Click here to load reader

Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa · PDF fileLíngua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa Matemática Instruções para a realização da prova Neste

  • View
    309

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa · PDF fileLíngua...

Lngua Portuguesa e Literaturas de Lngua Portuguesa Matemtica

Instrues para a realizao da prova

Neste caderno voc dever responder s questes das provas de Lngua Portuguesa e Literaturas de Lngua Portuguesa (questes de 1 a 12) e de Matemtica (questes de 13 a 24).

A prova deve ser feita a caneta, azul ou preta. Utilize apenas o espao reservado (pautado) para

a resoluo das questes.

Cada questo vale 4 pontos. Ser eliminado o candidato com zero em qualquer uma das provas da 2 fase.

Ateno: nas questes que exigem clculo, no basta escrever apenas o resultado final.

necessrio mostrar a resoluo ou o raciocnio utilizado para responder s questes.

A durao total da prova de quatro horas.

ATENO Os rascunhos no sero considerados.

ASSINATURA DO CANDIDATO

ORDEM INSCRIO ESCOLA SALA LUGAR NA SALA

NOME

VESTIBULAR NACIONAL UNICAMP 2011 2 FASE LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS DE LNGUA PORTUGUESA MATEMTICA

1

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

1. A comunidade do Orkut Eu tenho medo do Mesmo foi criada em funo do aviso bastante conhecido dos usurios de elevadores: Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar. a) Explique o que torna possvel o jogo de palavras Mesmo, o manaco dos elevadores usado pelos membros

dessa comunidade. b) Reescreva o aviso de forma que essa leitura no seja mais possvel.

(Adaptado de http://www.orkut.com.br/Main#community?cmm=525458. Acesso em 20/12/2010)

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

2

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

2. Quando vitaminas atrapalham

Consumir suplementos de vitaminas depois de praticar exerccios fsicos pode reduzir a sensibilidade insulina, o hormnio que conduz a glicose s clulas de todo o corpo. Temporariamente, um pouco de estresse oxidativo processo combatido por algumas vitaminas e que danifica as clulas ajuda a evitar o diabetes tipo 2, causado pela resistncia insulina, concluram pesquisadores das universidades de Jena, na Alemanha, e Harvard, nos Estados Unidos. Desse estudo, publicado em maio na PNAS, participaram 40 pessoas, metade delas com treinamento fsico prvio, metade sem. Os dois grupos foram divididos em subgrupos que tomaram ou no uma combinao de vitaminas C e E .Todos os subgrupos praticaram exerccios durante quatro semanas e passaram por exames de avaliao de sensibilidade da glicose insulina antes e aps esse perodo. Apenas exerccios fsicos, sem doses adicionais de vitaminas, promovem a longevidade e reduzem o diabetes tipo 2. Ao contrrio do que se pensava, os resultados negam que o estresse oxidativo seja um efeito colateral indesejado da atividade fsica vigorosa: ele na verdade parte do mecanismo pelo qual quem se exercita mais saudvel. A concluso clara: nada de antioxidantes depois de correr. (Adaptado de Quando vitaminas atrapalham. Revista Pesquisa FAPESP 160, p.40, junho de 2009.)

a) Por se tratar de um texto de divulgao cientfica, apresenta recursos lingusticos prprios a esse gnero.

Quais so eles? Transcreva dois trechos em que esses recursos esto presentes. b) O experimento em questo concluiu que as vitaminas atrapalham. Explique como os pesquisadores

chegaram a essa concluso.

3

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

3. os dicionrios de meu pai

Pouco antes de morrer, meu pai me chamou ao escritrio e me entregou um livro de capa preta que eu nunca havia visto. Era o dicionrio analgico de Francisco Ferreira dos Santos Azevedo. Ficava quase escondido, perto dos cinco grandes volumes do dicionrio Caldas Aulete, entre outros livros de consulta que papai mantinha ao alcance da mo numa estante giratria. Isso pode te servir, foi mais ou menos o que ele ento me disse, no seu falar meio grunhido. E por um bom tempo aquele livro me ajudou no acabamento de romances e letras de canes, sem falar das horas que eu o folheava toa. Palavra puxa palavra e escarafunchar o dicionrio analgico foi virando para mim um passatempo (desenfado, espairecimento, entretm, solaz, recreio, filistria). O resultado que o livro, herdado j em estado precrio, comeou a se esfarelar nos meus dedos. Encostei-o na estante das relquias ao descobrir, num sebo atrs da Sala Ceclia Meireles, o mesmo dicionrio em encadernao de percalina. Com esse livro escrevi novas canes e romances, decifrei enigmas, fechei muitas palavras cruzadas. E ao v-lo dar sinais de fadiga, sa de sebo em sebo pelo Rio de Janeiro para me garantir um dicionrio analgico de reserva. Encontrei dois, mas no me dei por satisfeito, fiquei viciado no negcio. Dei de vasculhar livrarias pas afora, s em So Paulo adquiri meia dzia de exemplares, e ainda rematei o ltimo venda na Amazon.com antes que algum aventureiro o fizesse. Eu j imaginava deter o monoplio (aambarcamento, exclusividade, hegemonia, senhorio, imprio) de dicionrios analgicos da lngua portuguesa, no fosse pelo senhor Joo Ubaldo Ribeiro, que ao que me consta tambm tem um, qui carcomido pelas traas (brocas, carunchos, busanos, cupins, trmitas, cries, lagartas-rosadas, gafanhotos, bichos-carpinteiros). Hoje sou surpreendido pelo anncio dessa nova edio do dicionrio analgico de Francisco Ferreira dos Santos Azevedo. Sinto como se invadissem minha propriedade, revirassem meus bas, espalhassem aos ventos meu tesouro. Trata-se para mim de uma terrvel (funesta, nefasta, macabra, atroz, abominvel, dilacerante, miseranda) notcia. (Adaptado de Francisco Buarque de Hollanda, em Francisco F. dos S. Azevedo, Dicionrio Analgico da Lngua Portuguesa: ideias afins/thesaurus. 2 edio atualizada e revista, Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.)

a) A partir do texto de Chico Buarque que introduz o dicionrio analgico recentemente reeditado, proponha uma

definio para esse tipo de dicionrio.

b) Mostre a partir de que pistas do texto sua definio foi elaborada.

4

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

4.

a) Nessa tira de Laerte a graa produzida por um deslizamento de sentido. Qual ele? b) Descreva esse deslizamento quadro a quadro, mostrando a relao das imagens com o que dito.

5

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

5. Gramtica

Composio de Sandra Peres e Luiz Tatit (Palavra Cantada)

O substantivo o substituto do contedo O adjetivo a nossa impresso sobre quase tudo O diminutivo o que aperta o mundo E deixa mido O imperativo o que aperta os outros e deixa mudo

Um homem de letras Dizendo ideias Sempre se inflama Um homem de ideias Nem usa letras Faz ideograma Se altera as letras E esconde o nome Faz anagrama Mas se mostro o nome Com poucas letras um telegrama

Nosso verbo ser uma identidade Mas sem projeto E se temos verbo Com objeto bem mais direto No entanto falta Ter um sujeito Pra ter afeto Mas se um sujeito Que se sujeita Ainda objeto

Todo barbarismo o portugus Que se repeliu O neologismo uma palavra Que no se ouviu J o idiotismo tudo que a lngua No traduziu Mas tem idiotismo Tambm na fala De um imbecil

a) Nessa letra de msica so atribudos sentidos s classificaes gramaticais. Escolha duas delas e explique o

sentido explorado, justificando sua pertinncia ou no. b) Nas duas ltimas estrofes, h um deslocamento no uso de 'idiotismo'. Explique-o.

6

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

6. Entre Luz e Fusco Entre luz e fusco, tudo h de ser breve como esse instante. Nem durou muito a nossa despedida, foi o mais que pde, em casa dela, na sala de visitas, antes do acender das velas; a que nos despedimos de uma vez. Juramos novamente que havamos de casar um com o outro, e no foi s o aperto de mo que selou o contrato, como no quintal, foi a conjuno das nossas bocas amorosas... talvez risque isso na impresso, se at l no pensar de outra maneira; se pensar, fica. E desde j fica, porque, em verdade, a nossa defesa. O que o mandamento divino quer que no juremos em vo pelo santo nome de Deus. Eu no ia mentir ao seminrio, uma vez que levava um contrato feito no prprio cartrio do cu. Quanto ao selo, Deus, como fez as mos limpas, assim fez os lbios limpos, e a malcia est antes na tua cabea perversa que na daquele casal de adolescentes... oh! minha doce companheira da meninice, eu era puro, e puro fiquei, e puro entrei na aula de S. Jos, a buscar de aparncia a investidura sacerdotal, e antes dela a vocao. Mas a vocao eras tu, a investidura eras tu. (Machado de Assis, Dom Casmurro. Cotia: Ateli Editorial, 2008, p. 195-196.) a) Em que medida a imagem presente no ttulo desse captulo de Dom Casmurro define a natureza da

narrativa do romance? b) No emprego da segunda pessoa, no h coincidncia do interlocutor. Indique duas marcas lingusticas que

evidenciam essa no coincidncia, explicitando qual o interlocutor em cada caso.

7

Resoluo (ser considerado apenas o que estiver dentro deste espao).

RASCUNHO

7. Potica I

De manh, escureo De dia, tardo De tarde anoiteo De noite ardo A oeste a morte Contra quem