM SALUDO FINAL

* •

Ao se despedir, pediu-nos Pedro Ascendo Rosalez. já que nãopedia fazê-lo pessoalmente pela falta de tempo e pelo inesperado desua partida, que transmitíssemos a rodos os que o distinguiram, es-pecialmente a imprensa, a ^Associação Cristã de Moços, o FluminenseF. C. c a Escola Nacional de EducaçSo Física, com tantas atenções,os seus profundos agradecimentos e a garantia de sua imorredouralembrança dos dias que entre nós passou.

E para você. Rosalez. que soube deixar em cada um de nós umadmirador e um amigo, desejamos que possa dizer aos seus patríciosmexicanos o quanto os estimamos e da expetativa nossa de mantercomo eles intercâmbio desportivo que se faz necessário.

NÚMEROS ATRASADOS DESTA REVISTA NOM A RJA N H Ã O

Pedir a RAMOS D'ALMEIDA & CIA.Praçaljoão Lisboa, 114 — Sao* Luiz

:

GALHO DE URTIGA -- uma croniqueta "vene-nosa" do velho ANTÔNIO CONSELHEIRO está na

J da PRA-9, diariamente, ás 19 e 5.n o s a

."¦'.¦¦¦;-f,:,,^ .¦. i^^B8HHBnRliBH9BRHHfilHPHRiPRII|VP

mk*. -*mh

Page 13: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

**'¦'.' '"**

24 de Fcvreiro de 1944

¦

¦ ¦. ¦ V '

n

¦¦¦

6.» ANO — ESPORTE ILUSTRADO ~ N." 307

Âm ^Rv

Bfll B^^^^l \w

Mmmm I/ mW - &**-&m&JyjPsí W ¦ JWv^BpkVV^>\| • • # .MmW^âX^*^* m\ W _^fl1 r^- JmW \

^¦B^_ wj V BB Ie^ÉL^ '¦ flB AT V\

I flk^_ 4- ^ Bi vJlkk. ^^^Bi %* * B^BjEs Jl*

líjt-í' fll A t ¦ /

BflSl^t. BJ ^u^-^^nV to^»% mhmZ.Í' ', a flVfl*

mmW CB 9^ ^mSW^^^^^

^jH Sj^BB^^^^^^^ ^^^^*^b1bWu_^^B' HflBEte^ bIbw^k^^^^^^bBb bp^^

¦¦'¦

;*5 :-'-¦>

y-.

»

0 eiquadrão cruzmaltino yc o bicho-papãodo c?.mpeonato do ano IQue progresso, que "timão"...

Mas, será milagre ou é engano ?Nada. . ." E' que lá está o Gndíno.

0. K.

J

ÍínHÉB9ÉBÉÉ^BEÉÍHB«^HaÍÍÍ

Page 14: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

*,.• Ano — ESPORTE ILUSTRADO - N.- 307 14 24 de Fevereiro de 1944

OS RUBRO-NEGROS EM FESTAS!__ _ ... _. ^_M.^.^_^^^M^ t «'BBIHbbh Br S flfl BBPtTflflflaai ^ ABA^^^b^^sjaus?^mfÊWÊÊssiKM^^mWÊ^SIiSkil^SSS^MÊÍt ^Êf 'jB^* atl:ü. f mBuip^pbBBÉ BBr yí ^áB Hjgy—flj BB

BBL BBBBBBBBBBBBV ^^p^a^M. fl BpBaflB bB ' éfwm\ BBhfJÍI -^JfSI

BkV%Pj BB| BJpÍBa::'-' ^J*'1 SB HBfpBVsÍI^'^ BBBBbB ^BBBbBpIpSBBbT^^^B BBbB :'tr^^^Br^»BPaB^pflBB«M

bB^P^^^W^SH pBt ' ^Êkmw ^™BBBBW bB y^m /* V5-. ' ^*.'bV _JBr-<<Btt^a5» ':'^*r ^BBIL "sbBBbI bmbí» ^BB/* BBBB, *¦¦¦¦* ,, ** v vBBBBBh^.^BBpBW''*^ IP BB BBbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb BPtbBbBB» ^^!Pe ^T flflflr^H bb^^*BI B-'flr f bbbbb^bbbbbB

BP™"^^^ ^^B bbbbBk, '^tv^tMàmÀ Xs *'¦ ¦BBk* > bYbE*. bbbbbbbbbbbbbbB

^^BBB^jv.^BBBBK>3BB^r^' BBBBBBBBBBBBBBBBb, flk BBI Bflfli3&!Bflkáp^"dp> fli -. > ' ^-' jf ^tf ao*- > ^^^^BB BBfl, ^r - ^^^m 44 ;^BB ^^^^p^pbBB

BfjÉ5çL ¦¦¦^BM.-^tj :: "^-ttbb bB YBflB yB . * bB flB um BpI Br!

»'.'. BbbS3??^ IBBBBBBBBBBBBBBL UT^~kL ~ * "*'£ ¦ - ^ A^ #^S| B

. .¦ bbbbbBBBbbBbbbbBblb - ^T> v_^___: ^ggL^i^^^r?"1c" P^^B^^B Ba SS iH BaãaflBP^^^BBÉBBjwffflJ .. ^^^BBBflflB***** ^íIbbl'' <^^bbb bB~' ' ¦ bB ¦ .iflB BBfl BbbBB BptEff:BflBrlr^'~ > ^BBBR^pHf ^^BflBBBEi»jip»^apBBjLj ... * • ^7bB B .'-bbbbp-- . ^^1 ,"*—fBj BJEr' -'.t ¦¦¦ . " 'ILpajBBBBj. BflflflBP^r^SIÊ? ^^B^^HHBnt"*' -* BJ * ^T. VA»' ' BV B>

^i^^taBk^,^* P^Bf ' Bw bbbbbBÍ * TS" S*B'"";|C Bi E BJ Bk_ >••*. BJ B¦ BBBBT BBBBBBB^pBm ¦ BBafe. Bi BF VBB .^bIb^C ál ' ' t^ ' *''í1ép9_^pK bbbbbbbbbbbbbbB bB flBflhuaw aBa aflfl ^BÉBÉBÉiB IflV í*-^"-

aSBBB^bp^'' ' BBBBBBBBBBBBBBbB iJpBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBr '¦ *§f

£"*-¦ nfl ^B bbb^^ .^^^b^bB BíaV afl Pr«*

¦Bf^a^^^^^Bt^—jj^* JbK í* ^l*^' ^^jbí >*^ ^» ^^^B bb'^ ^B bbbV"^' ¦ ^,

flfl-- ^B B-iiJHt" ^#B] E^*\ -* BlBT Tfl| ^|B.^Bppç " ^^v.^^"" ' _ «w B IIJp^bB BBI Bb^^bB BBBa!V™Jfl BBB, pBfcU^ ^"vB* ^BM^B pBfc^p^pttÉBBBB^BB B^^a^'^ ' ' BB BBf r ' ^ÉB

pBb^-4 *; "Bp^bjbpBpf »^^p^ ^mk —JbBB^"^bbbbbbbbbb ? '^B^PflflL J3pPJP^^:.^^™^fc9P*flB^^/ ^bf^BB <-bbBflflr^ BBJJ ^^^^p^B1™" ^^^BB BBJt jKii^^^BBB^p^^p^ÉfllIr^ •* ¦t^if^^A' ^^flBBBBjF

^_^B »> .^flflB BIb ^tSt^BwBBBB" -****« „ .

5^" ^bbB bbB bbH ;í*b?* ' afiepwik.Br fl BBJ) ¦¦ BBJr BBJ ^"v ' .mmno n^^BB BflBflBBBflflflBF .^iflB ^*««í>

Com n fidalguia tradicional da familia flamenga, a diretoria houve por bem. em nimia gentileza,homenagear ESPORTE ilustrado, dedicando-lhe uma de suas noites carnavalescas Aliás, não ficouaqui a homenagem OCR Flamengo, nessa mesma noite, fez realizar o jantar de comemoraçãoda conquista do hi-campeonato juvenil de futebol de 1943. para o qual também recebeu esporteilustrado amável convite Registramos, aqui. o ágape. cm dois flagrrntes. nos quais são vistosos bi-campeões c a testa da mesa. onde figuraram o Sr Alfredo Curvcllo. representante da FcdMetropolitana de Futebol. Dr Jcão Ncdcr c outros personagens de destaque. Ao C. R Flamengoo ESPORTE II USTRAdÒ apresenta seus agradecimentos pelas honrarias de que imerecidamente foi alvo

0 RIO NEGRO é o campeãoamazonense de 1943!

i CONTINUAÇÃO DA PAG. 7 )

ca. Vindo do Pará. c um grande astro cm sua posição. E' o pri-meiro ano que atua em canchasamazonenses. Marcilio — —Em plano inferior ao de seu cem-panheiro. Scratman amazonen-se vários anos. Campeão peioRio Negro cm 38-40 c 43. Cam-pcào brasileiro da zona norte

cm 1942. Ornar — Sem abu-sar do jogo violento, esteve óti-me. Ex-scratman pern.o.mbuca-no. Vindo para aqui com o San-ta Cruz do Recife, radicou-ser.a familia rioncgrnv Zcnith —Esteve •absoluto c eixo rione--grino. E' campeão amazonen-se de 40 por seu clube Dog —O garoto revelação de 42. ncutralizou bem o esforço da ala di-rcita olímpica. E' a primeira vezque se sagra campeão. Oliveira— Parece estar fera de formao colorcd rionegrino Já atuou

pelo Fast. pela União e Nacic-nal. clube pelo qual se sagreucampeão. Oliveira — Parece estarfora de forma o colored rionegrinoE' campeão brasileiro da zonanorte, dêsse mesmo ano. França— O melhor vanguardeiro rio-negrino. Emérito chutador. fc»durante 4 anos titular da sele-ção cearense, como centro ata-cante. Campeão cearense invi-cto cm 1941 pelo Ceará. Foi tam-bem campeão de 42. sendo emambos o artilheiro-mór Veio pa-ra aqui no Santa Cruz de Reci

Cie oo

« «BIbrub{>fu6

0 ¦ Meu<**Pm.

fe. emprestado pelo seu ex-clu-be o Ceará. Cláudio — Mar-cou o l.° tento da tarde. Não émais o "terror dos goleiros". Foicampeão amazonense em 37 peloNacional: Campeão em 38 e 40

pelo Rio Negro Sílvio — Um.

.astro em sua posição E' um vir-tuoso insider esquerdo rione-

grinc Importado do Pará em1942. Lé — Apczar dos peza-res. é ainda um dos melhores ex-tremas da cidade. E' campeãode 38 e 40 pelo Rio Negro Jáatuou pelo Nacional.

Eis. em síntese, ism pequenoesboço biográfico dos onze he-róis da jornada de Domingo

Quanto ao Olímpico, fez o im-

possível Na defeza é justo des-tacar a atuação de Téo e Tuta.enquanto os demais estiverambons. No ataque, somente Marcosapareceu com destaque Sidi-nho. apesat de ter atuado bemna primeira fase, esteve irreco-nhecivel na fase final. O nova-

í Delcy. não comprometeu.

o Árbitro

A arbitragem esteve a cargodo Snr. Milton < ?) que teve boaatuação Devia reprimir o jôjoviolento com mais energia

Leiam

» CENA MUDAA melhor revista clnem-to-

grafica «emanai

¦ '

¦ X

¦¦

9y

.- -'S

ODUVALDO COZZI APRESENTA TODOS OSDIAS,ás 19 HORAS,ESPORTES PELA "SUA"PRA-9

Page 15: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

y. ••

'V^í*'*'-

If':'

!

24 de Fevereiro de 19 I 15 6.- Ano - ESPORTE ILUSTRADO - N.« 307

Levantou o titulo a¦&*>. ¦ ¦ ¦ A E. MERCEANA

No primeiro campeonatouberabense de Futebol

O primeiro campeonato Ube-rabense de Futebol, patrocina-do pela Liga Uberabense de Fu-tebol. adquiriu características em-

polgantes á medida de seu de-senrolar. Cinco clubes partici-param do mesmo: Associação E.Merceane, Independente A. Clu-be, C. Atlético Mineiro. Sete deSetembro e Esporte C. Fabrício.Trôs eram apontados como pro-vaveis campeões: Merceana. In-dependente e Atlético. Os tresclubes favoritos se distanciavamentre si de apenas um ponto. Noentanto, o Atlético, aos poucosse deslocava na tabela, até queapenas dois candidatos eram pa-—tentes: Merceana e Independen-te. E o primeiro, que desde o i-nício do segundo turno assumi-ra a vanguarda na tabela, nãomais a deixou, sagrando-se "Cam-

peão Uberabense de Futebol de1943". E, mais ainqa, não só otítulo de "Campeões de Fute-boi" adquiriu a A. E. Mercea-na, mas os comandados de Ca-belo, apossaram-se brilhantemen-te da "Taça Disciplina", que lhesfoi conferida pela sua magnífi-ca conduta. Foi, de qualquer for-ma. e devido aos que deixou pie-namente evidenciado, o conjun-to Merceano o único que não so-freu o dissabor de qualquer ex-pulsao de campo, merecendo tãoorgulhoso título.

_^—Analisando os valores do "mais

querido da cidade" poderemosconstatar as suas boas, atuaçõesem nossas canchas, conquistan-

Crônica deWilsonAIis iar a

do vitórias retumbantes que ocredenciaram como o mais har-monioso conjunto da "Princesa

do Sertão" c o mais .temível ad-versario em todo o TriânguloMineiro:

Cruz — O já experimentado

guardião "esmeraldino" que atu-

ou em todos os joges, do pri-meiro turno com eficiência é umarqueiro estiloso que sabe comsuas catadas cativar "fans".

OARITO — Um jovem goleiroque apareceu no segundo tur-no. assombrando por suas es-ticadas espetaculares e pegadasincríveis. Um belíssimo porvirespera o elástico arqueiro.

nii.o — O veterano zagueiro

que no campeonato findo fez-nos lembrar os tempos de sua

juventude. Muito seguro, de efi-ciência ímpar.

miguel — Um zagueiro de re-cursos técnicos e de classe. E'

o mais completo zagueiro dacidade. Nele depositam todosos "fans" merceanos inteira con-fiança. E' o baluarte da equipecampeã de 1943.

% sant'clair -r- Médio que sa-be alimentar um ataque. Esfor-

Mm Ilustra

Propriedade da COMPANHIAEDITORA AMERICANA

Diretor: GRATULIANO BRITO

Endereço: Rua Visconde de Maran-guape, 15 — RIO DE JANEIRO — BRASIL

Telefone* — Direção, 22-2622. Redução, 22-4447. Administração, 22-2550— Endereço teleffrafico "REVISfA — Numero avulso, Cr. $ 1,00. Numeroatrasado, Cr. $ 1,20 — ASSINATURAS ^- Porte aimples para o Brasil e asAmericasi Ano, Cr. $ 42,00. Semestre, Cr. $ 22,00. SOB REGISTRO — Ano,Cr. $ 61,00. Semestre Cr. $33,00. EXTRAN0EIR0: Ano, Cr. % 133,00. Semes-tre, Cr. $$ 67,00. Sucursal em SIo Paulo: Rua D. José de Barros, 323. Te-lefonr, 4-7866. AGENTES EM TODAS AS CAPITAIS E PRINCIPAIS CIDADES DO BRASIL,REPRESENTANTES: ESTADOS UNIDOS DA AMERICA DO NORTE, S. Knopp & C.«,Times Building, New York City; ÁFRICA ORIENTAL P0RTUQUEZA, D. Spanos.Caixa Postal 434, Lourenço Marques; URUGUAI, Moratori & Cia. Cona-tituyente, 1746, Monteridéo; Sucursal na ARGENTINA, "Inter-Prensa"Florida, 229, Buenos Aires. Este numero coneta de 20 paginas.

¦¦ B'.'- >vflflsflfl flfltwm- M-êm K -íflmVflflflflsIK^ * „v ,BfcJ BW jÉÉrfi^BÍ Ms

^flj flflt^fl^ MMk ÊMM MML'^^mm MMmfmm Mè WmT SI BBM4aaH BbV ¦¦MM HbbmI ¦ vfl L

ÀLõv- 'HsssW^Cl^^Tfll mmt'J 'iflr* flflKsm*.*

¦fly^M Pf^Sfl ^f Cv.^^%^ JlflflHm^iy*>m\ mt **mmMmm\ ^jSr JtflTflimw¦ -".'SfRtwB m^^r- .•¦v-i .r?. ^^ ííivmmi

fl^w^J ' •• Êy '-,%, .fl};'.-ufSflfiS^^^^^^^^^i^B¦^*M j. ..> «í \%\ jlm - I^MK ' ¦'¦•- ' jw «J1IPB Mbbk ¦*"mw:-: '*-••¦", $^k ^vi ¦ '¦- >¦¦ ' > ''^«e-t^h H

I BW .''~ •'. si' ¦' ' *• '.«^ ' .•¦ *-¦¦'•'^vji^M '.:'i¦ á v"ssísVaiffl| I¦flViflflfl -^Vflflr -. .R>... v y.-*v f-f*"'^ Vifli

flflflflflpB"¦.'.''f'.:'t \'0---r ' -'"^fl •''¦' ^' rf:>y".f<flj^Lm Ifltl^flflY ^'":^ *Jebbm '¦'''¦¦ ¦ tB ¦¦

AL 4 '''Ti ''i*>jflfc.' ^^asM"¦ :-< l ',^4mW ^MBâfl

BiíBlflflL^ '"i*5i£.'' '' - ^. •¦¦afl^fl-. ^Êm\fil BB^m^isa El EB Nfl-*^j flB flU bmhí BjBpfll Bê^^SI HB*.' I» h'9 SiH' '• ¦J-nfl fl&fl KLfl B,)!H Hfâi

¦¦ flflK - —flfll BoB flfl?x^^^fll

fl fl/flj fl * '"¦¦ 'fl fll '-^fll Bsll fll

^B^Ms^sflfl ^B*^'^/fll H^* ^fflfl

M "'/fll B ;'fl ¦m Tm mf m bbt^^m m m mhm <<^m h ^mM- Mu MM MM M" .'.tM M<: ¦ tm MBBBBBBBBBS M< Âm M ¦ -B M fl M-''«ãM M °fl flHflflflflflflflfl -flH flflr flfll mm) -fll flfll ¦ IHfl bbbv>iI1 H 'fll

flflp ' '• ^MMMMMMMMMMMMMMMMMM flsl ¦¦ hflflflflflflflfl fl flflr?N^fl flfl)' ':'flfl|

flfll Bfl %^*mÍÀmÊ $ '¦ .^flflHflflflflflflflBflflflflflBWflBMBflPTglIW^ ^flJBKj

çado. é o ardoroso defensor alvi-verde um de nossos melhores mé-dios, senão o melher.

joXo — Centro-médio que setornou o mais perfeito de nos-sas canchas. Suas cabeçadas "es-

petaculares são como autênti'cos chutes que manda como au-xílio ao ataque.

valtiniio — Outro médio for-midavel, de eficiente marcação,senhor de potentíssimo

"pele

taco", tendo conseguido seis ten-tos no transcurso do certamefindo

bosambo — Veloz ponteiro quetem o privilégio de ser muito fí>sicamente avantajado.

farnezi — O malabarista quenosso publico está acostumadoa aplaudir. E' incansável e sabepuxar uma linha.

Jogador de defesa e de ataque.cabelo — Perigoso comandan'

te de ofensiva que teve a sua con-sagração no recenvfindo certa-me, por seus gols de rapidezincrível.

buandXo — Aí está outra i'ê>velação do nosso futebol. O ga-

roto conta apenas 17 anos e iá

pinta os2tecom as nosssi<.s defe-sas. O rapaz é mesmo endiabra-do c possue uma técnica inveja-vil. Sabe com seus passes ma-

gistrais eletrizar a assistência.Um futuro dos mais belos lheestá preparado.

LÓGICO — O ponta esquerdaMerceano é impetuoso e muitomalicioso. Senhor de um fortechute c escapadas fulminantes,6 Lógico o melhor ponteiro es-

querdo da cidade.

Aí está pois, o que é o esqua-drão glorioso da A. É. Mercea'na que se sagrou galhardamen-te "Campeão Uberabense de Fu-tebol em 1943".

Números atrasados destaRevista em Pernambuco

PEDIR A

A. MADALENARua 7 de Setembro, 128

RECITE

Page 16: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

¦ ¦ ' .

'.x'Í' ***"

6.* Ano - ESPORTE ILUSTRADO - N.« 307

A que devem os mineiros0

16

m

24 de fevereiro de 1944

...

A SUPREBAGIA DA AQUÁTICA JUVENIL?A quinta vitória consecuti-

va dos pequenos nadadores im-neiros no Campeonato BraSi-leiro Juvenil de Natação pro*movido pela Confederação Bra-si.eira de Desportos, e reaüsa-do no domingo, dia 13 de Fevereiro na magnífica piscina de 50metros do Clube de Regatas Gua-nabara. veio deixar muita gen-

* te pensando no motivo a que oEstado de Minas Gerais devea sua supremacia na natação in-faríto-juvenil brasileira.

Esse foi o 6° campeonato bra-sileiro realísado sob os auspíciosda entidade máxima, e somen-te o primeiro não foi conquistado pela garotada da terra mon-lanheza, justamente o Estadode Minas Gerais, que não possuindo porto de mar. onde na-turalmente se forma o gosto pelanatação e com a freqüência das

> praias e banhos de mar. se ades-tram inicialmente os futuroseméritos azes das piscinas.

Ha formado hoje cm dia. o con-ccito. que é justamente as praiasque prejudicam a eficiência dosnadadores recordistas de tempo.

Entretanto os que se iniciamnas piscinas, o fazem na maioria cm água doce. parada, c sobos olhos argutos de técnicos es-pecialisados. c cuja idéia impe-rante. c o ápuramento de per-feição técnica c velocidade, vi-sando a conquista de futuros "as-

tros".

Daí um ponto de partida ini-ciai para o inquérito.

Será justamente por não pos-suir praias que a garotada mi-ncira. se iniciando certo nos mo-vimentos natatórios, nas vintee tantas piscinas das "Praças deEsportes "Minas Gerais", ad-quirc essa supremacia técni-ca que a tornou "primus interpares" cm cinco campeonatosseguidos ?

Mas desejo ajuntar á série deperguntas que se pode formu-lar a respeito dessa eficiência,os seguintes conceitos:

PRIMEIRO: Sendo todos os con-currentes originários do mes-mo país. no caso. brasileiros na-tos. racialmente essas criançasnão podem diferenciar umas dasoutras, portanto, morfologica--mente semelhantes na espécieracial, não residindo aí, as ra-zões de diferença de eficiência,

De Djalma de Vincenzi, doConselho Técnico de Des-portos Diversos da CD.D.

já constatada, em um períodode cinco anosl

segundo: E' Publico e notorio que o governo do Estado deMinas Gerais, coopera de for-ma perfeita e grandemente lou-vável com os desportos amado-res, haja vista a construção devinte e seis praças de esportes"Minas Gerais" em todas as sé-des de circunscrições adiuinis-

Mas o mérito do governo mi-neiro vai muito mais longe.

Estão" a serviço dos d:spor-tos mineiros, a fina nata dos té-cnicos desportivos brasileiros.Não irei citar nomes, mas afir-mo que São Faulo e o DistritoFederal, têm cedido ao MinasTênis Clube, — a mais com-pleta e perfeita organisação des-portiva da America do Sul —,os mais competentes e dedica-dos técnicos em diversas moda-lidades de desportos e educa-ção fisica.

Para quem realmente se pre-ocupe com os fenômenos edu-cacionais da nossa raça. somen-

nas Tênis Clube, 42 nadadores;Centro de Cultuna Fisica de Ube*raba, 22; Varginha Tênis Clu-be, 14; America futebol Clu-be, 14; Esporte Clube Juiz deFora. II; Clube Atlético Minei-ro. 9; Uberlândia Tênis Clube,8; Uberaba Tênis Clube. 8; Cam*buquira Tênis Clube, 5; Paráde Minas Tênis Clube. 5; Mon-tes Claros Tênis Clube. 4.

Realisado o campeonato, acontagem foi essa: l.° lugar. Mi-nas Tênis Clube. 319 pontos; 2.°lugar. Centro de Cultura Fisi-ca de Uberaba. 182 pontos; 3.°logar, Varginha Tênis Clube,68 pontos; 4.° lugar, America Fu-

r

feBBBBBBBBa^^-^ BB bbb JbI BBÉBX?*mà BBMBÍBr B B'!B^ /A * ^^ Bfl |^B^^ ^BBBBBBm^^m^mm^mmm^^^Mmw,.^mmmwWm^PMt^jnm^mmWW'*-^m^~Jmm^.^m-^Ê3r'-Smm^..\ Wm^^l ^ ^^^»».-%^^ BL3 BL-jB mm%>f^7^fr MM bL 4&bV&./miM^rrm s Irr* ** .mm\ bM WmYTr, -jpV^aàfl jSjfàkAi ELbmIbkB^bI KH Bfl*U.J' '~m\. »/ TH BB^vBB BB E, BB> jà ^mmmmm^wtWC^mm ¦BB^BBBBBBBBBBK * i. * mmmm .^m

•a/ BBE&3 Mm lh*^'^Bf^>^fcTi^HwBB^BBflfflÍBBBBBBBBBB^'—^*—^-. —^WB* - ^V^^^bBJ Bifl-fl BbbB B"B Bi

i %J*.J y ^^^BkJBJBJrT^jPIBNB^BBLifl IfsUP^iBTÁaBT vfl/Bl¦¦—-—I^^—mmmmmmmmmmmm^^^^ ' _ " .^^™. ¦¦#^Jr3l.*flBWi9S^T m^L. BtflB^^B^WraBt^J^fc^^****^%y*BBWBBBBWB^WBBBlBBBBBBBBl^flBfc

mm§ ÉTbB fcb* S^^flB^KPBBf^Bggg—*b—bbbJ fl^

*^

(^'^^v^Kljij^v ^W3 ILflÉÉ^E^C Lr^flliJB^B^E^piS b^cI HJ0*bb^BjcJBwV^fBBV^'r ^¦'B>^EB mSk * J^Br^>*rc*jFjjEr ^^T^v^!?*lPiiV *^a » -BM Bb Bb^-tL JÊJm3 V vmu ^ ^mm9jmW-tJtmm ¦¦^MBBBm^*^ff^^Sr^^^^^^'^T^?^BT^WMMBnííBbpiC <BB»Bfc«^-» ¦»»mmt. m^mmmmmYÊÊMlMtlTimmmmmvma*Msmm*m^ii- ~^Bi *' ' • # ' 1SI ||• ~^ ^ ^^k^mmmmmmWm,m'*P1^BfZl^^W^^Tm^E^*^mmmmmmWm^^m'*m^^^^^^mr ^"l* J*a^ãirf*B>- B*£<i ** «¦¦»*- ji - BB^BBBB— wmw^m> "^MmmmmmmWmTfmm^mmmWm^m[ mM.f—^^miCmmL^. f' éLl^KÂ^T* % * jL^mmJum BB BBB^BI^Zmm»¦•^BCÍ^ ^^mMHBBBBBBBBI ¦BBBB>^^^B^^_~__k. i^M&t. ¦mvBBJBBB 7 BBk BBW Br Bk m.^mmm%r ^ ¦ 3 • àB^BBBBl I BBB I - ¦ ^^^^

PJ—W^mm^' _ • ,^BHF*M*^^Bi JBB^^IBi ji*l. ^Vt*.4Ht> «S ^mmmmmwmnmSmm B '* *\_.^B

^¦P^Z BJjBB^^TPT ^^^BU^hBlBBBB^BB Efl ^B íbI BBB^. ^k^ã ^^JBflBk—. ^B^WI

BBBB- M BB ^^B^fljBBBBBBBBBBBpB^B^Wra^* r ''"¦'JBbP^BK-T.>, Ijt^mP* 1 BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBbIKl^bbbbbbjbhbbbbp^ Ss-^sl' -.jMÈPmmX. MJm\ BbbbbBBbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbB> "''" --;*¦* jé^bVb ^bIbbbB bbBBr _&^^^bbbBkL-B^BbHb^b1

BbbéZp *_A^r^Bí^BfeMlBlB Br^BI

UM ASPECTO MAGNÍFICO DE UMA DAS ALAS DO CLUBE DE REGATAS GUANABARA. ONDE FOI REALISADO 06. CAMPEONATO BRASILEIRO JUVENIL DE NATAÇÃO CONQUISTADO. AINDA UMA VEZ,

PELA GAROTADA DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

vfiBB

• fffliaB'•i'^^BB

Éi¦&&M

1 j ^mH

'.33b|

«

;|jfl

trativas do Estado, mas tem idoalém. pois vai sempre atenden-do as solicitações dos esportis-tas de outras localidades comojá aconteceu com Cambuqui-ra. e agora com Araguari, ondeha dois dias passados, discur-sando junto as quadras de te-nis do clube local, afirmou que'atendendo ao apelo formuladopelo desportista Snr. BeneditoPimenta, o governo mineiro iriamandar construir na cidadde uma"Praça de Esportes "Minas Ge'rais" e como é sabido, em todasessas praças ha também umaótima piscina. E' assim que ogovernador Benedito Valadaresprotege os desportos amadoresno interesse eugênico das po-pulaçoes de todo o Estado.

te louvores deve merecer a açãodo go\êmo mineiro que se es-quecendo um tanto do espor-te-espetáculo. dá todo seu apoio,especialmente á natação infante

•juvenil, fator preponderante paramua melhoria de Índice racial,em ambos os sexos

terckiro: O 3." Campeona-to Juvenil de Natação do In-terior de Minas, foi realisado em19 de Dezembro na cidade de

Pará-dc Minas. Uogo após a suarealisação a comissão técnicada Federação Aquática Minei-ra. classificou 142 nadadores paradisputarem o 6." CampeonatoJuvenil do Estado no dia 26 deDezembro, na piscina do Mi-nas Tênis Clube. A „classificaição obedeceu a esta ordem: Mi-

f

tebol Clube. 57 pontos; 5.° lu-gar. Esporte Clube Juiz de Fora.47 pontos; 6.° lugar, Clube Atle-tico Mineiro. 34 pontos; 7.° lu- \gar,* Uberlândia Tênis Clube, i25 pontos; 8.° lugar, Uberaba "JTênis Clube, 22 pontos; 9.° lu-gar, Pará de Minas Tênis Clu-be. 20 pontos; I0.u lugar. Mon-tes Claros Tênis Clube, 14 pon-tos; e II.0 lugar. CambuquiraTênis Clube, 11 pontos. *-*'!

Agora, no certame realisadodomingo na piscina do Guana-bara, a contagem final de pon-'tos alcançados pelos represen<tantes das quatro entidades con-correntes ofereceram o seguin-te panorama: l.° lugar — Cam-peã — Federação Aquática Mi-neira, com 293 pontos; 2.° lu-

Page 17: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

%. i*^5"" 9 ws

'Pj*^*''

S ^» ^j

^Égif mS•WV:

+M^r*

- t»«***;

V V

!»aB8PBB9J8pfSPjB^'

A GAROTADA MINEIRA QUE PELA QUINTA VEZ TRIUNFOU NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE NATAÇÃO.

gar — Vice-Campea -r Pedera-ção Metropolitana de Natação.242; 3.° lugar. Federação Pau-lista de Natação. 221;. e ém 4olugar, Federação Aquática do.Rio Grande do Sul, 44.

Para que seja possível aos es-tudiosos, tirar conclusões, se 'é

devido à existência de piscinasespalhadas por todo o Estado,que advem a eficiência do con-junto mineiro, ofereço aos lei-tores. o resultado por clube, quemotivou os 293 pontos da es-petacular vitória da garotadamineira* Minas Tênis Clube, 171

^.ylfvvi • '•'*'•:< *". ''h"*t... JnM I - "•'t.'.-*''*í•'.»-' - • i £-*$? %' ' •-*•

^mÉIÉÉlf^'i4s^. 's '^íPB '•''"•' ''';"'*^1?9»^kh ^^" '^'Áv^-mf--

w-'; :'WTFB 9 ' I iiiriWpp^' '^M 9' -'. w*^-':.vv-..,.<Agl EBiMÉÉ^!Épp9p9paL^9«2^99p9H 9B3É»p»^^^^^^T999r-' ' 9J lk'.. " *^f 99 * w K9 9

!í^R

PPiw^pl pf'•'•' V^5-. -J |^^' '¦•¦" : ^^/Af/_j*J9 F^jjPB^it^aSrwlHi^Fn^pl pV ~^99mV ^t^9h H9l '^'"' -****¦¦¦? *J^?^.'T1S^^B1 ppCrliTSpp^lfffc^M

¦- 19&iw*' #Jli^PlSHr ^P. P^^<¦¦ . ^^Pl Pa •' VI^^B? iVjMPPjPj Vj.i'!^iv''.{!-« ¦/*- m m^^^m ^k. '¦ ,«m ^ . .'i.--»iMjf.

||H I ; MBB F

9. 99; ^'9 K^fl^".«9

: '¦ií^jm/*^^^ .' '.¦'¦'¦ ^ .¦'Sr- "fi,", ¦:.'.¦" :'Í >•..'-""¦• • •*¦"':-'*

OS TRÊS GAROTOS DO VARGINHA TÊNIS CLUBE. GILBERTO R.FROTA. EDILBERTO A. R. PAIVA E RONALDO C. R. PAIVA, QUE

MARCARAM 26 PONTOS PARA MINAS.

pontos; Centro de Cultura Fi-sica de Uberaba, 59; VarginhaTênis Clube, 26; America Fute-boi Clube, 18; Clube Atlético'Mineiro, 8; Pará de Minas Te-nis Clube, 5; Esporte Clube Juizde Fora, 4; Uberaba Tênis Clu-be. 2.

quarto: Não sei com segu-rança se chegou ou passou de500 mil cruzeiros as despezas ori-undas com o preparo físico dagarotada selecionada e manti-da em Bello Horisonte desde De-zembro. Sei entretanto que mui-tos valores reais para a conquis-ta de pontos, principalmente en-tre os elementos femininos, pormotivos diversos, não puderampermanecer na concentração, eque naturalmente ou possível-mente, dariam ainda, mais ai-guns pontos ao conjunto. Essaconcentração perfeita, em su-cessão aos campeonatos ,do in-terior e do Estado, com assis-tência rigorosa de corpo ciini-

DESPERTE n BILISDO SEU FÍGADO

I Saltará ia Cana Dltptala para TodoSeu fígado deve produzir diária-

mente um litro de büis. Se a bilis nãocorre livremente, os alimentos nãosão digeridos e apodrecem. Os gasesincham o estômago. Sobre vém a ori-sio de ventre. Você sente-se abatidot como que envenenado. Tudo oamargo e a vida 1 um martírio.

Uma simples evacuação nao toca-rá a causa.Neste caso.as Pílulas Cartersão extraordinariamente eficazes.Fa-tem correr esse litro de bilis e vocêsente-se disposto para tudo. São» sua-ves e, contudo, especialmente indi-cadas para fazer a bilis correr livre-mente. Peca as Pílulas Carter. N2daceite outro produto. Pr«ço: Cr. $ 3,00

sNNX\V\AWlli/VvV^p<-SABONETE DE

REUTER

teu uiilllll 11

'^^BH999bBÍ

Esse algo Intangívelque se chama formo-sura é o que todamulher ambiciona. Abase é uma cutls deli-ciosamente asselada.Üse diariamente o

SABONETE DEREUTER

para conse-gull-a.

IIIIIHIMII

co, dosando alimentação vita-minosa, e técnicos do quilate dosque possue o Minas Tênis Clu-be, formam também um dos maissólidos degraus do êxito obtido.

quinto: A solidai iedade dogoverno mineiro, tendo á fren-te o próprio governador Bene-dito Valadares, que incentivamoral • e pecuniariamente, cer-tamente muito influirá na po-sição que a aquática mineira mi-rin conquistou atravez de umconjunto de medidas justas ebem planejadas, pois visa antesde mais nada, servir á raça e aoBrasil, trabalhando pela juven-tude, tornando fortes e saúda-veis os pequenos desportistasde todo esse grande Estado queé Minas Gerais.

Entretanto se me fosse dadoresponder a própria perguntaque formulo, e que serve de ti-

_,tuJo_a. .esse.comentário, diria ape-nas:"— Ernesto Dornellas.

../ .-¦m,

aMM» _. ¦

Page 18: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

¦

BflflMr

v

;.'

1 ¦'!'.!lÁ-;

ai^a^«ã«BBBBflflBPflfll flPflv- ^^Bpfl. flP««BáBflHr',¦¦-_ j i- *'.. - .-' '-^'f ....... . F." »'<.'' '. ..-:.»¦— ¦;-. ...V- .. _-. r_ ...

6.0 Ano - ESPORTE ILUSTRADO -- N>. 307

ANC. A. LAJEO rubro-negro

de LagesFundado por um grupo de cn-

Uísiastas do desporto bretfio, sur-

giu cm Lages, Santa Catarina,mais um clube. E como que a ga-ranlir-lhe um futuro auspicioso anovel agremiação tem as mesmascores do C. R. Flamengo. Aq*uivemos o esquadrão do Clube Alie-tico Lajeano no dia de sua mau-gu ração oficial, cm 9 de Janeiroultimo, constituído por Gerson,Cert, Nica, Cclio, Dalmo (de pé),CnrUnhos, Tinira, Saloio, Mascote,Túlio, Alfrcdinho e Alceu (ajoc«Ihados).

;, ***&

\^mW'm

A^"

A semana num minuto...-$> Os gaúchos serão candidatos ao Campeonato bra-

r.ileiro juvenil de natação cm 1945. afirma Euzébio Queiroz-

<$> A atleta chilena Lore Zcppeilus alcançou 39.10 mts.no arremesso de disco, registrando um novo recorde sul-americano.

<$ Lowell derrotou Primo por k. o. técnico, no IIo.cm peleja travada em Lima. -

$. O Botafogo F. R. terá como mascotte. cm 1945.uma cabra toda preta com i;ma listra branca, oferecidapor um associado.

•$• -- Não será realizada a revanche Fluminense x S. Paulo,embora fossem veiculadas noticias nesse sentido.

<& Florindo continuará no S. Paulo. Inespcradamen-te foram interrompidos os entendimentos com o Vasco. E'que o S. Paulo só conta com Florindo, no momento, paraa posição.

^ Affonsinho já renovou contrato com o Fluminense.

<fr O America F. C. presentemente cm S. Lourcnço.venceu o primeiro jogo. com o Vasco da Gama local, por 2x1.

<$ O Bonsucesso. jogando em Cruzeiro, empatou como campeão local, pela a contagem de 2 x 2.

*

& Vitorio Filcline foi o herói d% 18." Travessia de S.Paulo a nado.

<$> OS. Cristóvão derrotou o Sampaio, em S. Luiz doMaranhão, por 3 x 0.

<$> Começará em 26 de Março a temporada carioca deremo.

<$> O America F. C. levantou o Torneio de Aspirantesde 1943. ao vencer o Riachuelo T. C. por 34 x 28.

<$ Dois mil cruzeiros foi a gratificação dada pela F.M. F. aos seus jogadores pelo campeonato brasileiro de1943.

$> O Campeonato Carioca de Natação foi antecipa-do para 1 e 4 de Abril.

^> Abílio Pereira, volante do carro sinistrado na "Su-

bida da Montanha", foi eliminado por ter fraudado os re-gulamentos vigentes.

<$ A A. C. M. solicitou filiação á Federação Metropo-litana de Natação.

<§> OS. Paulo F. C. abateu o S. P. R. por 5x i. no Pa-caembú'.

18 24 d* Fevereiro de 1944

""¦y^àj. tt«M^ENEa«S^BflflBfli¦¦r>:'^WÉ%r-mm

."¦.;

Aí*

«¦3

" r*S

V-*~'-l

/* £V

... ... ,•* í#í

/

UM TENTO INFELIZ DELIVROU 0 FLUMINENSETERCEIRO REVEZ DOTrês a Três o resultado do ultimo jogo

em S. Paulo, contra o Juventus

SORDIDO

ANO

O Fluminense F. C. realizou,na noite de quinta-feira da ul-tima semana, o seu segundo ederradeiro jogo na capital pau-lista, medindo-se com o Juventus.

O cotejo andou de insucessoem insucesso. Sofreu um adia-mento. em conseqüência da chu*va, que antes de acirrar o inte-resse popular, arrefeceu-o. De-pois, o jogo com o S. Paulo F.C. não permitira que o tricolorcarioca estabelecesse confiançaentre os fans do futebol. Eo Juventus. esta é a nossa opi-nião. só desejou o jogo porqueaspirava vencer um quadro ca-rioca. Aliás, se esse foi o seu in-tento, só^ não o alcançou porqueSordi, num lance "negro, mar-cou contra o seu bando, pois atéentão perdia o Fluminense por3 x 2.

Já contra o S. Paulo F. C.nao obstante ainda evidenci-ando uma grande classe comoconjunto, ainda exibindo algode football acadêmico, o Flu-minense F. C. ficara muito a-quem das suas possibilidades.Contra o Juventus, então, fo-ram piores ainda as impressões.O esquadrão do Juventus. atu-ando com flama e vigor, che-gou, muitas vezes, a comandara contenda, subjugando, com-pletamente. os cariocas. A mar-cação defensiva falhou, conse-cutivamente, e o sistema de ata-que foi quasi deficiente.

Não se arrependeram, pois.os que não se abalaram ao cam-po para presenciarem o encon-tro. E os que lá foram, certa-mente, são os tais "infaliveis",

*e. por isso, é indiferente que vc-iam bom ou mau futeboll o queinteressa é ver os vinte e dois hcmens correndo atraz da pelotae ouvir o apito do juiz de quan-do em quando* como se este sedivertisse com isso... No fim estátudo bem.

A CONTAGEM

O Fluminense F. C. avanta-jou-se, no período inicial, porintermédio de Magnones e Tim,enquanto que Ferrari conquis-tava o único ponto de Juventus.

No período final Juan Car-los transformou a diferença emfavor dos seus e quando a contagem estava 3x2. Sordi mar-cou, Contra, o tento do empate.

os quadros

As equipes disputaram a pe-leja com a constituição abaixo:

fluminense F. c. — Batataes.Norival e Vicentini; Bioró. Spi-nelli e Bigode; Adilson, Magno-nes, Waldemar, Tim e Pipí.

juventus — Sant'Anna. Di-tão e Sordi; Moacyr, Celeste eNico; Ferrari. Juan Carlos, Os-waldo (depois Zabot), Paulo eZali.

Celeste e Spinelli foram ex-pulsos de campo no segundo tem-po.

ArbitrouEtzel.

regularmente João

A renda foi de Cr.$ 10.673,00...

*'l

' X

¦

¦. -:.,A>¦¦'• ífâí

•iaüís <-~. . íám . i .'.- a» .. -_ ,,

Page 19: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

mmWSÍ 24 de Kcvureiro de |V4" ,9 o.- Ano — KSPOKTE ILUSTRADO — N • 31)7

;"'

^Mm\ flBk^^. ül BI Bb^^^v'^ * "ülljm mm. m^^H ¦BÜÈte. •-'a'*»^flflflflflflflflflflflflflflflB vHÉfll Bfl^^BflflBflfll BflyL *.A;->Ai fl ' Bfll fliitfi ¦ v «rlfb^bB flfll ÜbV"^

Bt*^* ^^^^flfl^B."*^..- flfl

BB ^flflflB WW V BB

¦¦¦V-^Bflflflflflflflflflflflflflflflflflflfl^flfli^flflr* AflflflflflHBa BflV flk ^^ flB^fll ¦¦'^¦Br^P^^^^flflk^^ ^^^Bl BflB ^Àm\

BV^B^^ Bfl^BBBflBflBB^B^B^BflJflflflflflflflflflflBIfl^^ JBjBV^. fl ETT jfl12 ^ LflflO^ r^flà \J kfl^^i«^ÉMh. ^£ BmI Bflflfll BBB^-h;(,^feyA flB^Bfc fl PflF flflflfl flWB^_ . ¦flHHHHHHHW^HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH' \w^^^ -flflíttiwvB^^^^^^^^^^^^^^flflflflfli ^^^Bfll Bfl HBt 9*^ A\ fl BBk. ^flí^flfl

Bh^^tJB *flflflHHflV BBk^Bl Bfl^juJ^*.* ****** ^^^^L\ ^S ^^bBB Br flfll Bh^^Bl ^r^^flflML Bfl IP^fl 'v> .jiÉÉfi»' ' ^J àW I^^^^^^^NP^fl- js^fliBflflfll flB BLiMáJM F^^ Htt^t B^ik fl **^JBflL*^?vT «* —^BfljH tBSí%1?* BflflHflBflflfl ^P^^H ^^ B ¦'fl

BflHBã*B^flHHHflPflflflV ^flhjajM^f BflL.' ^jy flBBBBBBBB^¦ M\'f'*vjxfl^oícBflBfllWflfllB3E^^8zSPB^ flfl BHB^Zm j1 ^fln HBT 'tftW. flBjK^p ; Br* ^^^B°B^I B^m. ^^B fl ' i' c _ t^mK ^^fjWCTri*i.'' fl BW ^ ^flB&. '*S2i*^^BBfl ?* ¦ — B

L fl^^BB ^^flBB'*^fl»^^flBflBfl mm^K^mW^&8sÊm fl Bi ^^P^t-^BB^^B^™ jp :flPm

í*^r*fl B> I B^a fl r Jí ''-"'' fi í1- A. II jfl A fl^mjpmmpimjr:^ í*i.^BMst 'B ^flr -J *-:íJmH ^^ Er» Bk «"BHB; Br BBBBB

^^ tB^> a BU ^^B wjSP^Jal^B Kit... B-. Jf-f!" BT tfr ^^M mtéÚMUmm BI ^^^^B* * mmmm^r w y fl JnM^rasaS * ^ ^^B>* & ^B flfll Bflflflflflflflflflflflr' flmmwW WW ^^h\ &fl> *j^ifr!R^fl fl*^^ fc- Ti» mmwT *í.- W^*P^^" ^BflB ^Bl^^^B^fl B^^fl B^^l ^^^h

* ^^ S ^^Bm ^^^r

« **^ bf ¦& BB ''*¦' ¦ ^flBB BBBBBBBBBBBBp' BBbI

^BT^fc. ^K *^ * 14mW*^'umtàmmm£^&£Lt'''* -- fl1 *« fl j** à. Bk * flfl ^^flfl 1flflflB1

*IEm á* B^^^S*^^ * ^^B\ ^ '*JÉr^'*' '& <^"-*iÊ *• ^^ "*''"** *^ ^ t ** * l^^^V íMm^ ^^M^MX ^Mv ^M^M^M^Mm^ tfafcWFl!£MÍwBBjI3B ^Bl jJ». . a-v'^lff :; ¦---* ^i*- Hfeít' '^ * WX ^f^ 3^B^^^B^^BL__4t

m flB I-' íi^S K * V T ^' ^^B 4~*jfl*k '^ |^^^ flj 5^ wmw ^

¦mj^^^^ fll ¦ - mBJhjÉÈi'''' fl^K'' . **mwtl?3& it ' j^;*¦:'" JB^ fll' 1

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^H^^^^^^^^fl^BBBflflflflflflflflflflfll^^flflflflflflW' ^^ fl I - '-fll fl flflB' _MmW^^ .^flflfllt^ ^ Á .^Br ^^ ikf^ fl^è& ^^ ^

^ ¦ *. ^\ A fll^Bfll \ *<-í*fB rUtfl flfl Bi a^^^. -»_ ^*B** JflBBflHfll^f fl V flB BflflW flflBflBflfl BkiLvfiBa HflfJXtfjYWflBl BflRíáflfll BflBflfl Bb flflflflflk^flfl^^M ^^flB]PHflfl|

^^ flBflBk ÀmV^L. Bflr fll flfll B, ¦ -dfli flBjB^XyflH BB Bflflfll Bk ^flfll HflÉÉM^a^M^.^¦Bflfl -4r^ Bflfl^flP flfl Bfl • H!9flfl BfliflflflBBfl flfl. flfl BW' flfl HflbtfflBBBM^»»^—m*P m. ^^Bi ^mMm K^g BT^^BI rflBflBHHHHHHB'- flHHHHHHHHHHHHHHHHHHBBBi

¦¦w ^k flB ^^^^^^^b flB^* ^V ^Bfl ^^t^mYir fl BVBB

WmLW Bfl ^Ly JI *^^tP^ ^flBflflflflflflflflflflV éÁ "jP Bd^B^Bfl^ ^Btf ABl k tP ^Bb\ 4 ^MMm ^BbI BflflM^^^B^HBW ^^^l.t*' ^BbI Bbjl ^^^

*¦ .r^m\ ^BB ¦ ^BbI ^^b b^B b^B ^^^^fli. ^fl^l HBuh 9^F

MUí^W Mmm^ m. vB- ^ ^1 fl ^1^1 ^1 flV 4fl ^^^ flB. ^ flflB mW flfl l flfl flfll flflflflflflflflflflflflflflflflflBT flL-^fl^flB^^'' < Bfl flfl *JflB; flÃT ^MBr'm_. / ^B** Jb* * ^ flfl fll flfl flfl «r<B "fl ^B»4

^B. ^\r^ %%-mm** BL>. BB Br* BV Aflflflflflflflflf Abm F ». ^BW «ri BB <? abk aé• ¦k <^* IflBt v ^^p m^^áv^Mu BV Bbt Bfl Bfl BV BBBB s « V ^^ ? ^H Bfl ^B« iF Jf ¦

* flfl _mm W Mm m fl B BflB. . <f Mt mm. 4. fll fl * ^SWf :^BW ^*^.^Bk ^BB ^.^^flB Br flfll BB flfl BB flfl B flflflB JM. ^flBm flB ^^fli flfl BB ¦* áár -Jm Jêl K' mrmmmmt^ ^^H ^mm mw Mm mW* mm ¦ ^B I ^^B àM ^ 1 9* mw^mw mm _^m\ w m +\ mr mm ^^BTB flB fl B^ .flflflflfl» ^^ fl fl«J flfl* 4v. Àflk*% • *4r

,j*^j BVi^ffi Bflr /Zflj 'fl\r ***-^- BflflBflBB " Jflfll Bfl B Bflr ^"^ fl |v \^-' l3^ y^w^iw ^^Lw BV *^^^^^ív'-'Í^^^^á?^ w$$i' ^h^^^'^

fl] Jw w dSk mam~ m*8íi'¦'-¥ Ám\ JSSmm^ fl flJfii^í marJH» BViU wSrJÈÈÈÈr ¦' m/riiiii' ^.^^WflBBfl^^Sfcí- aüfll WJE^fl^^j^^j^^^jai^^Jiil^:m[ Jm mwJm ¥ tm ¦ fl' JSBrEÈ fl w\^gir È. ' jr • v<S ^T v^ flaflB@Mi ~wW'\ m\wm''^í^\ fl!LLüjMLj,

B- B^^/l flr/fl B^nj ''^':- ^*?C^~fl i^jfl#^ [v*:^ ^ \ t5^flHflV^Y# f?'''^W' '¦jFS ¦ 4 * ¦^'¦¦'w''-'lj0^ '^ÍsJh .^r W^S^j,

fl ET " "' V'/* .^flflflflflfl^ A:';':^C»/ : I / r Ur^ * - CT^i ¦::': fl flT^^C -*^ ^^¦¦f^*fa^^ _^ ^mmvÉÊk^H^^^^^^^^^^^B ' -^i- - -v *.' 'JjIkBB Bjp ^^ ^t'". _j^ ' ív. /.' m '¦ w ,J^ ''^B^ÉttíÉB^B ^BBv -r'vv>jy^yy BjbI BBjBBBJ^Hy^ffSfflj^B^rSrr^i^^MfcjJff^jBI B13B«kvvhí

^^BflHP^ tittmmr*^ 2r *> í^SBbb^ iàwb W\' ;-4^í?^Bj *imw&M\sTÊMfwÊíí'^¦BBr^^ **- ^'"i • ' • ^Ç»# I '* *% '" /&i".-':'m ¦¦¦¦-'"**¦ ' ^^B B*PfiMWn 'im^üi Hr"'"' Mmfv' jBj™*

A ofensiva dos clubes paulistas no mercado footbaüstico carioca assume todos os care.teristicos c'rs in-vestidas a.rre.zadore.s de Vatutme nas steppes russas. Uma cunha introduzido nas ííriHps do C Rnamengo originou uma brecha por onde a vanguarda, dos bandeirantes tenta consolidar posiçõesbem, deixamos, agora, de lado as comparações Uma noticia grata para os rubros-negros foi a que divulgou o novo contrato de Peracio. O companheiro de Pirillo e Vévc está preso ao clube mais querido do Brasilpor um compromisso longo e. como se vê. não foi tentado pelas propostas sigilosas dos emissários da Paulicéa.O famoso tank do quadro azul brasileiro na Copa do Mundo e o "tal" que decidiu, com seus ten-tos irremediáveis, o campeonato de 43 deixou visível o desejo de não trccár de camisa. Falou nos Peraciorecentemente, que lhe ficam muito bem as cores do Flamengo, que a casa é bôa... Pra que mudar?

'Comigo é assim: uma vez Flamengo, sempre Flaméhebl

Page 20: SS^ BfBT ^flfl Ml k 9memoria.bn.br/pdf/182664/per182664_1944_00307.pdf · __^^^¦^¦¦BBBSSBSEaBBVflBflllBlJVBV^BVflflflflfllflflflBbBLv^flsw Rbh. I .^bHCÍb1^^^^^Et!» BmW *~BF

.,,*.,.»,;«i--~-:

SÉsHErfl fl«RRHHk x

Xv

•'<¦•. SStóft.

''ip!**'»;^

F,4$>

SSKSç

*¦>» !í__l______t:

n__fi_St •

Hl* J

^fl— íí::X*;*kx.

'3f5Sr

O C. R. Vasco da Gama conquistou, em 1943. o título máximo do futebol carioca,representado pela posse da "Taça Eficiência". Este troféu representa um prêmioao melhor e mais eiiciente trabalho pelo íutebol guanabarino, desde o setor dosinfantis ao dos profissionais. Conquistando-o, o grêmio vascaino encerrou maisuma página brilhante de sua história no capítulo que começou com a ascensão

de Cyro Aranha à presidência.

_r if

_B_w HH_^_ . ..Mmm m

• ¦

'^^^é^^ay-^Kir • ••*

mmw-

__l -£ ^*^' i