MINISTÉRIO DA DEFESA DECEx - DETMil EXÉRCITO E... · uma volta pela praça para depois pegar a sessão

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MINISTÉRIO DA DEFESA DECEx - DETMil EXÉRCITO E... · uma volta pela praça para depois pegar a...

  • AOS CURSOS DE FORMAO DE SARGENTO

    MINISTRIO DA DEFESA DECEx - DETMil

    EXRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

    CONCURSO DE ADMISSO

  • ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMASPROCESSO SELETIVO AOS

    CURSOS DE FORMAO DE SARGENTOS 2011-12

    TEXTO DE INTERPRETAO

    Aprovo:

    _________________________Diretor de Ensino da EsSA

    Ela tem alma de pombaQue a televiso prejudica o movimento da pracinha Gernimo Monteiro, em todos os Cachoeiros

    de Itapemirim, no h dvida.Sete horas da noite era hora de uma pessoa acabar de jantar, dar uma volta pela praa para depois

    pegar a sesso das 8 no cinema.Agora todo mundo fica em casa vendo uma novela, depois outra novela.O futebol tambm pode ser prejudicado. Quem vai ver um jogo do Cachoeiro F. C. com o Estrela

    F. C., se pode ficar tomando cervejinha e assistindo a um bom Fla-Flu, ou a um Internacional x Cruzeiro, ou qualquer coisa assim?

    Que a televiso prejudica a leitura de livros, tambm no h dvida. Eu mesmo confesso que lia mais quando no tinha televiso.

    Rdio, a gente pode ouvir baixinho, enquanto est lendo um livro. Televiso incompatvel com livro e com tudo mais nessa vida, inclusive a boa conversa, at o making love.

    Tambm acho que a televiso paralisa a criana numa cadeira mais do que o desejvel. O menino fica ali parado, vendo e ouvindo, em vez de sair por a, chutar uma bola, brincar de bandido, inventar uma besteira qualquer para fazer. Por exemplo: quebrar o brao.

    S no acredito que a televiso seja mquina de amansar doido.At acho que o contrrio; ou quase o contrrio: mquina de amansar doido, distrair doido,

    acalmar, fazer doido dormir.Quando voc cita um inconveniente da televiso, uma boa observao que se pode fazer que no

    existe nenhum aparelho de TV, a cores ou em preto e branco, sem um boto para desligar. Mas quando um pai de famlia o utiliza, isso pode produzir o dio e rancor no peito das crianas e at de outros adultos.

    Quando o apartamento pequeno, a famlia grande, e a TV s uma ento sua tendncia para ser um fator de rixas intestinais.

    Agora voc se agarra nessa porcaria de futebol... Mas voc no tem vergonha de acompanhar essa besteira de novela? No sou eu no, so as crianas! Crianas, para a cama!Mas muito lhe ser perdoado, TV, pela sua ajuda aos doentes, aos velhos, aos solitrios. Na

    grande cidade num apartamentinho de quarto e sala, num casebre de subrbio, numa orgulhosa manso a criatura solitria tem nela a grande distrao, o grande consolo, a grande companhia. Ela instala dentro de sua toca humilde o tumulto e o frmito de mil vidas, a emoo, o suspense, a fascinao dos dramas do mundo.

    A corujinha da madrugada no apenas a companheira de gente importante, a grande amiga de pessoa desimportante e s. Da mulher velha, do homem doente... a amiga dos entrevados, dos abandonados, dos que a vida esqueceu para um canto... ou dos que esto parados, paralisados, no estupor de alguma desgraa... ou que no meio da noite sofrem o assalto das dvidas e melancolias... me que espera filho, mulher que espera marido... homem arrasado que espera que a noite passe, que a noite passe, que a noite passe...

    (Rubem Braga. 200 crnicas escolhidas. So Paulo: Crculo do Livro.)

  • dessa Escoladessa Escola

    MINISTRIO DA DEFESAEXRCITO BRASILEIRO

    DECEx DFAESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS

    ESCOLA SARGENTO MAX WOLFF FILHO

    EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAO DE SARGENTOS 2011-12SOLUO DAS QUESTES DE PORTUGUS

    Questo 1 (TODAS AS REAS)Depois de citar vrios exemplos de como a televiso pode prejudicar as pessoas, o narrador utiliza umafrase que revela seu real posicionamento. Essa frase :

    a) S no acredito que a televiso seja mquina de amansar doido.b) Tambm acho que a televiso paralisa a criana numa cadeira mais do que o desejvel.c) Mas muito lhe ser perdoado, TV, pela sua ajuda aos doentes, aos velhos, aos solitrios.d) Televiso incompatvel com livro e com tudo mais nessa vida, inclusive a boa conversa, at omaking love.e) Quando o apartamento pequeno, a famlia grande, e a TV s uma ento sua tendncia para serum fator de rixas intestinais.

    Bibliografia: CEREJA, William Roberto e MAGALHES, Thereza Cochar. Texto e Interao. 2edio, revista e ampliada. So Paulo: Atual, 2005.

    Soluo da questo (C)A afirmao inicia o penltimo pargrafo do texto com um conjuno adversativa, o que revela averdadeira viso do narrador.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoAs afirmaes fazem parte do primeiro momento do texto, em que a televiso ainda abordada por seusaspectos negativos.

  • (Fl 2/13 da Soluo das questes de Portugus do EI aos CFS 2011-12)

    Questo 2 (TODAS AS REAS)De acordo com a viso proposta pelo texto, pode-se afirmar que:

    a) Quem assiste televiso no precisa ler livros.b) S as crianas e os velhos perdem tempo vendo televiso.c) Os maridos s ficam em frente TV quando h jogo de futebol.d) A TV pode ser um meio de consolo para os solitrios.e) As mulheres s ficam em frente TV para assistir a novelas.

    Bibliografia: CEREJA, William Roberto e MAGALHES, Thereza Cochar. Texto e Interao. 2edio, revista e ampliada. So Paulo: Atual, 2005.

    Soluo da questo (D)nica alternativa que explica a viso do texto como um todo.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoAs demais alternativas so afirmaes que s tem por base uma parte do texto e no a viso apresentadapelo todo.

    (Fl 3/13 da Soluo das questes de Portugus do EI aos CFS 2011-12)

    Questo 3 (TODAS AS REAS)Apesar dos inconvenientes apontados, o olhar do autor para com a TV de:

    a) complacncia, pois ela paliativo para as dores do homem.b) muita simpatia, por ela servir de companhia aos solitrios, doentes.c) melancolia, pois, apesar dos malefcios, ela veio para ficar.d) indiferena, pois no a TV a causadora dos males do homem.e) antipatia, pelos prejuzos causados a crianas, jovens e adultos.

    Bibliografia: CEREJA, William Roberto e MAGALHES, Thereza Cochar. Texto e Interao. 2edio, revista e ampliada. So Paulo: Atual, 2005.

    Soluo da questo (A)Ao ler o texto at o final, o leitor consegue compreender que o tema principal do texto o lado positivoda televiso.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoAs demais alternativas mostram vises parciais do texto.

  • Questo 4 (EXCETO REA MSICA)O recurso sonoro utilizado na composio de poemas que consiste na repetio de um mesmo fonemaconsonantal :

    a) Assonncia. b) Aliterao. c) Paronomsia. d) Paralelismo. e) Rima.

    Soluo da questo (B)A aliterao a repetio constante de um mesmo fonema consonantal.

    Bibliografia: INFANTE, Ulisses. Curso de Literatura de Lngua Portuguesa. 1 edio. So Paulo:Scipione, 2001.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoa) repetio de um mesmo fonema voclico.c) o emprego de palavras semelhantes na forma e no som, mas de sentidos diferentes.d) a repetio de palavras ou estruturas sintticas que se correspondem quanto ao sentido.e) um recurso musical baseado na semelhana sonora das palavras no final do verso.

    Questo 5 (EXCETO REA MSICA)Os textos dramticos podem ser definidos como aqueles em que:

    a) a voz narrativa est entregue a um narrador onisciente.b) uma voz particular manifesta a expresso do mundo interiorc) uma voz particular pertence a um personagem que conta a histria.d) a voz narrativa est entregue s personagens.e) a voz narrativa exalta os feitos de um povo e de um heri.

    Bibliografia: INFANTE, Ulisses. Curso de Literatura de Lngua Portuguesa. 1 edio. So Paulo:Scipione, 2001.

    Soluo da questo (D)Os textos dramticos so feitos para serem encenados, portanto a voz narrativa est entre aospersonagens que contam a histria por meio de dilogos e monlogos.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoa) esta proposio caracteriza o narrador de um texto em prosa.b) esta proposio caracteriza o eu lrico de um poema.c) esta proposio mistura o narrador com o eu lrico e vice e versa.e) esta proposio caracteriza o narrador de um texto pico.

  • Questo 6 (TODAS AS REAS)Assinale a figura de linguagem que consiste no emprego de um termo por outro, dada a relao desemelhana ou a possibilidade de associao entre eles.

    a) Metfora b) Hiprbole. c) Catacrese. d) Sindoque. e) Antonomsia.

    Bibliografia: FERREIRA, Mauro. Aprender e Praticar Gramtica. Edio Renovada. So Paulo: FTD,2003.

    Soluo da questo (D)Chama-se de metonmia ou sindoque a figura de linguagem que consiste no emprego de um termo poroutro, dada a relao de semelhana ou a possibilidade de associao entre eles. Definio bsica: Figuraretrica que consiste no emprego de uma palavra por outra que a recorda.

    Justificativas das alternativas que no respondem a questoa) Metfora uma figura de linguagem que consiste na comparao de dois termos sem o uso de umconectivo.b) Hiprbole ou auxese a figura de linguagem que incide quando h demasia propositada num conceitoexpressa, de modo a definir de forma dramtica aquilo que se ambiciona vocabular, transmitindo uma idiaaumentada do autntico.c) Catacrese a figura de linguagem que consiste na utilizao de uma palavra ou expresso que nodescreve com exatido o que se quer expressar, mas adotada por no haver uma outra palavra apropriada- ou a palavra apropriada no ser de uso comum.e) Antonomsia uma figura de linguagem caracterizada pela substituio por um nome de umaexpresso que lembre uma qualidade, caracterstica ou fato que de alguma forma identifique-o.

    Questo 7 (TODAS AS REAS)Identifique a opo em que todas as palavras esto grafadas corretamente:

    a) Marquize contagio espontneo jil estiagem.b) Herege obsesso assessor - trapzio laje.c) Agiota lambugem cocheira casulo congesto.d) Pesquisar analizar sintetizar popularizar - sensibili