wisc neuropsico

  • View
    308

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of wisc neuropsico

Paidia, 2002, 12(23), 113-132 UTILIZAES DA WISC-III NA AVALIAO NEUROPSICOLGICA DE CRIANAS E ADOLESCENTES1

Mrio R. Simes Universidade de Coimbra - Portugal RESUMO: Este texto pretende evidenciar os principais contributos da Terceira Edio da Escala de Inteligncia de Wechsler (WISC-III) para a avaliao neuropsicolgica de crianas e adolescentes. Alguns indicadores so objeto de explorao: Quociente Intelectual da Escala Completa, Quociente Intelectual verbal, Quociente Intelectual de realizao, discrepncia(s) entre QIv e Qlr, ndices Factorials, anlise por subteste,variabilidade inter-testes, formas reduzidas, avaliao do nvel de funcionamento cognitivo pr-mrbido, testes neuropsicolgicos e funes psicolgicas examinadas a partir da WISC-III. Neste contexto, so revistos alguns dos principais estudos com grupos clnicos de crianas com leso cerebral traumtica, cancro, espinha bifida, hidrocefalia, epilepsia. feita uma referncia breve ao futuro prximo da investigao relativa utilizao neuropsicolgica da WISC-III. Palavras-chave: WISC-III, avaliao neuropsicolgica, testes neuropsicolgicos, investigao, grupos clnicos. USES OF THE WISC-III IN THE ASSESSMENT NEUROPSYCHOLOGICAL OF CHILDREN IT IS ADOLESCENT ABSTRACT: The present paper aims to explore the main clinical contributions of the Wechsler Intelligence Scale for Children-Third Edition (WISC-III) of child and adolescent neuropsychological assessment. Some of the main studies about WISC-III uses on neuropsychological assessment are reviewed. This analysis implies some references about Full Scale IQ, verbal and performance IQ and Index scores discrepancies, profile analysis, short forms, relationships between WISC-III and neuropsychological tests, premorbid prediction strategies. Some research data regarding patterns of cognitive functioning and the sensivity of the WISC-III among children with clinical problems like traumatic head injury, cancer, spina bifida, hydrocephalus and epilepsy are also presented. Finally, a brief reference is made on some trends for future research with neuropsychological WISC-III usage. Key-words: WISC-III, neuropsychological assessment, neuropsychological tests, research, clinical groups. Um dos primeiros e principais objetivos da Baron (2001) recorda que a avaliao avaliao neuropsicolgica foi o de identificar suneuropsicolgica foi freqentemente considerada jeitos com leso cerebral distinguindo-os dos sujeicomo concluda sempre que inclusse uma medida tos normais, ou localizar leses estruturais cuja exisde inteligncia geral (QI), uma prova de realizao tncia se suspeitava a partir da interpretao dos paescolar, um teste de despiste da linguagem e, mais dres de desempenho numa prova constituda por ocasionalmente, um exame rpido da motricidade e testes diversificados (como as Escalas de Inteligndas funes perceptivo-sensoriais. cia de Wechsler). Ainda numa perspectiva histrica A Escala de Inteligncia de Wechsler para Crianas - Terceira Edio (WISC-III; Wechsler, 1991) nos nossos dias a principal referncia, a Artigo recebido para publicao em maro de 2002; aceito em maio melhor e a mais utilizada medida da inteligncia de de 2002 - Servio de Avaliao Psicolgica. Faculdade de Psicologia e de Cincrianas e adolescentes, encontrando-se agora em cias da Educao da Universidade de Coimbra. Rua do Colgio Novo, fase de aferio em pases como o Brasil (cf. 3001-802 Coimbra (Portugal), E-maii. simoesmr@hotmail.com1

2

114 Mrio R. Simes Figueiredo, 2000) e Portugal. Alm disso, trata-se de um instrumento sempre presente na avaliao neuropsicolgica. A sua aplicao constitui parte integrante na avaliao neuropsicolgica compreensiva de crianas e adolescentes (cf., por exemplo, Anderson, Northam, Hendy & Wrennall, 2001; Groth-Marnat, Gallagher, Hale & Kaplan, 2000; Lezak, 1995; Riccio & Reynolds, 1998; Spreen & Strauss, 1998). Neste plano Manga e Fournier (1997) advertem que a WISC-LLT foi construda como um instrumento de avaliao da inteligncia e no como uma medida do funcionamento neurolgico. No entanto, e apesar de no ser propriamente uma prova neuropsicolgica, a WISC-III amplamente utilizada em neuropsicologia e encontra-se mesmo entre os instrumentos mais freqentemente usados em avaliao neuropsicolgica (Horowitz, Schatz & Chute, 1997) sendo includa na maioria das avaliaes neuropsicolgicas peditricas (Donders & Warschausky, 1996a). Este fato sugere que se trata de uma prova til e essencial no processo de avaliao neuropsicolgica. Toda a avaliao neuropsicolgica deve comportar um exame das funes intelectuais verbais e no verbais. O ideal mesmo comear a avaliao neuropsicolgica com o exame da inteligncia atravs da utilizao de uma prova de referncia como o caso da WISC-III. Esta prova serve para estabelecer um padro de comparao intra e interindividual e permite identificar um nvel global de aptido cognitiva (ou uma estimativa do potencial intelectual) e, assim, verificar se um desempenho pobre num teste sugere a presena de um dficit cognitivo especfico ou, pelo contrrio, constitui evidncia de dficit intelectual generalizado. Atravs dos seus subtestes a WISC-III viabiliza uma primeira distino entre aptides ou funes psicolgicas, proporcionando um ponto de referncia para o exame das funes corticais superiores. Neste contexto, a WISC-III serve para orientar as hipteses sobre as reas de disfuncionamento cognitivo e para a escolha das provas complementares, com o objetivo de alcanar um diagnstico diferencial. Nas palavras de Riccio & Reynolds (1998) o recurso inicial a uma prova de avaliao da inteligncia como a WISC-III essencial para fornecer uma linha-de-base para interpretar todas as outras funes. A seguir avaliao do funcionamento intelectual global atravs da WISC-III geralmente necessrio considerar tambm outras funes neuropsicolgicas e perspectivar a utilizao de provas neuropsicolgicas mais especficas. No modelo do teste de hipteses (Anderson & Gilandis, 1994; Saling, 1994; Walsh, 1994), os testes selecionados para um segundo momento de avaliao devem ter em considerao as reas cognitivas fortes e fracas evidenciadas pela criana na WISC-III e o modo como o perfil de aptido pode interagir com as exigncias colocadas criana em casa e na escola. Riccio e Reynolds (1998) defendem que devem ser avaliadas todas as aptides, ou pelo menos a maior parte das aptides cognitivas e das aptides de processamento de informao de ordem mais elevada, relevantes para a escolarizao da criana. Todavia, isoladamente, o exame da inteligncia no responde a muitas das necessidades da avaliao neuropsicolgica, uma vez que, como referem Anderson, Northam, Hendy e Wrennall (2001), a identificao do nvel intelectual no proporciona informaes relativamente a muitos aspectos do funcionamento que so relevantes para a funo do Sistema Nervoso Central (SNC). Alm disso, o QI observado em crianas com vrias perturbaes do SNC encontra-se freqentemente dentro da amplitude mdia. Isso significa que os testes de QI podem constituir um indicador insensvel a vrias disfunes neuropsicolgicas comuns e insidiosas justificando o recurso inevitvel a testes neuropsicolgicos mais especficos. Que interpretaes acerca do funcionamento neuropsicolgico podem ento ser viabilizadas a partir da aplicao de provas de inteligncia como a WISC-III e qual o seu grau de utilidade? O propsito do presente texto justamente o de analisar os contributos e as circunstncias de utilizao da WISC-III no contexto da avaliao e investigao neuropsicolgicas. Uma forma de responder a este objetivo pode passar pela anlise dos principais indicadores e potencialidades que esta escala de inteligncia proporciona: QIEC (Quociente Intelectual da Escala Completa), QIv (Quociente Intelectual verbal), Qlr

Utilizaes da WISC-III na avaliao Neuropsicolgica 115 (Quociente Intelectual de realizao), diferenas entre QIv e Qlr, ndices Fatoriais, resultados em subtestes isolados, recurso a Formas Reduzidas, estudos com grupos clnicos especficos. Quociente Intelectual Convm comear por referir um dos significados neuropsicolgicos da avaliao da capacidade intelectual atravs de uma escala de inteligncia como a WISC-III. Na investigao em neuropsicologia, a identificao preliminar do QI funda uma das precaues metodolgicas atualmente mais valorizadas na constituio de grupos clnicos. O exame normativo de funes como a linguagem, a memria ou a ateno requer, freqentemente, o controlo da varivel QI, sendo habitualmente exigido um QIEC > 85 (ou, mais raramente QIEC > 80) e a excluso de psicopatologia (ansiedade, depresso, distrbio da conduta), perturbaes neurolgicas (como epilepsia, tumores cerebrais, sndroma Gilles de La Tourette, neurofibromatose ou paralisia cerebral) ou dificuldades de aprendizagem. A avaliao neuropsicolgica, implementada atravs do recurso a provas mais especficas, requer habitualmente a observncia prvia dos mesmos critrios mnimos de QI. A indicao do QI necessria para um diagnstico rigoroso, para o prognstico e a reabilitao vocacional. No entanto, o QI pode no ser o indicador mais til numa interpretao clnica especfica. Neste plano, o interesse da WISC-III assenta, igualmente, na possibilidade de comparao entre o QIv e o Qlr. Fletche, Levin e Butler (1995) referem que muitos estudos comprovam a este respeito que nos casos de leso cerebral traumtica mais provvel encontrar um decrscimo nas medidas de inteligncia no verbais do que nas tarefas verbais. Outros parmetros de interesse na WISC-III radicam na obteno de um padro de resultados individuais em vrios subtestes, na conseqente identificao de um perfil cognitivo e na sua correlao com problemas neurolgicos, sem esquecer a anlise de caractersticas qualitativas do desempenho. Variaes nos resultados dos testes podem ser atribudas a variveis que no o verdadeiro nvel de aptido subjacente. QIv, Qlr, discrepncia(s) entre QIv e Qlr H investigao que relaciona o desempenho na WISC-III com a localizao da disfuno cerebral. Alguma evidncia de natureza correlacionai, no co