Jornal outubro 2015

  • View
    248

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Jornal outubro 2015

  • Virgem me Aparecida! Nossa Padroeira! Nossa Intercessora!

    Nossa me, com infinito amor!Me de tanta bondade, que nas nossas aflies, nos traz a paz!

    Nas nossas dores, nos colocamos em teus braos e sentimos a teu conforto e proteo!Quantas vezes, no desespero, encontramos o teu olhar sereno, que nos acalma!Quando nos vemos sem sada, sem direo, vemos sua mo estendida, que nos faz sentir

    acolhidos e fortalecidos!Quando nos colocamos diante de ti, a paz acalma e tranquiliza nosso corao!Virgem Santa protetora! Protegei nossa famlia!Iluminai nossos passos!Estendei os vossos braos, sobre o povo sofrido! E ajuda-nos a seguir o caminho de teu

    filho Jesus Cristo, para que possamos viver verdadeiramente como irmos, para que haja mais compreenso, mais fraternidade, mais f!

    Que o teu exemplo, nos seja inspirao para vivermos o mandamento maior de Deus, o amor!

    Para vivermos como famlias fortalecidas na f! Nossa Senhora Aparecida, cobre-nos com teu manto sagrado, nos conceda sua proteo! Rogai a Deus por ns!

    Ilze Cavallaro Bertin

    MENSAGEM DO MS

    Queridos irmos em Cristo, Esse ms, somos chamados a ser missionrios: Ningum tem amor maior

    do que aquele que d a vida por seus amigos! (Jo 15,13). A essncia da Igreja ser Missionria e por esse motivo, toda comunidade crist convidada a renovar seu

    compromisso batismal.Que em a nossa misso, busquemos sermos um testemunho vivo de Jesus no meio

    do mundo, verdadeiros discpulos e missionrios, como nos pede a Igreja do Brasil neste ms de outubro.

    Peamos a intercesso de So Francisco e Santa Terezinha do Menino Jesus para que tenhamos f e esperana para vivermos a vontade que Deus deseja para cada um de ns.

    PASCOM

    A S

    emen

    tePa

    rqu

    ia S

    o Jo

    sB

    raga

    na

    Paul

    ista

    / SP

    Ano

    X -

    Edi

    o n

    104

    - O

    utub

    ro/2

    015

    EDITORIAL

    NESTA EDIOPgina 2

    Pgina 7

    Pgina 8

    Pgina 3 e 4

    Pgina 5 e 6

    Cajado do Pastor e Palavra do Papa

    Coluna Jovem, Reflexo eArtigos Diversos

    Outros Artigos e Cantinho da Crana

    Dizimistas Aniversariantes, Convites e Agenda

    Aconteceu na Matriz e nas Comunidades

  • Queridos amigos paroquianos e fiis de So Jos, vocs j pararam para pensar que em pleno sculo XXI, o nmero de cristos perseguidos caminha para se igualar a de sculos passados? O mundo est sen-do testemunha do surgimento de uma nova gerao de cristos mrtires. Segundo clculos do socilogo David Barret, um cristo assassinado a cada cin-co minutos, um dado que os coloca no topo dos gru-pos mais perseguidos do mundo. No que seja um problema novo, pois os seguidores de Cristo foram perseguidos desde o tempo dos Apstolos. Aqui no Ocidente tendemos a nos esquecer de que o martrio cristo no apenas um fenmeno do passado. Isso acontece em pases que vo desde a frica, como a Somlia, a Eritreia e o Sudo, at o Sudeste asitico e o Extremo Oriente, o que inclui a China e, entre ou-tros, partes da ndia, da Indonsia e do Vietn, sem esquecer, de passagem, das ilhas Maldivas, no Pa-cfico, onde o culto cristo, incluindo casamentos e funerais, proibido. Os cristos tm medo de falar da f at mesmo dentro de casa. Na ditadura laica bru-talmente repressiva da Coreia do Norte, dezenas de milhares de cristos esto presos em campos de tra-balho por causa de crimes como ter uma bblia ou ir para a igreja. Sobreviventes relatam que os prisionei-ros so torturados e to mal alimentados que cerca da metade morre de desnutrio. Os cristos persegui-dos esto espalhados por todo o planeta. E o que ns realmente podemos fazer? No h soluo fcil para as circunstncias polticas que tornam a vida to insu-portvel e a morte violenta uma ameaa para muitos cristos do mundo. Mesmo assim, h organizaes que fazem esforos heroicos para ajudar os cristos perseguidos. Manter-nos informados tambm ajuda, porque nos permite entender quando que a presso ocidental consegue fazer a diferena.

    Devemos nos sentir honrados pela coragem dos nossos irmos e exercer pelo menos o privilgio de rezar por essas comunidades crists que sofrem pro-vaes to intensas. Em sentido muito real, a luta deles tambm nossa. fcil nos sentirmos alheios ao problema da perseguio religiosa fora de nosso pas, mas no devemos perder de vista a real dimen-so espiritual e religiosa desses conflitos. Os cristos so odiados por razes que so centrais na sua f: a vontade de evangelizar, a recusa em negar a Cris-to mesmo em face de presso extrema, a insistn-cia na dignidade intrnseca da vida humana, inclusive nas suas formas aparentemente mais insignificantes. Os extremistas islmicos no apreciam esse tipo de resistncia. Nem os dspotas laicos. Se no Ocidente ns temos que lutar para manter a f no meio de uma cultura laica hostil, os cristos perseguidos nesses outros lugares tm de fazer sacrifcios muito maiores. So almas que entendem na prtica o que significa abraar a cruz perante uma oposio brutal. Quando as circunstncias no nos deixam oferecer a eles os necessrios alvios temporais, ainda podemos reco-nhecer e divulgar pelo menos a sua luta e sofrimento. Temos obrigao de diariamente em nossas oraes nos lembrar daqueles que renunciam s suas casas e at mesmo s suas vidas para se manterem fiis Verdade.

    Como disse So Jorge em duas ocasies quando questionado por Diocleciano: O nome principal que carrego o de ser cristo ... A verdade meu Se-nhor Jesus Cristo, a quem vs perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e Nele confiado me pus no meio de vs para dar testemunho da Ver-dade.

    Que So Jorge, o grande mrtir, interceda para que sejamos verdadeiros guerreiros na f. So Jor-ge, rogai por ns e por todos os cristos perseguidos! Amm!

    (Trecho do livro: O Poder do Santo Guerreiro)Pe. Jeferson Mengali - Proco

    A famlia nos salva da coloniza-o do dinheiro.

    Diante de uma sociedade admi-nistrada pela tecnocracia eco-

    nmica, necessria uma nova aliana do homem e da mulher para eman-cipar os povos da colo-nizao do dinheiro. Esta aliana deve voltar a orien-

    tar a poltica, a economia e a convivncia civil.

    Desta aliana, a comu-nidade conjugal-familiar do ho-

    mem e da mulher a gramtica gerativa. Deus con-fiou famlia no o cuidado de uma intimidade fim em si mesma, mas o projeto de tornar domstico o mundo.

    Propriamente a famlia est no incio, na base desta cultura mundial que nos salva; nos salva de tantos ataques, destruies, colonizaes, como a do dinheiro e a das ideologias que tanto ameaam o mundo. A famlia a base para defender-se.

    Tudo o que acontece entre o homem e a mulher deixa marcas na criao. Em concreto, o pecado original a rejeio bno de Deus adoeceu o mundo. Deus nunca abandonou o homem; no li-vro do Gnesis, a promessa feita mulher parece garantir a cada nova gerao uma bno especial para defender-se do maligno. Existem muitos cli-chs, s vezes ofensivos, sobre a mulher sedutora que inspira o mal. Ao invs, h espao para uma teologia da mulher que seja altura desta bno de Deus para ela e para a gerao!

    Cristo nasceu de uma mulher. a carcia de Deus sobre as nossas chagas, nosso erros e peca-dos. Mas Deus nos ama como somos e quer levar--nos avante com este projeto, e a mulher a mais forte a lev-lo avante.

    A promessa que Deus faz ao homem e mulher inclui todos os seres humanos at o fim da histria. Se tivermos f suficiente, as famlias dos povos da Terra se reconhecero nesta bno. Caminhando juntos, sem fazer proselitismo.

    2

    O CAJADODO PASTOR

    CRISTOS PERSEGUIDOS, VAMOS REZAR POR ELES?

    PALAVRA DO PAPA

    2

    Av. Antonio Pires Pimentel, 907 - Bragana Paulistasdomincontabil@uol.com.br

    Fone / Fax: (11) 4034-3049

    SOCONTABILIDADE

    JOO ROBERTO CERASOLI ADVOGADO - OAB 137.519 SP

    CVEL - FAMLIA - TRABALHISTAPREVIDENCIRIO

    FONES: 2277-6343 / 4033-0843 / 97384-3288 (vivo)

    R. JOS MATHIAS FARHAT SOBRINHO 11 - SALA 07 (EDIFICIO CAPITAL - AO LADO DA PADARIA VARANDA AMRICA - a 50 METROS DO FRUM)

    UNIMAGEMUnidade de Diagnstico por Imagem

    Rua Bahia, 342 Recreio EstorilAtibaia SP CEP 12944-060

    Ressonncia Magntica Tomografia ComputadorizadaMamografia Densitometria ssea Radiologia

    Ultrassonografia Angiografia Digital

    Fones (11) 4414-5029/5030Fax (11) 4412-3267

    22 de Outubro Dia de So Joo Paulo II O lema que o Cardeal Woytila, de Cracvia na Polnia, tinha escolhido era composto de duas palavras totus

    tuus, incio de um hino de louvor e splica a Santssi-ma Virgem Maria, a quem o Papa dedicara sua vida e a consagrou. Todo teu sou, Maria! Assim ele viveu e, quando sofreu o atentado que quase o matou na Praa So Pedro, era 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Ftima, a quem o Pontfice atribuiu a mo que desviou o projtil para que ele no morresse. Iniciou seu pon-tificado oficialmente no dia 22 de outubro, ocasio em que disse uma frase que se tornou o mote do seu papa-do: No tenhais medo! Abri, melhor, escancarai as por-tas a Cristo. No dia 2 de abril de 2005, vspera do 2 Domingo da Pscoa, o Domingo da Divina Misericr-dia, o Papa Joo Paulo II, homem de Deus e da Igreja, homem simples do povo, entregou sua alma a Deus, aps muitos sofrimentos fsicos e depois de quase 27 anos frente da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na frente da Baslica de So Pedro, junto ao corpo de Joo Paulo II, o povo aclamava Santo Sbito, isto , que ele seja declarado Santo j, agora. Santo Imedia-tamente. Foi beatificado por seu sucessor, Bento XVI, no dia 1 de maio de 2011. No dia 27 de abril de 2014, o Papa Francisco canonizou So Joo Paulo II. Sua festa comemorada no dia 22 de outubro, recordando o incio do seu pontificado.

  • XII Tarde com Maria - Domingo